O que seria da sua educação superior sem o FIES? Milhões de pessoas no Brasil tem se beneficiado desse programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em cursos superiores.

Desde 2010 a taxa de juros do financiamento do FIES passou a ser de 3,4% a.a., o período de carência passou para 18 meses e o período de amortização para 3 (três) vezes o período de duração regular do curso + 12 meses. É sem dúvida uma condição favorável para dar acesso à educação superior dos brasileiros.

Mas mesmo que o FIES tenha aberto as portas para a educação superior, as dívidas estão gerando preocupações já há algum tempo. O governo federal tem mais de R$ 11 bilhões em parcelas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) que já deveriam ter sido pagas, mas estão em atraso. Dos quase 1,9 milhão de ex-estudantes que já estão na fase de pagamento das parcelas, a chamada amortização, 53,7% estão com a dívida atrasada há mais de três meses.

Se você está nessa situação, trago boas notícias. Desde 7 de novembro desse ano (2023) já é possível renegociar suas obrigações com condições especiais na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil, graças ao Projeto de Lei nº 4172, também conhecido como “Desenrola do FIES”, proporcionando descontos significativos, que podem chegar a (pasmem) 99%!

Bom demais, não é mesmo?

Mas é importante se atentar aos prazos, pois a oportunidade para essa renegociação vai até 31 de maio de 2024. Este projeto obviamente visa criar condições mais favoráveis para amortização, especialmente para contratos até o fim de 2017 e débitos vencidos até 30 de junho de 2023.

Diante dessa realidade, como você pode se beneficiar?

Se sua dívida venceu há mais de 360 dias até junho de 2023, e você está inscrito no Cadastro Único (CadÚnico), pode obter desconto de até 99%.

Se o débito venceu há mais de 360 dias, mas você não se enquadra na situação anterior, ainda pode obter desconto de até 77%.

Perdi o prazo, e agora?

Se por acaso você perder o prazo, não se preocupe; procure o banco onde assinou o contrato para avaliar outras opções de quitação.

Por onde começo?

Você ainda pode estar se perguntando como fazer para de fato organizar a sua vida e pagar a sua dívida de FIES. Para reorganizar sua vida financeira e quitar dívidas, um bom planejamento é essencial.

Antes de qualquer coisa, obtenha informações detalhadas sobre sua dívida. Consulte o saldo devedor, as taxas de juros aplicadas e os termos do contrato.

Compreender completamente a situação é o primeiro passo para resolvê-la.
Depois disso, entre em contato com a instituição financeira responsável pelo financiamento estudantil. Explique sua situação e pergunte sobre as opções disponíveis. Como já mencionamos, as condições de renegociação podem trazer descontos bem expressivos.
Não hesite em negociar, mas antes disso faça uma avaliação honesta de suas finanças.

Determine quanto pode alocar mensalmente para o pagamento da dívida sem comprometer seu sustento básico. Isso ajudará a estabelecer um plano de pagamento realista.
Uma vez que um acordo seja alcançado, é crucial manter-se comprometido.

Cumpra rigorosamente os termos estabelecidos no acordo. Isso não só demonstra responsabilidade financeira, mas também evita possíveis penalidades.
Lembre-se de que a comunicação aberta e transparente com a instituição financeira é fundamental durante todo o processo. Se surgirem dificuldades adicionais, não hesite em informar a instituição para que possam ser exploradas soluções alternativas.

O comprometimento e a disciplina financeira são a chave para superar dívidas de financiamento estudantil.
Lembre-se, a educação financeira é uma jornada contínua. Aproveite essa oportunidade não apenas para aliviar suas dívidas, mas também para cultivar hábitos saudáveis que vão acompanhá-lo ao longo da vida.

Seu futuro financeiro agradece por cada passo consciente rumo à estabilidade e bem-estar!

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.