• No Brasil, já é ditado popular que o ano só começa após o carnaval. Sendo assim, chegou a hora de você começar a executar seus planos financeiros para 2022.
  • O mês de março carrega todas as preocupações de seu antecessor, adicionando uma crise grave na Ucrânia com impactos em todo o mundo.
  • Veja nesse “Onde Investir” de março, nossa sugestão de carteiras para cada perfil de investidor, além de nossas recomendações para proteger seu patrimônio nesse momento.

Chegamos ao início de março. Por aqui e ao redor do mundo, os principais destaques no radar dos investidores darão a sensação de “déjà-vu” do mês passado: inflação alta e juros em elevação (para conter a alta de preços). Mas, dessa vez, com um novo desafio de natureza geopolítica: o desenrolar da crise envolvendo Rússia, OTAN e Ucrânia, principalmente após a efetivação da invasão de territórios ucranianos.

Em um cenário que lembra muito mais do que gostaríamos o mundo na era da Guerra Fria, o início de março também marca aquela sensação que todo brasileiro conhece muito bem: o ano começou! E para esse começo “real, oficial” de 2022, nada melhor do que pensar nos seus investimentos.

Mas, antes de pular novamente as sete ondinhas e entender o que esperar para esse mês, vamos a nossa sugestão de alocação para o mês de março.

Vale lembrar que a escolha da alocação – ou seja, onde investir (ou alocar) seu dinheiro da maneira mais adequada – de acordo com seu perfil de investidor, seus objetivos e seu horizonte de investimento, é essencial na busca de bons retornos no longo prazo.

Por isso, cada parcela da tabela acima indica uma sugestão de investimento em determinada classe de ativos, para melhor encaixar seus objetivos com o contexto atual. E abaixo, te explicamos o porquê dessas escolhas!

Não sabe seu perfil de investidor ainda? Clique aqui e descubra.

Rússia X Ucrânia: como se proteger do inesperado?

Com a efetiva invasão da Ucrânia por tropas da Rússia, o tema se tornou o principal ponto de preocupação e atenção de investidores no mundo todo – e deve seguir ao longo desse mês. Detalhamos aqui na Riconnect o contexto desse imbróglio geopolítico pouco antes da eclosão do conflito.

Além da tragédia humanitária, sabemos que eventos inesperados como esse tendem a levar investidores à decisões precipitadas, como mudar rapidamente a carteira de investimentos, em busca de proteções imediatas ou “oportunidades únicas”.

Porém, a verdade é que, se a história nos ensina alguma coisa, é que o melhor a fazer em momentos como esse é: nada. Sabemos que o imediato pós crise será tomado por volatilidade nos mercados, e que mudanças bruscas nos investimentos em momentos como esse tendem a se provar ineficazes.

Por esse motivo, começamos nossas indicações de investimento de março com duas palavras mágicas: diversificação e proteção.

A importância da diversificação

Você já ouviu a frase atribuída ao legendário investidor Warren Buffet “você só descobre quem está nadando pelado, quando a maré baixa”? Pois bem. Momentos como o atual acabam servindo como a maré da metáfora de Buffet, reforçando a importância da diversificação na proteção contra o inesperado.  

Diversificar seus investimentos entre mercados, geografias, classes de ativos, e até estratégias de investimento (como as implementadas por gestores) vai te ajudar a criar uma proteção “natural” na sua carteira. Isso porque eleva as chances de que quando um ativo na sua carteira estiver caindo, outro esteja subindo – ou, ao menos, se mantendo estável.

Ativos defensivos: dólar, ouro e ativos reais

Pensando em diversificação para proteger do inesperado, vale lembrar de investimentos que servem como proteção para sua carteira.

  • Ativos dolarizados: O dólar tende a ter um papel importante de proteção em momentos de incerteza global, por ser considerado um “porto seguro”, para o qual investidores fogem em crises – valorizando a moeda. Mesmo em crises que se originam no próprio EUA, investidores globais correm em direção à moeda americana em busca de segurança, diante da solidez da economia e da moeda.

Mas aqui vai um alerta: não indicamos a compra de dólares em si, mas sim investir em ativos dolarizados. Esse texto explica bem essa filosofia, e te indicamos abaixo ótimas maneiras de se fazer isso.  

  • Ouro: Além de também ser uma reserva de valor considerada um “porto seguro” em momentos de incerteza, o ouro é um ativo escasso e tende a se beneficiar em momentos de inflação alta – como contaremos adiante. Uma maneira mais fácil do que comprar joias e investir em ouro é por meio do fundo Trend Ouro.

Se proteja e encontre oportunidades na inflação

Como contamos aqui em detalhes, uma das principais consequências do atual conflito entre Rússia e Ucrânia é a deterioração de algo que já está no radar há muitos meses: a inflação.

Isso acontece, porque tanto Rússia quanto Ucrânia são grandes produtores de commodities energéticas e agrícolas, como petróleo, gás natural e milho, além de fertilizantes. A menor oferta dessas commodities causada por disrupções à produção ou sanções econômicas (bloqueios à venda de produtos russos, por exemplo) eleva ainda mais os preços de bens produzidos e comercializados ao redor do mundo.

Para se ter uma ideia, enquanto a inflação ao consumidor no Brasil segue acima de 10%, os Estados Unidos seguem lutando contra a marca dos 7%, e até a Alemanha amarga níveis recordes de preços ao consumidor e ao produtor.

É por isso que, nesse mês, seguimos destacando a importância de investimentos que não somente te protejam contra a alta de preços, mas também que apresentem oportunidades nesse cenário.

Renda fixa

Na renda fixa, a melhor pedida se a sua vontade for correr para longe dos efeitos inflacionários são os títulos indexados ao IPCA – a famosa “inflação” no nosso gráfico de alocação lá de cima. Essa classe inclui os títulos Tesouro IPCA+, títulos bancários (como CDBs, LCIs e LCAs) e o crédito privado, como as debêntures.

Mas atenção: a única forma de realmente garantir um ganho acima da inflação é mantendo o seu dinheiro investido até a data de vencimento do título! Resgatando antes, você se sujeita aos efeitos da marcação a mercado.

Caso você precise de um dinheiro com liquidez, ou seja, disponível para saque em tempo real, a renda fixa também é sua aliada. Mas, para isso, o ideal é buscar títulos pós-fixados, que normalmente remuneram um percentual da taxa Selic, com liquidez diária. A “boa notícia” nessa frente é que a Selic também está em alta – ou seja, pagando rendimentos acima da inflação neste momento. Então, seu dinheiro continua protegido.

Saiba mais sobre renda fixa aqui e conheça nossas recomendações aqui.

Ativos reais e commodities

Além de ativos que caminham junto com a inflação, vale também destacar que esse cenário de commodities e inflação em alta e elevada incerteza também favorece (como imaginado) as próprias commodities, além da classe de ativos reais.

Como o próprio nome diz, os ativos reais têm um valor em si mesmo e, assim, costumam ter baixa correlação com ciclos econômicos e inflação. Exemplos desses ativos são metais preciosos, commodities, e – em menor escala – criptoativos. Uma alternativa simples para acessar esses investimentos é por meio do eTrend Ativos reais.

Já para investimentos em commodities, confira aqui nossa seleção ações do setor de commodities que estão descontadas – ou seja, baratas em relação aos seus pares ou ao seu histórico.

Ainda vale investir fora do Brasil?

Finalmente, nosso último destaque de alocação para o mês são os investimentos internacionais – que indicamos para todas os perfis de investidor, com exceção ao “precavido”.

Caso você tenha uma carteira de investimentos diversificada, provavelmente percebeu que a parcela internacional sofreu substancial desvalorização nos últimos meses, que se intensificou com a eclosão do conflito russo-ucraniano.

Diante dessa queda, alguns investidores começaram a se questionar: “será que vale a pena manter meus investimentos internacionais, ou chegou a hora de apostar tudo na bolsa brasileira, que tem surfado melhores momentos?”.

Antes de tomar essa decisão, é importante entender os dois principais motivos por trás desse movimento:

1. A queda em bolsas internacionais, especialmente entre ações de tecnologia. Como te contamos aqui, esse movimento tem sido motivado principalmente pela expectativa de elevação da taxa de juros nos Estados Unidos, como forma de conter a inflação. Mais recentemente, a “fuga para ativos seguros” causada pela crise russa ampliou esse movimento.

2. A valorização do Real. Te contamos aqui que nossa moeda tem surpreendido com a valorização recente, como vemos no gráfico abaixo. Esse movimento foi impulsionado pela: alta da nossa taxa básica de juros, que atrai capital estrangeiro; alta do preço das commodities (que exportamos muito); e por ativos financeiros descontados por conta do cenário macroeconômico e político desafiador.

Essa combinação de desvalorização das ações americanas, de um lado, e desvalorização do dólar em relação ao real, do outro, fez o investidor brasileiro sentir as duas quedas ao mesmo tempo.

A importância da diversificação internacional

Apesar do comportamento recente, investimentos internacionais seguem sendo essenciais na composição da carteira de quase todos os tipos de investidor. Ter parte de seu patrimônio em ativos dolarizados (ou outra moeda estrangeira forte) te ajuda a:

  • Proteger sua carteira em momentos de incerteza elevada – como eventos geopolíticos, como a atual crise entre Rússia e Ucrânia – em que investidores tendem a fugir para ativos mais seguros, como o próprio dólar e títulos da dívida americana, os valorizando;
  • Investir em setores que muitas vezes não existem ou ainda são muito incipientes em nossa economia e em nossa bolsa, como é o caso das empresas de tecnologia; Diversificação!
  • Proteger sua carteira de eventos e incertezas puramente domésticas, como eleições e movimentos políticos.

Assim, apesar de esperarmos um mercado bastante agitado no mundo nos próximos meses, boas oportunidades podem surgir para investidores, tanto aqueles que querem começar a investir globalmente, quanto para aqueles que já olham para esse tipo de investimento.

Como investir fora do Brasil?

  • Wellington Ventura 30 Advisory: um fundo de investimentos que oferece proteção contra a variação do dólar, podendo ser uma boa opção para não sofrer o duplo impacto mencionado no texto acima – ficando exposto apenas à variação do preço das ações nesses países.
  • DNA Brave Global. Os fundos DNA são como uma carteira pronta para o investidor que quer diversificar, sem trabalho.  Com a aplicação mínima de R$500,00, nesse fundo você consegue ter uma carteira diversificada em ações internacionais e exposição ao dólar.
  • USAL11: Se você preferir “só as líderes”, com esse instrumento você investe nas maiores empresas americanas por menos de R$10,00. Você estará exposto à variação do dólar e das ações americanas.
  • BDRs: para aqueles investidores mais experientes, que preferem escolher as empresas e montar uma carteira com ações americanas negociadas aqui no Brasil. Quer saber mais sobre BDR’s, confira nosso eBook!

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento