Ano novo, regra nova!

Tenha você feito ou não promessas de mudar a forma como você lida com os seus investimentos em 2023, certamente o dia a dia do investidor com aplicações em renda fixa mudará nesse ano com a nova regra da marcação a mercado.

A regra que será aplicada no dia 02/01/2023 altera a forma com que o investidor enxerga os seus investimentos, mas não necessariamente irá impactar em sua rentabilidade. Entenda mais a seguir.

O que é marcação a mercado?

Quando você investe em renda fixa, você empresta um dinheiro para recebê-lo em uma data futura corrigida de juros. Para exibir esses ganhos ao longo do tempo, existem duas formas: a marcação na curva e a marcação a mercado.

Esse tipo de “marcação na curva” é o cálculo do valor da compra do título, atualizado diariamente pelo indexador (por exemplo, inflação ou CDI) e dos juros referentes à remuneração do papel (“taxa de compra”), aproximando o valor visto pelo investidor da rentabilidade do investimento, se for mantido até o vencimento.

Porém, este “preço de curva” não necessariamente reflete o valor de negociação do título no mercado em caso venda antes da data de vencimento, uma vez que as taxas podem mudar em diferentes dias, alterando a precificação deste investimento.

Já a “marcação a mercado” demonstra qual seria o valor daquele título se fosse vendido no mercado naquele momento de acordo com as taxas praticadas.

Fazendo uma analogia cotidiana, imagine que você está decidindo sair do aluguel e resolve comprar uma casa. Antes de fazer esse investimento você calculou que em 10 anos o investimento se pagará, dado que você não terá mais o custo do aluguel mensal.

Assim, a cada mês que passa, você sente seu investimento rendendo de forma quase linear. Desta forma, basta esperar o tempo passar para que o retorno seja alcançado naquela data futura — similar a “marcação na curva” de seus investimentos.

Porém, todos os dias um vizinho interessado em comprar sua casa resolve informar o quanto ele (bom entendedor do mercado imobiliário) pagaria no seu imóvel de acordo com o valor de mercado.

Como o preço varia dependendo do “humor” do mercado, você poderia ver sua casa valendo mais ou menos do que pagou— esse por sua vez, seria um comportamento similar a “marcação a mercado” de seus investimentos.

Embora a marcação na curva traga uma sensação de progresso linear, ela não reflete o valor real do ativo no dia a dia. Por outro lado, a “marcação a mercado” pode trazer um pouco de ansiedade em momentos de maior valorização ou desvalorização do ativo. Em ambos os casos, a rentabilidade do ativo não se altera, o que muda é a forma de enxergar a rentabilidade em sua carteira.

Qual é a nova regra?

A “nova regra” da marcação a mercado estabelece que mais títulos de renda fixa passarão a exibir a marcação a mercado ao invés da “marcação na curva”. O que antes a característica apenas dos títulos do Tesouro Direto, agora também serão o padrão para debêntures, CRIs, CRAs e títulos públicos (títulos do tesouro vendidos no mercado secundário).

AtivoRegra de Marcação
DebêntureMercado
CRAMercado
CRIMercado
Títulos PúblicoMercado
BancáriosCurva
Letras FinanceirasCurva
FIDCCurva

A nova regra é aplicável a pessoas físicas e jurídicas, com exceção às empresas de médio e grande portes. A intenção da nova regra da marcação a mercado é refletir melhor o valor atualizado da carteira dos investidores, baseado no valor em que esses títulos estão sendo negociados no mercado.

Vale reforçar que a nova regra não muda a rentabilidade do investimento, apenas altera a forma que é exibido o investimento em sua carteira. Com essa nova regra, o investidor terá mais transparência e informação caso decida se desfazer de seu investimento antes do vencimento do título.

Além disso, a “marcação a mercado” é a metodologia padrão em economias avançadas, como nos Estados Unidos e em toda Europa ocidental. Dessa forma, a nova regulação aproxima o Brasil a padrões internacionais.

Marcação a mercado na prática, para quem quer ir a fundo.

Para os mais interessados em como funciona o cálculo de um título marcado a mercado, faremos uma simulação de como os títulos podem sofrer com essas variações do dia a dia.

Para isso, vamos utilizar a fórmula de marcação a mercado do título LTN — Letra do Tesouro Nacional, também conhecida como Tesouro Prefixado. Confira a formula a seguir:

Em que:

  • PU : Valor do título na data de cálculo;
  • VN: Valor nominal do título (Valor de resgate)
  • tx: Taxa de mercado de títulos para o mesmo vencimento;
  • du: Número de dias úteis para o vencimento do papel

Fonte: Manual da marcação a mercado – B3

Como padrão, os títulos do Tesouro Prefixado têm o valor de resgate de R$1.000,00 (VN ou valor nominal do título). Assim, para saber qual o valor atual do seu título que estará marcado a mercado, teremos 2 variáveis: O número de dias úteis até o vencimento(du); e a taxa de rendimento do mesmo título sendo negociada naquele dia(tx).

Marcação a mercado e a variação de taxas

Assim, simularemos abaixo o quanto a variação de taxa de um título em um mesmo dia poderia afetar o valor de seu investimento em um Tesouro Prefixado 2025 com rentabilidade de 12,97% e vencimento em 01/01/2025 no dia de hoje (27/12/2022).

TaxaValor no vencimentoValor atualVariação percentualVariação nominal
10,97%R$ 1.000R$ 811,393,7%R$ 28,59
11,97%R$ 1.000R$ 796,911,8%R$ 14,10
12,97%R$ 1.000R$ 782,800,0%R$ 0,00
13,97%R$ 1.000R$ 769,07-1,8%-R$ 13,73
14,97%R$ 1.000R$ 755,70-3,5%-R$ 27,10

Nesse exemplo, podemos notar que quanto maior for a taxa do mercado, menor será o valor atual deste título. Isso significa que, caso você tenha comprado o tesouro pela taxa de 12,97% ao ano (a taxa atual do mercado) e no mesmo dia ocorra a variação de taxa para 14,97%, você teria visto seu título desvalorizar 3,5% naquele dia. Por outro lado, no caso de uma queda nas taxas também em 2 pontos percentuais, seu título teria valorizado 3,7%.

Embora uma mudança tão brusca nas taxas em um mesmo dia seja pouco provável, esse exemplo demonstra como a alteração de taxas impacta diretamente nos preços dos títulos de renda fixa. Dinâmica que será sentida pelo investidor com a aplicação da nova regra em seus investimentos como CRIs, CRAs, debentures e títulos públicos.

Marcação a mercado em vencimentos mais longos

Além das taxas outro fator importante nessa equação é o prazo para o vencimento. Nessa mesma fórmula, a única variável exponencial é o número de dias úteis para o vencimento (du) que será dividido pela constante 252.

Isso significa que, quanto maior o número de dias úteis até o vencimento, maior será o impacto na equação. Em outras palavras, maior a volatilidade no preço desse título. Realizando a mesma simulação com o Tesouro Prefixado 2029 na taxa atual de 13,05% ao ano, temos o seguinte resultado.

TaxaValor no vencimentoValor atualVariação percentualVariação nominal
11,05%R$ 1.000R$ 533,8611,3%R$ 54,12
12,05%R$ 1.000R$ 505,965,5%R$ 26,22
13,05%R$ 1.000R$ 479,750,0%R$ 0,00
14,05%R$ 1.000R$ 455,10-5,1%-R$ 24,64
15,05%R$ 1.000R$ 431,92-10,0%-R$ 47,82

Ou seja, a mesma variação de 2 pontos percentuais em um título de vencimento um pouco mais longo pode provocar uma variação superior a 10% do valor do investimento marcado a mercado.

Não se preocupe com a marcação a mercado

Como explicamos nessa análise, a marcação a mercado mudará o dia a dia como você enxerga seus investimentos de renda fixa, mas não deveria se tornar fonte de preocupação para os investidores.

Para aqueles que irão investir até o vencimento do título, que deveria ser o comportamento esperado para a maioria dos investidores, essa nova exibição pode provocar um pouco de ansiedade pelas constantes variações de preço, mas não altera o rendimento final que é pago no vencimento exatamente na taxa contratada.

Por outro lado, para aqueles que procuram os melhores momentos para realizar a negociação de seus ativos, a nova regra da marcação a mercado poderá trazer um pouco mais de informação e praticidade ao investidor brasileiro.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.