janeiro 21, 2021

Mercado de Balcão: O que é, como funciona e quais ativos?

O mercado de balcão pode render boas oportunidades para o investidor. Mas, antes, é preciso conhecer suas características.

Esse é um dos principais espaços de negociação no universo da renda variável.

Junto da bolsa de valores, concentra boa parte das operações realizadas no mercado financeiro.

Neste conteúdo, vamos entender sua dinâmica e conhecer os ativos ali disponíveis.

Siga a leitura para descobrir se o mercado de balcão combina com seu perfil e objetivos.

Estes são os tópicos que iremos abordar:

  • O que é e para que serve o mercado de balcão?
  • Importância do mercado de balcão
  • Vantagens e desvantagens de operar no mercado de balcão
  • Como funciona o mercado de balcão?
  • Mercado de balcão organizado e não organizado: O que é?
  • Tipos de operações no mercado de balcão
  • Como operar no mercado de balcão? Passo a passo
  • Principais ativos do mercado de balcão
  • Mercado de balcão no Brasil
  • Qual a diferença entre bolsa de valores e mercado de balcão?

Caso tenha alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

O que é e para que serve o mercado de balcão?

O mercado de balcão – conhecido em inglês como Over-The-Counter (OTC) – é o espaço de negociação de ativos e operações que não têm registro na bolsa de valores.

O termo original em inglês significa algo como “venda no balcão”, em tradução livre – uma referência à época em que os papéis eram negociados diretamente no balcão de vendas das corretoras de valores.

Hoje, o mercado de balcão funciona totalmente online, não existindo mais um espaço físico onde as negociações são feitas.

Por isso, todas as transações acontecem por telefone ou eletronicamente pelo sistema digital da B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), organização que reúne a principal bolsa de valores e mercado de balcão do país.

Tudo funciona por meio da autorregulação das corretoras e distribuidoras que ali atuam.

São instituições que, por sua vez, têm a autorização e são reguladas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Importância do mercado de balcão

O mercado de balcão é de grande importância para garantir maior variedade de alternativas para investimento.

Em países como o Brasil, a bolsa de valores é mais focada em grandes companhias e, por isso, empresas menores, que desejam atrair investidores, encontram no balcão um bom caminho.

Nesse ambiente, as negociações acontecem apenas entre duas partes, o que significa que o restante do mercado não tem acesso aos valores e termos da negociação.

Do lado das companhias, a existência de um ambiente de negociação menos burocrático também é de extrema importância.

Isso porque muitas não têm condições financeiras de abrir capitalna bolsa e, assim, o OTC surge como alternativa.

Vantagens e desvantagens de operar no mercado de balcão

Dentre as vantagens de investir por meio do mercado de balcão, podemos destacar a facilidade proposta por esse ambiente de negociação.

A burocracia menor faz dele uma opção interessante para investidores conquistarem rendimentos maiores.

Para as empresas, a autorregulação torna esse ambiente mais livre e bem menos custoso para vender suas ações e atrair investidores.

Como não existe a competição com grandes companhias, os pequenos negócios acabam tendo mais chances de atrair interessados.

Sempre lembrando que a oferta de ações por uma empresa tem como objetivo arrecadar recursos para financiar suas operações e projetos.

No entanto, ainda que seja uma alternativa interessante, o OTC também tem suas desvantagens.

O fato de o mercado de balcão ser intermediado pelas próprias empresas faz com que ele tenha uma regulação menor em comparação com a bolsa de valores.

Não significa que não haja controle, mas sim que não há a exigência de normas como na bolsa, onde finanças auditadas e governança corporativa são requisitos básicos.

Ainda, existe a possibilidade de negociar diretamente com as corretoras em sigilo, o que faz com que esse ambiente possa ser visto como menos transparente.

Como funciona o mercado de balcão?

Um ambiente onde ocorre a negociação direta entre corretoras, distribuidoras e os investidores.

Esse é o mercado de balcão.

Ainda que o nome remeta à época em que as operações eram feitas diretamente no balcão das instituições financeiras, o OTC funciona hoje de maneira remota, sendo possível operar pelo telefone ou pela internet.

Também há diferenças na comparação entre os chamados mercado de balcão organizado e desorganizado, como vamos abordar na sequência.

Quem intermedia as negociações?

De maneira geral, podemos dizer que o mercado de balcão é intermediado por todas as instituições que integram o sistema de valores mobiliários.

Controlado pela Comissão de Valores Mobiliários, esse sistema inclui corretoras, distribuidoras e bancos de investimento.

Por isso, quem quer ingressar no OTC precisa cumprir todas as regras da CVM, do Banco Central e também da entidade administradora, a B3.

É importante dizer que há uma série de requisitos para instituições financeiras que pretendem atuar como intermediário financeiro, incluindo práticas de fiscalização e penalidades para aquelas que eventualmente possam agir de má fé.

Mercado de balcão organizado e não organizado: O que é?

O mercado de balcão desorganizado é a forma básica que conhecemos de um OTC.

Esse ambiente de negociação é regulado por agentes intermediários, como corretoras de valores, bancos de investimento e outras instituições financeiras.

Para trazer mais lisura e transparência para os processos, surgiram as alternativas de mercado de balcão organizado.

Esse modelo conta com a gestão ativa de uma organização para intermediar e regular as negociações realizadas ali.

No Brasil, a Sociedade Operadora do Mercado de Ativos (SOMA) é o principal exemplo de mercado de balcão organizado.

A instituição foi fundada em 1996 com base no mercado de balcão da NASDAQ, bolsa de valores dos Estados Unidos.

Em 2002, a SOMA foi comprada pela bolsa brasileira – então Bovespa e hoje chamada de B3 -, passando a ser conhecida como SOMA FIX.

Tipos de Operações no Mercado de Balcão

São muitas as possibilidades para quem decide investir no ambiente de negociação do mercado de balcão.

Isso ocorre porque há vários tipos de operação possíveis dentro do OTC, o que faz dele um espaço que pode ser explorado por diversos perfis de investidor.

Conheça a seguir os principais tipos de operações disponíveis no mercado de balcão.

Ordem administrada

Chamamos de ordem administrada as operações que reúnem informações limitadas sobre o ativo que está sendo comprado ou vendido.

Nesses casos, é disponibilizada somente a quantidade de ativos em negociação e suas características principais.

Os ativos ou direitos que estão sendo negociados serão posteriormente executados – o momento da execução fica a critério da corretora, distribuidora ou banco de investimento responsável pela intermediação.

Ordem a mercado

A ordem a mercado é definida como uma operação que, assim como a ordem administrada, inclui informações limitadas sobre o ativo ou direito negociado.

Por definição, ela estabelece a quantidade e as características principais daquele valor mobiliário que está no centro da negociação.

A diferença para às ordens administradas surge na execução: para ordens a mercado, a operação precisa ser realizada no mesmo momento em que for recebida pelo agente intermediário.

Ordem limitada

A ordem limitada leva esse nome, pois, nesse tipo de operação, é definido um valor limite para que ela seja executada.

Nesse esquema, a negociação só se concretiza se o mercado for capaz de oferecer um preço igual ou melhor do que aquele que foi previamente delimitado.

Depois de enviada ao mercado de balcão, a ordem permanece em espera e só é executada caso o valor daquele ativo chegue ao patamar descrito.

Ordem casada

Para a ordem casada, o traderou administradora da carteira de investimentos deve emitir simultaneamente uma ordem de compra e outra ordem de venda.

A dinâmica desse tipo de operação condiciona a execução de uma às condições impostas pela outra.

Em outras palavras, as ordens casadas só podem ser executadas simultaneamente e de maneira integral.

Ordem on-stop

A dinâmica das ordens on-stop é bastante parecida com a das ordens limitadas.

A principal diferença aqui é que não se estabelece um preço limite, mas sim um valor que vai indicar que é hora de comprar ou vender.

O preço estabelecido funciona como um gatilho que vai indicar o momento de executar a ordem.

Como operar no mercado de balcão? Passo a passo

Para começar a investir, é preciso abrir conta em uma corretora de valores de sua confiança.

E a Rico conta com um time de especialistas prontos para te ajudar.

Além disso, os clientes têm à disposição um espaço virtual exclusivo por onde podem aprender mais sobre o funcionamento do mercado financeiro e sanar suas dúvidas.

Para se tornar cliente Rico, abra sua contaagora.

Resumidamente, este é o processo para operar no mercado de balcão organizado:

  1. Corretoras conectam investidores ao sistema de negociação, oferecido pelas entidades administradoras do mercado de balcão
  2. As ordens são realizadas pelo investidor em plataformas específicas, como a  SOMAtrader, criada pela SOMA para substituir os pregões presenciais
  3. Existe ainda o sistema SOMAbroker, por onde ele pode gerenciar suas ordens de compra e venda de ativos
  4. Na plataforma, ele tem acesso a todos os ativos negociados no mercado de balcão, como ações, debêntures e direitos de subscrição
  5. Escolhidos os ativos a investir e realizada a ordem de compra, ela é registrada pela intermediária (a corretora) junto ao sistema de negociação
  6. A partir daí, a ordem é executada e você se torna um investidor do mercado de balcão.

Principais ativos do Mercado de Balcão

Dentro do mercado de balcão, são negociadas diversas modalidades de ativos financeiros com diferentes configurações e regras.

Abaixo, você conhece com um pouco mais sobre eles.

Ações, debêntures e títulos mobiliários

No Brasil, a B3 concentra as operações da bolsa de valores e também do mercado de balcão.

Por esse motivo, muitos brasileiros não sabem que a bolsa não é o único ambiente de negociação onde são vendidas ações, debêntures e outros títulos mobiliários.

Conforme explicamos, o OTC acaba sendo uma alternativa para empresas menores ou para investidores que desejam revender suas ações com boa liquidez.

Fundos de investimento

Dentro do mercado de balcão, também é possível negociar fundos de investimento.

Esse tipo de aplicação funciona da seguinte forma: uma gestora monta a carteira de investimento e oferece cotas de participação para os investidores, que passam a receber proventos de acordo com o valor investido.

É possível encontrar fundos que investem majoritariamente em ações, renda fixa, reservas cambiais e até mesmo na compra de cotas de outros fundos.

Fundos de índice

Chamados também de Exchange Traded Funds (ETFs), os fundos de índice procuram replicar a rentabilidade de índices de bolsas estrangeiras, acompanhando assim seu desempenho.

As cotas dos ETFs são negociadas da mesma forma que as ações individuais de uma companhia.

Opções de compra e venda

As opçõesnada mais são do que contratos de compra que dão ao detentor a possibilidade (mas não a obrigação) de adquirir ações no futuro com o mesmo preço de hoje.

A aquisição de opções de compra e venda é mais uma ferramenta que o investidor tem para proteger seu patrimônio, caso projete uma alta ou queda no valor das ações de seu portfólio.

Mercado de balcão no Brasil

O mercado de balcão sempre teve uma organização descentralizada.

Isso porque conta com autorregulação dos agentes intermediários, como corretoras de valores, distribuidoras e bancos de investimento.

O próprio nome remete a uma época anterior à internet quando a negociação acontecia diretamente no balcão dessas instituições financeiras.

No Brasil, os primeiros esforços para um mercado organizado vieram com a fundação da SOMA nos anos 1990.

Incorporada à Bovespa em 2002, a instituição reguladora ganhou proximidade com a bolsa de valores.

Hoje, a maioria dos ativos, títulos e derivativos negociados pela SOMA estão registrados junto à Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados (Cetip).

As negociações acontecem por meio de plataformas específicas, mas existe ainda a possibilidade de negociação por call, uma espécie de leilão realizado para alguns ativos.

Qual a diferença entre bolsa de valores e mercado de balcão?

Ainda que, no Brasil, a bolsa de valores e o mercado de balcão sejam englobados pela B3, as duas instituições não são a mesma coisa.

A bolsa é o ambiente principal de negociação de ações de grandes companhias.

É por lá que acontecem os eventos de abertura de capital e oferta pública inicial das maiores empresas do mercado.

No mercado de balcão, por outro lado, estão aquelas negociações que não cabem na bolsa e não estão registrados em seu sistema.

Não é qualquer um que pode atuar no mercado: como esse é um ambiente autorregulado, apenas corretoras, gestoras e bancos de investimento estão qualificados a negociar.

Essas instituições ficam, então, responsáveis por conectar os indivíduos que desejam comprar ou vender ativos fora da bolsa.

Conclusão: Vale a pena investir no mercado de balcão?

O mercado de balcão é mais uma possibilidade que o investidor tem para investir de maneira estratégica e garantir boa rentabilidade.

Como todo investimento, existe aqui também um risco que precisa ser considerado.

A sugestão, mais uma vez, é entender qual o seu perfil de investidor e tolerância ao risco, levando em conta ainda os objetivos financeiros na escolha dos ativos.

É muito importante consumir conteúdos como este para entender todos os prós e os contras envolvidos nesse tipo de aplicação.

Continue acompanhando nosso blog para aprender mais sobre todas as opções de investimento disponíveis no mercado.

E na hora de investir, conte com a Rico.

Abra sua conta agora e aproveite que a taxa é zero para investir em ações.

Obrigado por ler até aqui!