O sonho da casa própria é algo que está no imaginário da maioria das famílias brasileiras. Somos criados com a ideia de que “ter um teto para chamar de seu” é algo fundamental, quase sagrado. Segundo uma pesquisa realizada este ano, ter a casa própria é um sonho para 87% da população brasileira. 

E segundo a própria pesquisa, somente 45% das pessoas que desejam comprar um imóvel possuem planejamento financeiro para isso. Ainda, para comprar um imóvel o financiamento é visto como o principal meio por 52% dos entrevistados. Atualmente o brasileiro gasta em média R$715 por mês com o pagamento do financiamento imobiliário. Isso equivale a 27% da renda média de uma família.  

Esse é o caso da família Oliveira, que com o intuito de realizar esse sonho no início de 2020 deu entrada no financiamento de sua casa, de 150m2 no interior de São Paulo. O financiamento da família, como acontece na maioria das vezes, foi feito em um prazo de 30 anos. Ou seja, seguindo o plano de financiamento o imóvel só estará quitado em, 2050! 

Como funciona o financiamento imobiliário? 

A família Oliveira financiou o imóvel – que tem o valor de R$300.000 – e todos os meses pagam uma parcela de R$3.000. Só que, quando pagam essa parcela, o banco não abate os R$3 mil diretamente dos R$300 mil financiados, pois também estão pagando juros por esse financiamento.  

Por isso, na prática a cada parcela paga apenas cerca de 40% dos R$3.000 (R$1.200) são usados para abater a dívida e todo o restante (R$1.800) é usado para quitar os juros! Os juros não fazem parte do montante que a família financiou. Ao final de 30 anos o total pago será de mais de 690 mil reais, sendo mais de R$ 390.000 apenas em juros. 

A família Oliveira comprometeu uma grande parte da renda mensal no pagamento do financiamento e, após quase 3 anos, se sentiam presos e angustiados com a situação. O sonho da casa própria estava se tornando um pesadelo e a família não sabia o que fazer. 

E agora, será que não há saída para a decisão da família Oliveira? 

Felizmente, há sim, e o nome dela é amortização. Quando amortizamos não estamos adiantando as parcelas do financiamento pois as parcelas pagas mensalmente incluem a taxa de juros e, na amortização, o valor pago abate diretamente o valor bruto do imóvel, sem nenhuma incidência de juros! 

 

Há duas opções possíveis para amortizar um financiamento imobiliário, reduzindo o prazo de pagamento ou o valor da parcela.  

No caso da família Oliveira, a cada valor extra pago na amortização eles poderiam reduzir o valor de R$3.000 por mês pelo mesmo prazo de 30 anos, ou manter o valor mensal e reduzir o prazo de pagamento. 

A opção de reduzir o valor da parcela só seria interessante para a família se o valor de R$3.000 realmente estivesse impossível de ser pago. No caso dos Oliveira, o que estava incomodando era o prazo, ainda faltavam 27 anos para quitar! 

Há um outro fator importante que a família descobriu. Como eles financiaram diretamente com a construtora, a opção de amortizar pelo prazo se mostrou bem vantajosa pois nesse caso o juro é corrigido pelo IGP-M, que é um dos índices usados para medir a inflação. Por isso, quanto maior for o prazo de pagamento, maior será o risco de a taxa de juros ter uma grande alta com o aumento da inflação. 

Também aprenderam sobre duas outras maneiras de amortizar, com o FGTS e o 13° salário. 

 

FGTS e 13 salário 

 

No caso do FGTS, o Sr. Oliveira consultou o saldo do seu fundo de garantia e verificou o quanto pode ser utilizado na amortização de seu saldo devedor. Depois, ele solicitou a utilização pelo App Habitação Caixa, de forma bem simples, inserindo o número do contrato e demais informações na documentação do financiamento. 

O Sr. Oliveira descobriu que poderia usar o FGTS e diminuir o saldo devedor em até 80% ou 12 parcelas. E que não existe um limite de quantas vezes ele poderia usar o saldo do FGTS, desde que o fizesse em um intervalo de pelo menos 2 anos a cada vez. 

A amortização com o 13º salário foi outra maneira usada pela família Oliveira para amortização do financiamento imobiliário. 

Ao saber de tudo isso, a situação da família Oliveira mudou. Eles entenderam como era possível reduzir o financiamento em muitos anos se conseguissem se organizar financeiramente, separando um valor todos os meses para amortização e ainda usando o FGTS e o 13°.  

A família se planejou e, a cada dinheiro extra que vinha, ia para amortização. Seguindo o plano que fizeram iriam reduzir o financiamento para o total de 10 anos. Ou seja, ao invés de terminar de pagar em 2050, eles terminariam em 2030, reduzindo para apenas um terço do prazo total! Tenho certeza de que vão conseguir. Como eu sempre digo, é mais fácil do que você pensa. 

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.