• Possuir um carro é o desejo de muita gente, mas você já colocou no papel todos os custos que ele gera para você?
  • Com várias empresas oferecendo o serviço de assinatura de carro, mais pessoas tem se perguntado: Comprar ou alugar um carro?
  • Nesse texto, mostro o custo dessas duas opções para te ajudar a fazer essa escolha.

Quando comecei a trabalhar, com 14 anos de idade, tinha um objetivo muito claro: Comprar meu primeiro carro aos 18 anos. E assim eu o fiz! Passei alguns meses usando o Fiat Uno da empresa do meu pai até conseguir comprar o Corolla 99 automático com bancos de couro pela bagatela de 15 mil reais.

Amei todos os carros que tive, mas, sempre que meu lado investidor fala alto, me pego fazendo cálculos para saber se vale a pena continuar com meu carro, ou se eu poderia alugar e diminuir meus custos enquanto deixo esse valor investido.

Somado a isso, vi meu carro se valorizar mais de 50% desde que o comprei (superando muitos investimentos da minha carteira, infelizmente), e tenho frequentemente me perguntado: será que vale a pena vender meu carro, investir essa grana e fazer uma assinatura?

Assinar um carro?

O conceito de carro por assinatura tem se tornado cada vez mais popular. A ideia é parecida com o aluguel de uma casa. Você faz um contrato geralmente de 3 anos pagando um valor por mês para usar o carro, com tudo pago (exceto gasolina). Isso significa que você não precisa pagar IPVA, manutenção, seguro, revisão e outros gastos que a maioria dos proprietários de veículos tem.

A vantagem desse serviço é você não precisar se preocupar com muitas coisas e ter um carro sempre com cheiro de novo. Além de não pensar na revenda do veículo depois de usado.

Mas isso tem um preço. Pelas minhas pesquisas em diversas locadoras de carros e até mesmo marcas de carros que possuem a assinatura, o custo anual atualmente está em torno de um terço do valor do mesmo carro zero. Em outras palavras, um contrato de 3 anos da assinatura será aproximadamente o preço de comprar o carro na concessionária.

Então, não faz mais sentido comprar um carro?

Não necessariamente. Quando compramos um carro, é importante lembrar todos os custos que podemos ter ao longo do tempo, que no caso da assinatura estão embutidos no serviço.

Digamos que você compre um carro zero de aproximadamente R$60.000,00. Vamos colocar na ponta do lápis alguns custos que você terá com essa aquisição.

Manutenção R$    1.300,00
IPVA R$    2.400,00
Revisão R$    1.400,00
Seguro R$    4.000,00
Licenciamento, emplacamento, cartório e despachante R$    2.000,00
Total R$  11.100,00
IPVA de 4% do veículo

Com base nesse cálculo, cerca de um sexto do valor do carro é gasto por ano com a posse do veículo. Por mais que alguns custos só aconteçam no primeiro ano, como é o caso do emplacamento do veículo, O custo com manutenção acaba aumentando ao longo da utilização do carro.

Fazendo essas correções ao longo dos 3 primeiros anos, temos o seguinte custo pelo período:

Custo por ano
1º ano R$                                 11.100,00
2º ano R$                                    9.140,00
3º ano R$                                    8.960,00
Total nos primeiros 3 anos R$                                 29.200,00
custos de aquisição retirados a partir do primeiro ano, valor do IPVA e seguro ajustados conforme desvalorização do veículo.

Além disso, os carros desvalorizam em média 11% por ano nos primeiros anos. Esse é um fator importante de levar em conta, já que, com a desvalorização ao longo do tempo, você receberá de volta muito menos do que pagou na hora da revenda.

Valor do carro
Ato da compraR$60.000,00
1º anoR$56.400,00
2º ano R$53.400,00
3º ano R$47.526,00
*Em média, 6% do valor do carro é desvalorizado no ato da compra.

Mas meu carro valorizou nos últimos anos! Sim, com os impactos da restrição de circulação causada pela Covid e a crise dos semicondutores, a inflação que atingiu os mercados aumentou também o preço dos carros novos e usados. Entretanto, com uma economia mais saudável e com a retomada da produção, os preços devem voltar a cair e a desvalorização dos carros voltem a ocorrer.

E se eu investir meu dinheiro nesse período?

Um terceiro cálculo válido é considerar quanto você teria de rendimento se mantivesse o valor da compra do carro aplicado nesse período. Nossa taxa básica de Juros (Selic) está aumentando e nosso time de economia da Rico espera que ela feche o ano em 11%. Com isso, os rendimentos da renda fixa ficam cada vez mais atrativos (e os financiamentos mais caros).

Digamos então que você encontre um investimento (ou uma carteira) que pague em torno de 12,75% ao ano pelos próximos 3 anos, o que é a taxa de juros atual:

investimento inicial R$ 60.000,00
primeiro anoR$ 67.650,00
segundo anoR$ 76.275,38
terceiro anoR$ 86.000,49
ganho no periodoR$ 26.000,49

Comprar um carro ou assinar?

Colocando as comparações lado a lado, a diferença entre você deixar seu dinheiro rendendo e assinar um carro ou comprar um carro zero seria a seguinte:

Alugando um carro( investindo)Alugando sem investirComprando à vistaFinanciando (juros de 3,16% ao mês)
custo 1º ano-R$20.400,00-R$20.400,00-R$71.100,00*-R$48.538,68
custo 2º ano-R$20.400,00-R$20.400,00-R$9.140,00-R$46.578,68
custo 3º ano-R$20.400,00-R$20.400,00-R$8.960,00-R$46.398,68
ganho no períodoR$ 26.000,49  R$47.526,00 ** R$47.526,00 **
-R$ 35.199,51-R$61.200,00-R$41.674,00-R$ 93.990,04
*valor da compra do carro, mais os custos do primeiro ano.
**valor da revenda

Agrupando todas as contas, o resultado final é que alugar um carro por 3 anos custa menos do que comprar um carro e revendê-lo após esse mesmo período. A pior opção fica com o financiamento, devido à alta taxa de juros trabalhada atualmente no mercado.

Pontos que são importantes ressaltar.

Os custos utilizados nesses cálculos podem variar bastante. O custo de seguro pode variar de acordo com o seu perfil, o custo de manutenção pode ser mais alto caso aconteçam imprevistos e a desvalorização do seu veículo pode ser maior ou menor que as utilizadas nesse exemplo. Esse texto serve para ilustrar como você pode fazer esse cálculo para não esquecer de nada na hora de fechar um negócio, seja com uma locadora de carros ou com uma concessionária na compra do seu carro zero.

Comparando banana com banana. Nesse exemplo, não seria justo comparar um carro zero com um carro usado, em que a desvalorização pesa menos nos cálculos. Além disso, existem pessoas que vivem bem sem seguro no seu carro, que é um dos principais custos de possuir um carro. Como a assinatura oferece esse serviço, não seria justo deixar esse custo de fora.

1% ao mês. Com a taxa de juros atual, não está sendo muito difícil encontrar um investimento com essa rentabilidade atualmente. Inclusive, na nossa recomendação de renda fixa desse mês (Maio de 2022) você encontra um investimento bem próximo a esse rentabilidade. Entretanto isso pode mudar quando a taxa de juros voltar a cair, mudando bastante a rentabilidade que você pode ter com seus investimentos em renda fixa (recomendados para o curto prazo).

Financiamento de 3,16% ao mês. A taxa utilizada para o cálculo do financiamento foi a encontrada numa simulação disponível no aplicativo de um dos maiores bancos do país. Essa taxa pode variar de acordo com o seu perfil e com o seu banco.

Franquia de km? Quase todas as locadoras limitam uma franquia de quilômetros. Essa franquia é um limite que você pode usar o veículo sem pagar um adicional. No geral, elas são de 36.000km para os 3 anos de uso. Isso evita que um cliente use muito o carro, aumentando o custo de manutenção, além da desvalorização do carro. O valor pode aumentar um pouco caso você contrate uma franquia maior, mas acredito ser uma utilização normal para a média das pessoas.

Faça as contas!

Depois de escrever esse texto e fazer todos esses cálculos (além de ter conversado com uma série de locadoras), essa voz interior que sugere que eu venda meu carro fala ainda mais alto. Entretanto, particularmente, meus números são bastante diferentes.

Eu não sou muito fã de contratar seguros e vivo bem com um carro de 5 anos de uso. Como mencionei no “disclaimer” acima, é importante você realizar esse exercício para a sua própria realidade. Caso você utilize muito pouco o carro, talvez faça sentido o aluguel de carro por curtos períodos ou até mesmo usar aplicativos de taxi/carona quando possível.

Uma outra opção (caso você esteja pensando em investir mais, mas sem abrir mão de um carro) é fazer um “downgrade” do seu carro atual. Trocar seu carro por um mais barato pode te ajudar bastante a melhorar sua vida financeira para ter mais tranquilidade no futuro.

Mas não se esqueça de investir! Como demonstrei na tabela, o investimento faz muita diferença. Então, se comprometa a investir esse dinheiro para o negócio valer a pena. Caso ainda não tenha, Abra sua conta na Rico gratuitamente!

Não quer nem alugar e nem comprar? Essa planilha do InfoMoney te ajuda a comparar também os custos de ter um carro, alugar ou usar transporte por app para se locomover!

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento