• Mercados globais amanhecem negativos depois do adiamento da votação do pacote de infraestrutura nos EUA
  • O grande destaque de hoje é o deflator dos gastos do consumo de agosto nos EUA, o indicador de inflação favorito do Fed. O resultado é fundamental para o banco central calibrar o ritmo de redução dos estímulos monetários
  • Setembro acabou, e o Ibovespa fecha o mês com perda de -6,6%, a maior desde março desde 2020. Não estamos sozinhos nessa, e setembro também foi o pior mês para o S&P500 desde o início da pandemia
  • No Brasil, a discussão está centrada em como o governo vai expandir os programas sociais sem quebrar as regras fiscais vigentes

Sexta-feira de mau humor para os mercados. Mercados globais amanhecem negativos depois do adiamento da votação do pacote de infraestrutura nos EUA, devido à falta de acordo sobre o plano entre os partidos (como explicamos ontem).

Pelo menos não paralisou. Faltando apenas horas para que o orçamento anterior expirasse, o Congresso americano aprovou na tarde de um projeto que evitou o shutdown, ou paralisação, do governo federal. A medida é de curto prazo e terá que ser estendida antes do dia 3 de dezembro.

Preços lá em cima. A inflação da Zona do Euro em setembro cresceu para 3,4% vs. 3% em agosto em consequência do aumento no preço da energia, registrando o seu maior valor desde 2008.

Por falar em inflação, o grande destaque de hoje é o deflator dos gastos do consumo de agosto nos EUA, o indicador de inflação favorito do Fed. O resultado é fundamental para o banco central calibrar o ritmo de redução dos estímulos monetários. O mercado espera variação mensal de 0,2% para o núcleo do indicador.

Outro indicador importante é o ISM do setor manufatureiro de setembro, que mostra como anda a atividade e será publicado hoje. Caso o número indique retração (ou seja, venha menor que 50), aumentam os temores no mercado de que o Fed tenha que iniciar a redução dos estímulos em meio à desaceleração do crescimento econômico e gargalos na cadeia de suprimentos, além da crise energética global.

Energia que dá gosto. Depois de ultrapassar US$ 80 o barril, com preços pressionados pela crise de oferta, o petróleo bruto caiu pelo segundo dia consecutivo, para US$78. Enquanto isso, investidores aguardam a próxima reunião da OPEC+, que poderá resultar em um aumento de produção da commodity.

September ended. Setembro acabou, e o Ibovespa fecha o mês com perda de -6,6%, a maior desde março desde 2020. Não estamos sozinhos nessa, e setembro também foi o pior mês para o S&P500 desde o início da pandemia. Pesaram nas bolsas a alta global na inflação e taxas de juros, discussão sobre retirada ou não de estímulos à economia e a desaceleração do crescimento chinês. A volatilidade deve continuar presente nos mercados em outubro, e publicamos hoje nossos 5 pontos de atenção para investir em outubro para te ajudar nas decisões de investimento.

Mais uma vez, o fiscal. No Brasil, a discussão está centrada em como o governo vai expandir os programas sociais sem quebrar as regras fiscais vigentes. A equipe econômica do governo planeja ajustar a proposta do orçamento com o objetivo de aumentar o programa Bolsa Família dentro do teto de gastos. De outro lado, o Ministério da Cidadania sugere estender o programa de Auxílio Emergencial ligado à pandemia, que é maior e pode ser pago acima do teto de gastos.

Nas Horas Vagas

Na Alemanha, um hamster chamado Mr. Goxx já teve ganhos de 30% negociando criptomoedas em 3 meses — é isso mesmo. O roedor tem um escritório anexo à sua gaiola, e já conseguiu multiplicar seu portfólio enquanto faz negócios ao vivo na Twitch. Para entender melhor como é a vida do hamster trader, leia a reportagem do Uol.