• O mês de outubro acabou, e chegou a hora de revisitar sua carteira de investimentos.
  • Resultado das eleições presidenciais no Brasil, instabilidade na Europa, revisão de lucros nos Estados Unidos. Se for investir, é melhor estar com um guarda-chuvas na mala.
  • Veja nesse texto nossa sugestão de alocação para sua carteira no mês de novembro e os principais pontos para ficar de olho nos seus investimentos.
  • Começamos com a nossa tradicional “previsão do tempo” para cada classe de ativos, e depois trazemos um panorama completo para você investir com embasamento.

Você compra guarda-chuva em dia de sol ou deixa para o momento de desespero? Quando vai à praia, passa filtro solar antes ou depois de sentir o ombro ardido? Investir bem é como se precaver de mudanças bruscas no tempo, sempre de olho na previsão antes de sair de casa ou fazer planos ao ar livre.

Nesse conteúdo, trazemos a meteorologia para as principais classes de investimento disponíveis no mercado e a nossa dose recomendada para todas elas para o próximo mês. Assim, evitamos que uma frente fria pegue a sua carteira desprevenida.

Para começar, a tabela abaixo inclui nossa sugestão atualizada de alocação para cada classe de ativos, como proporção do total de uma carteira, de acordo com cada perfil de investidor. Ou seja, nossa sugestão de como cada tipo de investidor deve diversificar seus investimentos – lembrando que a diversificação é a melhor amiga dos bons retornos no longo prazo.

Por isso, conhecer seu perfil de investidor, seus objetivos e seu horizonte de investimento são atitudes essenciais na hora de escolher onde alocar seu dinheiro (ou seja, investir).

Se você preferir, os Fundos DNA fazem essa alocação para você. Confira o Fundo DNA sugerido de acordo com seu perfil aqui.

Sabemos que o período eleitoral pode trazer ansiedade quando pensamos em nossos investimentos, mas seguimos firmes e fortes no recado dado no início do ano: a melhor estratégia para uma carteira bem-sucedida no longo prazo é aquela que tem como base e respeita seus objetivos e perfil de investidor e, antes de tudo, é bem diversificada – entre classes, ativos e geografias.

Diante do período de transição de governo que seguiremos ao longo dos próximos meses, esperamos uma maior volatilidade no mercado doméstico conforme algumas decisões políticas e econômicas sejam anunciadas pelo novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Assim, o momento atual ainda pede atenção e cautela, por trazer riscos adicionais a investimentos realizados sem estratégia e planejamento.

Isso torna ainda mais importante a devida alocação de seus investimentos entre classes de ativos que te protejam de variações que podem ocorrer tanto na renda fixa quanto na renda variável brasileira.

Confira nossa visão completa sobre os desafios imediatos do novo presidente e como isso poderá impactar os seus investimentos


O clima para as principais classes de ativo


Bolsa Brasileira

Tempo abrindo

Após um período marcado por nuvens mais espessas, o clima na bolsa brasileira tem dado espaço para certa abertura gradual.

É verdade que estamos nos primeiros dias após o resultado da eleição presidencial, o que gera incerteza. E essa incerteza, que se traduz em volatilidade dos nossos ativos, costuma perdurar ainda por mais algumas semanas / meses.

Porém, a história nos mostra que a bolsa brasileira responde bem aos meses posteriores ao 2º turno das votações. Esse movimento tende a ganhar força conforme há maior clareza sobre os desafios e estratégias do novo governo no cenário econômico. Ou seja, a dispersão dessa neblina de incertezas costuma trazer bons resultados a bolsa meses após o período eleitoral.

Além disso, a nossa bolsa continua atrativa, com empresas descontadas, não só quando comparado a bolsas de países emergentes, mas também diante do seu próprio histórico. Assim, mantemos nossa recomendação de bolsa brasileira como bom investimento de longo prazo – sempre respeitando um limite de alocação de acordo com seu perfil de investidor.

Dito isso, seguimos recomendando posições defensivas, diante do cenário ainda incerto. Empresas boas pagadoras de dividendos e em setores como o bancário, elétrico, de saneamento, varejo, construção de baixo poder aquisitivo, educação e consumo essencial são bons exemplo. Do outro lado, recomendamos evitar empresas com maiores riscos políticos – especialmente estatais.

Finalmente, vale lembrar que as empresas brasileiras estão em período de divulgação de resultados do 3 trimestre de 2022. Assim, podemos presenciar aumento de volatilidade conforme resultados destoem do esperado.

Renda Fixa, Tesouro e seus amigos

Sol a pino

Para os investimentos em renda fixa, o clima segue tropical, marcado pela elevada taxa Selic. Em sua última reunião, o Copom manteve a Selic no patamar de 13,75% ao ano, reiterando que os efeitos da alta de juros têm sido sentido na economia como esperado, mas que o jogo contra a inflação está longe de estar ganho.

Assim, apesar de não vermos a nossa taxa básica de juros subindo além dos atuais 13,75% ao ano nesse ciclo de altas, ela deve permanecer no atual patamar – que consideramos elevado – ao menos até segundo semestre que vem.

Nesse cenário, a renda fixa segue atrativa, com os juros altos mantendo elevados os retornos esperados ao investidor.

Os títulos atrelados ao CDI ou à Selic se beneficiam da taxa básica de juros elevada, permitindo uma boa rentabilidade da sua reserva de emergência e do seu “caixa” – aquele dinheiro que você deixa rendendo em liquidez para aproveitar oportunidades de investimento. Já os títulos atrelados ao IPCA (os famosos IPCA+) ajudam a proteger o seu patrimônio da maior “frente fria” do momento, por acompanharem a alta de preços medida por esse indicador.

Mas lembre-se de coordenar seu objetivo em termos de prazo com o vencimento do título se for optar por títulos prefixados ou atrelados à inflação. Além disso, sugerimos limitar os prefixados a objetivos de curto prazo (entre 3 e 4 anos). Isso porque o preço desses títulos poderá variar conforme movimentos de mercado até a data de vencimento. 

Explicamos essa dinâmica nesse vídeo.

Bolsa estrangeira

Chuvas esparsas

O tempo no último mês não deu trégua lá fora com a continuidade do clima chuvoso, especialmente na Europa. A região segue impactada pela inflação em níveis recordes, impulsionado por problemas de fornecimento de gás natural vindos da Rússia – combustível fundamental para o aquecimento de residências e produção industrial na região. Além disso, a aproximação do inverno e a turbulência político-econômica no Reino Unido aumentaram a percepção de risco e nível de incerteza no Velho Mundo.

O clima também não anda dos melhores nos Estados Unidos, onde o Fed (Banco Central americano) segue com sua postura dura contra a alta de preços – impactando os mercados acionários no país e no mundo.

Explicamos o efeito da alta de juros nas ações nesse texto.

A alta de juros e o consequente freio na economia tem pressionado o resultado e a performance da ação de empresas listadas na bolsa, com destaque para as Big Techs (como Apple, Amazon, Google e Meta). Caso essa temporada siga decepcionando investidores, podemos ver uma revisão na expectativa de lucro da bolsa americana, abrindo mais espaço para quedas nos preços das ações.

Porém, como nem tudo são nuvens, lembramos que a exposição a investimentos internacionais é sempre importante. Eles dão acesso a setores que muitas vezes não existem por aqui, além de proteger seus investimentos contra eventos domésticos, como incertezas eleitorais. Se realizados em moeda estrangeira (como o dólar, que é considerado um “porto seguro” em momentos de estresse global), podem ajudar a proteger sua carteira em momentos de grande incerteza global.

Além disso, sabemos que o sol sempre volta a brilhar após a tempestade – e o gráfico abaixo indica que o ditado tem funcionado com a bolsa americana.

Renda Fixa internacional

Sol entre nuvens

O processo em curso de alta de juros no mundo (de novo ele!) vem impactando negativamente os preços dos ativos de renda fixa internacional, que são majoritariamente prefixados, mas na contrapartida vem aumentando a atratividade e retorno esperado da classe de ativos.

 A previsão de “sol entre nuvens” também é favorecida pelo aumento da incerteza acerca da economia global, com títulos de renda fixa oferecendo prêmios mais altos. Afinal, quanto maior o risco, maior o retorno exigido.

Porém, com a maioria das empresas hoje muito mais saudáveis para enfrentar uma possível crise, níveis de inadimplência longe de patamares preocupantes, e regulações mais rígidas, o cenário traz oportunidades.

Assim, acreditamos ser importante ter esse tipo investimento em sua carteira (ou adicionar, se for o caso) – com cautela, dado o cenário ainda turbulento. Lembrando sempre de respeitar o percentual indicado para seu perfil de investidor, e horizonte de investimento mais longos.

Vale lembrar que a renda fixa internacional dá ao investidor muito mais opções de ativos em relação ao mercado brasileiro (como títulos de dívida de empresas em diferentes setores e níveis de risco), além de possuir maior liquidez e estratégias que podem ser exploradas por grandes gestores de fundos de investimento.

“Leva o casaco”: sugestões de ativos em cada classe

Agora que você já sabe nossa alocação recomendada (o peso de cada classe de ativos ideal para cada perfil investidor nesse momento) e nossa previsão do tempo, separamos algumas sugestões de investimentos recomendados em cada um desses tipos de ativos.

ClasseOpção de investimentoAplicação mínima
Renda fixa pós-fixadaTrend Pós-Fixado FIC FIRFR$100,00
InflaçãoTesouro IPCA 2026R$31,27
Renda Fixa PrefixadaTesouro Prefixado 2025R$31,56
Renda Fixa GlobalTrend Crédito Global FIMR$100,00
MultimercadoSelection Multimercado FIC FIMR$100,00
Renda variável BrasilCesta de ações “No Stress” RicoN/A
Renda variável InternacionalTrend Bolsa Americana Dólar FIAR$100,00
Renda variável internacional com hedgeTrend Bolsa Americana FIAR$100,00
AlternativosTrend Commodities FIMR$100,00

Vale lembrar que as recomendações sinalizadas na tabela não são as únicas possíveis, mas sim alternativas viáveis selecionadas pelos nossos especialistas para você.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.