• O investimento em imóveis já é um velho conhecido do brasileiro. Ele costuma apresentar resiliência em momentos de crise e relativa proteção contra a inflação.
  • Com o desenvolvimento e popularização dos fundos imobiliários (FIIs), surge uma dúvida: qual será o melhor investimento imobiliário – aluguéis ou FIIs?
  • Confira as vantagens e diferenciais entre esses investimentos no texto na íntegra.

Imóveis figuram na lista de investimentos preferidos dos brasileiros. Os motivos incluem a relativa resiliência em momentos de crise, a correção inflacionária que os contratos de aluguel permitem (protegendo seu investimento contra a alta de preços), e a própria valorização a longo prazo do terreno e do imóvel.

Entretanto, existem muitas formas de investir em imóveis. Comprar para construir ou reformar, comprar para alugar, especular sobre imóveis leiloados, investir em FIIs (fundos imobiliários), comprar ações de empresas do setor de construção na bolsa, entre outras. 

Para te ajudar nessa decisão, comparamos nesse texto: qual é o melhor investimento imobiliário – aluguel residencial ou fundos imobiliários?

 

Retorno do investimento de aluguéis imobiliários

Quando alugamos um imóvel para um fim residencial, o valor do aluguel costuma variar entre 0,3% e 0,5% do valor total do imóvel. Isso significa que um apartamento de R$1.000.000,00 gera cerca de R$3.000,00 a R$5.000,00 de aluguel mensalmente ao proprietário, sem descontar os impostos (e outros custos como IPTU, condomínio quando o imóvel está vago, gastos com melhorias, etc) – segundo a plataforma Quinto Andar.

Enquanto isso, os rendimentos do principal índice brasileiro de Fundos Imobiliários (o IFIX) estão atualmente próximos de 0,7% ao mês – segundo dados da plataforma Economática. Assim, utilizando a mesma comparação, um investimento de R$1.000.000,00 nessa carteira teórica do IFIX geraria cerca de R$7.000,00 mensais, livres de imposto de renda para pequenos investidores.

Na tabela acima, fica clara a atual vantagem financeira de investir FIIs, quando comparado a aluguéis convencionais. Principalmente quando o rendimento dos alugueis supera o limite de isenção do Imposto de Renda, passando a sofrer o desconto da tabela progressiva da alíquota de IR sobre aluguéis.

É claro que essa vantagem financeira irá variar ao longo do tempo, dependendo de outros fatores macroeconômicos e conjunturais, como o nível de aversão ao risco por parte de investidores, o patamar da taxa básica de juros, e regulações vigentes sobre o setor.

Assim, vale destacar também cinco outras vantagens de investimentos em FIIs, em relação a compra e aluguel de imóveis residenciais.

Cinco razões para investir em FIIs

1- Investimento com pouco capital

Enquanto imóveis necessitam de uma grande quantia para realizar um único investimento, investimentos em FIIs podem ser realizados por meio da compra de cotas negociadas a partir de cerca de R$10,00. Além de permitir o acesso do pequeno investidor ao mercado imobiliário, isso também é uma vantagem por permitir realizar o reinvestimento de seus rendimentos.

2- Diversificação

Os FIIs negociados no mercado costumam ser “temáticos” – a depender do tipo de imóvel que possuem em sua composição de ativos. Por exemplo, hoje são negociados no Brasil FIIs de shoppings, galpões logísticos, escritórios e muitos outros. Isso permite ao investidor receber rendimentos de aluguéis de diferentes tipos de imóveis e inquilinos. Inclusive, é comum encontrar fundos que possuem mais de um imóvel ou múltiplos inquilinos, diversificando e protegendo o investidor de momentos turbulentos de mercado.

3- Gestão profissional

Investir em imóveis sem precisar lidar diretamente com os inquilinos é outra grande vantagem dos FIIs. Além de gerir os aluguéis, a gestão do FII também realiza benfeitorias nos imóveis para manter sua atratividade e reduzir a vacância dos imóveis e busca novos inquilinos para os imóveis vagos.

4- Proteção contra inflação

Além de possuírem uma equipe de gestão para negociar os imóveis em carteira e cuidar dos inquilinos, FIIs são geralmente compostos por imóveis cujos contratos de aluguel são feitos com grandes empresas e com prazo prolongado. Assim como os imóveis, esses contratos também tendem a ser corrigidos por índices de inflação (como o IGP-M ou o IPCA), protegendo o investidor da perda de valor real do investimento ao longo do tempo.

5- Negociação simplificada

Outra vantagem dos FIIs é a facilidade de negociar suas cotas. Em outras palavras, a liquidez do mercado de FIIs, ou a capacidade de convertê-los novamente em dinheiro, é muito maior que a de um investimento em um imóvel – que pode levar anos para ser vendido. Além disso, com os FIIs você tem a possibilidade de se desfazer de apenas parte do seu investimento, enquanto não existe a possibilidade de vender apenas um quarto de um imóvel adquirido, por exemplo.

A compra e a venda de investimentos em FIIs podem ser feitas por meio do seu aplicativo da Rico, sem cartórios ou taxa de corretagem. Abra sua conta gratuitamente aqui.

Mas e se eu quiser comprar minha casa?

Essa análise foi feita pura e simplesmente com base no retorno esperado entre duas modalidades de investimento imobiliário, sem considerar o peso emocional dessa conquista para aqueles que desejam o “seu próprio teto”.

Porém, sabemos que o sonho de muitos é adquirir uma própria casa, por diversos motivos como: poder decorar, reformar como quiser, construir um lar, ter a segurança e previsibilidade de um imóvel, etc.

Caso seu interesse seja investir seu dinheiro em FIIs, conheça nossa carteira recomendada de FIIs.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.