Realize suas metas em 2024! Acesse o ebook "Da meta ao investimento" e conheça os melhores investimentos para realizar seus objetivos.

21/12/2023 11:05:39 • Atualizado em 22/03/2024 15:56:27
27 minuto(s) de leitura


Bolsa de Valores: o que é e como investir

Embora seja conhecida pela negociação de ações, a Bolsa de Valores oferece diversas opções para quem deseja investir e construir riqueza a longo prazo.


Compartilhar:
mulher concentrada pesquisando em seu laptop como investir na Bolsa de Valores

A Bolsa de Valores é um componente fundamental do mercado financeiro, desempenhando um papel importante no crescimento econômico por meio de alocação de capital e na facilitação de negociações de ativos financeiros.

Para muitas pessoas, a Bolsa de Valores é muito mais do que um ambiente de negociação, significa uma forma de ganhar a vida, se sustentar, garantir a independência financeira ou a própria aposentadoria.

A Bolsa de Valores pode representar um mar de oportunidades para você ganhar dinheiro com segurança, mas também envolve riscos que podem resultar em perdas significativas.

Este mercado dinâmico é influenciado por uma série de fatores, como notícias, eventos político-econômicos e mudanças globais. Por isso, para começar a investir na Bolsa de Valores, é necessário entender como ela funciona e quais são as estratégias mais utilizadas.

A partir disso, preparamos um artigo completo com tudo o que você precisa saber para começar investindo na Bolsa de Valores com maior confiança e segurança. 

O que é e como funciona a Bolsa de Valores?

A Bolsa de valores é um ambiente de negociações de valores mobiliários como ações, títulos, commodities, contratos futuros e outros produtos financeiros.

Ela funciona como um ambiente virtual, no qual empresas e investidores (individuais e institucionais) negociam a compra e venda de ativos financeiros de forma facilitada, transparente e segura.

No Brasil, a Bolsa de Valores é chamada de B3, responsável por criar e administrar os sistemas de negociação, compensação, liquidação, depósito e registro de diferentes classes de ativos no país.

Além disso, a Bolsa de Valores também desempenha funções relacionadas a:

  • Agente de custódia: consiste na guarda centralizada de todas as negociações realizadas, por exemplo, ao comprar um título do Tesouro Direto, a ela faz a guarda destes papéis em seu nome até a venda ou resgate;
  • Agente de clearing: consiste no gerenciamento de riscos das operações realizadas pelos investidores, por exemplo, quando você investe em minicontratos, há investimentos que podem servir como garantia, estabelecidos pela clearing.

Para entender melhor como funciona a Bolsa de Valores, você deve acompanhar o ritmo de negociações (pregão).

Na Rico, diariamente, os nossos analistas analisam o pregão para ajudá-lo a compreender a dinâmica do mercado financeiro e a identificar as melhores oportunidades para você investir.

No pregão, as operações são precificadas pelas expectativas dos investidores em relação ao mercado e ao valor mobiliário em questão. Você pode acompanhar e realizar estas operações por meio de um home broker.

História da Bolsa de Valores

Confira, a seguir, os principais marcos na história da formação da Bolsa de Valores brasileira:

  • 1890: Emílio Rangel Pestana fundou a Bolsa Livre, que encerrou suas atividades em 1891 por conta da política do encilhamento;
  • 1895: criada a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo;
  • 1896: Passou a se chamar Bolsa Oficial de Valores de São Paulo;
  • 1967: Passou a se chamar Bovespa, a Bolsa de Valores de São Paulo;
  • 2000: As ações empresariais passaram a ser negociadas na Bovespa;
  • 2005: Pregão ao vivo foi substituído pelo sistema eletrônico, a fim de agilizar e otimizar as operações do mercado financeiro;
  • 2007: Abertura de capital, ou IPO (Initial Public Offering) da Bovespa Holding, um consórcio de todas as corretoras de valores que operam na Bolsa;
  • 2008: Fusão entre a BM&F e a Bovespa;
  • 2017: CETIP e BM&F Bovespa se uniram e formaram a B3, visando englobar todos os valores mobiliários de renda fixa e variável e as respectivas operações.

O que é o Índice Ibovespa?

O índice Ibovespa (IBOV) consiste em uma carteira teórica das ações mais negociadas na B3, sendo considerado um benchmark da renda variável.

Este índice é analisado periodicamente, por isso, as ações que o compõem podem mudar, bem como os seus percentuais de representatividade. Segundo a B3, existem alguns os critérios para a seleção ações que compõem o Índice Ibovespa, como:

  • Estar entre os ativos que representem 85% em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN) (buffer 90%);
  • Ter sido negociadas em 95% dos pregões dos últimos 3 anos;
  • Movimentação de pelo menos 0,1% do volume financeiro do mercado à vista no mesmo período;
  • Não ter penny stock, ou seja, ações negociadas por valor abaixo de R$1,00.

Quais são os ativos negociados na Bolsa de Valores?

Mesmo que a Bolsa de Valores seja muito conhecida por conta das ações, há diversos outros ativos que são negociados, como:

Ações

As ações são os ativos mais procurados na Bolsa de Valores, pois representam pequenas frações do capital social de uma empresa. Então, ao investir nesses papéis, você está comprando parte de uma companhia, ou seja, você se torna um sócio e acionista.

As categorias mais conhecidas de ações ofertadas na Bolsa de Valores são:

  • Ações ordinárias: ofertadas sob a sigla ON, por exemplo, PETR3 é Petrobras ON. Basicamente, elas conferem direito ao recebimento dos proventos, poder de voto nas assembleias e tag along;
  • Ações Preferenciais: ofertadas sob a sigla PN, por exemplo, PETR4 é Petrobras PN. Estas ações oferecem prioridade no repasse dos proventos, que são maiores do que os das ações ordinárias. Em contrapartida, você não terá poder de voto.

Opções

Opções são instrumentos financeiros que permitem o investidor comprar ou vender um ativo a um preço pré-determinado em uma data futura específica. Existem dois tipos principais de opções:

  • Opções de compra (call options): confere ao investidor o direito de comprar o ativo subjacente a um preço de exercício (strike price) na data de vencimento, ou antes. Costumam ser comuns na época de alta do mercado.
  • Opções de venda (put options): confere ao investidor o direito de vender o ativo subjacente a um preço específico (strike price) na data de vencimento, ou antes. Costumam ser comuns na época de baixa do mercado.

Geralmente, as opções são utilizadas para fins de especulação, hedge ou estratégias de investimento, oferecendo aos investidores a possibilidade de lucrar com movimentos de preços.

Exchange Traded Fund (ETF)

O Exchange Traded Fund (ETF) é umfundo de investimento que tem como referência um índice do mercado financeiro.

Sua composição visa atingir rendimentos similares ao indicador utilizado.Por exemplo, existem ETFs referenciados no Ibovespa, replicando a carteira teórica do índice com as principais ações do mercado brasileiro.

Fundos Imobiliários

Os fundos imobiliários (FIIs) são um tipo de fundo de investimento que permite aos investidores aplicar em ativos relacionados a empreendimentos imobiliários.

Estes títulos de renda fixa permitem que investidores participem de empreendimentos imobiliários sem a necessidade de comprar propriedades.

Geralmente, a composição dos FIIs se concentra em Letras de crédito imobiliário (LCI), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) e Letras hipotecárias (LH).

Contratos futuros

Os contratos futuros consistem em derivativos padronizados e negociados em mercados futuros. Estes contratos estabelecem a compra ou venda de um ativo subjacente em uma data futura específica a um preço predeterminado.

Logo, independente do valor atingido futuramente, a liquidação do contrato se dará pelo valor determinado no momento da negociação. Além disso, é necessário ter uma margem de garantia para sustentar a operação até a data de vencimento.

Este tipo de investimento é comumente utilizado para hedge e especulação no mercado financeiro.

Quanto custa uma ação na Bolsa de Valores?

Não há um preço fixo para todas as ações na Bolsa de Valores. O preço de uma ação varia bastante e depende de vários fatores referentes à empresa, como: setor de atuação, desempenho financeiro, perspectivas de crescimento, entre outros.

Além disso, o preço de uma ação também depende da relação de oferta e demanda. Quando há mais investidores interessados em comprar uma ação, o preço tende a subir. Já quando mais investidores estão interessados em vender uma ação, o preço tende a cair.

Esse tipo de investimento também conta com taxas e tributos que variam conforme a instituição financeira. Dentre elas, existem a taxa de corretagem, que incide sobre as operações realizadas, e a taxa de custódia, que pode ser cobrada mensalmente.

A B3 faz a cobrança dos emolumentos, registro e liquidação da negociação, que equivalem a 0,0300% do total negociado para pessoas físicas e demais investidores.

[Ebook] Guia completo para investir em Agronegócio

Saiba como investir em um dos setores destaques da economia brasileira no cenário nacional e internacional.

Preencha seus dados e faça o download!

Enviando...

Ao prosseguir, você autoriza que a Rico colete seus dados pessoais de acordo com nossa Política de Privacidade. 

envio com sucesso

Agradecemos o download!

Aproveite as informações do material e descomplique a sua vida financeira com a Rico.

 

Download

Horários de negociação e fechamento da Bolsa de Valores

As negociações devem respeitar o horário de funcionamento da Bolsa de Valores, com abertura do pregão às 10h e fechamento às 17:55h, de segunda a sexta.

Antes disso, na pré-abertura que ocorre das 9:45h às 10h, são realizados os leilões da Bolsa de Valores, visando equilibrar os preços dos papéis antes da abertura do pregão.

Quando o preço de leilão é diferente da cotação de fechamento do dia anterior, existe um gap, considerado importante para as operações de day trade, pois os day traders aproveitam esse momento para identificar oportunidades de negociação.

Antes do fechamento do pregão, entre às 17:55h e 18h, ocorre o leilão de fechamento ou call de fechamento, no qual só podem ser negociados os papéis que fazem parte das carteiras da Bovespa.

Tanto o leilão de abertura como o de fechamento são abertos a todos os investidores, basta enviar uma ordem de compra ou venda durante os horários de negociação.

No after-market, que ocorre após a call de fechamento das 18:25h às 18:45h, as negociações continuam, no entanto, com regras específicas, como limitação de variação de preços em relação ao preço de fechamento do mercado regular.

Como investir na Bolsa de Valores: passo a passo

Investir na Bolsa de Valores é muito simples. Confira a seguir o passo a passo para você começar ainda hoje:

1. Conheça seu perfil de investidor

Antes de começar a investir, é importante conhecer o seu perfil de investidor. Este processo te auxiliará a identificar sua tolerância aos riscos e quais ativos são mais indicados para os seus objetivos.

2. Estabeleça objetivos financeiros

Antes de investir, é essencial estabelecer seus objetivos financeiros e os prazos para a realização. Para isso, analise a sua rotina e o mercado financeiro, pois ambos momentos devem ser favoráveis.

3. Abra uma conta em uma corretora de valores

Para realizar qualquer operação, é necessário abrir uma conta em uma instituição financeira autorizada a operar na Bolsa de Valores, como a Rico.

Após abrir sua conta, transfira o dinheiro a ser investido da sua conta bancária para a conta da corretora de valores por meio de TED de mesma titularidade.

4. Invista na Bolsa de Valores

Com sua conta ativa, entre em home broker. Em seguida, digite a sigla do ativo desejado e lance a sua oferta.

Assim que o preço da sua ordem coincidir com outra oferta, ela será executada e as ações virão para a sua custódia. Lembre-se de que o lote mínimo varia para cada ativo. Nas ações, ele é de 100 papéis.

3 corretoras para investir na Bolsa de Valores

A escolha da melhor corretora para investir na Bolsa de Valores depende de vários fatores, como: objetivos financeiros, perfil de investidor e a gama de serviços oferecidos pelas corretoras. Veja a seguir algumas opções disponíveis no mercado:

 1. Rico

A Rico está entre as maiores instituições financeiras de investimento do Brasil, apresentando um ótimo custo-benefício com uma das menores taxas do mercado, como corretagem zero em ações.

Na Rico, você pode investir de forma simples, segura e descomplicada. O nosso app e site, contam com produtos, serviços e conteúdos para que você fique por dentro de tudo sobre o mercado financeiro e comece a investir com mais segurança e autonomia.

 2. XP Investimentos

A XP Investimentos é uma boa opção tanto para traders iniciantes, quanto para os mais experientes, pois você pode a entender mais sobre as oportunidades e movimentos do mercado.

Diariamente, você conta com especialistas certificados operando ao vivo a partir das 9h00 e com analistas qualificados em suas salas ao vivo durante o pregão.

 3. Clear

A Clear, também uma empresa do Grupo XP Inc., é considerada uma das melhores opções para quem deseja uma plataforma de baixo custo, sem taxas de corretagem.

Além disso, a empresa conta com uma funcionalidade que permite ao investidor deixar ordens programadas para a abertura do pregão.

Para utilizar a funcionalidade, basta acessar o aplicativo da Clear, definir ativo, quantidade, preço, definir a compra ou venda e agendar a ordem.

Vantagens e riscos de investir na Bolsa de Valores

Antes de sair investindo na Bolsa de Valores, você deve conhecer as principais vantagens e riscos envolvidos nas negociações. Confira a seguir: 

Vantagens de investir na Bolsa de Valores

  • Facilidade: as negociações na bolsa de valores são totalmente online, ou seja, você investe o seu dinheiro no conforto da sua casa;
  • Rentabilidade: em renda variável, você pode ter ganhos expressivos com ações em tempo muito menor em relação a um investimento de renda fixa;
  • Acessibilidade: ao contrário do que muitos pensam, é possível investir na Bolsa de Valores com pouco dinheiro, tudo vai depender do tipo de ativo escolhido;
  • Se tornar sócio de uma empresa: esta vantagem costuma ser bastante atrativa, principalmente ao comprar grandes quantias de ações. Caso você tenha mais de 50% do total de papéis ordinários, há possibilidade assumir o controle da empresa;
  • Proventos: ao investir em ações, você pode receber os proventos, que por sua vez, são distribuídos sob forma de dividendos e Juros Sobre Capital Próprio (JCP), ideais para quem deseja viver de renda.

Desvantagens de investir na Bolsa de Valores

  • Risco: todos os investimentos podem possuir riscos de mercado, risco do ativo ou risco de liquidez. Por isso, é importante conhecer sua tolerância para identificar os melhores ativos para investir;
  • Consequências do mercado: o desempenho das ações é fortemente influenciado pelo mercado, que engloba cenários interno e externo do país. Em momentos de instabilidade em qualquer um deles, os papéis podem sofrer quedas no curto prazo;
  • Conhecimento: investir na Bolsa de Valores exige conhecimento, então, se você quer ganhar dinheiro, é fundamental entender a dinâmica do mercado financeiro, se manter informado e disposto a aprender novas técnicas.

Conclusão

Investir na Bolsa de Valores pode trazer ganhos expressivos, seja para investidores que buscam aumentar seu patrimônio ou empresas que querem captar recursos para financiar seus projetos.

Independente dos seus objetivos, a Bolsa de Valores é um ambiente dinâmico, que exige acompanhamento e conhecimento para a obtenção de retornos significativos.

Você pode aproveitar ao máximo as oportunidades que a Bolsa de Valores tem a oferecer, mas lembre-se que se trata de uma jornada contínua. Esteja preparado para aprender, se adaptar para alcançar seu futuro financeiro de sucesso.

Clique e abra sua conta na Rico