dezembro 1, 2020

Sugestão de alocação de ativos perfil conservador – Dez./2020

A sugestão de alocação da Rico é feita pelos nossos especialistas e é uma oportunidade para você, que tem dúvidas sobre onde investir, diversificar sua carteira!

Ela é feita visando maiores retornos de acordo com o risco da carteira com a nossa leitura atual do cenário macroeconômico.

Ressaltamos que a sugestão tem o propósito de dar direcionamento para o investidor, porém, não recomendamos a venda dos ativos atuais para o enquadramento da sugestão sem antes conversar com um especialista.

Cenário: Corrida pela Vacina

Chegamos ao último mês de 2020, e com toda a certeza não estamos tão ansiosos assim para assistir à retrospectiva do fim de ano que passa nos canais de TV. O foco é “virar a página”, levando os aprendizados, mas nos preparando para o ano de 2021, e isso se aplica para os investimentos também.

Acabamos de presenciar um dos melhores novembros da história dos mercados mundialmente: o Ibovespa anotou uma alta de 15,9%; nos EUA, o S&P 500 teve alta de 10,8% e a Nasdaq de 11,8%. Já na Europa, o Stoxx 600 subiu 13,7%.

A esperança se torna combustível

Ainda que incertezas existam, estamos num momento de “menor preocupação”:

1. Eleições americanas: a corrida presidencial norte-americana está caminhando para seus momentos finais, embora o atual presidente, Donald Trump, ainda não tenha assumido publicamente uma derrota para o democrata Joe Biden. Os meses antes da definição do próximo presidente de umas das principais economias do mundo, historicamente, trazem muita incerteza para os investidores – nos passos finais para essa definição, essa incerteza vai embora e “clareia os céus” para os investidores. Ah, sem dizer que essa resolução parece ser muito positiva, já que a Câmara e o Senado estão divididos entre os partidos, projetando um mandato mais equilibrado de Biden.

2. Que saudade da “agulha”: as soluções para vacinas que estão em estágio mais avançado de pesquisa têm apresentado excelentes resultados — Pfizer, Moderna Inc. e AstraZeneca demonstraram uma eficácia de 70-95% em suas vacinas, bem acima do mínimo requerido pelos reguladores americanos, de 50%. Além disso, é possível que pelo menos uma dessas vacinas seja autorizada para uso na população norte-americana ainda em 2020.

Essa solução será a principal protagonista da retomada econômica global em 2021, e, por isso, é o principal fator que estimula a esperança dos mercados.De qualquer modo, a covid-19 continua, e passa a travar uma espécie de corrida com as vacinas. Quem será que chega primeiro: a vacina ou o aumento de número de casos ocasionando novas medidas de isolamento? Essa dicotomia deve pautar os próximos movimentos dos mercados.

Isso porque o FMI espera um crescimento de 5,2% para o PIB mundial no ano que vem — uma predição de retomada forte das economias. Porém, dependendo do rumo que o isolamento tomar, as economias vão demorar mais ou menos para se recuperar, mesmo com vacina.

Sem excluir o fato de termos que lidar com uma situação fiscal preocupante do Brasil. O nosso país teve um gasto com auxílios de 8,4% do PIB, uma das economias emergentes com maiores gastos relativos na frente de combate à pandemia.

Nas nossas recomendações de carteira, temos focado em nos manter diversificados entre classes de ativos. O equilíbrio é a melhor forma de atravessar os caminhos questionáveis que 2021 nos guarda (e sempre foi, na realidade). Para o mês de dezembro, reduzimos a exposição à renda variável, tanto brasileira quanto internacional – já que tivemos um dos melhores novembros da história, e ainda temos algumas questões para serem respondidas, aproveitamos para reduzir as posições nestas classes mas sem alterar nossa visão de longo prazo mais otimista, sendo assim apenas um ajuste nas carteiras.

Além disso, aumentamos a recomendação de inflação: segundo as nossas perspectivas, o mercado está mais pessimista que o nosso pior cenário esperado, fazendo com que essa classe apresente taxas mais atrativas sob o nosso ponto de vista – sem dizer que é uma boa forma de se proteger de um cenário mais negativo para o Brasil, em que teríamos um aumento na inflação – unimos o útil ao agradável, embolsamos parte dos lucros fortes na parcela de RV e realocamos em posições mais defensivas que, para nós, estão mais atrativas do que deveriam. Confira nossas recomendações de carteira a seguir.

Sugestão de Alocação de Ativos: Perfil Conservador

No caso do perfil conservador, a busca por ativos com menor risco, sobressai a busca por retornos, sendo prioridade a preservação de capital.

Dividimos o perfil conservador em 2 categorias: 

  • Cautelosa – para quem é bastante conservador e não abre mão da segurança.
  • Defensiva – para quem está começando a se arriscar um pouco mais, mas ainda tem a segurança como um valor importante.

Perfil Cauteloso

Para quem é cauteloso, recomendamos investir 90% em títulos pós-fixados e 10% em inflação. 

E, dentro dessa porcentagem, recomendamos os produtos da tabela abaixo. 

Cauteloso Público GeralAlocaçãoInvestimento Mínimo
Pós Fixado90.00%
XP Top FI RF CP LP15.00% R$         5.000,00
JGP Corporate Feeder III FIC RF CP LP15.00% R$      20.000,00
Polo Crédito Corporativo Adv FI RF CP LP15.00% R$            500,00
Selection FIC RF CP LP15.00% R$            100,00
Trend DI Simples9.00% R$            100,00
CDB Pine 138% CDI 3 anos6.00% R$         1.000,00
CDB C6 137% CDI 3 anos6.00% R$         1.000,00
Tesouro Selic 20259.00% R$            106,48
Inflação10.00%
Tesouro IPCA+2,98% 202610.00% R$                     –  

Perfil Defensivo

Já para quem quer se arriscar um pouco mais, para os defensivos, recomendamos investir 51% em títulos pós-fixados, 27% em multimercados, 15% em inflação, 3% em Renda Variável, 2% em Renda Fixa Global e 2% em Renda Variável Global. 

E, dentro dessa porcentagem, recomendamos os produtos da tabela abaixo.

Defensivo Público GeralAlocaçãoInvestimento Mínimo
Pós Fixado51.50%
Selection FIC RF CP LP10.50% R$         100,00
XP Top FI RF CP LP10.00% R$     5.000,00
JGP Corporate Feeder III FIC RF CP LP10.00% R$   20.000,00
Polo Crédito Corporativo Adv FI RF CP LP10.00% R$         500,00
CDB C6 137% CDI 3 anos3.50% R$     1.000,00
CDB Pine 138% CDI 3 anos3.50% R$     1.000,00
Tesouro Selic 20254.00% R$         106,48
Inflação15.00%
XP Debêntures Incentivadas FIC FIM CP4.50% R$     5.000,00
Tesouro IPCA+2,98% 20267.50% R$                  –  
DEB Eneva IPCA+4,00% set/353.00% R$                  –  
Renda Fixa Global2.50%
Trend High Yield FIM2.50% R$         100,00
Multimercado26.50%
Kapitalo Kappa Advisory FIC FIM6.50% R$   10.000,00
Absolute Vertex Advisory FIC Multimercado6.50% R$         500,00
Moat Capital Equity Hedge FIC FIM5.50% R$   20.000,00
Giant Sigma Advisory FIC Multimercado4.00% R$         500,00
Giant Darius FIC Multimercado4.00% R$         500,00
Renda Variável2.50%
XP Long Term Equity FIC Multimercado2.50% R$   10.000,00
Renda Variável Global2.00%
Trend ESG Global Dólar FIM1.00% R$         100,00
Trend ESG Global FIM1.00% R$         100,00

As sugestões são feitas com base nas análises e projeções dos analistas do grupo XP Inc., a qual a Rico pertence, mas não trazem garantia de rentabilidade. 

Se você está começando a investir, ou abaixo do percentual alvo ajustado, nossa recomendação é implementar novas posições ao longo de 3 a 5 meses, para ir pegando o preço médio dos ativos.

Além disso, os ativos e suas taxas estão sujeitos a disponibilidade, podendo um fundo estar fechado ou os ativos de renda fixa não estarem mais disponíveis no momento em que você for aplicar. 

E se quiser saber mais, conheça alguns dos produtos que compõe nossa sugestão de alocação.

Sugestões para outros perfis de investidor

Você pode também conhecer as sugestões para outros perfis de investidores. 

Sugestão de alocação para perfil moderado. 

Sugestão de alocação para perfil agressivo.