Você compra guarda-chuva em dia de sol ou deixa para o momento de desespero? Quando vai à praia, passa filtro solar antes ou depois de sentir o ombro ardido?

Investir bem é como se precaver de mudanças bruscas no tempo, sempre de olho na previsão antes de sair de casa ou fazer planos ao ar livre. Nesse conteúdo, trazemos a meteorologia para as principais classes de investimento disponíveis no mercado e a nossa dose recomendada para todas elas para o próximo mês. Assim, evitamos que uma frente fria pegue a sua carteira desprevenida ou que você não planeje um dia de praia para aproveitar a próxima massa de ar quente.

Renda Fixa, Tesouro e seus amigos

Sol a pino

Para os investimentos em renda fixa, o clima segue tropical, com o cenário que ainda é de alta da taxa Selic. Isso porque juros mais altos levam os títulos de renda fixa a apresentarem melhores retornos ao investidor.

Os títulos atrelados ao IPCA (os famosos IPCA +) ajudam a proteger o seu patrimônio da maior “frente fria” do momento, por acompanharem a alta de preços medida por esse indicador. Já os títulos atrelados ao CDI ou à Selic se beneficiam da alta da taxa básica de juros, elevando a rentabilidade da sua reserva de emergência e do seu “caixa” – aquele dinheiro que você deixa rendendo em liquidez para aproveitar oportunidades de investimento.

Mas lembre-se de coordenar o prazo do seu investimento com o vencimento do título, se for optar por títulos prefixados ou atrelados à inflação, uma vez que o preço desses títulos irá variar conforme movimentos de mercado. Explicamos essa dinâmica nesse vídeo.

Bolsa brasileira

Sol entre nuvens

Com preços ainda descontados, a bolsa brasileira segue atrativaApesar do cenário menos favorável para alguns segmentos no curto prazo, nossas ações seguem relativamente baratas, especialmente quando comparadas às ações de empresas de outros países emergentes ou mesmo ao nosso histórico.

Esse raio de sol ainda se esgueira entre algumas nuvens, na forma de: aumento de aversão ao risco global; alta de juros nos Estados Unidos; aproximação das eleições e risco fiscal por aqui; inflação pressionada; queda do fluxo de capital estrangeiro; risco de desaceleração global; entre outras. Quem nunca olhou pra cima e viu uma nuvem com o mesmo formato de um fluxo negativo de capital, certo? Ninguém??

Visto que as preocupações de curto prazo podem fechar o tempo para investimentos de maior volatilidade, recomendamos posições mais defensivas e menos dependentes de ciclos de crescimento econômico, como empresas do setor elétrico, saneamento e consumo essencial. Você pode conferir na nossa carteira recomenda aqui. Caso você prefira delegar essa tarefa, fundos de investimento em ações podem ser uma boa opção.

Como nossas recomendações levam em conta não somente o presente, mas também perspectivas sobre o futuro, seguimos otimistas com o potencial desse investimento longo prazo, aumentando levemente a exposição à bolsa brasileira este mês para perfis com horizonte de investimento mais longo através de fundos multimercado.

 Bolsa estrangeira

Tempo nublado

Sabemos que a elevação de juros, normalmente, leva a duas coisas: i) freio na atividade econômica; e ii) redução do preço considerado justo para ações, especialmente de empresas com grande parte do seu crescimento esperado no futuro. O recente movimento de alta de juros nos EUA trouxe uma frente fria para as bolsas estrangeiras.

Por outro lado, a consequente queda no preço das ações trouxe a principal bolsa americana de volta ao patamar histórico de acordo com o famoso “P/L (Preço/Lucro)” – medida que identifica o preço das ações em relação ao seu lucro esperado. Em outras palavras, a bolsa americana ficou mais barata.

Assim, o momento atual pode representar um bom ponto de entrada para o investidor que ainda não possui exposição ao mercado internacional. Porém esse movimento deve ser feito com cautela, já que a incerteza atual deve seguir presente, trazendo possíveis novas ondas de reprecificação de ativos, principalmente se riscos de recessão aumentarem mais.

Lembrando que mantemos nossa recomendação de parte do patrimônio em investimentos internacionais para quase todos os perfis de investidor. Se realizados em moeda estrangeira (dólar ou euro), podem ajudar a proteger sua carteira em momentos de grandes incertezas globais; dão acesso a investimentos em setores que muitas vezes não existem por aqui; além de proteger seus investimentos contra eventos puramente domésticos, como eleições.

Renda fixa internacional

Sol entre nuvens

O processo em curso de alta de juros no mundo (de novo ele!) vem aumentando a atratividade da renda fixa internacional. Com uma dinâmica bem diferente dos ativos brasileiros, a renda fixa internacional além de incluir muito mais opções de ativos, possui maior liquidez e estratégias que podem ser exploradas por grandes gestores de fundos de investimento.

Assim, diante de movimentos de mercado favoráveis, estamos em um bom momento para ir adicionando esse tipo investimento em sua carteira (com cautela, dado o cenário ainda turbulento) – lembrando sempre de respeitar o percentual indicado para seu perfil de investidor, e o horizonte de investimento mais longos.

Aplicando a previsão do tempo: o que indicamos para cada perfil

Abaixo, contamos os detalhes desse balanço climático por trás da previsão do tempo para cada tipo de investimento. Mas antes, vale conferir quais investimentos indicamos para a sua carteira, e em qual proporção, para que você enfrente qualquer clima.

Vale lembrar que a escolha de onde alocar seus investimentos (ou seja, colocar seu dinheiro) de acordo com seu perfil de investidor, seus objetivos e seu horizonte de investimento, é essencial na busca de bons retornos no longo prazo.

Por isso, cada parcela da tabela de alocação a seguir indica uma sugestão de investimento em determinada classe de ativos, para melhor encaixar seus objetivos com o contexto atual. E depois explicamos o porquê dessas escolhas!

Não sabe seu perfil de investidor ainda? Clique aqui e descubra.

Por trás das recomendações: tudo o que rolou em junho

Inflação, juros e um agravante: uma possível recessão

Os principais temas por trás dos movimentos de mercados ao redor do mundo, e das nossas recomendações de investimento descritas acima, seguem dois velhos conhecidos de nós, brasileiros, mas nem tanto do mundo desenvolvido: a inflação alta e os juros em elevação.

O agravante do mês que dá início à segunda metade do ano se tornou a crescente expectativa de uma desaceleração da economia global, com destaque para os Estados Unidos. Como contamos nesse texto, a maior economia do mundo começa a mostrar sinais de perda de fôlego e se direciona a uma possível recessão, impulsionada pela maior inflação em 40 anos e pela alta de juros implementada pelo Banco Central.

Afinal, juros mais altos têm o objetivo de frear a inflação, mas o efeito colateral é um freio na própria economia.

Na mesma direção, o restante do mundo desenvolvido também sobe os juros na luta contra a inflação que teima se recusa a cair (ainda refletindo desequilíbrios fruto da pandemia e da guerra entre Rússia e Ucrânia), impactando a confiança de consumidores, produtores e investidores.

Enquanto isso, a China começa a relaxar medidas de restrição contra a covid-19, após dois meses lockdowns. Mas o caminho da recuperação não será fácil, mesmo com estímulos do governo, e o gigante asiático deve crescer menos do que o previsto nesse ano – levando consigo parte da demanda global. Afinal, uma China que cresce menos consome menos, impactando a demanda por insumos básicos, como minério de ferro e alimentos. Assim, começamos a ver uma queda inicial do preço de algumas commodities no mercado global.

Por aqui vamos bem, mas risco fiscal volta com força

Apesar de também sofrermos com inflação e juros em alta, o cenário doméstico segue relativamente positivo no curto prazo.

Na primeira metade desse ano, nossa economia foi impulsionada por uma combinação de: termos iniciado a alta de juros antes de boa parte do mundo (com a taxa Selic rumado os 13,75% ao ano em agosto); preços de commodities ainda altos; normalização de serviços após o fim das restrições contra a covid-19; estímulos do governo (liberação do FGTS e antecipação de benefícios para aposentados); e melhora no mercado de trabalho.

Mas, como nem tudo são rosas, junho foi marcado pelo retorno de mais um velho conhecido dos brasileiros: o risco fiscal. Sabendo que a situação positiva não deve durar muito tempo, com o crédito mais caro logo sendo sentido no dia a dia das famílias, assim como o fim dos estímulos “extras” e da reabertura do país, a classe política decidiu pelo aumento de gastos.

Assim, o “vai e vem” em Brasília sobre exceções às regras fiscais para acomodar maiores gastos, como o aumento do Auxílio-Brasil e de benefícios a caminhoneiros, reacenderam a luz amarela sobre as nossas contas públicas no longo prazo. Afinal, gastos adicionais precisam ser pagos – com mais dívida, impostos ou mais dinheiro (inflação!).

Essa piora de percepção de risco contribuiu para o real voltar a figurar entre as piores moedas emergentes, as expectativas sobre o patamar dos juros no futuro subirem (impactando títulos de renda fixa), e a bolsa sofrer.

Quer saber mais sobre a relação entre risco fiscal, mercados e seus investimentos? Te contamos aqui!

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento