Nesse texto, abordaremos os seguintes tópicos:

  1. Introdução.
  2. Um sistema complexo e caro: como funciona a tributação atual.
  3. Conceitos do sistema atual: cumulatividade, base de incidência, tributação origem X destino, alíquota única X múltipla.
  4. A reforma deve trazer ganhos para a economia: impactos macroeconômicos.
  5. Impactos da reforma na bolsa: como ficam os setores?

A discussão sobre reforma tributária no Brasil está de volta aos holofotes e ao debate político e econômico no país, atraindo também a atenção de investidores. Após aprovação inicial pelas duas Casas do Congresso da PEC 45/19 (proposta de emenda constitucional para modificar o atual sistema tributário, apresentada originalmente em 2019), devemos ver a aprovação final das novas regras tributárias propostas até o final de 2023.

De maneira resumida, a Reforma Tributária em discussão tem como principal objetivo a simplificação do sistema de tributos incidentes sobre o consumo no país, por meio da criação de um tributo de valor agregado.

Vale destacar que a atual proposta não trata de mudanças à tributação de renda (ou seja, se impostos como o IR e o JCP) – essas devem ser tratadas em uma segunda etapa da Reforma Tributária.

O interesse pelo tema por investidores é explicado não somente por seus efeitos econômicos, mas também pelo provável impacto em diferentes setores e, consequentemente, em ações de empresas negociadas por aqui.

Um sistema complexo e caro

Tentativas de reformar o sistema tributário brasileiro não são novidade.

Desde a promulgação da atual Constituição Federal (em 1988), todos os presidentes da República tentaram engatar alguma forma de reforma tributária no país. De maneira geral, todos fracassaram, ilustrando como o tema é árido na seara política brasileira.

Reflexo de um sistema altamente complexo e difuso, o Brasil figura na posição 184 dentre 190 países analisados pelo Banco Mundial em seu relatório sobre ambiente de negócios no quesito “pagamento de impostos”. O levantamento se baseia na contabilização do número de horas gastas por empresas pagando impostos no país.

De acordo com o relatório mais recente da instituição, uma empresa gasta em média o total de 1501 horas por ano mantendo-se “em dia com o fisco” no Brasil – comparado a 256 horas na também emergente Colômbia e 139 na “burocrática” França.

WORLD BANK DOING BUSINESS REPORT (2020)

Considerando apenas a tributação incidente sobre bens e serviços no país, os mais de 12 impostos somados a nível federal, estadual e municipal representam verdadeiros entraves à produtividade e competividade do setor produtivo brasileiro.

Isso porque a lógica e a estrutura de pagamento de impostos no Brasil tendem a levar à má alocação de recursos não somente entre setores, mas também entre estados e cidades, diante de incentivos muitas vezes distorcidos (como subsídios tributários). O sistema também contribui para a alta incidência de litígios (ou seja, caso que vão parar na justiça) e, em certos casos, até à inviabilidade financeira do negócio diante do alto custo envolvido no próprio cumprimento da legislação.

Além de tudo, a atual estrutura acabou tornando o sistema tributário brasileiro altamente regressivo. Ou seja, um sistema no qual qual a parcela mais pobre da população acaba arcando com uma proporção maior da carga tributária sobre consumo no país.

Mas o que poderia efetivamente mudar com a aprovação de uma reforma tributária? Detalhamos abaixo os principais desafios do sistema atual e as principais mudanças propostas pela reforma sendo discutida no Congresso. Por fim, tratamos do impacto esperado para a economia brasileira e para os principais setores no país.

Imposto cumulativo X não cumulativo

Todo tributo [1] possui o que chamamos de regime de incidência. Esse regime define o modelo sobre o qual será feita a cobrança da alíquota desse tributo – ou seja, sobre o que ele irá incidir. Esse regime pode ser cumulativo ou não cumulativo.

No regime cumulativo, a alíquota será aplicada ao valor final da operação (a receita da venda do bem ou serviço) em cada uma das etapas, sem considerar quaisquer deduções de créditos fiscal. Exemplos de tributos cumulativos incluem o PIS/Cofins para empresas de lucro presumido e o ISS.

Já no regime não cumulativo, a tributação incide apenas sobre o valor adicionado em cada etapa da produção (daí a denominação de imposto sobre valor adicionado – IVA). Ou seja, para se definir o imposto devido, considera-se o valor de venda do produto (débito) menos o valor de aquisição dos insumos (créditos) utilizados no processo. No sistema tributário atual, o IPI e o ICMS são considerados não cumulativos.

Uma forma mais simplificada de cálculo do tributo é mostrada na tabela abaixo.

Apesar de mais simples, o regime cumulativo acaba sendo mais oneroso para a produção e para consumidores finais – ou seja, torna o produto mais caro. Isso porque o sistema não permite que sejam descontados créditos acumulados ao longo da produção – como, por exemplo, de um veículo. Essa dinâmica também incentiva empresas a produzirem tudo na cadeia de produção de um bem (o que chamamos de verticalização) para otimizar o pagamento de impostos, o que acaba trazendo ineficiências. Afinal, ninguém é bom em fazer tudo, certo?

Essa dinâmica também contribui para onerar mais produtos industriais do que serviços, uma vez que os primeiros incluem toda uma cadeia produtiva (pagando mais impostos ao longo). Assim, como famílias mais pobres tendem a consumir mais bens do que serviços como proporção da sua renda, o sistema torna-se mais regressivo – penalizando proporcionalmente mais os mais pobres.

Como fica na proposta: Seria criado um imposto de valor agregado (consolidando uma série de impostos), com a adoção do regime não cumulativo. Essa é a principal base da reforma.

Base de incidência ampla X específica

Hoje, grande parte dos impostos existentes no país incidem sobre bens e serviços específicos. Por exemplo, o IPI incide sobre bens industrializados, o ICMS sobre bens e alguns serviços, e o ISS sobre o restante dos serviços.

Isso, como você deve imaginar, aumenta bastante o nível de complexidade do sistema.

Como fica na proposta: A reforma tributária unificará esses tributos e deve ter base ampla, alcançando todos os bens e serviços consumidos.

Tributação origem X destino

A cobrança de tributos pode incidir onde determinado bem ou serviço foi produzido (o que chamamos de tributação na origem), ou onde esse bem ou serviço é consumido – a chamada tributação no destino.

A diferença, nesse caso, será o estado ou município que ficará com o valor arrecadado por esse tributo. Atualmente, grande parte dos impostos no Brasil possui tributação na origem.

Uma das principais consequências negativas da tributação na origem é que governos regionais podem oferecer incentivos fiscais (como cobrar menos impostos) para atrair investimentos, levando ao que chamamos de “guerra fiscal”.

Isso acaba favorecendo os estados que conseguem oferecer maiores benefícios para a instalação de empresas, alimentando um ciclo vicioso em que estados mais ricos acabam por atrair mais empresas e aumentar sua arrecadação. A dinâmica contribui para a desigualdade regional no país e má alocação de recursos (dinheiro indo para onde não necessariamente seria mais produtivo, e sim onde pagará menos impostos).

Como fica na proposta: Seria adotado o princípio da tributação no destino. Para mitigar os efeitos diante de benefícios que já existem, a proposta pretende criar o Fundo de Desenvolvimento Regional (FDR) para estados e municípios, a ser financiado pelo governo federal.

Alíquota única X múltiplas

Outro aspecto importante de um sistema tributário é quantidade de alíquotas. Ou seja, todo bem e serviço deve pagar uma porcentagem igual de determinado imposto, ou isso vai variar?

Em geral, menos alíquotas significam um sistema mais simples e transparente, além de menos distorções nos preços relativos da economia.

Isso não significa que alíquotas diferenciadas não devem ser utilizadas em nenhum contexto. Pelo contrário; cobrar alíquotas mais altas de produtos nocivos à saúde (como cigarros), ou menos de serviços de educação e saúde são estratégias usadas em diversos países.

Porém, o caso brasileiro atual está longe do ideal. Embora PIS/Cofins tenham alíquota única (com exceções), IPI, ICMS e ISS têm tabelas próprias com alíquotas específicas para cada bem ou serviço produzido, que dependem de uma série infindável de características.

Para se ter uma ideia, o sistema permite que uma mera mudança na embalagem torne o produto muito mais barato – tornando um bombom (com 3,25% de alíquota) em um wafer para zerar a alíquota incidente.

Como fica na proposta: o objetivo central é simplificar o sistema criando uma alíquota de referência, aplicável a bens e serviços em geral – com exceções para setores como saúde, educação e transporte de um lado, e maiores alíquotas para desincentivar o consumo de produtos nocivos à saúde ou meio ambiente, do outro.

Resumindo: o que muda com a reforma?

Como falamos acima, a PEC que está sendo discutida hoje no Congresso trata de tributos sobre o consumo de bens e serviços. O objetivo central dela é resolver os problemas apontados acima.

Assim, a proposta implementa um novo tributo para substituir os seguintes tributos: PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS e ISS. Esses serão unificados em um único tributo de valor agregado (o famoso IVA), dividido em duas partes: a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), administrado pelo governo federal, e o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), administrado por Estados e Municípios.

Tanto o IBS quanto o CBS terão  base ampla (cobrindo todos os bens e serviços), serão não cumulativos (a base será o valor adicionado em cada etapa da cadeia produtiva), com no máximo quatro alíquotas (padrão, intermediária – 70% da alíquota padrão – reduzida – 40% da alíquota padrão – e zero) e tributação no destino.

Vale dizer que os percentuais das alíquotas serão discutidos em lei complementar posteriormente – ou seja, depois da aprovação da PEC.

A exceção ao imposto único (em sua forma de CBS e IBS) será o Imposto Seletivo (IS). Trata-se de um imposto diferenciado, que tem como objetivo desestimular o consumo de certos bens e serviços comumente atrelados a danos à saúde ou ao meio ambiente. O tributo, que ganhou apelido de “imposto do pecado”, deve incidir sobre produtos como armas de fogo, cigarros e bebidas alcóolicas. Nesse caso, o IS será cobrado adicionalmente ao IVA.

A Reforma também introduz um processo de devolução de imposto por cashback para famílias de baixa renda. Ou seja, o dinheiro de volta de impostos pagos em alguns bens e serviços, como itens da cesta básica e gás de cozinha.

Quanto ao tempo de transição, a Reforma propõe um período de oito anos para o fim dos cinco tributos, de 2026 a 2033. Já a transição da distribuição da arrecadação, para evitar perdas para alguns estados, seria de 50 anos, de 2029 a 2078.

Finalmente, é esperado que uma segunda fase da reforma tratando da Reforma Tributária, essa tratando da tributação da renda, seja discutida no ano que vem. Impostos discutidos nessa segunda etapa devem incluir: Imposto de Renda (IR e IRPJ), impostos sobre patrimônio e impostos sobre capital.

A reforma deve trazer ganhos para a economia

Diante do cenário altamente complexo e custoso descrito acima, a aprovação de uma reforma tributária que simplifique o atual sistema, alinhando a estrutura com as melhores práticas internacionais, tem o potencial de trazer impactos bastante positivos para a nossa economia no longo prazo.

Uma série de estudos realizados até o momento reforçam esse argumento. Em geral, as estimativas indicam crescimento adicional de 12% (0,76% ao ano) a até 20% (1,22%) em 15 anos, considerando-se apenas os efeitos diretos da mudança [2].

Em termos setoriais, os impactos tendem a ser mais positivos para a indústria, que poderia crescer até 25% acima do cenário sem reforma em 15 anos, mas agricultura e serviços também seriam beneficiados.

Há também efeitos indiretos da reforma tributária. Com um crescimento econômico maior, a arrecadação tributária tende a crescer mais e nosso nível de endividamento em relação ao PIB cair. Esse cenário contribuiria para reduzir o risco país e a taxa de juros de longo prazo. Além disso, efeitos indiretos tendem a reforçar o crescimento da economia, já que reduzem o custo de captação de recursos para investimentos.

Ou seja, apesar de impactos potencialmente negativos no curto prazo para determinados setores/empresas – que terão que se adaptar as novas regras – tudo aponta que os efeitos de longo prazo de uma reforma tributária serão benéficos ao país.

Impactos da reforma na bolsa: como ficam os setores?

Com base nas mudanças aprovados no Congresso até agora, destacamos abaixo alguns potenciais impactos da reforma em setores negociados na bolsa brasileira.

Para a maioria dos setores, a grande mudança será a consolidação de diversos tributos pagos ao longo da cadeia de produção em apenas dois: o CBS e o IBS. A redução na complexidade deve ajudar as empresas a abater os impostos pagos na cadeia de produção e a receber de volta o valor devido (como acontece na restituição do Imposto de Renda para nós pessoas físicas).

Mas, como falamos, alguns setores estão sujeitos a possíveis alíquotas e regimes diferenciados, devido à sua linha de atividade. Ou seja, pagarão menos ou mais do que a alíquota de referência do IBS e do CBS. Assim, os impactos tendem a variar entre empresas e setores.

Os setores de Transportes, Mineração e Siderurgia, e Petróleo, Gás e Petroquímicos, por exemplo, podem ser determinados a pagar o Imposto Seletivo, diante da atuação no ramo de extração mineral – conforme incluído na proposta hoje discutida no Congresso.

Já os setores de Saúde e Educação, por outro lado, devem ter tratamento diferenciado para diminuir o impacto das alterações da reforma nas isenções atuais dessas empresas.

Vale notar que os setores de Agronegócio e Alimentos atualmente são beneficiados por isenção de parte dos impostos em produtos da cesta básica, e a atividade rural tem isenção em insumos como sementes e fertilizantes. Mudanças nessas isenções afetariam empresas desses setores.

Por último, as exceções.

O setor Financeiro não deve entrar no novo modelo tributário com base no IVA e ter um tratamento diferenciado, diante da complexidade na apuração e diferenciação entre operações de crédito e serviços de intermediação financeira. Ou seja, esperamos que o setor não enfrente grandes alterações no comparado com o modelo de tributação atual.

Já o setor Imobiliário é muito heterogêneo (envolvendo modalidades como aluguéis, compra e venda, incorporações, construção civil, loteamentos, administração etc.), e não acomodaria bem um tratamento único. Por isso, ele também está entre as exceções previstas no projeto da reforma.

Finalmente, vale destacar que já foram levantados questionamentos sobre o pagamento de JCP. Ressaltamos que essa discussão deve ser tratada só em uma 2ª fase da reforma tributária, quando o assunto principal serão os impostos sobre renda e patrimônio.

Notas

[1] O conceito de tributo engloba impostos e contribuições. Os impostos são calculados a partir de uma porcentagem e não tem vinculação específica. Já as contribuições são valores destinados para um fim específico. Por exemplo: o IPTU e o IPVA são impostos cobrados de acordo com o valor do patrimônio. Já as contribuições têm uma finalidade específica, como o financiamento da Seguridade Social, a exemplo do PIS e da COFINS.

[2] Cardoso. D. F. e Domingues, E. P. Nota Técnica: Simulações dos impactos macroeconômicos, setoriais e distributivos da PEC 45/2019

Borges. B. Impactos macroeconômicos estimados da proposta de reforma tributária consubstanciada na PEC 45/2019.

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.