Quando eu era criança, no início dos anos 90, minha família passava as férias de janeiro na praia. Eu achava o máximo pois logo no primeiro dia meu pai me dava o dinheiro todo que eu iria usar durante aquelas próximas semanas. Eu me sentia “o super herói”, pois em época de hiperinflação, eu andava com um bolo de dinheiro fazendo volume no meu bolso. 

Eu me lembro que com aquilo tudo eu conseguia comprar por dia um picolé e 3 fichas de fliperama. Como eu não era tão bom assim no fliperama, eu sempre acabava com o dinheiro antes da primeira semana terminar. Eu sentia vergonha, mas ia lá pedir um pouco mais de dinheiro para o meu pai – que me dava uma pequena bronca – mas acabava liberando mais algum trocado.  

Muitos anos depois dessa história, já adulto, eu me senti “herói” de novo. Eu tinha juntado algum dinheiro e fiz uma viagem para os Estados Unidos – minha primeira viagem internacional. Quando eu cheguei em Nova York, fiquei deslumbrado. Me senti no filme do Superman na sessão da tarde. Era o filme do Superman, do Homem-Aranha e do Batman. Só quem nasceu nos anos 80 sabe do que eu estou falando.  

Na prática, me empolguei além da conta e acabei, novamente, “gastando todas as minhas fichas” antes do tempo. Dessa vez meu pai não estava lá para me dar mais um bolo de dinheiro, mas eu tinha um outro “herói” chamado cartão de crédito. Era invisível e indolor, parecia que era dinheiro meu. Mas não era. Então eu me endividei pesado e fiquei quase um ano para pagar aquele rotativo do cartão. O herói virou vilão. 

Até hoje quando vejo foto da Estátua da Liberdade eu sinto taquicardia. Minha vida nos meses seguintes virou pagar o cartão. Senti muita vergonha e não contei para ninguém e fui pagando como dava. Eu virei uma espécie de agiota de mim mesmo. 

Depois desse episódio, aprendi a lidar com meu dinheiro, e com o cartão de crédito também. Há 10 anos ensino pessoas de todas as idades a lidarem melhor com as suas vidas financeiras.  

Cartão de crédito: Herói ou vilão?

Começando por um breve contexto do hoje tão conhecido cartão de crédito: os primeiros cartões no formato de plástico surgiram na década de 1950, a era de ouro das histórias de heróis nos quadrinhos. Agora, imagina a revolução que foi o cartão de crédito? Na época, um superpoder, pois antes só era possível fazer pagamentos à vista e, em geral, em dinheiro.  

O que muita gente não sabe, ou mesmo nunca parou para pensar, é que o cartão de crédito é um tipo de empréstimo, com limite pré-aprovado e de curta duração. Ele permite que façamos compromissos financeiros hoje, para serem pagos no futuro. Isso é ótimo! E contribui para um conceito econômico de nome complicado: a riqueza intertemporal.

Esse conceito de nome bonito é bem simples: indica que as pessoas gastam (inclusive hoje) de acordo com aquilo que planejam ter de dinheiro ao longo da vida – e isso vale pro curto e para o longo prazo.

Tipo comprar uma casa, um carro ou até um sorvete e uma ficha de fliperama. E isso é bom pra economia, porque faz ela girar, com consumo, produção, investimentos etc. Mas isso só é possível para aqueles que tem acesso ao crédito! Olha lá, quanto coisa boa, não é mesmo? 

Mas também é importante ficar atento(a) aos “tombos” que você pode tomar se não souber usar o cartão de crédito da melhor maneira: 

  • São tantas tentações: é fácil sentir que o limite do cartão de crédito é uma extensão do nosso salário né? Mas não é! Então não deixe que a fatura saia do seu teto estabelecido. 
  • Golpes pesados: podem acontecer quando você passa o cartão nas maquininhas ou faz compras na internet. Alguns levam a “knockout”. Para evitar que isso aconteça, tenha atenção a qualquer alteração suspeita na máquina e, sempre que possível, use o cartão virtual do seu banco. 
  • As parcelas se encontram lá na frente: muitas vezes a gente vai comprando… e comprando… e nem percebe que aquelas “parcelinhas” vão se juntando, juntando, até que forma um enorme tsunami financeiro e não tem herói que salve. Não deixe que as parcelas acumulem e evite parcelar tudo em diversas prestações, se você não tem o controle exato do seu orçamento. 

Agora, sabendo usar, essa ferramenta pode ser um superpoder útil em diversas situações, como por exemplo: 

  • Parcelar uma compra de um item mais caro. 
  • Evitar andar com dinheiro físico, por questões de segurança. 
  • Fazer viagens internacionais usando apenas o cartão. 
  • Conseguir dinheiro em uma emergência financeira 

Benefícios: o Investback do cartão Rico

Além desses benefícios, existem diversos outros que fazem de alguns cartões de crédito um grande atrativo. E é impressionante como o mundo das finanças mudou nos últimos anos. Muita gente ainda acha o máximo ter um bom limite para gastar no cartão de crédito. Mas isso parece algo já tão ultrapassado. Imagina que você já está em outro patamar e agora você usa o cartão de crédito já calculando o quanto você vai receber de Cashback em… investimentos? Pois é, se você não sabia, isso já é possível.  

A Rico, por exemplo, recentemente lançou um cartão exclusivo que vai oferecer investback de até 1% nas compras do dia a dia e de até 10% na sua central de benefícios, que é um shopping dentro do aplicativo da Rico que terá dezenas de marcas conhecidas. O investback é um nome bonito para dizer que você vai poder usar parte do dinheiro que você gastou usando o cartão, em investimentos.  

O investback do cartão Rico pode transformar você – que ainda não investe – em um investidor, pois o investback será depositado automaticamente em um fundo que rende 100% do CDI e não tem taxa de administração. Que baita superpoder! 

Ainda, o cartão da bandeira Visa Infinite terá benefícios exclusivos como seguro de viagem internacional, seguro para locação de veículos e garantia estendida gratuitos, além de pagamento por aproximação e aceitação nas principais carteiras digitais (como Apple, Google e Samsung Pay).  

Nos próximos meses a Rico vai oferecer outros produtos e serviços, como a possibilidade de fazer investimentos pelo cartão de crédito (o cliente poderá cadastrar um valor mensal e pagá-lo direto na fatura), além de seguros e uma plataforma de negociação de criptoativos. 

Resumo da ópera: o dinheiro não é do bem nem do mal… o dinheiro é “isentão” mesmo. O dinheiro faz o que você o manda ele fazer, e o resultado é só culpa sua. Difícil ser culpado pelos problemas né? Mas o lado bom é que se a gente é culpado pelo nosso fracasso, também somos responsáveis pelo nosso sucesso!  

Com o cartão de crédito é a mesma coisa. Ele é uma ferramenta que, se bem usada, é muito útil para a sua vida. Se você não souber usar, é igual Skate: só dá tombo. 

Como diz o Tio do Peter Parker : “Com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades.” 

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.