• A inflação americana atingiu 8,3% em agosto. 
  • O resultado veio pior do que o esperado, e indica que a alta de preços segue forte e o principal desafio da maior economia do mundo.
  • Entenda o cenário e os impactos no Brasil no texto na íntegra.

A inflação ao consumidor dos Estados Unidos (CPI, na sigla em inglês) registrou alta de 0,1% em agosto.

O resultado veio acima das expectativas de analistas, levando o acumulado em doze meses para 8,3%. O movimento reflete uma queda em relação ao mês anterior – em 8,5% – mas segue muito acima da meta do Banco Central americano (2,0%), sinalizando que o controle de preços permanece como principal desafio da maior economia do mundo. 

O número pior do que o esperado no mês foi puxado principalmente pela alta de serviços, como aluguel e transporte, que seguem bastante pressionados e indicam uma economia ainda aquecida. Preços de gás natural também chamam atenção, apesar da queda geral de energia, puxada pela forte desaceleração de gasolina e outros combustíveis.

Como podemos ver no gráfico abaixo, a alta de preços de gás não é exclusiva aos Estados Unidos, refletindo a guerra ainda vigente entre Rússia a Ucrânia – que reduz a oferta da commodity no mundo.

Por outro lado, o setor automotivo registrou forte desaceleração, levando o acumulado em doze meses a cair para 7,8% em agosto, de 10,4% em julho.

Inflação importada, importa

Para o dia a dia do brasileiro, a notícia pode parecer distante, mas é importante.

Primeiro, porque apesar da alta maior do que o esperado, a inflação começa a dar sinais de desaceleração – especialmente no que sentimos também por aqui. Como o resultado mensal indica, apesar da alta em serviços e desequilíbrios ainda presentes no setor de energia global, a queda no preço de certas commodities (como alimentos e combustíveis) e de produtos industriais – diante da melhora das cadeias de produção globais – tem ajudado a reduzir o ritmo da inflação no EUA. E de maneira similar, no resto do mundo.

Segundo, porque também “importamos” parte da inflação de bens e serviços americanos. Os Estados Unidos são nosso segundo principal parceiro comercial, de quem importamos diversos produtos e serviços, como máquinas e equipamentos e serviços de tecnologia e comunicação. Assim, quanto maior a inflação por lá, maior a inflação dos produtos que importamos por aqui – impactando nossa inflação.

Juros subindo nos Estados Unidos

Finalmente, mas não menos importante, o cenário de alta de preços nos Estados Unidos impacta diretamente na política monetária do país. Ou seja, no rumo dos juros americanos, que afeta muito além da maior economia do mundo.

Nos últimos meses, a elevação dos juros americanos tem sido um dos principais propulsores de mercados ao redor do mundo, trazendo forte volatilidade. Afinal, a inflação alta requer juros altos para ser controlada. E juros subindo rápida e fortemente podem desacelerar a economia a tal ponto que a consequência se torna uma recessão. No bom português: o freio se torna forte demais e acaba prejudicando a economia.

Além disso, juros em alta nos Estados Unidos significam menor liquidez para mercados – ou seja, menos dinheiro em busca de retornos no mundo, além de reduzirem a atratividade relativa de ativos em países mais arriscados, como o Brasil. Em bom português: com juros maiores lá, investidores pensam um pouco mais sobre investir aqui, onde o risco é maior.

Deste modo, o rumo dos juros nos Estados Unidos também impacta os nossos juros por aqui, especialmente aqueles determinados pela relação entre percepção de risco e demanda no mercado – os juros de longo prazo, que tanto impactam a vida de empresas e famílias no país.

Confira aqui mais sobre o cenário de juros em alta nos Estados Unidos e os impactos nos seus investimentos nesse texto.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.