dezembro 10, 2020

Juros simples: o que é e como calcular [Exemplos]  

No cálculo financeiro, os juros simples estão, na maioria das vezes, relacionados à modalidade de prestações, como por exemplo, em compras parceladas.  

Os juros simples fazem parte da nossa vida nas mais variadas operações. 

Seja em aplicações financeiras ou na compra de mercadorias, elas podem aparecer como método de correção da dívida ou do investimento

Por isso, entender seu funcionamento é parte da evolução pessoal de cada um quanto à própria educação financeira

Para saber mais sobre o tema e aprender como fazer o cálculo de juros simples, continue a leitura. 

Estes são os tópicos que vamos abordar a partir de agora: 

Boa leitura! 

O que é juros simples?

Os juros simples são uma porcentagem aplicada a um valor inicial para a sua correção em determinado período

Como são simples, seu cálculo resulta no mesmo valor utilizado mês após mês. 

De maneira resumida, o conceito de juros simples representa o valor que uma parte – conhecida como “credor” – recebe quando empresta o seu dinheiro para outra – que é o “devedor”. 

Pode ser uma pessoa, empresa ou instituição financeira

O valor recebido pelo credor funciona, então, como uma remuneração praticada entre os agentes do mercado sempre que acontece um deslocamento temporário do capital

Assim, os juros são utilizados para calcular o retorno de uma série de operações financeiras

Por exemplo:  

Se você empresta R$ 500 a um amigo e ele lhe devolve em cinco parcelas de R$ 110, na quitação da dívida, você terá R$ 550.  

Esses R$ 10 que ele pagou a mais em cada parcela representam a aplicação de juros simples

Observe, então, que os juros simples nada mais são do que a forma pela qual os credores são recompensados pelo valor e pelo tempo em que o seu dinheiro está emprestado. 

Para que servem os juros simples? 

Como destacamos no tópico anterior, a principal função dos juros simples é remunerar os credores que fornecem o capital utilizado para fazer a economia girar. 

A remuneração oferecida a quem empresta o dinheiro não existe à toa dentro da lógica econômica. 

Para entender para que servem os juros simples, então, primeiro precisamos falar sobre a inflação e o que ela representa

Medido no Brasil pelo IPCA (Índice de Preços para o Consumidor Amplo), o índice inflacionário representa a desvalorização proporcional da moeda brasileira, em poder de compra, dentro de um determinado período. 

Na prática, isso significa que o dinheiro será desvalorizado durante o tempo em que estiver sob tutela do devedor. 

Por isso, é comum que os juros sejam maiores que a inflação para que o credor receba de volta um valor bruto no mínimo equivalente ao que emprestou. 

Além disso, existe um risco envolvido em todo e qualquer empréstimo de capital e o investidor deve ser recompensado financeiramente por ter se arriscado. 

No dia a dia do mercado, os juros são utilizados por bancos, financeiras, lojas que oferecem crediário e, claro, para calcular a rentabilidade de ativos em investimentos. 

Por que você deve entender de juros simples?

 Homem sentado em uma mesa escrevendo aprendendo sobre juros simples com um cofre de moedas e moedas espelhadas.

Desde crianças, aprendemos que os conceitos matemáticos apresentados na escola são importantes para navegarmos sem complicações pela vida adulta. 

Dentre as coisas que a maioria de nós aprende na sala de aula, os juros certamente se destacam por sua grande importância no cotidiano

Quem já começou sua jornada pelos investimentos há algum tempo, sabe bem que os juros são parte essencial desse mundo. 

De fato, o conceito tem enorme importância no desenvolvimento econômico de um país, pois os juros estão presentes em uma infinidade de operações comuns do mercado

Você certamente já ouviu falar muito sobre a Selic, que é a taxa básica de juros da nossa economia. 

Ela é referência para todas as operações envolvendo juros no país

Por exemplo, a taxa aparece para chegar ao “preço” de empréstimos em instituições financeiras. 

Isso ocorre com a ajuda de uma fórmula que leva em conta o risco atrelado ao montante e o tempo que esse capital vai ficar nas mãos do devedor. 

Saindo um pouco dos empréstimos, o conceito afeta também diretamente na rentabilidade de seus investimentos

Isso porque muitas aplicações têm sua rentabilidade atrelada aos juros praticados no país. 

Seja no papel de credor ou de devedor, tenha a certeza de que você faz muito bem ao seu dinheiro ao dominar o tema juros simples

Conceitos essenciais que você deve saber para calcular juros simples 

Neste momento, você deve estar se perguntando sobre o que fazer para conhecer os juros simples em uma operação financeira

Antes de avançarmos para a fórmula do juros simples e o cálculo em si, é preciso dar um passo atrás para entender alguns conceitos que são necessários para fazer a conta. 

Você vai ver que cada um deles tem um significado bastante lógico – o que facilita a sua compreensão. 

Ao entender o significado por trás de cada termo, você terá mais facilidade para calcular e verificar os custos de um financiamento ou a rentabilidade de uma aplicação, entre outras operações. 

Então, confira os quatro conceitos essenciais para calcular juros simples: 

Capital (C) 

O primeiro conceito que precisamos abordar é o de Capital, representado por C na fórmula de cálculo dos juros simples. 

Dentro dessa lógica, o Capital é o valor inicial que temos de base para calcular as remunerações ao credor ou investidor. 

Por vezes chamado de “Capital investido”, ele representa o valor que foi inicialmente aplicado no ativo em questão

No caso dos empréstimos ou financiamentos, esse valor representa a quantia que foi tomada pelo devedor no início do contrato. 

Esse dinheiro está “limpo” e livre de taxas de rentabilidade ou qualquer tipo de acréscimo – essa parte só vem mais tarde. 

Taxa (i) 

Para avançar nos conceitos que compõem o cálculo e fórmula dos juros simples, temos em seguida a Taxa, representada por “i”

Esse valor nada mais é do que o índice pelo qual o Capital será multiplicado para termos o valor que vai ser pago na remuneração do investimento ou empréstimo. 

Trata-se de um valor percentual utilizado como referência sobre a valorização esperada dentro daquele período. 

A taxa pode ser prefixada no momento em que o dinheiro é tomado pelo devedor ou, ainda, calculada de acordo com os juros praticados no mercado. 

Juros (J) 

Em seguida, temos Juros como um conceito para o cálculo que é representado na fórmula de juros simples pela letra J

Diferente da Taxa, aqui, não estamos nos referindo ao valor proporcional que será utilizado para calcular a remuneração ou rendimento, mas à rentabilidade em si. 

A partir do percentual explicado acima, podemos calcular o valor real dos Juros

Para isso, consideramos o Capital como a referência do valor que será considerado para tirarmos dali a porcentagem. 

Assim, a T e i representam dois lados da mesma moeda: um fala do percentual de cálculo e outro indica o resultado desse cálculo. 

Montante (M) 

Da soma do Capital com os Juros, surge o conceito de Montante, que na fórmula do juros simples é representado pela letra M

Sempre que fazemos um investimento, recebemos ao final do contrato o valor aplicado acrescido de uma remuneração. 

No caso de empréstimos, a lógica é a mesma com a diferença de que o credor – e não um investidor – é quem fica com essa quantia. 

O valor da remuneração varia de acordo com o contrato, mas, sempre é calculado a partir do Capital e da Taxa, resultando no valor de J. 

Tempo (t) 

Por fim, o Tempo é o conceito que diz respeito à duração do contrato de investimento ou empréstimo – ele é representado na fórmula pela letra t. 

É importantíssimo levar esse conceito em consideração, pois o valor dos Juros varia de acordo com a Taxa e com a duração do período em que o Capital estará nas mãos do devedor. 

E por falar em Taxa, sempre que você for calcular juros simples, é preciso se certificar de que está usando a mesma unidade para i e t

Se o índice praticado no seu investimento é de 2% ao mês, o valor de Tempo também precisa ser mensurado em meses. 

Como calcular os  juros simples 

Pessoas sentadas a mesa. Um contanto dinheiro e outra calculando o juros simples de seu investimento.

Agora que você entendeu cada um dos conceitos envolvidos na concepção e na fórmula dos juros simples, podemos avançar para o cálculo na prática. 

Seguindo nossas dicas, não sobra espaço para erro na hora de encontrar o valor total de rentabilidade dos seus investimentos ou aquilo que deve em empréstimos. 

A fórmula básica da taxa de juros é: 

  • J = C · i · t 

Mas, caso a matemática não seja um de seus fortes, não precisa se preocupar. 

Pensando nisso, apresentamos abaixo dois modelos de cálculo de juros em detalhes para que você possa entender todo o processo. 

Como fazer cálculo de juros ao mês? 

Antes de começar as suas contas, o primeiro passo deve ser substituir na fórmula de juros simples as letras por valores numéricos que representam a sua situação com fidelidade. 

Para os exemplos a seguir, usaremos a situação hipotética em que o investidor fez um investimento de R$ 10 mil em uma aplicação que prefixou uma taxa de retorno de 7% ao mês, em juros simples. 

Vale acrescentar que, no Brasil, a grande maioria das aplicações financeiras trabalham com juros compostos.  

Os juros simples são mais comuns em outros países, como por exemplo nos Estados Unidos.  

A partir disso, gostaríamos de saber qual valor estará disponível para o saque ao fim do contrato de 24 meses. 

Sendo assim, temos: 

  • C = 10.000 | i = 0,07 | t = 24 
  • J = C · i · t 
  • J = 10.000 · 0,07 · 24 
  • J = 16.800. 

Como fazer cálculo de juros ao dia? 

Lembra quando falamos sobre a importância de ter o Tempo e a Taxa padronizados para a mesma unidade de tempo? 

Para seguir com o cálculo de juros ao dia, vamos precisar fazer algumas adaptações

Ainda dentro do exemplo do investimento inicial dos R$ 10 mil, vamos supor que uma outra instituição ofereça taxas de 0,5% ao dia e você, como cliente, quer saber qual aplicação vale mais a pena para os mesmos 24 meses. 

Nesse caso, o valor de t passa a ser 730, que é o número de dias em 24 meses – confira: 

  • J = 10.000 x 0,0005 x 730 
  • J = 36.500. 

Exemplo e exercícios resolvidos de juros simples em investimentos 

Quer confirmar se você entendeu o que são e como funcionam os juros simples? 

Confira abaixo com dois exemplos de exercícios resolvidos pelo Portal Mundo Educação

  • Um investidor aplica R$ 1.000,00 a juros simples de 3% ao mês. Determine o valor recebido após um ano. 

Estas são as informações que temos inicialmente: 

  • C= 1.000,00 
  • i= 3% ou 0,03 
  • t = 1 ano = 12 meses. 

Agora, vamos descobrir qual é o juro envolvido na operação: 

  • J = C . i . t 
  • J= 1000 . 0,03. 12 
  • J = 360. 

O juro obtido será de 360 e, somando-se ao capital, temos: 

  • M= C + j 
  • M = 1000 + 360 
  • M= 1.360,00.

Resposta: Após um ano o investidor recebeu R$ 1.360,00. 

  • Calcule o juro que renderá um capital de R$ 15.000,00 aplicado a uma taxa de juros simples de 12% ao ano, durante seis meses. 

Veja que a taxa está anual, então, vamos convertê-la para meses:  

  • 12% /12 = 1%. 

Agora, podemos seguir com o cálculo: 

  • J = P . i . n 
  • J= 15.000 . 0,01. 6 
  • J = 900. 

Resposta: O juro resultante será de R$ 900,00. 

Assim, como tudo o que aprendemos na vida é preciso prática, com o cálculo de juros simples não vai ser diferente.  
 
Por isso, continue praticando! 

Juros simples e compostos: qual a diferença?

 Homem em pé, com a sobrancelha levantada demonstrando dúvida em relação a diferença entre juros simples e composto.
É bem provável que ao chegar até aqui surgiu a dúvida: “Juros simples ou juros compostos?”, não é mesmo? Se foi isso, continue a leitura para entender a diferença entre os dois conceitos.  

Além dos juros simples, você vai encontrar outra modalidade de correção de dívidas e investimentos que são os juros compostos

A principal diferença está na forma como o cálculo é feito. 

Quer entender melhor o conceito?

Nossa especialista Paula Zogbi preparou um vídeo explicando tudo sobre juros compostos na Renda Fixa.

Confira!

Como calcular juros compostos 

Diferente dos juros simples, para os juros compostos, o valor de J não é calculado a partir do valor do Capital inicial, mas em cima do Montante atualizado todos os meses. 

Por esse motivo, os juros da modalidade não são fixos como no primeiro caso, e aumentam conforme a duração do contrato. 

A fórmula para calcular juros compostos é a seguinte: 

Nela: 

  • M: montante acumulado 
  • C: capital investido 
  • i: taxa de juros 
  • t: período de tempo (está elevando e não multiplicando o período em questão)  

Conclusão 

Homem com foco em um dos olhos e as mãos em pé direcionando o seu olhar, com aspecto de quem conseguiu compreender o conceito de juros simples.

O conceito de juros simples aparece em diversas operações financeiras, o que justifica a importância para o seu bolso e para a economia de modo geral. 

Por isso, entender o seu funcionamento ajuda a ter bons resultados na sua relação com o dinheiro

Vale, inclusive, para a hora de investir

Para isso, você pode contar com a Rico, que tem os melhores produtos, sob medida para o seu perfil e objetivos. 

Abra sua conta agora mesmo e aproveite todos os benefícios de ser um cliente Rico. 

Clique e abra sua conta na Rico