O Dia das Crianças está chegando e você só consegue pensar em como gerenciar as expectativas dos seus filhos sobre presentes e passeios?

Quem já teve que navegar pelas águas turbulentas das birras infantis em frente a vitrines de brinquedos ou dentro de lanchonetes sabe o quão desafiador pode ser manter o equilíbrio entre atender às necessidades dos pequenos e garantir que eles compreendam o verdadeiro valor do dinheiro.

Nossas crianças, em sua inocência, nos colocam diante de perguntas que muitas vezes não temos respostas prontas. “Mãe, compra?” “Mas como assim caro, pai?” “É só passar o cartão!”.

Como ensinar finanças às crianças? Como fazê-las entender que o dinheiro não brota eternamente das árvores? Ou que o cartão de crédito não é uma entidade provedora de compras infinitas? Como lidar com as incessantes demandas financeiras de seus filhos?

O que talvez funcionasse antes está longe de dar certo no mundo super conectado de hoje. Dizer apenas “na volta a gente compra” ou “isso é muito caro” são ações que podem segurar temporariamente o que a criança quer – mas que dificilmente serão soluções duradouras. Mais do que isso, não trarão uma educação financeira real para elas.

Então, como preparar nossos filhos para um futuro financeiramente saudável? As respostas a essas perguntas são cruciais e, felizmente, pesquisas recentes estão nos fornecendo informações valiosas.

O ciclo das demandas infantis: um desafio para os pais

Você, pai ou mãe, já enfrentou essa situação: seu filho implora por um brinquedo ou lanche sempre que vocês passam por uma loja ou lanchonete? Se você se identifica com essa cena, saiba que não está sozinho.

Lidar com essas situações pode ser um verdadeiro teste de paciência, levando a decisões impulsivas ou até mesmo a discussões familiares. Contudo, essas experiências cotidianas podem ser mais do que apenas momentos estressantes: elas representam uma oportunidade preciosa para introduzir a educação financeira na vida dos seus filhos.

Uma janela para a realidade financeira em família

A inédita pesquisa “Finanças para os Filhos: Dinheiro é Coisa de Adulto?”, realizada pela Serasa em parceria com a Opinion Box, revelou dados que lançam luz sobre a forma como lidamos com o tema financeiro dentro de nossos lares.

Um dos resultados indica que, atualmente, 8 em cada 10 pais já conversam sobre finanças com seus filhos. Isso representa um avanço significativo em relação ao passado, quando o dinheiro era frequentemente um tabu nas conversas familiares.

Porém, ainda observamos que falta orientação aos pais em como falar sobre dinheiro com seus filhos. A grande maioria fala de dinheiro apenas para dizer quando algo é caro, ou que não é possível comprar. Dos que falam de dinheiro, apenas 40% mostram a importância de guardar para o futuro e apenas 20% mostram como organizar as finanças.

Esses números mostram a importância de um desenvolvimento estruturado na educação financeira de pais para filhos.

A importância da mesada na educação financeira

Em meio aos dados da pesquisa, um ponto curioso se destaca: 61% dos pais relatam não fornecer mesada aos filhos. No entanto, quando analisamos esses números levando em consideração a idade das crianças, surge uma percepção interessante.

Pais de crianças mais jovens, especialmente na faixa dos 6 a 11 anos, são mais propensos a dar mesada, seguidos pelos pais de adolescentes de 15 a 18 anos.

Mas o que a cultura da mesada tem a ver com a educação financeira?

A mesada desempenha um papel fundamental na educação financeira das crianças e adolescentes. E o aspecto mais importante é que ela oferece uma oportunidade real para as crianças aprenderem a administrar dinheiro. Elas podem praticar a tomada de decisões financeiras, como economizar, gastar e doar, sob a supervisão dos pais. Principalmente, elas podem errar e aprender com os seus erros.

A mesada ensina responsabilidade financeira desde cedo. As crianças aprendem que o dinheiro é limitado e que precisam fazer escolhas inteligentes para atender às suas necessidades e desejos.

Com a mesada, as crianças começam a entender as consequências de suas escolhas financeiras. Se gastarem todo o dinheiro rapidamente, ficarão sem recursos até a próxima mesada.

Assim, juntos à educação financeira, a mesada incentiva as crianças a definirem metas financeiras e ajuda a construir hábitos financeiros saudáveis. As crianças aprendem que, com o tempo, podem alcançar objetivos financeiros se economizarem e gastarem com sabedoria.

A mesada também abre espaço para o diálogo aberto sobre dinheiro entre pais e filhos. Os pais podem aproveitar esse momento para ensinar princípios financeiros e responder às perguntas das crianças.

No entanto, é importante que os pais estabeleçam regras claras e orientem seus filhos na gestão da mesada. Além disso, adaptar o valor da mesada à idade e ao nível de maturidade financeira da criança é essencial. A mesada é uma ferramenta valiosa para construir uma base sólida de educação financeira que beneficiará as crianças ao longo de suas vidas. Mas, como o próprio nome diz, é uma ferramenta e para ser bem utilizada precisa estar associada à orientação financeira.

Como e quando são formados os hábitos financeiros nas crianças?

Uma pergunta que sempre recebo é sobre quando é ideal começar a ensinar uma criança sobre dinheiro. Eu sempre respondo que a criança, antes de aprender a falar, vai observar o que os pais fazem e normalizar essas atitudes. Ou seja, se você adulto lida de forma caótica e conturbada com o dinheiro, provavelmente seus filhos vão imitar você.

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Michigan pelo Professor Scott Rick investigou a formação de hábitos financeiros em crianças, revelando resultados surpreendentes.

Descobriu-se que crianças com apenas cinco anos de idade já exibem reações emocionais distintas em relação a gastar e economizar dinheiro, e essas atitudes emocionais influenciam diretamente seus comportamentos financeiros.

Essa pesquisa nos lembra que a educação financeira não se trata apenas de números, mas também da relação emocional das crianças com o dinheiro.

Investindo no futuro financeiro de nossos filhos

O Dia das Crianças é uma oportunidade para refletir sobre a importância da educação financeira desde cedo. As incessantes demandas financeiras das crianças podem ser um desafio, mas também representam uma oportunidade valiosa para ensinar lições sobre dinheiro e responsabilidade.

Educar as crianças sobre finanças pessoais é investir no futuro financeiro delas e na construção de uma sociedade mais consciente financeiramente. Portanto, estejamos abertos ao diálogo e sejamos exemplos de boas práticas financeiras. Nossos filhos agradecerão no futuro!

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.