maio 6, 2021

Ativo Financeiro: O que é, Características e Classificações!  

Se você está interessado em construir uma carteira de investimentos rentável e condizente com seus objetivos, é essencial entender o que é um ativo financeiro!

Afinal, esse conceito faz parte da base do aprendizado sobre o mundo financeiro e dos investimentos.

Qualquer um que deseja investir deve conhecer o que é, as características e diferentes classificações de ativo financeiro.

Antes de tudo, entenda que esse texto é sobre ativos que podem compor uma carteira de investimentos para a pessoa física. Cuidado para não confundir com a linha de Ativos Financeiros no balanço de uma empresa. Se quiser saber mais sobre esse tema também, deixe nos comentários.

De forma resumida, ativos financeiros são aqueles que você pode comprar e negociar, obtendo lucros na operação.

Porém, para qualquer investidor, é importante conhecê-los a fundo antes de trazê-los para sua carteira. O sucesso ao negociar ativos está muito ligado à sua capacidade de gerenciá-los.

E é por isso que nós da Rico criamos esse conteúdo completo sobre o assunto. Aqui, você vai aprender sobre:

  • O que é ativo financeiro?
  • Principais características de ativos financeiros
  • Divisão dos ativos financeiros: Entenda!
  • Quais são os principais ativos financeiros do Mercado?
  • Como escolher o melhor ativo financeiro para começar a investir?
  • Como investir em ativos financeiros?

Interessado nesse tipo de investimento? Na Rico, você pode diversificar sua carteira investindo em vários tipos de ativos financeiros.

Abra sua conta agora mesmo, é grátis!

O que é ativo financeiro?

Ativos financeiros são ativos intangíveis, como depósitos bancários, títulos e ações. Seus valores são derivados de uma reivindicação contratual do que representam.

Os ativos financeiros não são bens ou mercadorias e não possuem representação física além da documentação que os define.

Por definição, os ativos financeiros são mais líquidos do que os ativos tangíveis.

O que isso quer dizer? Bom, esses ativos podem ser convertidos em dinheiro de forma mais rápida que um imóvel, terreno ou outro ativo tangível.

Agora, por que os ativos financeiros existem? O motivo é simples:

O objetivo do sistema financeiro como um todo é conectar quem precisa de dinheiro com quem quer investir.

Para muitos, eles estão representados na figura “de quem precisa pagar” e do “poupador”, respectivamente.

Os poupadores armazenam seu capital de forma que ganhem um retorno com isso.

Já os devedores desejam realizar projetos, mas precisam de dinheiro (que geralmente vem dos poupadores) para financiar esses projetos.

Como isso funciona na prática? Te explicamos:

Pense no caso de uma organização que quer construir uma nova fábrica em outro país.

Como ela pode conquistar capital para isso?

Um jeito é emitir títulos e ações para os poupadores como forma de aumentar os ativos financeiros.

Quando os poupadores compram essas ações e títulos, eles estão efetivamente emprestando dinheiro a essas empresas.

Essa participação acionária dá ao detentor de parte das ações o direito a uma parte do lucro que a empresa obtém (o que chamamos de “dividendos“).

Outra forma de reaver esse investimento no ativo financeiro é a possibilidade de vender as ações para outra pessoa.

No caso de a empresa ter valorizado nesse meio tempo, sua venda trará além do retorno do investimento, um lucro.

Principais características de ativos financeiros

É preciso entender que cada tipo de ativo financeiro possui uma característica específica. Por isso, não dá para sair investindo em qualquer opção que surgir na sua frente sem pensar no seu perfil de investidor e nos seus objetivos.

Como qualquer decisão de aplicação, o ideal é estudar e pesquisar sobre o ativo e suas características antes de qualquer coisa.

Umas das característica a se analisar é a liquidez do ativo:

Em sua jornada de investimento, você vai encontrar alternativas com liquidez mais alta ou mais baixo.

Quando a liquidez é alta, significa que você pode converter o ativo em dinheiro em curto prazo. Já se a liquidez for baixa, ocorre o contrário: é preciso de mais tempo para resgatar o valor investido.

Isso tudo, no caso dos ativos financeiros, também tem relação com o período da aplicação.

Caso você ainda não esteja familiarizado, esse período é representado por D+”número”, normalmente localizado ao lado do nome do ativo.

Assim, um ativo D+0 possibilita retirada instantânea, já o D+30 apenas 30 dias após o investimento ser realizado.

Um exemplo são os títulos do Tesouro Direto, que possuem vencimentos variados, desde liquidez diária (D+0) até títulos com vencimento daqui a alguns anos.

Assim, o investidor sabe exatamente quanto tempo seu dinheiro será aplicado — o que, no caso de ser anos para frente, significa liquidez baixa.

Objetivos dos ativos financeiros: Entenda!

Ao analisar o mercado financeiro, você provavelmente vai se deparar com três diferentes tipos de ativos.

A principal recomendação para os investidores é apostar em ativos variados, de acordo com seu perfil de investidor e objetivos, compondo uma carteira de investimentos diversificada, e que possibilite movimentações a curto, médio e longo prazo.

Voltando aos tipos, temos os seguintes:

Ativos que geram renda

O termo já é bem autoexplicativo, certo?

Esses são os ativos que garantem uma fonte de renda ao investidor que os possui, seja em forma de dividendos, juros ou mesmo pagamentos de aluguel.

Esse fluxo constante de retornos é o que compensa as flutuações de valor, que podem ser mais constantes nessa modalidade.

Ativos de crescimento de capital

Com rendimentos a longo prazo, eles são ideias para quem pensa em expandir o patrimônio e tem tempo para isso.

Ainda assim, são investimentos com grau de risco maior e com volatilidade oscilante. Por isso, ao lidar com esses papéis, o ideal é sempre monitorar.

Ativos de reserva de emergência

São ativos que servem como reserva de emergência para o investidor, por isso, têm como característica a alta liquidez e alta segurança (e baixa rentabilidade, por consequência).

Por ser pensada para gastos extraordinários, a reserva de emergência deve poder ser resgatada rapidamente, e sem perda do capital inicial. Por isso, são recomendados os ativos com liquidez diária, ou seja, que vai ser transformado em dinheiro até o dia seguinte do resgate, e com risco baixo. Alguns exemplos são o Tesouro Selic, CDBs com liquidez diária e rendimento próximo a 100% do CDI, e os fundos DI de taxa zero, como o Trend DI Simples. A poupança tem resgate fácil, mas oferece rendimentos mais baixos que as alternativas anteriores e não é a melhor opção.

Quais são os principais ativos financeiros do Mercado?

carrinho de mercado com moedas dentro ao lado de pequenas caixas com nomes de ativos financeiros

Depois de entender o que é um ativo financeiro e suas diferentes características, é hora de conhecer os principais exemplos encontrados no mercado.

Existem ativos que se enquadram tanto em aplicações de renda variável como de renda fixa.

Ou seja, opções não faltam para qualquer tipo de perfil de investidor, certo? Aprenda mais:

Ativos Financeiros de Renda Variável

Ao investir em um ativo financeiro de renda variável, é preciso compreender que é normal que eles apresentem bastante oscilação.

No mercado de ações, é difícil prever o rendimento, por isso, há certo potencial de perdas — mas também de alto rendimento, dependendo da operação.

Confira alguns ativos dentro dessa categoria:

Fundos de investimento de renda variável

Os fundos de investimento são boas opções para aplicar em ativos de renda variável. São exemplos os fundos de ações, fundos cambiais e etc.

É justamente a origem desses títulos que os torna um tipo de renda variável.

Fundos de ações, por exemplo, normalmente são geridos por um profissional especializado — que decide por comprar ou vender ações.

Essa segurança, porém, ocasiona certo custo de administração.

Ações

As ações representam frações de um negócio, que são negociadas na bolsa de valores.

Assim, quem compra um desses papéis, automaticamente compra um pedaço da organização e têm direito a uma participação nos lucros, relativa à porcentagem que possui.

Existem ações ordinárias, que possibilitam que o acionista participe de assembleias da empresa. Mas também existem ações preferenciais, que dão alguns privilégios na hora de receber os dividendos.

São ativos com volatilidade bem alta, já que seu valor é determinado pela oferta e demanda dos investidores.

ETFs

Os Exchange Traded Funds são fundos de gestão passiva que têm como referência um índice da bolsa de valores. Ou seja, eles replicam a composição de certos índices financeiros.

Os ETFs também são administrados por um gestor financeiro.

Suas características são a praticidade, já que é possível investir em várias ações de um só vez, e o baixo custo de manutenção.

São ativos de alta liquidez.

Ativos Financeiros de Renda Fixa

Os ativos de renda fixa são mais seguros, porém muitas vezes o potencial de rentabilidade não é tão alto quanto o dos ativos de renda variável. No entanto, eles também compõe uma boa carteira diversificada. Entre os exemplos, citamos:

Certificados de Depósito Bancário (CDB)

O CDB é um tipo de título emitido por uma instituição financeira privada.

Sua função é, através destes títulos captar recursos para que o banco ou instituição possa oferecer aos seus clientes, gerando um ciclo de movimentação do dinheiro.

Seus rendimentos podem variar conforme o Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

LCI e LCA — Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio

São letras de crédito emitidas por bancos para financiar atividades desses dois segmentos de mercado.

São isentos de IR, mas normalmente permitem saques apenas em longo prazo.

LC — Letra de Câmbio

As LC são quase a mesma coisa que os CDBs, mas são emitidas por instituições financeiras de menor porte.

Como característica, apresentam boa rentabilidade e garantia do FGC para valores até R$ 250 mil.

Apesar do nome, seu lastro está realmente atrelado a contratos de financiamentos.

Tesouro Direto

Trata-se de títulos públicos, que podem ser prefixados, indexados pela taxa Selic ou pelo IPCA.

No caso do título indexado pela Selic, o Tesouro Selic, ele pode ser resgatado a qualquer momento e possui baixa volatilidade.

Por serem emitidos pelo Tesouro Nacional, são opções mais seguras, com o menor risco de crédito do mrcado, e cabem em diferentes objetivos de vida e distintos momentos  da jornada financeira.

Debêntures

São títulos de renda fixa, emitidos por empresas. São ofertados por algum motivo específico, como financiamento de um projeto.

Apesar de não possuir garantia do FGC, as debêntures possuem rentabilidade alta, o que as tornam um tanto atrativas para os investidores.

Há outra opção dentro desse tipo de ativo, que são as debêntures incentivadas, que partem de empresas ligadas ao governo, pertencentes a setores estratégicos.

Sua vantagem é a isenção de IR.

Fundos de renda fixa

E bem como existem fundos de ações, existem também os fundos de renda fixa, compostos por títulos privados e públicos.

Entre esses ativos estão debêntures, CDBs, LCI e LCA.

Nesses casos, o controle do fundo também é de responsabilidade de um gestor especializado, que faz a compra e venda de ativos.

No caso dos fundos de renda fixa, é comum encontrar cestas compostas por 80% de papéis de renda fixa e 20% de derivativos — utilizados para alavancagem, assim é possível potencializar a rentabilidade, sem prejudicar o núcleo principal de ativos já investidos.

Como escolher o melhor ativo financeiro para começar a investir?

Para começar a investir com segurança e rentabilidade, o ideal é pesquisar pelo melhor ativo antes de sair aplicando seu dinheiro sem critérios.

Para isso, busque entender algumas coisas antes:

Perfil investidor

Você sabe qual o seu perfil de investidor? Normalmente, se consideram 3 tipos: conservador, moderado e agressivos.

No caso do investidor conservador, suas alternativas se direcionam mais aquelass que priorizam segurança, visto que não busca correr riscos.

Já o perfil moderado é mais aberto a aceitar alguns riscos, sem sacrificar sua rentabilidade ou também apostar em liquidez muito baixa.

E o investidor mais arrojado assume maiores riscos em nome da rentabilidade e/ou da alta liquidez. É alguém que sabe que pode perder capital, e tem foco no longo prazo.

Ao abrir a conta em um corretora de investimentos, você vai responder um questionário para descobrir o seu e, a partir daí, receber as recomendações de ativos adequados para o seu perfil e objetivos.

Como investir em ativos financeiros? Passos

E afinal, qual o passo a passo para investir em ativos financeiros?

Bom, se você pretende investir tanto em renda fixa como variável, saiba que já é o início da jornada.

Porém, procure não adiar muito a sua tomada de decisão.

Quanto antes você começar a compor a sua carteira, com qualquer valor, melhor para você e sua saúde financeira!

Além disso, você pode buscar organizar seus investimentos começando pelo básico:

  • Realize um planejamento financeiro;
  • Defina uma meta de investimentos mensais;
  • Maximize os seus ganhos e reduza os gastos;
  • Procure construir uma carteira de investimentos diversificada e segura;
  • Tenha paciência — é a maior virtude de um investidor;
  • Continue estudando através dos conteúdos da Rico!

Comece a investir hoje com a Rico

Agora que você entendeu tudo sobre ativos financeiros, que tal começar a investir hoje mesmo com a Rico?

Invista em Renda Fixa, em Renda Variável, em ações ordinárias ou preferenciais. Em qualquer ativo financeiro do mercado!

Você pode começar com pouco e construir sua carteira com planejamento assertivo e com auxílio das dicas do Blog da Rico!

E então, por que não começar agora mesmo? Construa uma carteira diversificada, abra sua conta na Rico agora mesmo!

Conclusão

Entender os ativos financeiros é uma parte crucial da jornada de um investidor.

O mais adequado é variar os tipos de ativos em sua carteira, tornando-a diversificada — e balanceando os ganhos a curto, médio e longo prazo, de acordo com seu perfil de investidor e objetivos..

Porém, para isso, é necessário conhecer a fundo os ativos financeiros, seus tipos e como gerenciá-los.

A boa notícia é que as dicas desse conteúdo vão servir de porta de entrada para você começar a conhecer os ativos na prática.

E agora, que tal aumentar seus lucros? Abra sua conta na Rico!

Para continuar aprendendo, siga seus estudos em nosso blog!