Realize suas metas em 2024! Acesse o ebook "Da meta ao investimento" e conheça os melhores investimentos para realizar seus objetivos.

06/12/2023 12:52:05 • Atualizado em 06/12/2023 12:52:07
14 minuto(s) de leitura


Circuit Breaker: saiba como funciona este mecanismo

O circuit breaker possui regras específicas que determinam quando e por quanto tempo as negociações serão interrompidas, com base no índice de referência.


Compartilhar:
painel de negociações exibindo percentual de quedas dos índices de diversas bolsas do mundo antes de um circuit breaker

A Bolsa de Valores é um ambiente dinâmico, onde milhares de transações são realizadas diariamente. Para isso, ela conta com diversos mecanismos para garantir a segurança das negociações e evitar grandes perdas no mercado financeiro.

Um desses mecanismos é o circuit breaker, responsável por proteger os investidores em períodos de volatilidade, no qual ocorrem quedas inesperadas no mercado.

O exemplo mais recente foi em 2020, no qual a Bolsa de Valores brasileira acionou o circuit breaker após o índice Ibovespa cair 10,02%.

Este cenário estava associado principalmente à redução do preço do petróleo internacional, em um cenário de disputa entre Rússia e Arábia Saudita e ao medo com o avanço do coronavírus, bem como seu impacto na economia global.

Foram dias consecutivos de queda acentuada nas bolsas de valores do mundo todo quando ocorria uma guerra no preço do petróleo e começamos a entender como se desenhava a disseminação da crise causada pela pandemia do coronavírus.

Nesses momentos de crise financeira, é importante entender que o circuit breaker age para garantir a estabilidade do mercado. Para isso, abordaremos neste conteúdo o que é circuit breaker, como ele funciona e quando ele é acionado.

Acompanhe!

O que é circuit breaker na Bolsa?

O circuit breaker na Bolsa de Valores é um mecanismo projetado para proteger os investidores quando há quedas bruscas nos preços dos ativos negociados.

Embora o circuit breaker seja um procedimento atípico, é importante que existam regras predefinidas para este tipo de situação, pois a dinâmica do pregão exige soluções rápidas. Não há tempo para pensar em um plano de ação em uma crise.

Assim, o circuit breaker é acionado para amortecer e rebalancear as ordens de compra e venda em momentos nos quais elas estão desequilibradas.

A ideia é que, paralisando as atividades por determinado período, evita-se que mais negócios sejam feitos por impulso ou medo. Espera-se, com isso, que as quedas sejam amenizadas quando o pregão voltar e ocorra um rebalanceamento do mercado.

Como funciona o circuit breaker?

O circuit breaker funciona por meio de critérios pré-estabelecidos, que determinam a paralisação do pregão por um tempo determinado quando a queda do dia atinge certo patamar percentual.

Segundo a Bolsa de Valores brasileira (B3), existem algumas regras para o acionamento do circuit breaker, sendo elas:

Estágio I

Ocorre quando o índice Ibovespa desvaloriza 10% em relação ao valor de fechamento do dia anterior. Nesse caso, as negociações são interrompidas por 30 minutos;

Estágio II

Ocorre reabertura das negociações e caso o índice Ibovespa atinja 15% de desvalorização em relação ao valor de fechamento do dia anterior, a negociação é novamente interrompida por 1 hora;

Estágio III

Ocorre reabertura das negociações e caso o índice Ibovespa atinja 20% de desvalorização em relação ao fechamento do dia anterior, pode ocorrer a terceira interrupção das negociações por um período definido pela própria B3 e divulgado em seus canais oficiais.

Por fim, vale destacar outra regra do circuit breaker: a interrupção não pode ocorrer nos 30 minutos finais da sessão de negociação do dia. E caso o circuit breaker seja acionado na última hora do pregão, haverá a prorrogação do horário de encerramento em no máximo 30 minutos.

O histórico do circuit breaker na Bolsa

Confira o histórico de circuit breaker na Bolsa de Valores brasileira e quais os fatores que levaram as paralisações das negociações:

1997

No ano de 1997, alguns países asiáticos como Malásia, Filipinas, Tailândia e Coreia do Sul  enfrentaram uma forte crise financeira, levando a uma queda acentuada de 10,4% na bolsa de Hong Kong no mês de outubro.

A bolsa brasileira sofreu os reflexos e houve circuit breaker em três ocasiões entre o fim de outubro e metade de novembro: 27 de outubro, e 07 e 12 de novembro.

1998

Em 1998, foi a vez da Rússia enfrentar uma forte crise econômica. Com isso, houve forte queda na Bolsa de Valores brasileira, que teve as negociações paralisadas em cinco momentos do ano, entre agosto e setembro: 21 de agosto, 04, 10 (duas vezes) e 17 de setembro.

1999

Em 1999, o país passava por um cenário de desvalorização do real e aumento da dívida brasileira devido uma mudança no regime cambial.

O Banco Central teve que negociar dólares no mercado futuro, o que resultou em queda no valor médio das ações da bolsa. O circuit breaker foi acionado nos dias 13 e 14 de janeiro.

2008

No ano de 2008, o mundo sofreu os efeitos da crise dos subprimes, resultado da queda do índice Dow Jones associado à concessão massiva de empréstimos hipotecários de alto risco nos Estados Unidos.

Os efeitos foram sentidos nas bolsas de todo mundo, sendo que aqui, foram seis os momentos em que o circuit breaker foi acionado em setembro e outubro: 29 de setembro, 6 (duas vezes), 10, 15 e 22 de outubro.

2017

Depois de um período bastante estável, o circuit breaker foi acionado novamente apenas em 18 de maio 2017, após a divulgação do áudio da conversa entre Joesley Batista, dono da JBS, e o então presidente Michel Temer, gravada pelo empresário.

2020

Todos os acionamentos foram registrados em março, nos dias 9, 11, 12 (duas vezes), 16 e 18. Apesar do coronavírus ser o assunto, houve outro fator bastante relevante para as quedas nas bolsas do mundo todo.

O desacordo entre a Rússia e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) gerou uma reação por parte da Arábia Saudita, um dos principais produtores mundiais da commodity: a redução no preço do barril e aumento da produção.

A queda de mais de 30% afetou mercados do mundo todo, e investidores de empresas como a Petrobras começaram a vender suas ações. O primeiro circuit breaker foi motivado na maioria por essa situação.

Já o segundo foi no dia em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez o alerta de que passaria a considerar o novo coronavírus como uma pandemia.

Pode ocorrer outro circuit breaker na Bolsa?

mulher com a mão apoiada no queixo e expressão pensativa sobre como o circuit breaker afeta as negociações. Na sua frente há uma mesa com laptop, uma caneca, porta-canetas, um vaso de planta, uma agenda e uma luminária.

Provavelmente, acontecerá novamente outro circuit Breaker na Bolsa, mas é impossível precisar quando.

O circuit breaker é um evento que não acontece com frequência, apenas em casos especiais, de grande volatilidade. Essa volatilidade pode ocorrer devido a diversos fatores, como você pôde ver no histórico, sendo impossível de se prever.

Diferença entre leilão de ação e circuit breaker

Além do circuit breaker, existe outro mecanismo que protege os investidores da Bolsa de Valores em momentos de acentuada oscilação, o leilão de ações.

Enquanto no circuit breaker as negociações são paralisadas, no leilão de ações, as ações são retiradas do pregão, porém continuam em negociação em um formato diferente.

O leilão de ações é acionado quando uma ação ou diversos ativos específicos apresentam volatilidade excessiva ou falta de liquidez.

Durante o leilão, com duração de 5 minutos, prorrogáveis por outros 5, as ofertas de compra e venda continuam sendo registradas. No entanto, as transações só são efetivadas quando os preços se encaixam, prevenindo o descontrole nos valores.

Além disso, o circuit breaker se baseia no índice Ibovespa para retirar dos pregões todas as ações, já o leilão tem como base o valor individual de cada ativo. O leilão é acionado quando:

  • Há uma oscilação (alta ou baixa) de mais de 10% no valor da ação em relação ao fechamento do pregão anterior, antes da abertura da sessão de negociações;
  • Há uma oscilação (alta ou baixa) de mais de 10% no valor da ação em relação ao fechamento do pregão anterior, durante sessão de negociações;
  • Há uma oscilação (alta ou baixa) entre 10% e 19,99% sobre o último preço da ação antes de ela entrar em leilão;

Conclusão

O circuit breaker é um mecanismo que pegou de surpresa muitos dos novos investidores brasileiros que passaram a apostar na renda variável. Contudo, como vimos, não há motivo para pânico.

O recomendado é manter a calma diante das oscilações do mercado e trabalhar sempre seu controle emocional diante às operações. Além disso, mantenha-se sempre informado e estude cada vez mais o mercado financeiro para se atentar aos movimentos.

Clique e abra sua conta na Rico