junho 4, 2018

COE: o que é Certificado de Operações Estruturadas?  

Combinar a proteção da renda fixa com a rentabilidade da variável é possível graças ao Certificado de Operações Estruturadas (COE). Ainda não sabe como funciona?

Trata-se de um tipo de investimento que pode diversificar sua carteira e trazer mais rentabilidade para você.

Neste artigo, você vai conhecer tudo sobre esse ativo que tem chamado a atenção de investidores que amam produtos com ótima relação risco e retorno.

Quer saber quando investir em COE vale a pena? Como declarar COE no IR? E quais são os tipos de operações estruturadas para investir?

Esse post foi construído para solucionar essas e outras dúvidas comuns sobre o COE. 

Veja os tópicos que vamos abordar:

Se tiver alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

Clique e abra sua conta na Rico

O Que é COE – Certificado de Operações Estruturadas?  

Entender o que é COE é muito simples. Trata-se de um investimento com ótima rentabilidade e baixo risco.

O pior dos casos acontece quando o COE não atinge o objetivo desejado. Mesmo nesse cenário, o investidor não perderá o capital investido.

O Certificado de Operações Estruturadas possui um propósito semelhante ao CDB, LCI e LCA que conhecemos. Ou seja, é usado para captar dinheiro de investidores para os bancos.

Em resumo, você estará emprestando dinheiro ao banco emissor.

Assim, funcionam como títulos de investimento inspirados nas notas estruturadas, essas muito adquiridas na Europa e Estados Unidos.

Para você ter ideia, no mundo, as notas estruturadas representam 10% de todo o funding bancário.

No Brasil, ele foi criado pela Lei 12.249, em 2010, a mesma usada na criação das letras financeiras

Depois, o COE foi regulamentado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em setembro de 2013 e passou a ser emitido dia 6 de janeiro de 2014.

Já no ano de 2015, o Certificado de Operações Estruturadas ganhou regulação da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) que possibilitou a distribuição por corretoras, como a Rico.

Ou seja, ainda é um investimento relativamente novo e está sendo popularizado agora, com a distribuição do ativo pelas corretoras.

De forma prática, o COE permite que você faça investimentos mais complexos e lucrativos em ativos internacionais, ações, moedas, ETFs, índices e commodities, como boi gordo, milho, café e etc.

Tudo isso sem correr os riscos que um investidor de mercado futuro ou de opções corre: perder parte do seu capital inicial. 

O investidor que optar por uma COE atrelado à soja, não receberá em soja, assim como o investidor que optou pelo dólar, não receberá em dólar.

Em caso de êxito na operação, o COE remunera uma taxa que pode ser pré ou pós fixada.

Em resumo, o COE reúne diversas características e possibilidades em um mesmo papel, permitindo que você invista com boas chances de ganho e sem risco de perder todo o seu capital.

O maior risco em questão é o de perder a rentabilidade do mesmo durante o período, deixando o investidor no zero a zero. 


Como Funciona o Investimento em COE

Uma mulher com as mãos na testa e, no fundo, ilustrações de gráficos passando, em referência ao certificado de operações estruturadas
Investimento de renda variável não precisa ser complicado.

Ao emitir o COE, o banco cria cenários para o desempenho de um ativo ou indexador.

Assim, a rentabilidade do Certificado de Operações Estruturadas é atrelada sempre a uma cotação.

Pode ser o Índice Ibovespa, variação cambial do dólar, commodities, índices de bolsas estrangeiras ou até mesmo ações de empresas internacionais.

Assim como a perda é limitada, os ganhos do investimento também são. Ou seja, aplicando hoje, é possível ter uma boa ideia de quanto dinheiro terá no final do investimento.

Por exemplo, você investiu em um COE indexado ao dólar com limite de rentabilidade de 20%. E no vencimento do contrato, a moeda subiu seu valor em 30%.

Nesse caso, você recebe todo o seu investimento inicial mais 20% de rentabilidade conforme combinado.

Se a moeda tivesse sofrido uma cotação negativa de – 15%, você receberia apenas o que investiu, sem perdas ou ganhos.

Modalidades desse tipo de investimento

O Certificado de Operações Estruturadas ocorre em duas modalidades.

São elas:

  • Valor Nominal Protegido: garante o valor principal investido. É a modalidade mais indicada para investidores que não querem arriscar o capital.
  • Valor Nominal em Risco: possibilidade de perder até o limite do capital investido. Ou seja, perder todo o dinheiro investido, mas sem ficar com saldo negativo.

A grande maioria dos COEs são emissões de Valor Nominal Protegido, ou seja, eles garantem a integralidade do seu dinheiro, mesmo em cenários de desempenho negativo.

Tipos de ativos ou indexadores

Um homem com as mãos na cintura parado em frente a seis portas. Cada uma tem uma seta sobre ela, em referência ao certificado de operações estruturadas
Escolha o objeto que for mais familiar para você, invista e acompanhe

É simples investir e acompanhar.

Após o cenário ser desenhado, você faz a sua aposta no mercado que decidir e acompanha apenas esse indicador. Se ele performar positivamente, você recebe uma boa rentabilidade. 

Quem Faz a Emissão

A emissão dos diferentes tipos de COE é feita por bancos tradicionais e digitais.

Alguns deles são:

  • Bradesco
  • Itaú
  • Safra
  • Santander
  • Banco XP.

Perfil do Investidor Ideal de COE – Quando Vale a Pena

Um homem olhando para o notebook apoiado sobre um balcão em referência ao certificado de operações estruturadas
Você está apto para ser um investidor de COE? 

O investidor que optar pelo Certificado de Operações Estruturadas precisa ter um gosto moderado a riscos, pois o ativo pode dar um ótimo retorno, bem acima da renda fixa, mas também pode não render nada em seu pior cenário possível.

É aconselhado que ele tenha outros investimentos com boa liquidez e garantia de rentabilidade.

Então, o COE é um ótimo investimento para investidores que buscam rentabilidade superior à renda fixa e diversificação, mas sem partir para investimentos complicados e arriscados como o Mercado de Capitais.

No momento da compra do produto, deve ser feita uma análise de Suitability. Afinal, é preciso entender o seu perfil de investidor para adequar o investimento.

Caso queira arriscar mais para ganhar mais, existem produtos que colocam todo ou parte do capital em risco.

Se essa atitude não condiz com o seu perfil de investidor, provavelmente, a modalidade de Valor Nominal Protegido seja a ideal.


Por Que Investir no Certificado de Operações Estruturadas?

Uma mulher falando ao celular andando ao ar livre em referência ao certificado de operações estruturadas
COE vale a pena porque é um investimento com ótima relação rentabilidade x risco.

A melhor parte do Certificado de Operações Estruradas é poder participar de novos mercados com oportunidades inéditas. 

Ou seja, uma ótima opção de variação para a sua carteira de investimentos.

Ativos complexos e arriscados, até em cenários estrangeiros, são garantidos contra perda e simplificados dentro de um investimento de COE. 

Em vez de precisar acompanhar todo o mercado constantemente, basta olhar um indicador, pois o seu dinheiro estará sempre garantido contra indexadores negativos.

A tranquilidade desse tipo de investimento de renda variável é uma ótima forma de começar a experimentar novos ativos e, quem sabe, seja a porta de entrada para novos investidores em mercados mais complexos.

Assista a este vídeo para entender por que vale a pena investir em COE:

Principais Diferenciais

Como dito, a possibilidade de ganho sem riscos é com certeza o maior diferencial.

No entanto, a liquidez desse ativo não é indicada para quem não tem um fundo de emergência.

Se você quiser zerar sua posição no cenário do Certificado de Operações Estruturadas, o título será vendido de volta ao banco emissor, que poderá comprá-lo por um valor inferior ao de venda, gerando uma perda de capital.

Além disso, o COE possui custos menores de operação em relação a aportes de renda variada e derivativos.


Quais são as desvantagens em investir no COE

Ser um investimento praticamente sem risco não significa dizer que não existam desvantagens no COE.

A principal delas talvez seja o fato de ser um produto sem proteção contra a falência do emissor.

Ou seja, é diferente de CDBs e outros títulos de renda fixa que contam com a cobertura do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) até o limite de R$ 250 mil por CPF ou CNPJ, por conjunto de depósitos e investimentos em cada instituição ou conglomerado financeiro, limitado ao teto de R$ 1 milhão, a cada período de 4 anos, para garantias pagas para cada CPF ou CNPJ.

Para mais informações sobre o FGC, acesse o site http://www.fgc.org.br.

Então, se o banco emissor quebrar, você perde seu dinheiro.

Mas é importante relativizar essa desvantagem, já que o COE é um produto emitido por grandes bancos, que são sólidas instituições financeiras.

Outro ponto que pode pesar negativamente no investimento é a já comentada baixa liquidez.

Caso precise resgatar o valor aplicado com certa urgência, você encontrará dificuldade ou mesmo não conseguir negociar o ativo.

E se fizer isso antes do prazo de vencimento, corre o risco de deságio, perdendo dinheiro.


Como Investir em COE

Dois homens em um escritório sentados lado a lado conversando em referência ao certificado de operações estruturadas
É bem mais simples do que você pensa investir dinheiro nesses certificados.

Investir em COE é muito simples de verdade.

Você acredita que um indexador vai subir, então, faz o aporte segundo o valor escolhido junto à distribuidora do título.

Caso o indexador não atinja as expectativas e acabe performando mal até o prazo final do COE, o seu investimento não rende e você recebe o capital de volta.

Exemplo Real

Imagine que, analisando a conjuntura do cenário econômico brasileiro, João acredita que o Índice Bovespa crescerá.

Ele já possui investimentos em renda fixa, mas gostaria de poder arriscar um pouco mais e aproveitar esse palpite.

Então, em vez de colocar o seu dinheiro no mercado de ações, ele resolve fazer uma aposta limitada comprando um Certificado de Operações Estruturadas atrelado à Bovespa.

João assinou um contrato de ativo no valor de R$ 100.000 com vencimento de 1 ano e ao fazer isso, o índice estava com 60.000 pontos. No final do período, a bolsa fechou em 70.000. Ou seja, ela cresceu 16,7% no ano.

Nesse caso, João conseguiu uma ótima rentabilidade, bem acima de uma renda fixa e sem arriscar o seu capital.

Ao todo, ele conseguiu faturar R$ 16.700 em 12 meses.

Com uma alíquota de 17,5% de Imposto de Renda sobre a rentabilidade, ele colocou R$ 13.777,50 líquido no bolso.

Como dá para ver, o investimento em um Certificado de Operação Estruturada pode ser interessante.

Basta você ter uma conta em uma corretora confiável, como a Rico. 

Para abrir a sua conta, você deve clicar aqui e seguir o passo a passo.

É rápido e prático!

Depois de confirmar esse processo, você deve escolher o tipo de COE e seu indexador, observando todas as variáveis como teto máximo, prazo de validade e valor do aporte.

É muito importante conferir o DIE (Documento de Informações Essenciais).

Esse é o documento que deve ser entregue obrigatoriamente pelo distribuidor do COE, podendo ser feito de forma digital ou física. 

O DIE é um resumo que mostra todas as informações necessárias para o investimento:

  • Banco emissor
  • Como será a rentabilidade do investimento
  • Data de início e final
  • Regras para ganhos e perdas
  • Se o valor investido é garantido ou não.

Confira neste outro artigo tudo sobre como investir em COE


Valor Mínimo e Prazos do Investimento em COE

Uma pessoa mexendo no computador e, ao lado, um bloquinho de anotações, em referência ao certificado de operações estruturadas
Veja as condições para começar a diversificar seus ativos com o COE.

O COE é um investimento com maior valor inicial de aporte.

E como é indicado para investidores que possuam outros títulos, ele se enquadra como um produto para investidores com capital disponível, principalmente por não possuir uma boa liquidez (recebe o capital e a rentabilidade apenas no fim do prazo de investimento).

O valor mínimo para investimento depende do banco emissor, mas varia entre R$ 5 a R$ 100 mil.

Já o vencimento do contrato depende do tipo de ativo escolhido.

Se você escolheu câmbio, ações ou juros, provavelmente, terá um prazo de vencimento menor, de até 90 dias.

Já se escolheu ativos como commodities, o seu prazo de investimento pode chegar ter um ano ou mais. 


Como Declarar COE no Imposto de Renda 2021

Existe apenas uma tributação para esse investimento, o que torna ainda mais atrativo.

É utilizada a tabela regressiva para o investimento em COE. A mesma utilizada na renda fixa. 

Então, o Imposto de Renda varia de acordo com o tempo de aplicação em COE.

Período de aplicaçãoAlíquota
até 6 meses

22,5%

de 6 meses a 1 ano20%
de 1 a 2 anos17,5%
mais de 2 anos15%

Dicas para Aumentar ainda Mais a Rentabilidade ao Investir em COE em 2020

Miniatura de um homem de madeira subindo escadas de madeira em referência ao certificado de operações estruturadas
É muito difícil aumentar a chance de rentabilidade sem aumentar os riscos.

Você conhece a relação risco x retorno, certo?

Ela é uma lei do mercado financeiro. Como diz aquela máxima: não existe almoço grátis.

Quanto maior a possibilidade de ganho, e isso vale para qualquer cenário, seja na vida de um empresário ou na de um investidor, maiores os riscos.

Vale até mesmo para um empregado. Se ele quer ganhar mais, será preciso se comprometer com novas responsabilidades e pressões, trazendo mais olhares para si.

Se ele não cumprir com as expectativas postas sobre ele, existe uma chance maior de demissão em relação à sua situação de conforto anterior.

Se você deseja um ganho superior a 20% sobre um investimento, terá que abrir mão de pelo menos parte da sua segurança sobre o seu capital investido.

Por isso, a melhor comparação possível na renda variável é a de um empreendedor. 

Pode dar certo e você ganhará muito, assim como pode dar errado e você perderá muito. 

Não existem muitas garantias a não ser a sua própria habilidade de gerenciar riscos e ganhos

No COE, se você quiser mais rentabilidade, terá que investir na modalidade de valor nominal em risco.

Mas se quiser ficar na relação com o mínimo de chance de perda, aposte no COE na modalidade que garante o seu dinheiro.


Como Se Precaver Dos Riscos

Como já comentado, o maior risco de se investir em um COE é o de falência do banco emissor.

Isso acontece porque investimento não é protegido pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) como acontece com CDBs e outros investimentos de renda fixa.

Assim, a melhor forma de se prevenir é escolhendo bancos grandes e confiáveis.

Muito ajuda, também, quando você investe o seu dinheiro em uma corretora de excelente reputação, como a Rico, que só disponibiliza a você os melhores ativos financeiros.


Perguntas frequentes sobre COE

Chegando à reta final do nosso artigo, vamos responder agora as perguntas mais frequentes sobre o COE, para que você conclua a leitura sem nenhuma dúvida.

Qual é o significado de COE?

COE significa Certificado de Operações Estruturadas, um tipo de investimento financeiro que surgiu em 2010, passou a ser emitido em 2014 e se torna cada vez mais popular.

Que tipo de investimento é o COE?

O COE é um investimento que combina características de renda fixa e renda variável.

Por causa disso, pode oferecer a segurança dos produtos de renda fixa, mas com uma rentabilidade superior à grande maioria deles.

Sua emissão é realizada por bancos tradicionais e digitais, instituições sólidas que buscam através do COE angariar recursos para financiar as próprias operações.

Assim, ao investir em COE, é como se você estivesse emprestando dinheiro a um banco – e sendo bem remunerado em troca.

Qual o maior risco do COE?

Mantendo o investimento no COE até a data de vencimento, você não perde os valores que investiu.

Nesse caso, o maior risco é o de não ter rentabilidade alguma e ficar no zero a zero, o que não é comum.

Vale saber, no entanto, que o pior cenário seria o de falência do banco emissor, já que não há proteção do FGC sobre esse tipo de investimento.

Como funciona a rentabilidade do COE?

A rentabilidade do COE é sempre atrelada a uma cotação.

Pode ser a cotação de um índice (como o Ibovespa), uma moeda (como o dólar) ou commodities (como soja e boi gordo), entre outras possibilidades.

Conforme a cotação do ativo escolhido avança, seus ganhos aumentam.

COE é um investimento ruim?

Com tudo o que vimos até aqui, fica claro que o COE passa longe de ser um investimento ruim.

Ao contrário disso, se você tiver o perfil moderado e quiser experimentar a renda variável, essa pode ser uma excelente porta de entrada para obter ganhos maiores.


Conclusão

Uma mulher no interior de um escritório à mesa, olha para a câmera e sorri, em referência ao certificado de operações estruturadas
Pronto para ter um COE em sua carteira de investimentos?

Nesse artigo, você descobriu que o Certificado de Operações Estruturadas é um ótimo investimento.

No entanto, é preciso que você se enquadre no perfil de investidor. Recomendamos que:

Assim, você garante uma rentabilidade mesmo com o pior cenário possível e alça voos mais altos com a característica de renda variável do COE. Mercados como o dólar e o de commodities são movidos por forças diferentes que o de renda fixa e até o de ações.

Isso garante que, não importa para onde o mercado ande, você sempre estará ganhando.

Esse é o maior benefício de não colocar todos os seus ovos na mesma cesta. Isto é, a diversificação dos seus investimentos.

Pronto para dar o próximo passo?

É só abrir sua conta na Rico agora mesmo.

Obrigado por ler até aqui!

Abra sua conta na RIco