• Mercados amanhecem em forte queda ao redor do mundo, com uma série de preocupações carregando o mau humor: crise energética, inflação alta, crescimento mais fraco, e redução de estímulos por parte de Bancos Centrais, especialmente dos EUA (o FED).
  • A discussão sobre a extensão do teto da dívida nos EUA também contribui pro mau humor. Apesar de um calote da dívida do governo americano ser improvável, o vai e vêm político aumenta a aversão ao risco nos mercados.
  • O real segue sofrendo com o cenário global, mas o cenário doméstico não ajuda, especialmente com o aumento do risco fiscal em meio a discussões políticas de aumento de gastos.
  • Revisamos nossa projeção de inflação para o fim do ano (agora em 9%), e de taxa Selic – para 9,25% até março do ano que vem.

Quarta-feira de ovo virado nos mercados globais. Mercados amanhecem em forte queda ao redor do mundo, com uma série de preocupações carregando o mau humor:

  • Crise energética (contamos mais disso na semana passada); 
  • Preocupações sobre inflação – ligadas à crise energética e a escalada de outros preços especialmente ao produtor, com cadeias de produção ainda gerando falta de produtos pra todo lado, e políticas regulatórias na China ajudando no caldo;
  • Crescimento mais fraco da economia em alguns países; e
  • Redução dos estímulos vigentes por parte de Bancos Centrais, especialmente dos EUA (o FED).

Pessoal do Capitólio também não ajuda! Tensões seguem em alta no Congresso americano. Após reunião interna, democratas reafirmaram que não devem suspender o teto da dívida via reconciliation – manobra que permite aprovar matérias por maioria simples no Senado (sem apoio Republicano, no caso). No entanto, republicanos não devem apoiar a suspensão, já que facilitaria o caminho para a aprovação do outro pacote fiscal apoiado por Biden (aquele com foco em investimentos sociais).

O projeto é importante porque, sem esse aumento, o Tesouro deixa de conseguir emitir dívida, o que em tese levaria a um calote da dívida do governo nos EUA. Embora seja improvável que isso aconteça, o risco aumenta e piora o cenário de aversão ao risco nos mercados.

Hoje tem mercado de trabalho nos EUA. Nesse cenário de incertezas, todos estarão de olho no relatório referente a criação de vagas no setor privado não agrícola nos EUA referentes ao mês de setembro. O resultado é considerado uma prévia do Payroll de sexta feira (dado de desemprego completo do país), que por sua vez pode ser decisivo na decisão do FED sobre o início do tapering – aquela redução de compra de ativos no mercado, que reduz o dinheiro sendo injetado indiretamente na economia.

E seguimos na sofrência do real. Com o aumento das taxas de juros futuras nos EUA (inflação alta à juros esperados para o futuro mais altos), as moedas de países emergentes caem em relação ao dólar. Afinal, com retornos maiores sem risco nos EUA, o custo de oportunidade de investir com mais risco em outros lugares cai. Unindo isso com as incertezas políticas e fiscais por aqui, o real teve a maior cotação de fechamento ontem desde abril: R$ 5,48.

Falando em energia, vai aí uma notícia boa! O cenário hidrológico em setembro foi muito melhor do que esperávamos para o mês. Infelizmente, não rolou a água que tinha que rolar para dentro dos reservatórios (utilizados para geração de energia hidrelétrica), mas a energia solar acabou superando mais de 100% nossas estimativas, compensando parte da pouca água que segue chegando às hidrelétricas. A importação de energia e uma demanda mais fraca do que o esperado também deram uma forcinha pra esse cenário positivo.

O resultado? O risco de racionamento – ou seja, suspensões temporárias de energia – calculado pelo time de especialistas da XP caiu de 17,2% para 12,1%. Isso não significa, porém, o fim da pressão sobre sua conta de luz. A importação de energia e geração por outras fontes é mais custosa, e a bandeira tarifária “crise hídrica” (quando aquele extra cobrado sobre o preços da energia é mais alta) deve seguir presente em nossos boletos até no mínimo abril do ano que vem).

Não vai cair na prova, mas teve revisão! Lembrando aqueles tempos áureos de vida escolar a acadêmica, hoje teve revisão – não daquela que cai na prova, mas daquela que serve de base pros seus investimentos. Revisamos nossa projeção para duas importantes variáveis que afetam diretamente seus investimentos: inflação e Selic (nossa taxa básica de juros).

Por conta de pressões inflacionárias que ainda nos acompanham por todos os lados, vemos o IPCA (nosso principal índice de inflação) encerrando o ano em 9%. As pressões vem tanto de fora, com commodities ainda altas e cadeias de produção bagunçadas – faltando de peças pra carros até plástico e material de construção – e de dentro, com a retomada do setor de serviços, a falta de chuvas e uma moeda desvalorizada.  

Para conter que essa alta de preços siga ao longo do ano que vem, vemos o Banco Central elevando a taxa Selic para 9,25% até março do ano que vem. Vale lembrar que uma taxa de juros mais alta desestimula o crédito e estimula o investimento, desaquecendo a atividade econômica – com o objetivo de reduzir a pressão sobe os preços. Assim, esperamos que a inflação caia para 3,9% no fim do ano que vem.

O resuminho do que esperamos tá aqui:

Nas horas vagas

Somos jovens, somos mais mulheres. De acordo com os dados atualizados da B3, o número de investidores pessoas físicas (PFs) na Bolsa aumentou +1,3% em agosto. O destaque ficou para a participação feminina (Iei!) – apesar de ainda seguirmos em minoria (em 28% do total), nossa presença aumentou 31% desde o ano passado, enquanto os homens viram aumento de 20% da sua participação. E tem mais: estamos começando a investir mais jovens! Hoje, a maioria dos investidores se encontram na faixa etária de 26 a 35 anos, que correspondem em 32,1%. O time da XP conta mais sobre isso por aqui.

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento