• O litro do leite mais barato do que o litro da gasolina?
  • Não é fake news, e a explicação passa pela inflação global, a guerra na Rússia e a redução de impostos pelo Congresso.
  • Confira como chegamos aqui e o que esperar para o nosso leite (e gasolina) de cada dia.

Não, @pretademaiss, você não está sozinha nessa “sofrência” pelo preço do queijo! De fato, de acordo com o nosso principal indicador de inflação do país (o IPCA), o preço do queijo subiu 27,3% nos últimos doze meses até julho.  

O motivo principal por trás dessa alta não é que todos nós resolvemos comer muito mais queijo do que normal, e fazer fondues para acompanhar a onda de frio em boa parte do país. E sim, a alta do preço de seu principal ingrediente: o leite.  

Acumulando alta de 66,5% nos últimos doze meses no país, o valor médio do litro de leite UHT (o famoso leite longa vida) alcançou R$ 6,79 em julho na cidade de São Paulo – segundo dados do Procon-SP.   

É verdade que esse tipo de leite não é o mesmo usado na produção de outros produtos, como o queijo consumido pela influencer e por nós, reles mortais. Mesmo assim, a situação de elevação de preços pouco se altera se olharmos de maneira mais ampla para “leite e derivados”, que registram alta acumulada de 41,2% no período.  

Leite mais caro que gasolina? 

Ao mesmo tempo em que assistimos à alta do preço do leite, os últimos meses também foram marcados por uma queda significativa do preço de combustíveis no país, em especial a gasolina.  

De fato, o preço da gasolina registrou deflação de 15,5% em julho, atingindo o valor médio por litro de R$ 5,35 na cidade de São Paulo no mesmo período (e R$ 5,40 na média do país). 

Assim, chegamos a uma situação nada comum: o litro do leite ficou mais caro (em média) do que o litro de gasolina!  

Por que o leite subiu? 

Como tudo em economia, a recente queda no preço do leite não pode ser explicada por um único motivo. Nesse caso, podemos separar as principais razões entre: questões que já estavam presentes na indústria de laticínios no Brasil (e levarão mais tempo para serem revertidas), e questões relacionados ao cenário recente que se somaram a essas.  

Olhando para as razões estruturais, a produção de leite no Brasil vem enfrentando fortes reduções nos últimos anos, por conta das margens baixas e da dificuldade no repasse da alta dos custos ao consumidor final. Em outras palavras: é um produto relativamente caro de produzir, mas sem grandes diferenciações possíveis para o consumidor, o que torna mais difícil obter maiores retornos.  

Isso, por si só, já responde por parte da alta do preço observado nos últimos anos. Afinal, com menores incentivos econômicos para produzir, a oferta do produto cai, e o preço sobe.  

Nesse cenário, adicionamos os fatores de curto prazo, relacionados com a conjuntura recente. Como contamos aqui em detalhes, uma das principais consequências da pandemia e dos estímulos criados para enfrentá-la foi a alta dos preços no mundo, especialmente de bens básicos, como alimentos. A guerra entre Rússia e Ucrânia (dois grandes produtores de commodities) piorou ainda mais a situação, por reduzir a oferta ao mundo.  

Assim, com o preço de insumos usados na alimentação do gado subindo (como soja e milho), muitos produtores passaram a racionar ração. Com menos ração, reduziu-se a oferta de leite. Com menor oferta, o preço subiu ainda mais. O resultado é ilustrado no gráfico abaixo, que mostra a forte queda na captação de leite no país desde o início do ano.  

Por que a gasolina caiu? 

Primeiro, a gasolina subiu 

A gasolina passou o último ano em substancial alta de preços ao redor do mundo, por conta da elevação de sua principal matéria prima: o petróleo.  

Os motivos por trás do salto observado no preço dos combustíveis foram, em grande parte, os mesmos observados em outros insumos básicos: desequilíbrios na relação entre oferta e demanda por bens e insumos básicos causados pela pandemia; e a eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia.  

Porém, diante da magnitude e importância da produção russa de combustíveis no mundo, e da redução recente de investimentos no setor, o choque no preço do petróleo foi ainda maior. 

O Brasil não foi exceção a esse movimento de alta, e a gasolina chegou a registrar alta de 50% em novembro de 2021 (no acumulado em doze meses), desacelerando 26,9% em junho de 2022. Vale lembrar que a desaceleração da inflação não significa que o preço caiu; e sim, que passou a subir um pouco mais devagar – e nesse caso, ainda bastante rápido.  

Depois, a gasolina caiu 

A queda significativa do preço da gasolina aos consumidores nos últimos meses se deu, principalmente, por conta da redução de impostos aprovados pelo Congresso e pelo governo na tentativa de reduzir o impacto da alta dos combustíveis no poder de compra das famílias. Afinal, não podemos esquecer que transportamos quase tudo em caminhões no Brasil.  

O resultado foi a queda de 15,5% no preço da gasolina em julho.

Porém, movimentos recentes do cenário internacional também passaram a ajudar. Isso porque perspectivas de que o mundo crescerá menos esse ano (com algumas regiões enfrentando recessões econômicas) passaram a enfraquecer o preço de commodities no mundo, como podemos ver no gráfico abaixo.  

Para se ter uma ideia, o preço do barril de petróleo (Brent) caiu de US$ 127,2 no início de junho para US$ 99,8 em 22 de agosto. Essa queda nos preços internacionais deu espaço para cortes nos preços aqui dentro por parte da Petrobrás (que determina o preço dos combustíveis no país, como explicamos aqui).  

E, assim, chegamos ao preço médio de R$ 5,40 por litro de gasolina no país em 14 de agosto (de acordo com dados da ANP).  

O que esperar? Leite para baixo, gasolina para cima

A boa notícia é que o preço leite deve cair em breve, se estabilizando. Apesar das questões estruturais que falamos acima ainda prejudicarem a indústria de leite no país, os efeitos de curto prazo já começam a perder força, dando espaço para quedas no preço no atacado – como vemos nos gráficos abaixo. 

Assim, a expectativa é que essa queda seja sentida em breve pelos consumidores finais.   

Já para a gasolina, não devemos ver mais reduções no preço tão cedo.  

Do lado doméstico, porque não devem ser aprovadas mais reduções de impostos; no cenário internacional, porque há certa expectativa de que o preço do petróleo ganhe força novamente próximo ao final do ano – por conta da chegada do inverno no hemisfério norte, quando aumenta o consumo. Assim, esperamos um reajuste de +5% no preço da gasolina no último trimestre do ano.  

Investindo com a inflação a seu favor 

Nesse cenário de inflação alta, proteger os investimentos torna-se mais essencial do que nunca. Títulos indexados à inflação, como o Tesouro IPCA + 2026, debêntures de empresas sólidas e boas classificação de risco, e fundos de inflação (fundos de investimento que investem em ativos indexados à inflação) são ótimas alternativas.

Falamos mais das melhores oportunidades de renda fixa aqui.   

Além disso, há maneiras de encontrarmos oportunidades nesse período. Confira aqui nossa seleção de ações e BDRs que se beneficiam de momentos de inflação forte.

Por fim, vale lembrar que os ativos reais também ficam especialmente interessantes nesse momento. Esses ativos costumam ter seus preços reajustados pela inflação global, representando uma posição estratégica contra a alta de preços e diante dos desafios nas cadeias de produção globais. São exemplos de ativos reais as commodities minerais e agrícolas, e metais preciosos. Uma alternativa simples para acessar esses investimentos é por meio do eTrend Ativos reais. 

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.