Encerradas as eleições presidenciais, um velho desafio retomou seu lugar nos holofotes do mercado brasileiro: o futuro das contas públicas do país.

Diante da incerteza sobre quais serão as regras que determinarão a dinâmica dos gastos do governo nos próximos anos (permitindo maiores gastos ou impondo determinados limites), aquilo que chamamos de risco fiscal se tornou o principal por trás da forte volatilidade observada nos ativos brasileiros nas últimas semanas.

Em outras palavras: seguindo sinalizações do governo eleito de que os gastos devem subir ao longo dos próximos anos, investidores passaram a enxergar maiores riscos de financiar o Brasil. No cenário financeiro, esse aumento de percepção de risco se traduz na desvalorização de ativos brasileiros, como títulos do governo e de empresas, ações, e a nossa própria moeda (que desvaloriza).

Os gráficos abaixo ilustram bem esse movimento:

i) O real sofrendo forte queda na contramão do mundo, que assistia à queda do dólar impulsionada por dados de inflação mais fraca na economia americana;

ii) A expectativa de investidores sobre os juros no futuro subindo fortemente, refletindo receios de que a inflação subirá diante do aumento excessivo de gastos, exigindo maiores juros a longo prazo;

iii) E finalmente, o Ibovespa, nosso principal índice acionário, caindo substancialmente por conta não só do aumento da incerteza sobre os rumos da economia no país, mas também por expectativas de que os juros devem seguir altos (ou mesmo subir) no futuro próximo, e não cair como o esperado até então – o que tende a impactar negativamente as ações, como explicamos aqui.

O cenário pré-eleitoral

Para entendermos o contexto atual e a situação descrita acima, vale darmos um passo para trás, para o cenário fiscal neste ano.

Para a surpresa de muitos, 2022 foi marcado por resultados positivos nas contas públicas. Para se ter uma ideia, devemos encerrar o ano com as contas no azul (ou seja, com superávit primário) e com a dívida pública em menor patamar do que o observado no ano passado (em 76% do PIB, de 78,8% no fim de 2021).

A performance positiva é fruto de uma série de fatores, incluindo o congelamento temporário de algumas despesas (especialmente salários de servidores público) e a forte arrecadação de impostos impulsionada pela retomada da economia no pós-pandemia, pela inflação alta e pelo alto preço de commodities.

O gráfico abaixo ilustra como a alta no preço do petróleo fortaleceu os cofres públicos ao longo desse ano por meio de royalties de petróleo e dividendos da Petrobrás.

Porém, a performance de curto prazo positiva já não significava que nosso desafio fiscal era página virada.

Primeiro, porque grande parte da arrecadação acima do esperado tem sido impulsionada por fatores conjunturais (ou seja, limitados ao momento atual) e não há garantia que seguirão assim. Exemplo disso são a própria retomada da economia e o preço global de commodities que exportamos.

Do lado das despesas,  tivemos a aprovação de várias novas despesas , como transferências ao setor cultural e de eventos e o piso salarial de enfermagem. 

Por fim, mas não menos importante, temos o impacto dos juros. Com a taxa Selic em 13,75% para controlar a inflação, a dívida pública fica mais cara. Afinal, boa parte da dívida é indexada à Selic, por ser a taxa livre de risco do país. E uma dívida mais cara exige um esforço muito maior de contas no azul para reverter a dinâmica de crescimento no longo prazo.

Resumo da ópera: apesar da “foto” bonita, o “filme” seguia preocupante.

As promessas eleitorais e o orçamento

Como vimos acima, o desafio fiscal seguiria como um dos principais temas a serem tratados pelo governo eleito, independente do resultado eleitoral.

Foi então que o período eleitoral trouxe ainda mais desafios de natureza fiscal, agora olhando para o curto prazo. Candidatos à Presidência da República se comprometeram com maiores gastos já no ano que vem – em especial, a manutenção do Auxílio Brasil em R$ 600 e o aumento do salário-mínimo acima da inflação.

Assim, além de “organizar a casa fiscal” e garantir credibilidade de que nossa dívida não sairia do controle no longo prazo, o governo eleito teria como primeiro desafio o equilíbrio do orçamento de 2023.

Isso porque, de maneira simplificada, as promessas eleitorais não caberiam no atual orçamento – diante da limitação da atual regra do teto de gastos. Além disso, o orçamento já precisava de ajustes em relação à proposta enviada pelo governo ao Congresso em setembro desse ano (dado que alguns programas em andamento traziam custo subestimado).

Foi assim que a tal da PEC da Transição ganhou os holofotes – uma Proposta de Emenda Constitucional que criaria espaço no orçamento do governo federal para aumentar os gastos para o ano que vem.

A PEC da Transição

Mas por que é preciso que seja aprovada uma mudança na nossa constituição para aumentar os gastos públicos no ano que vem?

Porque temos uma regra em nossa constituição que limita o total de despesas no orçamento de um ano ao aumento da inflação do ano anterior. Em outras palavras: o total de gastos do governo só pode subir de acordo com o quanto subiu a inflação – se mantendo estável em termos reais. Essa é a chamada regra do teto de gastos, em vigência desde 2017.

E assim, chegamos ao atual cenário. O governo eleito apresentou uma proposta de emenda constitucional (conhecido como PEC da Transição), visando alterar regras constitucionais relacionadas ao teto de gastos e outras regras fiscais, permitindo o aumento das despesas no ano que vem.

Entre as principais mudanças, a proposta atual inclui:

  1. Retirar as despesas com programa Auxílio Brasil da contabilização do teto de gastos e de outras regras fiscais, como a que exige compensação no orçamento para maiores gastos permanentes;
  2. Retirar da contabilização do teto de gastos investimentos que venham de “excesso de arrecadação”, sem maiores definições de como esse excesso seria calculado; e
  3. Retirar do teto de gastos despesas relacionadas à proteção do meio ambiente e de instituições federais de ensino (como universidades), que sejam fruto de doações, convênios ou arrecadação própria.

Com a retirada dessas despesas do teto de gastos, o governo eleito ganhará um espaço para inserir no orçamento medidas adicionais que, se aprovadas, elevarão ainda mais os gastos totais do governo de maneira permanente. Por não serem acompanhadas (ao menos até então) por aumento proporcional de receitas aos cofres públicos, esse aumento de gastos proposto tende a ser financiado com o aumento da dívida pública.

O impacto total das medidas acima ainda não é claro, mas estimamos que seja próximo de R$ 225 bilhões.

Assim, se aprovada pelo Congresso, estimamos que as mudanças incluídas na PEC levariam a um déficit primário de 1,7% do PIB no ano que vem. Ou seja, o governo adicionaria à dívida pública no ano que vem o equivalente a 1,7% do nosso PIB em 2023.

Considerando que essas novas despesas se tornem permanentes e não cresçam além da inflação, isso levaria a um crescimento de 12p.p. da dívida pública nos próximos quatro anos – chegando a 87,6% do PIB em 2026. Caso essas despesas cresçam acima da inflação, essa relação pode atingir quase 93%.

Ou seja, um cenário de piora significativa nas nossas contas públicas.

Esse cenário tende a levar a consequências que detalhamos no início desse texto, incluindo: i) maior pressão sobre a inflação, uma vez que maiores gastos sem aumento de produtividade do trabalhador gera alta acelerada de preços; ii) maiores juros por parte do Banco Central, para controlar a pressão inflacionária lá na frente – dado que as expectativas sobre a inflação no futuro impactam muito o nível dos preços adiante; e, consequentemente, iii) menor crescimento econômico nos próximos anos, diante do freio imposto pelos juros altos, pela inflação pressionada corroendo o poder de compra, e impactos no ambiente de confiança de investidores e consumidores.

O que fazer para se proteger?

A PEC da Transição ainda precisa passar pela aprovação do Congresso – o que requer duas votações na Câmara dos Deputados e duas no Senado (com 3/5 dos votos em cada), por se tratar de uma mudança constitucional. Ou seja, ainda tem muita água pra rolar antes que possamos dizer que o cenário para os gastos no ano que vem está definido. 

Porém, a incerteza fiscal e o consequente aumento da percepção de risco já são sentidos por investidores em diferentes mercados, como contamos no começo.

Nesse cenário, entender o seu perfil de investidor, os seus objetivos, e manter sua carteira de investimentos diversificada se tornam ainda mais essenciais. Afinal, a diversificação entre tipos de investimento e também entre geografias permite que você equilibre os riscos da sua carteira – quando um investimento cai, outros podem se manter ou mesmo subirem no mesmo cenário.

Além disso, vale a pena manter-se defensivo.

Para se proteger, boas alternativas para cenários de incerteza doméstica incluem: 1) renda fixa pós-fixada, como Tesouro Selic e títulos de renda fixa atrelados ao CDI;

2) renda fixa atrelada à inflação (como IPCA +), de curta e média duração – sempre coordenando com o prazo dos seus objetivos; e

3) investimentos internacionais e dolarizados – sempre respeitando o limite proposto para o seu perfil de investidor. Uma alternativa para ter essa exposição internacional é o fundo Trend Bolsa Americana Dólar FIA.

Finalmente, e a bolsa brasileira? A Bolsa tende a sofrer nesses cenários de taxas de juros maiores e elevação da percepção de risco em relação ao país. Porém, vale lembrar alguns pontos importantes:

  • A Bolsa brasileira já negocia com 40% desconto em relação a sua média histórica;
  • 68% da Bolsa brasileira é composta por setores que não são muito afetados por inflação e câmbio mais altos (financeiro, commodities e setor elétrico); e
  • as empresas do Ibovespa são líderes de mercado, e conseguem repassar para seus preços um cenário de inflação elevada.

Portanto, a Bolsa no longo prazo também funciona como uma boa proteção à inflação. Para investir na bolsa, confira a RICO11, a carteira recomendada da Rico!

Para entender mais sobre nossas recomendações de investimento de acordo com o seu perfil de investidor e o cenário atual, confira aqui no “Onde Investir”.

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.