Recentemente, o preço do petróleo voltou aos holofotes de investidores e analistas, diante da forte alta registrada no ano, que já soma 14%, negociando perto de US$88 o barril (considerando o preço Brent – medida utilizada no mercado global).

Esse movimento é uma combinação de:

(i) tensões geopolíticas crescentes no mundo envolvendo regiões onde o petróleo é produzido;

(ii) redução de produção pelo cartel global de produtores da commodity, a OPEP+;

(iii) necessidade de recomposição de estoques estratégicos nos Estados Unidos; e

(iv) melhores perspectivas para o crescimento global, o que poderia aumentar a demanda.

Caso os preços do “ouro negro” sigam em elevação, os principais impactos na economia no Brasil e no mundo incluem a alta da inflação e a manutenção dos juros altos por mais tempo – impactando investimentos de diferentes tipos ao redor do mundo, da renda fixa às ações.

Mas a alta do petróleo também pode significar oportunidades de investimento, de olho em diferentes empresas que atuam no setor, da exploração à produção e distribuição no Brasil e no mundo.

Detalhamos tudo isso nas seções abaixo.  

O que está acontecendo com o petróleo?

Volatilidade: a realidade nos preços de petróleo

Volatilidade parece ser a pedra filosofal quando se trata de preços do petróleo, desde que esse combustível fóssil começou a ser usado como fonte de energia, ainda no século XIX, até se tornar responsável por praticamente 30% da matriz energética global – ou seja, a principal fonte de energia utilizada no mundo. 

E os últimos anos não foram exceção ao olharmos para o “sobe e desce” dos preços dessa commodity. Para ilustrar, o preço do barril de petróleo (Brent) foi de aproximadamente US$70,00 em abril de 2019, passando por extraordinários US$ 17,00 um ano depois (em abril de 2020), antes de subir para recordes US$ 134,00 em março de 2022, para chegar aos US$ 88,0 registrados na manhã de 24 de abril de 2024.

O vai e vem dos preços do chamado “ouro negro” é explicado pelo fato de que a commodity tem forte relação com o estado da economia global, além de eventos políticos e geopolíticos relacionados a sua exploração, produção e distribuição.

Assim, o que vemos no gráfico acima é reflexo de uma série de movimentos observados nos últimos anos que impactaram a economia e o cenário global, como por exemplo a eclosão da pandemia da Covid-19 – quando o medo generalizado de uma recessão global derrubou os preços de petróleo a ponto de o contrato futuro WTI (referência de preço no mercado americano) ser cotado a preços negativos, um evento sem precedentes na história.

Já o salto observado em março de 2022 reflete a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia, dado o envolvimento direto no conflito de um dos maiores produtores da commodity do mundo – e as esperadas sanções impostas à comercialização de petróleo russo, que reduziram a oferta e elevaram o preço de energia ao redor do mundo. 

Mais recentemente, a piora dos conflitos geopolíticos no Oriente Médio e na região do Mar Vermelho, caracterizada pela grande exploração de petróleo, tem adicionado pressão e volatilidade aos preços de petróleo nos mercados globais.

Falamos mais sobre a situação no Oriente Médio aqui.

O que (e quem) determina os preços de petróleo no mundo?

Assim como outras commodities, como soja e minério de ferro, o preço do petróleo nos mercados globais é determinado com base na relação entre oferta e demanda por tal insumo.

De maneira simplificada, quanto maior a oferta de petróleo no mundo, menor o preço do petróleo (e vice-versa), desde que a demanda siga a mesma. E quanto maior a demanda, maior o preço (e vice-versa), desde que a oferta siga a mesma.

E o que vemos em termos de oferta e demanda atualmente?

Do lado da demanda, a economia global vem se provando mais resiliente do que o esperado para o pós-pandemia, especialmente nos Estados Unidos enquanto muitos países apontam para uma forte retomada no crescimento, como Índia, China e mesmo o Brasil. Esse crescimento tende a elevar a demanda por insumos energéticos, como o petróleo.

Já do lado da oferta, a queda do investimento no setor de petróleo e gás (diante do esforço de muitos governos em reduzir a dependência em combustíveis fósseis, incentivando fontes alternativas de energia) contribuiu para reduzir a oferta da commodity no mundo nos últimos anos.

Nesse cenário, vimos uma forte queda nos estoques estratégicos de petróleo nos Estados Unidos, que chegaram perto das mínimas desde a década de 1980 – após uso elevado para atenuar os impactos da alta nos preços observada nos últimos anos.

Por outro lado, estoques na China seguem abastecidos, enquanto a produção de petróleo originário do gás de xisto nos Estados Unidos registra fortes elevações.

Ainda do lado da oferta, vale destacar a atuação da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo). A organização fundada na década de 1960 pelos então principais produtores de petróleo do mundo, em sua maioria na região do Oriente Médio, atua até hoje de maneira a coordenar a produção e a oferta de petróleo entre seus membros – impactando, assim, os preços da commodity praticados em mercados ao redor do mundo.

Nos últimos anos, sob a liderança da Arábia Saudita, a OPEP tem defendido cortes na produção de petróleo, evitando a queda nos preços diante da maior produção global. Embora essa atuação tenha sido limitada diante da oposição de alguns países membro (que tem optado por manter ou mesmo aumentar a produção de petróleo), entendemos que a organização seguirá defendendo reduções na oferta até que os preços atinjam um patamar mais elevado.

Em resumo: o equilíbrio entre oferta e demanda de petróleo no mundo segue incerto, porém, com viés de uma oferta reduzida diante de demanda em crescimento – cenário que tende a pressionar os preços da comodity. 

Os eventos geopolíticos em vigência no mundo, como falamos, tendem a contribuir para esse cenário de preços pressionados.

Impactos do petróleo em alta na economia

Preços de petróleo em alta colocam em risco dois movimentos que temos visto (e esperado) na economia global: a queda da inflação e a consequente redução nas taxas de juros.

Isso porque petróleo mais caro significa elevação de diversos outros preços na economia: dos combustíveis de carros e caminhões que transportam alimentos, ao plástico dos eletroeletrônicos e ao poliéster de roupas. Afinal, como falamos, o petróleo representa a principal fonte de energia utilizada no mundo, além de ser matéria prima para diversos bens industriais.

A disparada dos preços do petróleo do início desse ano já provoca efeitos que chegam à ponta final do consumo. Para se ter uma ideia, os preços da gasolina no mercado americano (que seguem os preços internacionais) já sobem cerca de 33% desde o início do ano, impactando a renda disponível dos consumidores.

Petróleo alto, preço da gasolina alto?

No Brasil, os preços de gasolina (na “bomba” ao consumidor final) são dependentes da política de preços praticada pela Petrobras, que determina o preço dos combustíveis nas refinarias.

Essa política considera uma série de fatores, incluindo os preços internacionais de petróleo, mas também fatores como a dinâmica de produção da Petrobras e do mercado de substitutos existentes no país.

Explicamos a política de preços da Petrobras em detalhes aqui.

Atualmente, projetamos que os preços de gasolina praticados no Brasil estão defasados em quase 30% em relação aos preços internacionais. Ou seja, estão mais baixos. Olhando para frente, entendemos que a Petrobras deve reajustar os preços parcialmente (e potencialmente em um momento de maior estabilidade dos preços), com reajuste de 7% na gasolina e 5% no diesel em junho.

Dito isso, se os preços de petróleo seguirem em alta no mercado global, podemos ver mais reajustes, e maior impacto na inflação por aqui.

Petróleo, inflação e juros

Nesse contexto de maior risco para a inflação vindo dos preços de petróleo, a esperada queda nos juros no mundo desenvolvido é colocada em xeque. Em outras palavras: cresce a probabilidade de seguirmos vendo juros altos por mais tempo no mundo, especialmente nos Estados Unidos, mas por aqui também.

Juros altos, por sua vez, tendem a prejudicar investimentos de maior risco, como ativos brasileiros em relação a outros no mundo, e aqui dentro investimentos como ações (em relação principalmente à renda fixa).

Te contamos tudo sobre o tema de “juros altos por mais tempo” aqui.

Como investir?

Apesar dos riscos na economia e nos mercados associados com o movimento de alta nos preços de petróleo, esse cenário também pode significar oportunidades de investimento.

Para investir nessa temática, é possível comprar ações de empresas envolvidas nas diversas etapas da cadeia produtiva da commodity, tanto do Brasil quanto de fora – por meio de BDRs, que são recibos de ações estrangeiras negociados na bolsa brasileira.

Abaixo, elencamos algumas alternativas para investir no setor.

Ações brasileiras

Prio:

A PRIO é a nossa principal escolha do setor, principalmente dado as nossas projeções de crescimento de produção e geração de fluxo de caixa da empresa.

Como principal risco vale destacar que as ações da empresa têm sofrido diante de preocupações quanto ao atraso de licenças ambientais, que podem resultar no adiamento do desenvolvimento de um novo campo de produção. Porém, vemos esse problema como temporário.

Para a PRIO3 possuímos recomendação de compra, com preço alvo de R$67,20.

 

Petrobras:

As ações da gigante do petróleo brasileira passaram por uma forte alta no ano passado, explicada principalmente pela revisão de lucros projetados para o futuro e pela forte produção acima do esperado. E qual nossa visão adiante?

Por um lado, esse desempenho positivo aproximou o preço justo avaliado da Petrobras de grandes pares europeus e chineses; ao mesmo tempo, potenciais fusões e aquisições na empresa também se destacam como potenciais riscos. Por outro lado, entendemos que a empresa segue “barata” do ponto de vista do preço de sua ação, e o crescimento esperado para a produção nos próximos anos segue bastante forte (perto de 30%).

Nesse cenário, possuímos recomendação de compra para PETR4/PETR3, com preço alvo de R$45,10.

 

PetroReconcavo:

A PetroReconcavo passou diversos desafios no ano de 2023, principalmente devido a restrições associadas à infraestrutura de terceiros.

Embora ainda vejamos a empresa gerando retornos mais baixos ao investidor (em comparação com a Petrobras ou a PRIO) em 2024, entendemos que a situação deve melhorar em 2025, possibilitando o crescimento de investimentos no negócio.

Assim, possuímos recomendação de compra para RECV3, com preço alvo de R$27,70.

BDRs (recibos de ações estrangeiras negociadas na bolsa brasileira)

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.