O caso da Americanas (AMER3), que está no centro das discussões dos últimos dias, acaba de ter um novo capítulo. Nesta quinta-feira (19), a empresa entrou com um pedido oficial de recuperação judicial em R$43 bilhões devidos a mais de 16 mil credores.

As inconsistências contábeis anunciadas em fato relevante na última quarta (11) levaram a uma sequência de eventos envolvendo os negócios da empresa, incluindo pedido de tutela cautelar, o rebaixamento do rating de crédito da empresa e a divulgação de que o caixa atual da companhia está em apenas R$800 milhões, frente ao número anterior de R$8 bilhões. Tudo isso prejudica a operação do dia a dia da companhia, e culminaram no pedido de recuperação judicial.

Essa chuva de termos financeiros e contábeis, no entanto, pode ter confundido alguns investidores. Por isso, reunimos aqui os principais para que você siga acompanhando o caso e seus desdobramentos daqui pra frente.

Caso Americanas: entenda os principais termos

Recuperação judicial

Quando a empresa envolvida em um problema de natureza financeira não tem os recursos suficientes para cumprir os pagamentos devidos, em valor ou no prazo estabelecido, ela pode pedir recuperação judicial.

A RJ, no jargão do mercado, é um procedimento para que uma empresa possa renegociar suas dívidas ou até suspender pagamentos por um prazo estabelecido, dando a ela tempo para discutir com seus credores qual a melhor alternativa para que tanto eles quanto a companhia passem pela crise em questão.

Os processos de recuperação judicial costumam ser longos, com duração média de três anos no Brasil, mas não há limite máximo. Um caso recente: a RJ da Oi (OIBR3), durou 6 anos e se encerrou em dezembro de 2022.

Quando ocorre a recuperação judicial, é possível (mas não garantido) que os credores consigam recuperar ao menos parte do que haviam emprestado, mas tanto esse valor quanto as condições só são conhecidas ao longo do processo. É nesse momento também que serão conhecidas quais as reais garantias das dívidas da companhia e qual a ordem de prioridade dos credores na hora de fazer os pagamentos (ver “Cascata de pagamentos”).

Vale ressaltar que, a partir do momento que a empresa pede recuperação judicial, a maioria das agências de classificação de risco de crédito (que concedem ratings) e instituições financeiras considera que a companhia entrou em default, equivalente a dar um calote nas suas dívidas. Assim, fica bem mais difícil para a empresa conseguir mais crédito para viabilizar suas operações, que também fica mais caro pelo aumento da percepção de risco dos bancos.

Credores

Toda vez que fazemos um financiamento, existem duas partes envolvidas: quem pega o dinheiro emprestado e quem empresta. Quem empresta, geralmente, o faz cobrando uma taxa de juros, esperando algum retorno financeiro daquela operação.

Quando falamos de empresas, que possuem mais maneiras de captar dinheiro, quem empresta pode ser tanto um banco quanto investidores no mercado, por meio da compra de títulos de renda fixa emitidos pela empresa – as famosas debêntures, ou crédito privado.

Quem empresta o dinheiro nessa operação, sejam bancos ou investidores, são o que chamamos de credores.

Tutela cautelar

A Americanas já tinha um pedido de tutela de urgência cautelar, concedida pela Justiça do Rio de Janeiro na sexta (13), como uma preparação para um possível pedido de recuperação judicial (que se concretizou seis dias mais tarde).

A tutela cautelar é uma medida judiciária para suspender possíveis bloqueios, sequestro ou penhora de bens da empresa por parte de seus credores. Além disso, a empresa também tem suspensos os vencimentos antecipados de suas dívidas ou qualquer outra obrigação por prazo determinado.

Risco sacado

Também chamado de forfait, é uma linha de crédito bancário envolvendo a empresa, seu fornecedor e uma instituição financeira, em que a empresa financia o pagamento ao seu fornecedor.

Nessa modalidade, a instituição financeira libera recursos para pagar o fornecedor enquanto a empresa assume junto à instituição financeira o compromisso de pagar esse valor. A empresa, então se compromete com o pagamento de juros para a instituição financeira de quem pegou emprestado.

Esquema de operação de risco sacado. Elaborado pelo time de Research da XP Inc

Nos casos em que a operação gerar uma extensão do prazo de pagamentos aos fornecedores, é necessário considerar o valor da operação como dívida no balanço da empresa. (Isso não foi feito no caso da Americanas e originou a inconsistência inicial). É uma operação de curto prazo, sendo uma prática comum no mercado para gestão do capital de giro, uma vez que permite a extensão do prazo de pagamento aos fornecedores pela empresa.

Covenant

É uma cláusula muito comum em contratos de emissão de dívida corporativa. Funciona como uma proteção ao credor, estabelecendo algumas regras e restrições que a empresa deve cumprir durante a duração do contrato. Um exemplo é delimitar nesse acordo um valor máximo de endividamento da empresa — afinal, quanto maior a dívida da empresa, menor a flexibilidade financeira e maior a dificuldade de pagamento.

Um tipo de covenant utilizado com frequência é o indicador de dívida líquida / EBITDA, que demonstra o quanto do crescimento da dívida está sendo acompanhado pelo crescimento do resultado operacional da companhia.

No caso específico da Americanas, existe a obrigação de manter esse índice abaixo de 3,5x. Ou seja: a dívida total da empresa, subtraindo o caixa, pode ser no máximo 3,5 vezes o seu EBITDA. No cenário preliminar analisado pelos nossos analistas de adição de R$ 20 bilhões na dívida da companhia, o nível de endividamento da empresa pode ultrapassar 8x (veja nossa simulação).

A depender do que estiver previsto nos contratos, há possibilidade de antecipação do vencimento de dívidas, caso a empresa descumprir aquilo estipulado nos covenants.

Vencimento antecipado

Vencimento antecipado ou aceleração de dívida é outra condição prevista em contratos de endividamento, e uma das maneiras de desencadeá-lo é o não cumprimento dos covenants.

Por exemplo, usando o exemplo acima de um covenant de endividamento: caso a alavancagem da empresa em um determinado período fique acima do que era previsto no contrato, a empresa pode ser obrigada a pagar, antes do vencimento previsto, o saldo devedor a seus credores. Para isto, a companhia vai precisar ter esse valor disponível em seu caixa ou ter um suporte (como aporte de capital de acionistas, por exemplo).

No caso da Americanas, o caixa ao final de setembro de 2022 (último dado disponível) era de R$ 14 bilhões (incluindo recebíveis de cartão de crédito) e a dívida reportada, de R$ 19,3 bilhões. Levando-se em consideração a dívida adicional anunciada anteriormente de R$ 20 bilhões, a companhia teria R$ 40 bilhões a pagar – e seu caixa não seria suficiente em caso de vencimento antecipado.

Cross default

cross default (calote cruzado) é mais uma cláusula comum a contratos de financiamento, neste caso em companhias que possuem mais de uma subsidiária. É uma antecipação do prazo de vencimento de uma dívida devido a outra inadimplência de uma empresa do mesmo grupo, com o objetivo de proteger o credor de um eventual calote por parte do tomador do financiamento.

Caso uma das empresas do grupo não honre com seus pagamentos de dívida previstos, além de acelerar a dívida da própria empresa inadimplente, outras empresas do mesmo grupo também podem ter suas dívidas antecipadas. Ou seja, o incentivo para manter os pagamentos em dia é ainda maior — e o impacto negativo em caso de não pagamento é ainda mais prejudicial.

Em novembro de 2021, a Americanas realizou a aquisição de 100% da empresa Hortigil Hortifruti S.A. (“Hortifruti Natural da Terra” ou “HNT”). No dia 30 de setembro de 2022, foi aprovada, em assembleia geral extraordinária de acionistas, a incorporação do HNT pela Americanas, passando a ter o mesmo CNPJ. Com isso, as dívidas do HNT, como o CRA Hortigil Hortifruti, passaram a ser de responsabilidade da Americanas, com os covenants realizados a partir dos demonstrativos financeiros consolidados da Americanas, incluindo cláusula de cross default.

Cascata de pagamentos

Quando empresas atingem situação de crise financeira, os credores possuem prioridade no recebimento de eventuais recursos, se comparados com os acionistas (caso venha a ocorrer falência).

No caso de recuperação judicial, a empresa deve apresentar um plano para repagar todos os seus credores. Há um processo após isto, em que credores e empresa negociam os termos, mas todos os credores receberão algum valor – mesmo que em prazos longos e/ou com desconto.

Já no caso de falência, é possível que alguns credores não recebam pagamentos. Por exemplo, suponha que a empresa possui R$ 500 após sua liquidação para serem distribuídos a seus credores. No exemplo abaixo, há recursos suficientes para realizar os pagamentos devidos em sua totalidade para as despesas do processo, obrigações trabalhistas, obrigações com garantia real e tributárias. 

No entanto, após o quarto pagamento, sobram apenas R$ 60, ao passo em que há ainda R$ 100 a serem recebidos pelos credores sem garantia. Neste caso, eles receberão apenas os R$ 60 restantes e as demais obrigações (que incluem acionistas) não serão pagas.

Podem ocorrer casos de um saldo inicial ser menor do que as despesas do processo, não restando recursos para nenhum outro credor, ou casos em que é possível cobrir todos os credores — tudo só é conhecido durante o processo.

No caso da Americanas, o processo a ser seguido por ora é aquele de Recuperação Judicial.

Elaborado por:

Júlia Aquino, CNPI 3607

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.