No último dia 25 de janeiro, a notícia de que estrangeiros já retiraram R$ 5 bilhões da bolsa brasileira chamou a atenção dos investidores. Esse movimento, aliás, é um dos fatores que justifica o desempenho das ações em janeiro de 2024: com mais gente querendo vender seus ativos, a oferta aumenta e os preços caem em resposta. Com isso, o Ibovespa, principal índice de ações brasileiras, já acumula queda de quase 5% no primeiro mês do ano.

Mas o que levou os gringos a tirarem o dinheiro daqui? Os investidores estrangeiros ainda vão voltar?

O que é o fluxo de investidores na Bolsa?

Todos os meses, a B3 divulga informações de fluxo de capital para a Bolsa, segregando a fonte desse dinheiro em 5 grupos de investidores: estrangeiros, institucionais, pessoas físicas, instituições financeiras e empresas. O estrangeiro é, de longe, quem tem mais participação na bolsa brasileira.

A entrada de capital de fora na Bolsa atingiu R$ 56 bilhões em 2023, o segundo maior valor em 15 anos. Este ano, no entanto, começou fraco: até agora, os investidores estrangeiros sacaram R$ 5,3 bilhões.

Por que os investidores estrangeiros tiraram dinheiro da Bolsa?

Na nossa visão, essa forte saída de capital se deve não a uma preocupação com o Brasil, e sim à leitura do cenário macroeconômico global. O rali de ativos de risco que vimos no final de 2023 — que fez o Ibovespa alcançar o maior nível da história, acima de 134 mil pontos — foi motivado pela expectativa dos mercados de que o Federal Reserve (banco central dos EUA) começaria a cortar os juros já na reunião de março do seu comitê de política monetária, o Fomc.

No final de dezembro de 2023, o mercado precificava uma probabilidade de 88% para esse evento, e o otimismo em relação ao início do ciclo de queda de juros beneficiou as ações globalmente.

Entrando em 2024, uma série de dados econômicos mistos foram divulgados nos EUA, indicando que a economia ainda resiliente e a inflação levemente acima do esperado seriam pedras no caminho do Fomc para cortar as taxas. Com isso, a probabilidade da redução acontecer em março de 2024 caiu para os 45% atuais.

Vendo menos chances de a taxa de juros de referência cair logo, os rendimentos dos títulos públicos americanos (as Treasuries) subiram. Com esse movimento, o apetite por risco do investidor global diminuiu, levando-o a tirar dinheiro de ativos mais arriscados como ações em mercados emergentes — o caso do Brasil.

Nossa visão para a bolsa brasileira mudou?

Em resumo, não. Continuamos construtivos com ações brasileiras, pois entendemos que essa saída de capital estrangeiro está mais relacionada a fatores externos do que a mudanças na percepção dos gringos do mercado brasileiro. Como escrevemos em nosso Onde Investir na Bolsa em 2024, acreditamos que ela ainda pode se beneficiar por:

1) Investidores estrangeiros devem continuar comprando bolsa, e vemos bastante potencial dos investidores domésticos voltarem para as ações — tanto pessoa física quanto institucional.

2) Apesar de uma valorização relevante no fim de 2023, a bolsa brasileira segue barata. Ou seja, empresas brasileiras têm gerado mais valor, mas isso ainda não está refletido no preço das ações. Esse desconto ainda existe mesmo quando comparamos as ações brasileiras com as estrangeiras.

3) Enquanto nas economias desenvolvidas a discussão ainda é sobre quando os juros começarão a cair, no Brasil o ciclo de cortes segue a todo vapor. Historicamente, ciclos de corte de juros tendem a ser positivos para a Bolsa brasileira.

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.