• O mês de setembro ainda não acabou, e o mau humor dos mercados nos lembra disso.
  • Os motivos? Um mix de: expectativa de redução de estímulos monetários nos EUA (menos dinheiro rolando na praça), crise energética assombrando o mundo e levando o preço de commodities pra cima, e incertezas ainda presentes sobre a dívida da empresa Evergrande na China.
  • O preço dos combustíveis é destaque aqui também, e a classe política discute possíveis alternativas para a alta de preços de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha. Qualquer interferência na política de preços da Petrobrás deve ser vista negativamente pelo mercado.
  • O risco fiscal também continua por aqui, e discute-se a prorrogação do Auxílio Emergencial até abril do ano que vem. As regras fiscais estão em jogo, e uma flexibilização para permitir mais gastos e aumento no endividamento de longo prazo, piorando a percepção de risco sobre nossos ativos no mercado (de ações, à renda fixa, dólar e inflação).

Wake me up when September ends. O mês de setembro ainda não acabou, e o mau humor dos mercados nos lembra disso. O Ibovespa fechou em forte queda (-3,05%) ontem, as taxas futuras de juros subiram (refletindo maior risco), e o dólar fechou em R$ 5,42. A piora veio em linha com o desempenho também negativo observado nos mercados internacionais – nos EUA, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq encerraram o dia com perdas entre 1,6% e 2,9%.

O mau humor no mundo tem sido puxado por uma série de fatores, entre eles:

  • A alta nas taxas de juros futuras nos EUA, que reagem ao fim próximo dos estímulos monetários por parte do Banco Central americano (por ora, o fim da compra de ativos no mercado), e acabam por pressionar principalmente ações de empresas da crescimento. Isso porque essas empresas terão seu financiamento mais caro diante de juros de longo prazo mais altos, além de seu valor hoje em um nível menor (quando considerado o quanto valerão no futuro, algo que chamamos de valor presente, em finanças);
  • A crise energética que assombra o mundo, por conta da redução de produção de energias poluentes na China, da menor oferta de Petróleo (pela OPEP – países exportadores de petróleo – e pelos EUA, afetados por questões climáticas), da maior demanda por energia a gás por conta da falta de chuvas (como no Brasil), e por questões geopolíticas que limitam o fornecimento de gás por parte da Rússia a Europa.  
  • Incertezas ainda presentes sobre a empresa Evergrande na China – como contamos aqui.

Mas setembro tá quase acabando! Na manhã dessa quarta-feira, as bolsas amanhecem em alta no mundo, revertendo parte das perdas de ontem. O governo chinês comprou um pedaço de um banco regional do Evergrande Group por USD1,55 bi, e embora isso não signifique que a empresa vai conseguir pagar suas dívidas, o movimento é visto como relativamente positivo para evitar maior contágio no mercado financeiro na China (já limitado no resto do mundo). Enquanto isso, nos EUA, o presidente do FED (Banco Central americano), Jerome Powell, e a Secretária do Tesouro, Janet Yellen, alertaram aos membros do Congresso que um calote na dívida americana teria consequências desastrosas e pediram resolução para o problema do teto da dívida.

O projeto é importante porque, sem esse aumento, o Tesouro deixa de conseguir emitir dívida, o que em tese levaria a um calote da dívida soberana nos EUA. Embora seja improvável que isso aconteça, o Congresso precisa também aprovar o orçamento até amanhã (discutido na mesma esteira da dívida), para evitar um shutdown da máquina pública por lá – com efetiva paralisação de serviços públicos, como funcionários da administração pública.

Por aqui, Segue a novela da gasolina. Como contamos ontem, a disparada do petróleo também tem afetado o Brasil, com alta nos preços de gasolina e derivados (como diesel e gás de cozinha). Ontem, a Petrobras anunciou reajuste de 8,9% (R$0,25) no preço do óleo diesel. Embora a companhia tenha mantido os valores da gasolina e do gás de cozinha, a reação do presidente da Câmara, Arthur Lira, foi de criticar os altos preços dos combustíveis e exigir mudanças principalmente no ICMS (imposto estadual responsável por boa parte do preço final na bomba). Também está sendo discutida a criação de um fundo de compensação para a Petrobras mudar sua política de aumento dos combustíveis e aplicar reajustes de forma mais ponderada ao longo do tempo. A discussão deve seguir nos próximos dias/semanas, e pode impactar negativamente o preço da Petrobrás.

Devemos menos, mas risco fiscal não sai da cola. O resultado do Tesouro Nacional, divulgado ontem, mostrou que seguimos no vermelho nas contas públicas. Por incrível que pareça, entretanto, a situação está melhorando – com déficit primário (o que gastamos menos o que arrecadamos, antes do pagamento de juros) tendo caído para 2,7% do PIB, de 3,8% do PIB em julho. Boa parte da melhora se dá por conta da comparação com o período do auge da pandemia, quando os gastos públicos subiram muito com programas como auxílio emergencial e transferências para estados e municípios, mas a arrecadação forte de impostos também tem tido papel fundamental.

Então, por que ainda falamos de risco fiscal, vendo o impacto nos ativos por aqui? Por conta dos planos de longo prazo, e do receio de que essa melhor seja revertida em breve, com flexibilização das regras fiscais e gastos saindo do controle.

Falando em risco fiscal…O governo estuda a prorrogação do Auxílio Emergencial, que em teoria será encerrado em novembro. Ainda sem consenso, as parcelas seriam estendidas até abril de 2022. O secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, disse que, com o Orçamento de 2022 em discussão no Congresso, não há como argumentar que o gasto com o programa é emergencial, desse modo, não poderia ser financiado por meio de crédito extraordinário – ferramenta só possível de ser utilizada diante de gastos relevantes, urgentes e imprevisíveis.

Um olho no peixe Brasil, o outro na China. Hoje teremos a divulgação dos índices de gerente de compras na China – que servem como bom termômetro para como anda a economia por lá. Depois de dados piores do que o esperado em agosto, todos estarão de olho no número de setembro (que serão divulgados à noite por aqui). Por aqui, destaque para os resultados fiscais do Banco Central, que incluem o nível da dívida no mês, a serem divulgados as 9:30.

Nas horas vagas

Eu sigo dando dicas de séries, livro e podcasts por aqui. Para quem não assistiu ainda, indicou a série “Mare of Easttown”, do HBO Max. A série conta a história de uma detetive em uma pequena cidade nos EUA, que procura resolver um caso envolvendo o desaparecimento e morte de meninas na cidade. Kate Winslet está simplesmente maravilhosa na performance, a série tem poucos episódios, e segue com plot twists do começo ao fim!

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento