• Mercados globais amanhecem levemente negativos hoje, com commodities desvalorizando e a volta da preocupação com o crescimento econômico
  • Hoje é dia de Copom! Com mais pressões inflacionárias, esperamos que a Selic suba 1,5 p.p., chegando a 7,75% ao ano.
  • Com a alta do IPCA-15 de outubro, revisamos nossas projeções e vemos a inflação brasileira encerrando 2021 em 9,5%
  • A pressão inflacionária e o aumento da expectativa de subida da Selic puxaram o Ibovespa para baixo, e índice fechou ontem em queda de 2,11%

Mercados internacionais amanhecem levemente negativos hoje, com commodities desvalorizando e a volta da preocupação com o crescimento econômico global. Futuros do S&P e Nasdaq estão no zero a zero, enquanto o EuroStoxx 50 cai 0,17%. O S&P 500 registrou ontem máxima histórica pela 57ª vez em 2021, impulsionado pela forte temporada de balanços.

Por falar nela… A temporada de resultados de empresas vem sustentando o otimismo dos mercados: nos EUA, 30% dos membros do S&P 500 reportaram seus resultados e 82% deles superaram as expectativas de lucro. No entanto, investidores ainda mantém preocupações de que a escassez de matérias-primas e o aumento dos salários e dos custos de energia pressionem margens de lucros futuramente — complicando o caminho da recuperação econômica global.

Alemanha mandou recado. O governo alemão anunciou corte na previsão de crescimento do PIB do país para 2021, que foi de 3,5% para 2,6%. A maior economia da Europa cita como motivos os efeitos persistentes da pandemia no país e restrições na cadeia de abastecimento. As autoridades alemãs esperam uma recuperação de 4,0% em 2022, na esperança de que essas condições se normalizem gradualmente.

Ouro negro. O petróleo WTI amanhece em queda de 1,4%, após fechar ontem em US$ 84,61, máxima dos últimos sete anos. O preço do barril perdeu o fôlego depois do anúncio de que os estoques americanos cresceram em 2,2 milhões de barris, valor bem acima dos 1,9 milhões projetados pelos analistas.

Hoje tem Copom! No Brasil, o evento mais importante do dia é a reunião do Copom, que vai decidir a taxa de juros básica do país pelos próximos 45 dias (pelo menos). O aumento global dos preços e a indicação do governo de que vai mudar a regra do teto de gastos, elevando a percepção de risco fiscal, tornam a tarefa do Copom de controlar a inflação brasileira mais desafiadora, e os números do IPCA-15 divulgados ontem não ajudaram (explico mais sobre esse indicador já já).

Vai subir. Diante desse cenário, o mercado espera que o aperto na taxa de juros, que já era esperado, fique ainda maior — mas sem consenso sobre o tamanho desse aumento. A expectativa dos analistas varia entre 1,25 e 3,00 p.p. de alta na taxa Selic hoje à noite. Nosso time de economia espera um aumento de 1,50 p.p., levando a Selic para 7,75% ao ano, e projeta a Selic em 11% ao final do ciclo de ajuste monetário em março/2022.

Como já é costume, a Rachel de Sá, nossa chefe de economia, publicou hoje o Esquenta para o Copom. Drink recomendado para acompanhar: Bloody Mary, vermelho como os indicadores que vêm pressionando a inflação.

Alto, em cima. O IPCA-15 de outubro, que é uma prévia da inflação, foi divulgado ontem e registrou alta de 1,20% em relação ao mês anterior. O número surpreendeu o mercado, que esperava 0,97% de alta, e é a maior variação para outubro desde 1995. O IPCA-15 acumulado em 12 meses chegou a 10,34%, pressionado principalmente pela alta nos preços de energia elétrica e serviços.

Com isso, nosso time de economia revisou as projeções do IPCA, a inflação oficial do país, no curto prazo. Esperamos que o IPCA tenha altas de 1,06% em outubro, 0,60% em novembro e 0,71% em dezembro, fechando 2021 com inflação acumulada de 9,5% (antes nossa projeção era de 9,1%). Para 2022, nossa projeção permanece 5,2%.

Lá embaixo. Depois de um respiro na segunda, o Ibovespa voltou a cair ontem (26) com a sinalização de que a inflação continua pressionada, e que isso vai levar a um aumento maior que o esperado inicialmente na taxa de juros hoje. O índice de ações brasileiras fechou em queda de 2,11%, atingindo segundo pior nível do ano.

Aqui é trabalho. A pesquisa CAGED, do Ministério do Trabalho, registrou adição líquida de 314 mil empregos formais em setembro, abaixo de nossa previsão e do consenso de mercado (335 mil e 355 mil, respectivamente), mas ainda em níveis encorajadores. Nosso time entende que o mercado de trabalho formal provavelmente permanecerá em uma trajetória de subida consistente no futuro, mas deve diminuir o ritmo a partir do primeiro trimestre de 2022.

Nas horas vagas

Começou no último dia 21 a 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que acontece em formato híbrido até o dia 3 de novembro. Com programação nas salas de cinema paulistanas e online, todo mundo já tem um programa pro feriado da próxima semana 😉

A Mostra traz 264 títulos de mais 50 países, alguns premiados, exibindo tendências do cinema contemporâneo mundial. Titane e Annette, produções francesas vencedoras respectivamente da Palma de Ouro e Melhor Direção em Cannes nesse ano, estarão em exibição em São Paulo.

Online, são bons nomes O Cego que Não Queria Ver o Titanic, que ganhou o Prêmio do Público da seção Horizontes Extra do Festival de Veneza, e o documentário Sr. Bachmann e Seus Alunos, que ganhou os prêmios do Júri e do Público no Festival de Berlim.

Os ingressos para sessões presenciais custam entre R$ 24 e 30 (inteira), dependendo do dia da semana, e o aluguel online custa R$ 12 por filme.

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento