Há algumas décadas, sair do seu país de origem, atravessar o oceano e ir morar em outro continente era algo mais raro, mais perigoso e mais sacrificante. Apesar das ondas migratórias que sempre aconteceram pelo mundo, os tempos eram outros e migrar de país era praticamente cortar para todo o sempre o vínculo com o seu país de origem. As viagens demoravam semanas, eram caríssimas e praticamente a única maneira de se comunicar com as pessoas que ficaram era por meio de cartas.


Hoje, com a facilidade de comunicação instantânea por todo o mundo e a ampla oferta de passagens aéreas a preços superacessíveis, mudar de país está cada vez mais fácil. Recentemente, o trabalho remoto transformou a maneira como muitos veem a possibilidade de morar fora do Brasil. A capacidade de manter um emprego brasileiro enquanto vive no exterior é atraente por várias razões, principalmente financeiras. Isso permite uma transição mais suave para a vida no exterior, sem a pressão imediata de encontrar trabalho localmente.


No entanto, o trabalho remoto também exige disciplina e uma boa configuração de trabalho, especialmente quando se trata de fusos horários diferentes e comunicação com uma equipe que está fisicamente distante.


Mesmo assim, essa não é uma decisão simples. Morar fora do Brasil carrega consigo uma mistura de emoções e desafios, mas também oportunidades únicas que podem transformar vidas. Para muitos, o apelo de melhor infraestrutura em áreas essenciais como saúde, educação e segurança é um grande motivador. No entanto, as vantagens e desvantagens dessa grande mudança vão muito além das primeiras impressões e exigem um exame cuidadoso.


Morar fora do Brasil pode significar acesso a uma qualidade de vida superior. Em muitos países desenvolvidos, o investimento público em serviços essenciais é notavelmente alto, o que se reflete em melhor qualidade e eficiência desses serviços. A segurança pública, por exemplo, é frequentemente mais robusta, e os sistemas de transporte público são mais desenvolvidos e eficientes. Além disso, o acesso à educação de alta qualidade e a sistemas de saúde bem avaliados é uma grande vantagem para famílias e solteiros.


Para aqueles com espírito aventureiro, viver no exterior é uma oportunidade de explorar novos territórios. Morar na Europa, por exemplo, possibilita viagens frequentes entre uma variedade de culturas e histórias nacionais, frequentemente a um custo baixo e com grande facilidade. Isso não só enriquece a experiência de vida, mas também expande a visão de mundo do indivíduo e aumenta a sua adaptabilidade cultural.


O aspecto profissional também não pode ser ignorado. Experiências internacionais são altamente valorizadas em muitos campos de trabalho, proporcionando um avanço significativo na carreira ao retornar ao Brasil ou ao continuar no exterior.


No entanto, a vida no exterior não é isenta de desafios. A saudade de casa é talvez um dos aspectos emocionais mais difíceis de gerenciar. Estar longe de amigos e familiares durante momentos importantes pode ser doloroso e muitas vezes leva à solidão.


As barreiras na área de saúde são outro grande desafio, especialmente em países como os Estados Unidos, onde o sistema de saúde é complexo e caro. Sem um seguro de saúde adequado, as despesas médicas podem ser exorbitantes, criando uma camada adicional de stress financeiro.


O custo de vida é outra consideração importante. Dependendo da cidade ou do país, viver no exterior pode ser significativamente mais caro do que no Brasil. Isso inclui tudo, desde habitação até alimentação, transporte e lazer, exigindo um planejamento financeiro cuidadoso e realista.


Além disso, a adaptação cultural pode ser um obstáculo significativo. Desde entender novas etiquetas sociais e superar barreiras linguísticas até se acostumar com uma nova culinária e costumes locais, o choque cultural pode ser intensamente desafiador.


É sempre bom lembrar que qualidade de vida boa não necessariamente significa “estilo de vida” bom. Algumas culturas são mais fechadas e sóbrias, desafiando os brasileiros, tão acostumados a aproveitarem a vida social.


Mas, se você tem interesse em viver uma experiência fora do país, seja por um curto período ou sem data para voltar, é essencial planejar. Fazer uma mudança dessas sem o orçamento adequado pode se tornar um pesadelo. Mesmo que você vá para fora ainda trabalhando no Brasil, ou com um emprego por lá, imprevistos sempre acontecem.


Por isso, vamos trazer aqui algumas opções de destinos e custos, para que você já consiga começar a investir o seu dinheiro e, quando as malas estiverem prontas, basca só embarcar com a cabeça tranquila. Obviamente, a quantidade de dinheiro para mudar de país necessária varia e depende de alguns fatores, como: o seu perfil de consumo, seu destino, entre outros.

Mas, para você ter uma ideia média dos custos, realizamos uma simulação com as principais despesas que você terá no primeiro mês em 3 diferentes cidades: Lisboa (Portugal), Madrid (Espanha), e Paris (França).
Vamos lá?

Passagens aéreas


As passagens aéreas são um custo significativo da mudança para fora. O ideal é sempre comprar com bastante antecedência, pois assim você encontra preços bem mais baratos do que se deixar para comprar de última hora. Obviamente os preços de uma passagem aérea variam conforme a estação do ano, o destino e com a quantidade de escalas ou conexões e horário de voo.

Uma passagem para Lisboa na baixa temporada não sai por menos de R$4.800, já Paris na alta temporada pode ultrapassar os R$7.000. Reserve, portanto, entre R$5.000 e R$7.000 para passagens.

Moradia


A despesa com o aluguel de um imóvel é provavelmente a que mais vai pesar no seu orçamento. Mais ainda, o primeiro mês de locação é de longe o mais caro pois os proprietários costumam cobrar o depósito de caução ou pagamento adiantado de no mínimo mais 2 meses. Ou seja, você começa o primeiro mês pagando 3 aluguéis. Em Lisboa, um pequeno quarto em uma região central da cidade não sai por menos do que 900 euros. Já em Paris, ultrapassa os 1.500 euros.

Alimentação


Planeje muito bem o quanto você precisará gastar nos supermercados, em restaurantes e em lanches no dia a dia. Se você for econômico, reserve cerca de 500 a 600 euros por mês do dinheiro para mudar de país para a sua alimentação.

Outros custos


Há ainda os custos de transporte, de saúde, de vistos e passaportes e até de imprevistos, que precisam estar na sua planilha. Por isso, fizemos uma simulação média de quanto você precisará juntar para dar início ao seu objetivo de morar fora do país.

Confira na Tabela abaixo:

CidadeLisboaMadridParis
Passaporte + VistoR$                                     998,00 R$                                     750,00 R$                                     980,00
Passagem R$                                  5.900,00 R$                                  6.200,00 R$                                  7.300,00
Aluguel (6 meses) + Caução R$                                47.000,00 R$                                52.000,00 R$                                69.000,00
Saúde (6 meses) R$                                  4.200,00 R$                                  4.400,00 R$                                  4.900,00
Alimentação (6 meses) R$                                14.500,00 R$                                16.700,00 R$                                19.300,00
Transporte público (6 meses) R$                                  1.700,00 R$                                  2.200,00 R$                                  2.900,00
Imprevistos (10%)R$ 7.430R$ 8.225R$ 10.438
Total  (6 meses) R$                                81.727,80 R$                                90.475,00 R$                              114.818,00

Morar fora do Brasil é uma decisão complexa que envolve uma série de considerações tanto práticas quanto emocionais. Enquanto as vantagens podem ser transformadoras, os desafios são reais e exigem resiliência e preparação. Para aqueles que tomam a decisão de fazer essa mudança, é essencial um planejamento cuidadoso e uma disposição para se adaptar e aprender.
Em última análise, viver no exterior pode ser uma das experiências mais enriquecedoras e transformadoras da vida de uma pessoa. Se você tem essa vontade, é hora de planejar!

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.