*Por Paula Zogbi e Júlia Aquino

  • Jogos Olímpicos: tempo de vibrar, torcer, lamentar não ter levado mais a sério as aulas de natação na infância e… investir, claro
  • Com investimentos massivos, o maior evento esportivo do mundo movimenta a economia local e, historicamente, a maioria das bolsas de valores dos países-sede apresentam altas no período dos jogos
  • As empresas patrocinadoras também costumam ter grande visibilidade, o que tende a impulsionar as receitas (e também suas ações)
  • Conheça as patrocinadoras do evento para investir agora

Jogos Olímpicos: tempo de vibrar, torcer, lamentar não ter levado mais a sério as aulas de natação na infância… Após muita espera, estamos vivendo a Tóquio 2020 intensamente, mas na medida do possível: sem torcedores nas arquibancadas, com um monitoramento constante da pandemia e correndo o risco de um cancelamento no meio do caminho, conforme informou o chefe do comitê que organiza os jogos.

Com ou sem aglomeração, o maior evento do mundo já movimenta as programações das TVs nas madrugadas da casa de muitos de nós (por aqui estou dormindo bem menos que o normal para vibrar com as conquistas de medalhas). E a realização dos jogos em si já é uma boa notícia — financeiramente — para alguns grupos.

Para começar, as cidades-sede. A última edição movimentou US$ 9 bilhões, por exemplo, e o Ibovespa subiu 2,5% entre 5 e 21 de agosto de 2016, janela da Rio 2016. Aliás, segundo um estudo da Bespoke (pré-2016), em 75% dos casos as bolsas dos países-sede têm altas entre a abertura e o encerramento do evento, com média de valorização de 1,74% e mediana de 2,32% — nada mau para um período de cerca de duas semanas.

A pior performance foi na edição de 2008 na China, que aconteceu durante o estouro da bolha hipotecária nos EUA, quando o índice Shangai Composite despencou 7,69%; o melhor retorno foi um salto de 9,41% do S&P 500 na edição de 1984 em Los Angeles.

Levantamos também os desempenhos das bolsas locais em 12 meses nas edições mais recentes dos jogos, comparando com o desempenho anterior ao evento:

Não à toa, gestores e analistas ao redor do mundo buscam embolsar um pouco do frenesi olímpico com exposições e recomendações a empresas capazes mudar de patamar neste período.

Correr para comprar Japão?

Calma, não é tão simples assim. Independentemente do “otimismo olímpico”, o período dos jogos não apaga a situação geral dos mercados. Assim como 2008 foi marcado pela crise das hipotecas subprime, no ano de 2016 estávamos em pleno processo de impeachment no Brasil (o que gera grande incerteza); no período que englobou a edição de 2012 o mercado sofria efeitos da crise dos PIIGs (quando Portugal, Itália, Irlanda, Grécia e Espanha, não puderam honrar dívidas públicas) e neste ano estamos vivendo a pandemia de Covid-19.

O Japão não está entre os países que mais vacinaram contra a Covid-19 e ainda estamos passando por uma incerteza muito grande em relação ao ritmo de retomada da economia, principalmente pela falta de informação sobre a resposta às novas cepas. Nossa tese aqui não é “compre Japão” indiscriminadamente, mas sim para ficar de olho em empresas de boa qualidade e bons fundamentos que podem se beneficiar do evento.

Diversos estudos a partir das edições anteriores dos jogos mostram que o período estimula altas significativas no valor de mercado das patrocinadoras do evento e no volume negociado para essas ações em bolsa (um exemplo de 2012 com acesso gratuito). Quatro das grandes patrocinadoras desde 2000 costumam performar melhor que o benchmark global de ações MSCI World Index durante os meses dos jogos, conforme mostrou o Yahoo Finance em 2016, e só uma delas, a Coca-Cola, perdeu para o índice no acumulado dos anos olímpicos, na média:

Screen Shot 2016-07-29 at 9.51.05 AM

Neste ano, para somar, os jogos, caso bem-sucedidos, representam uma sensação de volta à normalidade, apesar de todas as restrições. As empresas com maior potencial de crescimento na bolsa, então, são aquelas que se beneficiam tanto da exposição como da reabertura da economia.

A partir da lista de patrocinadores oficiais do evento, passamos um filtro quantitativo nas ações dessas empresas para descobrir quais delas têm recomendação de compra pelos analistas especialistas em seus respectivos setores — assim, indicamos as que têm maior potencial de retorno conforme a avaliação da maior parte dos especialistas em seus respectivos setores. Da lista, oito têm BDRs para você investir sem precisar “sair” do Brasil. O resultado está no botão abaixo (e relaxa, é de graça).

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.