• Eis que chegamos no primeiro dia do penúltimo mês do ano, após o Ibovespa fechar outubro como a pior bolsa, descolando das bolsas americanas que só subiram, devido principalmente aos riscos fiscais do Brasil.
  • O cenário atual nos levou a mais uma atualização da estimativa para o Ibovespa. O novo preço-alvo do Ibovespa é de 123.000 pontos para meados do ano de 2022.
  • Hoje, as bolsas internacionais amanheceram positivas (EUA +0,4% e Europa +0,6%) após os 3 principais índices americanos concluírem outubro em máximas históricas, impulsionados pela forte temporada de resultados.
  • Amanhã é feriado no Brasil, mas o resto do mundo será agitado. Na quarta, foco na decisão de juros e estímulos nos EUA e sexta, dados de emprego (payroll) nos EUA, além, claro das discussões sobre PEC dos precatórios em Brasília.

Eis que chegamos no primeiro dia do penúltimo mês do ano!

E como dissemos no De olho no mercado de novembro (que estará na sua caixa de entrada na quarta-feira): outubro pareceu aula de música do prézinho, onde cada aluno toca do jeito que quer e o resultado fica uma zona.

As ações brasileiras tiveram seu pior desempenho mensal neste ano e continuaram a apresentar desempenho inferior ao de seus pares internacionais, com queda de 20% em dólar no acumulado do ano.

O mercado tem descolado dos mercados de fora principalmente devido à deterioração do cenário fiscal interno, com sinais claros de que o teto de gastos – principal âncora do Brasil para o controle de gastos – está sendo flexibilizado.

Com isso, voltamos ao velho equilíbrio Macro: mais gastos, inflação mais alta e taxas de juros mais altas. Como resultado, as ações permanecem sob muita pressão.

Apesar de existirem oportunidades atrativas na bolsa (falamos disso no De olho no mercado), o cenário atual nos levou a mais uma atualização da estimativa para o Ibovespa. O novo preço-alvo do Ibovespa é de 123.000 pontos para meados do ano de 2022, contra 130.000 pontos para o final de 2021 projetado anteriormente.

Como vocês sabem, caros(as) 13 leitores(as), vocês podem ficar por dentro de tudo o que está acontecendo de um jeito bem descomplicado (esse mês em especial, bem musical) e saber quais os melhores investimentos olhando pra frente no “De Olho no Mercado”.

Mas como começamos o primeiro dia de novembro, emenda de feriado aqui no Brasil?

Bom, as bolsas internacionais amanheceram positivas (EUA +0,4% e Europa +0,6%) após os 3 principais índices americanos (Nasdaq Composite, S&P 500 e Dow Jones Industrial Average) concluírem outubro em máximas históricas, impulsionados pela forte temporada de resultados.

Nos EUA, investidores aguardam a próxima reunião do FOMC (Federal Open Market Committee – o COPOM norte-americano) na quarta-feira, que irá decidir sobre o possível início da retirada dos estímulos econômicos e comentar sobre a inflação, atualmente no valor mais alto dos últimos 30 anos.

Para o resto da semana, amanhã é feriado no Brasil, mas o resto será agitado. Como disse, na quarta tem FOMC, na quinta decisão do Banco da Inglaterra e reunião da OPEP+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e sexta, dados de emprego (payroll) nos EUA, além, claro das discussões sobre PEC dos precatórios em Brasília.

Na China (-0,4%), o mercado encerra em baixa após reguladores divulgarem uma lista de novas responsabilidades para as empresas de tecnologia, incluindo áreas como governança e segurança de dados (Tencent -2,4%, Alibaba -2,15%, Meituan -0,82%).

Além disso, o país divulgou o seu PMI (indicador que mede a atividade econômica) de manufatura, que apresentou leve contração (49,2 vs. 49,7 esperados), indicando que o setor tem sido afetado pelos altos preços das commodities e pelo racionamento de energia.

Por fim, no Brasil, os caminhoneiros indicaram na semana passada que uma greve em resposta ao aumento dos preços dos combustíveis começaria hoje. O Ministério da Infraestrutura informou, porém, que às 7h de hoje não havia registro de qualquer bloqueio em rodovias federais ou pontos logísticos estratégicos. Além disso, continuam as discussões sobre a renovação do Auxílio Emergencial, programa que terminou em outubro. O governo precisa que a PEC dos Precatórios seja aprovada no Congresso para estender o programa. Enquanto isso, o governo vai retomar o programa Bolsa Família comum, que repassa menos dinheiro e para menos famílias do que o Auxílio Emergencial.

Sobre a temporada de balanços das empresas do Ibovespa, 14 de 88 e já reportaram resultados do terceiro trimestre de 2021, 67% delas acima do esperado, om resultado agregado 28% mais forte. Você pode acompanhar essa temporada em detalhes com as análises da XP neste link.

Nas horas vagas

Em clima de Halloween ainda…

Você sabia?

A palavra Halloween vem da frase All Hallows ‘Eve ou All Hallows’ Evening, que no bom português seria como “Véspera de Todos os Santos”, ou “Noite de Todos os Santos”.

Há mais de 2.000 anos acontecia um antigo festival pagão no Reino Unido, Irlanda e noroeste da França celebrado pelos celtas, chamado Samhain, que significa “fim do verão” e marca o início do inverno. Acredita-se também que o Samhain celebra o início do ano celta e que essa era uma época em que os mortos podiam andar entre os vivos… o que originou o Halloween.

Nessa época, as pessoas iam de casa encomendando pequenos pães chamados “bolos de alma” em troca de uma oração, o que levou a tradição de doces ou travessuras.

E por falar nisso, coincidentemente ou não, o Dia das Bruxas cai na mesma data que o Dia da Poupança, que continua sendo o “investimento” que mais faz travessuras com os brasileiros.

Saiba quais são os truques dessa modalidade de investimento e conheça alternativas mais rentáveis e seguras para o seu dinheiro.

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento