O brasileiro nunca esteve tão endividado. Cerca de 8 em cada 10 famílias possuem dívidas, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic). Junto ao endividamento, a inadimplência também está crescendo. Mais de 10% das famílias não conseguiram quitar as contas atrasadas.

As contas atrasadas muitas vezes obrigam as pessoas a pegarem empréstimos; e uma grande parte também fica devendo no rotativo do cartão. O maior problema do endividamento é pagar juros compostos. Quando você paga juros é como se estivesse pagando uma espécie de pedágio por dever aquele dinheiro. Sua dívida cresce a cada dia que a dívida não é paga e essa “corrosão” do seu dinheiro destrói não apenas suas finanças, mas também sua saúde mental, sua autoestima e as relações familiares.

Essa dificuldade de controlar o orçamento e dar conta dos compromissos financeiros tira o sono de muitas pessoas e uma grande pergunta paira no ar: afinal, como quitar minhas dívidas?

Com um bom planejamento é mais do que possível acabar de vez com as dívidas e inclusive começar a poupar e investir o seu dinheiro. Nesse texto trarei estratégias simples para quem precisa quitar dívidas de curto prazo e que não aguenta mais se sentir devendo.

Abaixo trago 5 passos para você se livrar desse peso.

1. Mergulhe

Conheça as suas dívidas

É essencial que antes de tudo você liste todos os seus débitos e dívidas. Com isso você consegue identificar o quanto você está devendo no total e o quanto que essa dívida está comprometendo a sua renda. A partir daí você deve listar todas as suas dívidas por nível de atraso e pela urgência de pagamento. Depois disso vai priorizar as contas com as maiores taxas de juros, como a dívida de cartão de crédito por exemplo.

Entenda o quanto conseguem economizar

Após esse entendimento de como vai quitar as dívidas mais caras, é importante entender quais gastos podem ser cortados. Eu chamo isso de “Orçamento de Guerra” e ele precisa contemplar uma situação mais crítica de restrição momentânea. Pense que criar o hábito de poupar é essencial pois no futuro evitará que você volte a se endividar.

2. Negocie

Comece a negociação com os credores

Depois do mergulho você passará a conhecer o tamanho das suas dívidas e entender a sua capacidade de pagar essas dívidas. Então o próximo passo será entrar em contato com as instituições que você ficou devendo, os credores. Em posse dessas informações, é importante que você determine um limite máximo para destinar ao pagamento de dívidas. Ao entrar em contato telefônico com esses credores, solicite uma proposta de pagamento dessa dívida em condições mais favoráveis. Importante você ter em mente que as instituições credoras possuem interesse em negociar e resolver o problema. Mostre que você está disposto(a) a pagar, mas que tem limitações financeiras. Não aceite ficar preso(a) a novos parcelamentos pois isso acarretará na prática a uma postergação da sua dívida. Lembre-se, você quer quitar.

3. Envolva a família

Falar sobre dinheiro ainda é uma dificuldade para a maioria das famílias. É normal que as pessoas tenham vergonha em admitir que ficaram endividadas, mas também é essencial que a família participe desse processo de sair do endividamento. Quando desenvolvemos educação financeira no ambiente familiar fica muito mais fácil que essa cultura permanece em cada indivíduo da família.

4. Reserve para a Paz

Nós sabemos que infelizmente os imprevistos acontecem e não sabemos quando eles vão acontecer, certo? Por isso é essencial construir o que eu chamo de “Reserva da Paz”, pois é uma grande paz quando você consegue ter um dinheiro reservado para imprevistos. Em uma situação de imprevisto financeiro essa reserva da paz pode significar você deixar de pagar juros e perder o sono. Essa reserva precisa ter idealmente 6 meses do seu custo de vida, em um investimento de Renda Fixa com liquidez. Ou seja, você precisa transformar esse investimento rapidamente em dinheiro se for necessário. O Tesouro Selic e um CDB de liquidez diária (que renda 100% do CDI) são dois investimentos simples que podem ser usados para reserva de emergência.

5. Estude mais, consuma menos, comece a poupar e aprenda a investir

É essencial que você desenvolva o conhecimento e os comportamentos saudáveis financeiramente. Buscar conhecimento e estudar sobre educação financeira é um investimento que você faz em seu futuro financeiro.

Consumir menos, ou com maiores critérios e consciência, não significa deixar de comprar o que você gosta. O importante é você entender a real utilidade e necessidade de algumas coisas que você está comprando sem saber. Criar esse equilíbrio entre desejo e necessidade é um passo importante para ampliar sua capacidade de poupar dinheiro.

Aprender a poupar não apenas evitará que você se endivide como também é uma ferramenta para você conquistar os seus sonhos. Reservar uma parte da sua renda a cada mês e se comprometer realmente com essa meta é algo transformador. Estabeleça um porcentual da sua renda que você vai se comprometer. Se você conseguir 10% ao mês, ótimo. Se conseguir 20% ou mais, melhor ainda. Encare isso como uma conta que você está pagando para o seu “eu do futuro” e se comprometa.

Após aprender a poupar, chegou a hora de investir. Se você é iniciante, existem diversas opções de investimento em Renda Fixa que trazem uma rentabilidade bem acima da poupança, e com total segurança. Se você deseja realizar sonhos de longo prazo, existem ainda outras diversas opções com rentabilidade ainda maior para períodos mais longos.

Como já disse, o mais importante é você buscar esse conhecimento e tornar ele parte da sua vida. Com o conhecimento certo, ficará mais fácil você criar os hábitos financeiros que precisa para construir uma vida financeira com maior prosperidade.

Aqui mesmo na Riconnect você encontrará centenas de conteúdos didáticos e atualizados sobre o mundo da educação financeira e dos investimentos.

Conte com a gente e, como eu sempre digo: é mais fácil do que você pensa!

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.