• O Banco Central americano (FED) está subindo os juros no país.
  • A principal causa é a inflação, que segue historicamente alta, apesar da desaceleração recente.

O que esperar daqui pra frente, e quais os impactos na maior economia do mundo, no Brasil e nos seus investimentos? 

Com a retomada das atividades após o pior da Covid-19, a economia global passou a enfrentar uma de suas principais consequências dos desequilíbrios causados pela pandemia e por políticas para enfrentá-la: a inflação alta e, consequentemente, a alta dos juros. 

Assim, a alta dos juros em resposta à alta de preços se tornou o principal motor por trás da volatilidade observada nos últimos meses em bolsas, moedas e ativos de renda fixa, especialmente vindo dos Estados Unidos. 

Juros nos EUA: a maior inflação dos últimos tempos 

Como contamos neste texto em mais detalhes, há vários motivos por trás da alta acelerada de preços que vemos hoje nas principais economias do mundo. Os principais incluem: 

  1. Os estímulos fiscais e monetários maciços implementados para enfrentar a pandemia da Covid-19 (como juros a quase zero e cheques de auxílio para famílias), que impulsionaram a demanda fortemente; 
  1. A normalização da atividade econômica após a vacinação contra a Covid-19, com serviços voltando com força e retomando margens perdidas enquanto fechados; 
  1. A invasão da Rússia na Ucrânia, dois players importantes de commodities, que ajudou a impulsionar o preço de bens básicos (as famosas commodities) no mundo, especialmente agrícolas e energéticos – principalmente o petróleo; e 
  1. A política de Covid-zero do governo chinês, que agravou e prolongou os gargalos na produção e no escoamento de todo tipo de produto, elevando os preços de fretes e insumos industriais ao redor do mundo. 

Como resultado, passamos a ver recorde atrás de recorde nos números de inflação ao redor do mundo, com países como Alemanha e Reino Unido convivendo com preços subindo à velocidade de 10% ao ano. 

Já nos Estados Unidos, a inflação ao consumidor segue em patamar historicamente alto, apesar da recente desaceleração – em 8,2% (no acumulado em doze meses até setembro), muito longe da meta de 2,0% do Banco Central do país.

Gráfico demonstrativo com o histórico da inflação e como isso afeta os juros nos EUA.

O remédio amargo contra inflação alta: juros

Diante do desafio da inflação alta, Bancos Centrais ao redor do mundo reverteram a rota vista até então desde a eclosão da pandemia da Covid-19. Ou seja, passaram a reduzir os estímulos à economia com o objetivo de esfriar a atividade econômica, e assim, tirar pressão dos preços de bens e serviços. 

Em bom português: o dinheiro abundante e crédito barato para “bombar” a economia deram lugar ao dinheiro mais escasso e ao crédito mais caro para “frear” a economia. 

Quer entender mais sobre a relação entre juros e inflação? Acesse o nosso podcast Fala, Rico!  

Nos Estados Unidos, esse processo ganhou força no começo deste ano, especialmente após a eclosão da guerra russa e do fortalecimento da política de Covid zero na China. 

Ao mesmo tempo, a economia americana mostrava sinais de superaquecimento, com famílias registrando níveis bastante altos de poupança e consumo, e um cenário em que há mais postos de trabalho abertos do que pessoas em busca de oportunidades.  

E quanto mais aquecida a economia, maior é a pressão sobre os preços. 

Assim, o Banco Central americano – o famoso FED – começou a elevar os juros por lá, com o objetivo de desaquecer a economia e reduzir a pressão sobre os preços. Os Fed funds (taxa básica de juros americana), que ficaram no patamar de 0% – 0,25% ao ano durante o auge da crise pandêmica, atingiram 3,25% – 3,50% ao ano.   

Vale destacar que, mesmo com a desaceleração recente da inflação e a economia mostrando os primeiros sinais de enfraquecimento, nossa expectativa é que os juros básicos nos EUA subam até o ponto necessário para trazer a inflação de volta para a meta – entre 4,5% e 5,0% ao ano.

Gráfico histórico dos últimos 12 meses dos juros nos EUA.

Como juros mais altos nos EUA impactam o Brasil?

Como falamos, a alta de juros nos Estados Unidos tem trazido bastante volatilidade para os mercados no mundo todo. 

Primeiro, porque juros mais altos significam maiores custos de financiamento no longo prazo para as empresas, além da redução do preço considerado justo para ações, especialmente de empresas com grande parte do seu crescimento esperado no futuro.  

Essa dinâmica tem levado à queda das principais bolsas americanas, puxando também boa parte do mercado global.  

Além disso, o receio de que o processo de alta de juros acabe levando a maior economia do mundo para uma recessão tem ganhado força. Afinal, juros mais altos têm o objetivo de frear a inflação, mas o efeito colateral é um freio na própria economia. 

Nesse contexto incerto, investidores ficam mais avessos ao risco, se afastando de investimentos mais arriscados, como em países emergentes – e afetando moedas como o real, que perdem valor com a saída de capital estrangeiro (como mostraremos abaixo) 

Descubra o que esperar e como se proteger da Recessão nos Estados Unidos.  

Assim, o Brasil é impactado direta e indiretamente por esses movimentos. Porém, além disso, temos também outros impactos da alta de juros nos Estados Unidos que podem ser sentidos por aqui. 

Menor liquidez

A começar, juros em alta significam menor liquidez para o mercado. Isso significa menos dinheiro em busca de retornos no mundo; menos “abundância de capital”. 

Para um país onde mais de 50% dos investidores na bolsa são estrangeiros, você deve imaginar que a situação fica mais desafiadora. 

Gráfico demonstrativos da participação de investidores na Bolsa com a alta dos juros nos EUA

Menor diferencial de juros

Maiores juros nos EUA reduzem a atratividade relativa de ativos em países mais arriscados, como o Brasil. Ou seja, menos investidores dispostos a tomar maiores riscos em busca de maiores retornos. 

Isso ocorre devido a redução do chamado diferencial de juros. Esse diferencial é uma comparação de quanto um investidor ganharia investindo aqui no Brasil – considerando a nossa taxa básica de juros como base para retornos – e quanto ganharia dado a taxa básica de juros dos EUA, onde o risco é considerado um dos menores do mundo. 

Em bom português: com juros maiores lá, investidores pensam um pouco mais sobre investir aqui ou outros países emergentes, onde o risco é maior.

Desvalorização cambial e inflação

Assim, quanto maiores os juros por lá (aliado a maior aversão ao risco de investidores, que falamos acima), maior a atração de capital. Logo, contribuindo para a desvalorização de outras moedas no mundo

O gráfico abaixo ilustra bem essa dinâmica, destacando a valorização do dólar após sinalizações do FED de que os juros seguirão subindo, com destaque para países emergentes – que sofrem também com a recente perda de força das commodities, e são considerados mais arriscados, ampliando o efeito.

Gráfico demonstrativo sobre a desvalorização das moedas emergentes devido a alto dos juros nos EUA

A desvalorização da nossa moeda, por sua vez, impacta a inflação por aqui (já que precisamos de “mais reais” para comprar produtos em dólares, como farinha de trigo). Deste modo, o rumo dos juros nos EUA também impacta o rumo dos nossos juros aqui.

Como investir com juros mais altos nos Estados Unidos?

Como falamos, o processo de alta de juros nos Estados Unidos tem impactado os mercados não somente por lá, mas também ao redor do mundo. Afinal, estamos falando da maior economia do mundo e do centro financeiro global. 

Dito isso, vale lembrar que: 

O Brasil tem se beneficiado de parte desse contexto global, apesar de também sofrer com o processo de alta acelerada de preços e juros em alta.  

Mesmo com a desaceleração recente, as commodities seguem em patamar de preço historicamente elevado, beneficiando a economia brasileira, com efeitos diretos (no setor agroexportador e indústria extrativa) e indiretos – como por meio do aumento de arrecadação, e impulso a setores correlatos, como serviços ligados à indústria extrativa e ao agronegócio. 

O movimento de busca por ativos sólidos e empresas que gerem valor no presente, conhecido como “rotação”, coloca a bolsa brasileira em posição relativamente positiva, especialmente considerando que a nossa bolsa segue barata em relação a padrões históricos e outros emergentes – como detalhamos aqui. 

Saímos na frente em relação ao aumento das taxas de juros no mundo, nos posicionando relativamente bem na batalha contra a inflação – a Selic hoje se encontra em 13,25% e os juros reais futuros (IPCA+) em torno de 6%. 

Assim, o momento atual pede cautela, como contamos em nosso Guia Anti-Volatilidade. Atitudes como manter um caixa fortalecido para boas oportunidades e imprevistos, sua carteira diversificada e protegida contra a inflação e o foco em retornos de longo prazo serão seus maiores aliados. 

Clique aqui e descubra onde investir com a alta dos juros nos EUA de acordo com seus objetivos e perfil de investidor.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.