Sexta-feira: mínima 2ºC, máxima 15ºC. Sábado: mínima 30ºC, máxima: 40ºC. Domingo: mínima “quente pra dedéuº”, máxima “infinitoºC”. Segunda-feira: boa sorte.

Juro de pés juntos que foram essas as indicações de previsão do tempo para São Paulo nos últimos meses. Ou ao menos o que eu venho sentindo desde setembro, e estou certa de que muitos de vocês, leitores da Riconnect, também tem sentido.

De onde vem tanto calor?

A verdade é que não é de hoje que falamos sobre a rápida aceleração do desequilíbrio climático no mundo. Após muitos anos de estudo e observação empírica, é sabido que esse fenômeno é resultado de uma série de fatores relacionados à produção econômica e ao estilo de vida moderno, como a emissão de gases estufa, a poluição de rios e oceanos e o desmatamento de florestas.

Nesse cenário, como é de se esperar, o calor extremo é uma das faces desse desequilíbrio, assim como o frio extremo e outros eventos climáticos cada vez mais frequentes nos quatro cantos do mundo, a exemplo de furacões, vendavais, temporais, secas e grandes incêndios.

Para se ter uma ideia, os últimos seis anos foram os mais quentes registrados desde 1880, sendo 2016, 2019 e 2020 os três primeiros, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial. Mas, espere, que a cereja do bolo ainda está para chegar: o ano de 2023 caminha para registrar outro recorde, com 2024 na fila para ser ainda pior – de acordo com especialistas do governo dos Estados Unidos.

Um agravante ao calor esperado para esse ano e o próximo é o famoso El Niño. Trata-se de um fenômeno climático que altera a distribuição da temperatura da superfície da água do Oceano Pacífico, causando grandes alterações no clima, como calor excessivo.

Em resumo: está calor, vai seguir calor, e os causadores de todo essa “quentura” se retroalimentam.

Mas e a economia, qual o impacto que isso tudo pode ter quando consideramos efeitos diretos e indiretos dessa “onda quente”?

O calor no campo, no mato, na conta de luz e nas ações

Assim como outros eventos decorrentes do desequilíbrio climático, períodos de temperaturas muito elevadas podem trazer impactos diretos e indiretos na economia. Na maioria das vezes, a gravidade desses efeitos irá variar de acordo com a duração de tais evento.

Trazendo para a situação atual, em bom português, quanto mais tempo ficar “quente pra xuxu”, maiores podem ser os impactos econômicos.

Seu almoço pode ficar mais caro

Um dos principais prejudicados por períodos de temperaturas atípicas é o setor agrícola. Isso ocorre pois, como podemos imaginar, a cultura de diferentes grãos, frutas e outros alimentos depende significativamente do clima e do solo onde é cultivada. Assim, o excesso de “qualquer coisa” pode prejudicar a lavoura – como chuvas, frio ou calor.

Como exemplo, anos que contaram com a atuação do El Niño foram marcados por perdas importantes nas principais safras do país, como soja e milho – prejudicando a produção agropecuária do país e pressionando o preço de alimentos. Assim, a memória de anos ruins de El Niño e o momento atual de baixa umidade e calor intenso certamente elevam a percepção de risco para a produção agropecuária de 2024.

Cuidado com a conta de luz

Um outro impacto direto das altas temperaturas é no consumo de energia. A conexão entre os dois é óbvia: diante da onda de calor, vemos uma alta exponencial do uso de aparelhos de ar-condicionado – verdadeiros “beberrões” de energia – e mesmo ventiladores.

Para se ter uma ideia, vendas de ar-condicionado na varejista Americanas subiram 81% entre 11 e 18 de setembro desse ano, quando boa parte do país passou por uma onda de calor parecida com a atual. Já o consumo de energia saltou para o maior nível desde 2021 no mês, com alta de 6,2% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Essa elevação súbita na demanda e no consumo de energia pode levar a eventuais eventos de sobrecarga na infraestrutura do país, e efetivos “apagões”. De fato, vimos acontecer na região da Faria Lima, em São Paulo, no dia 13 de novembro.

Seguro residencial mais caro?

Finalmente, quando olhamos para efeitos mais indiretos de desequilíbrios climáticos, outros impactos menos “óbvios” podem também entrar para a lista. Um exemplo é o crescente desequilíbrio de um ramo da indústria de seguros que vemos hoje em certas partes dos Estados Unidos.

Por conta da maior incidência de incêndios (cada vez mais frequentes nas épocas de seca) e outros eventos climáticos como enchentes e furacões, moradores da região da Califórnia passaram a enfrentar dificuldades crescentes em segurar suas casas. Afinal, com o risco cada vez maior, o preço de proteger tais imóveis contra eventuais perdas fica (também) cada vez maior – ao ponto de esbarrar na regulação do setor, criando uma série de outros desafios relacionados.

Tem algum lado…bom?

Mas como nem tudo é notícia ruim, podemos encontrar uma luz no fim do túnel em forma de oportunidade no mundo dos investimentos em meio ao cenário desafiador – e bastante quente!

Com mais demanda por energia elétrica, empresas distribuidoras de energia tendem a se beneficiar devido ao impacto positivo do consumo mais alto na receita.

Já vimos um movimento similar no terceiro trimestre de 2023 — quando as temperaturas mais altas levaram a um aumento significativo do volume de energia distribuído pelas empresas. Daqui para a frente, esperamos continuar vendo efeitos positivos do aumento da demanda no balanço das distribuidoras.

Por isso, se quiser aproveitar o copo meio cheio (mesmo que meio quentinho…) e buscar oportunidades na bolsa, confira as recomendações da Rico aqui!

*Texto originalmente publicado em: https://glamour.globo.com/lifestyle/carreira-dinheiro/coluna/2023/11/jesus-apaga-a-luz-solar-os-impactos-da-onda-de-calor-na-economia.ghtml

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.