• O preço da gasolina subiu muito recentemente. Mas essa não foi uma exclusividade do Brasil.
  • Embora não tenhamos o combustível mais caro do mundo (em termos absolutos), esse aumento pesou no bolso do brasileiro.
  • Quando esses custos sobem, a dúvida surge: será que ainda vale a pena ter um carro?
  • Fizemos uma simulação usando diferentes meios de transporte e alternativas de investimentos – e te contamos aqui o que encontramos!

Qual a gasolina mais cara do mundo?

A Holanda é um país conhecido por uma série de características distintas, como por exemplo o trânsito dominado por bicicletas.

A geografia plana das cidades provavelmente colabora para que as pessoas usem mais bicicletas como principal meio de transporte, mas o alto custo do combustível (85% mais caro do que aqui no Brasil) certamente motiva o uso de meios de transporte alternativos.

A Holanda está entre os países com a gasolina mais cara do mundo – considerando uma comparação simples em dólar, não levando em conta a paridade de poder de compra. Além de importar boa parte do combustível consumido no país (correspondendo a 29% do total de bens importados), os altos preços pagos por consumidores holandeses também são resultado de uma taxação considerável sobre combustíveis fósseis – justamente para reduzir os incentivos para o uso de carros movidos a gasolina e outros combustíveis altamente poluentes, como diesel.

De fato, a prática de elevar os impostos sobre carros para incentivar o uso de meios de transporte mais “ASG” tem crescido ao redor do mundo nos últimos anos.

Veja a lista de preço de combustíveis de alguns países no dia 21/03/2022.

País Preço em US dólar Preço em real*
Venezuela  $0,03  R$                            0,12
Irã $0,05  R$                            0,25
Rússia $0,43  R$                            2,12
Bolívia $0,55  R$                            2,68
Colômbia $0,63  R$                            3,08
Equador $0,67  R$                            3,32
Estados Unidos $1,24  R$                            6,10
Brasil $1,31  R$                            6,42
Chile $1,35  R$                            6,65
China $1,36  R$                            6,68
Japão $1,45  R$                            7,14
Canadá $1,57  R$                            7,71
Países Baixos (Holanda) $2,43  R$                         11,97
Mónaco $2,15  R$                         10,57
Hong Kong $2,19  R$                         10,76
*Taxa de câmbio utilizada de US$ 1,00 – R$ 4.92 / cotação do dia 22/03/2022

Porém, apesar de a gasolina parecer mais cara na Holanda do que no Brasil, ela pesa muito mais no bolso do brasileiro. Isso porque os preços nominais não são normalmente a melhor forma de comparação quando falamos de renda de países distintos.

Assim, uma forma de ter uma visão melhor de quanto a gasolina pode pesar no orçamento dos consumidores holandeses e brasileiros, comparativamente, é considerar o salário mínimo como base.

Foi esse exercício que fizemos, e apresentamos abaixo. Veja como a situação muda!

País Preço em US dólar do litro de gasolina (21/03/2022) salário mínimo em dólares % de 50l em relação ao salário mínimo
Venezuela  $0,03 $1,74 72%
Irã $0,05 $77,99 3%
Rússia $0,43 $95,14 23%
Bolívia $0,55 $313,96 9%
Colômbia $0,63 $242,02 13%
Equador $0,67 $437,50 8%
Estados Unidos $1,24 $1.160,00 5%
Brasil $1,31 $246,34 26%
Chile $1,35 $303,66 22%
China $1,36 $344,48 20%
Japão $1,45 $1.349,80 5%
Canadá $1,57 $1.550,90 5%
Países Baixos $2,43 $1.953,70 6%
Mónaco $2,15 $2.205,00 5%
Hong Kong $2,19 $6.191,90 2%
Fonte: https://pt.globalpetrolprices.com/gasoline_prices/ e https://countryeconomy.com/national-minimum-wage

Como podemos ver, apesar da gasolina no Brasil não figurar entre uma das mais caras no mundo, essa situação muda bastante quando consideramos o quanto o custo com a gasolina pode pesar no bolso do trabalhador por aqui.

Rússia X Ucrânia e a alta da gasolina

Infelizmente, o aumento recente do custo do combustível no Brasil não foi para incentivar o uso de bicicletas. Inclusive, o tema da alta recente dos combustíveis não é uma exclusividade do nosso país.

Com a eclosão do conflito entre Rússia e Ucrânia no último mês, o impacto na alta de preços de combustíveis pode ser visto em todo o mundo – dado a alta do barril do petróleo no mercado internacional.

Falamos mais sobre a relação da guerra no leste europeu e o preço do petróleo e outros insumos básicos aqui.

O gráfico abaixo mostra a evolução do preço do barril de petróleo (tipo Brent, negociado na Bolsa de Londres) nos últimos anos. Fica fácil ver que a commodity já vinha assistindo uma alta nos preços desde meados do ano passado, puxada pela recuperação dos países da pandemia da Covid-19 – movimento que foi fortalecido ainda mais com a eclosão da guerra.

Assim, vimos o preço dos combustíveis por aqui disparar no último ano, acumulando alta de mais de 30%. Assim, ganha força a pergunta:

Será que é hora de largar o seu carro?

Sempre que o custo de algo em nossa vida começa a comprometer nosso orçamento, é importante considerar algumas mudanças. Por isso, fizemos as contas do custo de utilizar diferentes meios de transporte para percorrer cerca de 600km no mês.

Essa seria aproximadamente a distância de trabalhar todos os dias (a 10km de distância da sua casa), visitar amigos e família nos finais de semana, além de algumas visitas ao mercado e outros estabelecimentos nos finais de semana.

Veículo Custo mensal Custo anual
Carro próprio R$ 385,20  R$ 10.122,40
Moto própria R$ 128,40  R$ 2.990,80
Bicicleta (aluguel) R$ 39,90  R$ 358,80
Taxi e app R$ 3.920,00  R$ 47.040,00
Metrô/Ônibus R$ 264,00  R$ 3.168,00

Qual meio de transporte vale mais a pena?

Carro: o mais conveniente, porém caro

Apesar do custo mensal com gasolina não parecer tão relevante à primeira vista, quando consideramos também os custos anuais (como IPVA, manutenção, revisões, mas sem considerar o seguro), podemos ver que o carro é um dos transportes mais caros desse exemplo.

Moto: uma opção interessante, mas limitada

Quem opta por esse veículo vai perceber uma maior economia de combustível mensalmente. Considerando um carro que gasta em média 10km/litro, uma moto facilmente pode ser 3 vezes mais econômica. Dependendo do modelo pode ser inclusive mais econômica, com motores de baixas cilindradas que podem percorrer mais de 45km com 1 litro de gasolina.

Porém, é importante considerar todos os gastos anuais da posse do veículo. Assim como no carro, não foi considerado o custo de seguro, apenas o seguro obrigatório DPVAT. Além disso, a moto também pode trazer algumas limitações e desafios de segurança, que dependerá de cada pessoa.

Bicicleta: um privilégio barato e ecológico, mas para poucos

Apesar de não consumir nenhum combustível e as manutenções serem muito acessíveis, nem todos conseguem utilizar esse veículo. Algumas vezes a geografia da cidade não ajuda, ou mesmo (como é o caso de muitos) as distâncias são praticamente inconcebíveis, outras vezes o clima ou também a segurança podem ser um empecilho.

Assim, quem opta por andar de bicicleta deve considerar os momentos em que não será possível utilizá-la. Com isso, incluir custo com táxis, aplicativos de carona ou até aluguéis de carro para viagens mais longas. O custo utilizado foi de um aplicativo de bicicletas disponível em várias capitais, mas pode ser substituído pelo custo da compra de uma bicicleta.

Táxi e aplicativos de carona: surpreendentemente caros

O custo desse transporte pode ser salgado em comparação com a maioria dessa simulação. Ainda assim, pode ser necessário alguns dias para quem opta pelos veículos anteriormente citados. Uma festa que você não quer voltar dirigindo seu carro, um mercado com compras mais volumosas ou até os dias de chuva.

O custo pode variar bastante da região do país que você mora e os horários que vai utilizar. Considerando que nossa simulação é para alguém que vai ao trabalho em horários de pico, o custo médio de viagem utilizado foi de R$30,00 em dias de semana e R$20,00 para finais de semana.

Metro e ônibus: surpreendentemente no meio dessa lista

O custo do metrô ou ônibus, apesar de previsível e não muito alto, ainda foi maior que o custo de possuir uma moto, com todos os custos anuais envolvidos. É claro que isso considera a moto própria. Ou seja, há também o custo de aquisição da moto.

Outro ponto importante a se destacar é que o custo mensal desse transporte corresponde a quase 22% do salário mínimo brasileiro.

E se eu investisse?

Outro fator importante a se considerar é a rentabilidade que você pode obter com a troca de um veículo por outro. Com a taxa de juros a 11,75% ao mês, a rentabilidade do Tesouro Selic pode contribuir para pagar as contas do mês caso você escolha por um veículo mais barato.

Como exemplo, digamos que você tem um carro de R$70.000,00, deseje vendê-lo para investir e fazer com que essa rentabilidade ajude a pagar o uso do outro veículo. Usamos no exemplo o rendimento atual do Tesouro Selic que, livre de imposto, seria de 9,69% ao ano.

Veículo Valor investido após venda do carro Renda anual do investimento Rendimento livre de imposto Custo anual Saldo final
Moto  R$50.000,00  R$ 5.875,00  R$ 4.846,88  -R$2.990,80  R$ 1.856,08
Bicicleta  R$ 70.000,00  R$ 8.225,00  R$ 6.785,63  -R$358,80  R$ 6.426,83
Taxi e app  R$ 70.000,00  R$ 8.225,00  R$ 6.785,63  -R$47.040,00 – R$40.254,38
Metrô/ônibus  R$ 70.000,00  R$ 8.225,00  R$ 6.785,63  -R$ 3.168,00  R$ 3.617,63

Nesse exemplo, o valor disponível para investimento após a aquisição de uma moto é menor, considerando o uso de R$20.000,00 para essa compra (restando R$ 50.000 para investir).

Assim, financeiramente falando, seguir o exemplo dos holandeses e usar a bicicleta seria positivo para sua saúde financeira (e também da física).

Entretanto, é difícil afirmar que um meio de transporte é melhor que o outro. Apesar dos custos diferentes, é importante avaliar qual se encaixa melhor para o seu estilo de vida e colocar tudo na ponta do lápis antes de qualquer decisão. Inclusive, considerando a possibilidade de utilizar múltiplos meios de transporte.

Por isso, pegue um caderno, faça suas contas e invista com a Rico.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento