• Depois de praticamente seis anos, o Copom deve aumentar a taxa básica de juros (Selic) na reunião de hoje;

  • Nossa expectativa é que ela suba 0,5 ponto percentual a cada uma das próximas 6 reuniões, fechando o ano em 5% a.a.;

  • Parece muito, mas isso ainda significa juro real (acima da inflação) muito próximo de zero, mostrando que ainda é preciso correr um certo risco para ganhar dinheiro investindo;

  • Saiba quem ganha e quem perde nos investimentos com o movimento.

Depois de praticamente seis anos, é provável que hoje o Copom (Comitê de Políticas Monetárias do Banco Central) aumente a nossa taxa básica de juros, a Selic.

Nossa expectativa (e da maior parte dos economistas) é que esse aumento seja de 0,5 ponto percentual, para 2,5% ao ano, movimento que deve continuar nas próximas reuniões até que a taxa atinja 5% a.a. em 2021. Faremos uma live sobre isso no nosso YouTube às 19h15, logo depois da decisão.

Como não poderia deixar de ser, essa alta na taxa de juros que permeia toda a economia também tem impactos nos seus investimentos. Hoje é dia de lembrar quem ganha e quem perde para ajudar nossos(as) 13 leitores(as) a tomar as melhores decisões de investimento nesse cenário.

Renda fixa: olho nas taxas

A primeira classe de investimentos que vem à mente quando falamos em mudanças na Selic é a renda fixa pós-fixada, aquela que paga um percentual da própria Selic ou do CDI (taxa interbancária que acompanha a Selic e é usada em títulos privados). Sim: intuitivamente, um CDB 100% do CDI pagava 2% ao ano e agora passa a pagar 2,5% ao ano.

Além da reserva de emergência, que necessariamente deve estar em um pós-fixado de liquidez diária, aumentamos em março a nossa exposição a fundos e ativos com esse tipo de remuneração para capturar esse movimento.

Os outros tipos de renda fixa (prefixada e indexada à inflação) também se movimentam com a alta dos juros — já vinham se movimentando, aliás.

Lá atrás, entre janeiro e fevereiro, a reação ao anúncio de que a Selic poderia começar a subir em breve foi de alta dos juros dos investimentos sem liquidez de curto prazo (para responder à expectativa de uma Selic mais alta ainda em 2021) e queda nos de longo prazo. É o que vemos no gráfico abaixo, que mostra preços e taxas do Tesouro prefixado 2022 (indisponível hoje na plataforma do Tesouro Direto) entre o dia seguinte à reunião do Copom de janeiro e 15 de março. 

preços e taxas tesouro prefixado 2022
Fonte: Tesouro Direto

Caso o cenário de alta de 0,5 ponto percentual se confirme, é possível que as taxas de curto prazo caiam, para refletir esse ritmo de aumento, e as de longo prazo “empinem” (principalmente se o discurso da autoridade monetária for mais ‘hawkish’, ou seja, mais inclinado a novas altas nos juros). Se formos surpreendidos com um aumento mais forte, de 0,75 ponto, por exemplo, a reação mais provável seria a oposta — altas nas taxas de curto prazo e quedas nas de longo prazo.

Por que isso? Embora os analistas de mercado apostem em alta de 0,5 p.p. nesta reunião, o mercado precificou a taxa de curto prazo acima desse patamar (ou seja, as taxas de juros de curto prazo hoje indicam uma subida mais rápida dos juros, mais próxima de 0,75 p.p. do que de 0,5 p.p.). Por isso, um aumento de 0,5 p.p. faria com que o juro de curto prazo precisasse se adequar a esse cenário, caindo; e um aumento de 0,75 p.p. pediria a adequação oposta, de alta das taxas de curto prazo. Já as taxas mais longas respondem mais ao discurso da autoridade monetária no comunicado, que indica a postura das próximas reuniões. 

Em qualquer uma das hipóteses, podemos esperar taxas de prefixados e indexados à inflação reagindo, com os preços se movimentando em sentido oposto (alta nas taxas -> desvalorização do título e vice-versa), como a analista Camilla Dolle explicou neste outro Insight.

Em ambos os cenários, consideramos importante ter em carteira investimentos em renda fixa indexados à inflação, principalmente para proteger as suas finanças do ainda pouco previsível aumento nos preços no curto prazo (conheça nossas indicações para os perfis conservadores, moderados e agressivos). Só tiramos um pouco o pé do acelerador no começo do ano, depois de altas fortes nos preços desses títulos. 

E só para não esquecer: essas variações nos preços só afetam efetivamente quem optar por sair da posição em renda fixa antes do vencimento. É possível vender seus títulos com ganhos “turbinados” amanhã, a depender da reação do mercado, ou até ter prejuízo, mas, se você mantiver o investimento até o vencimento, a rentabilidade prometida no dia da contratação vai ser cumprida.

Renda variável: ainda importante

A lógica mais comum repetida no mercado quando a Selic começa a subir é de uma queda na popularidade dos investimentos mais arriscados. Com isso, já tem gente com medo de baixas na bolsa de valores.

Mas esse temor não deveria pautar suas decisões, ao menos por enquanto, porque ainda não dá para realmente ganhar dinheiro sem risco.

Explico. não podemos esquecer que, mesmo subindo, a taxa de juros brasileira não está alta: a visão ainda é de juros reais (ou seja, subtraindo a inflação) próximos de zero. A expectativa do nosso time de macroeconomia é de Selic em 5% a.a. em 2021 e IPCA (a inflação oficial do país) em 4,9% no fim do ano. Com isso, quem ficar no CDI pode ganhar apenas 0,1% em termos reais em 12 meses.

Projeções Rico/XP Inc.          
  2018 2019 2020 2021 (E) 2022 (E)
Crescimento do PIB (var. real %) 1,3 1,1 -4,1 3,2 1,5
IPCA (var. 12m %) 3,8 4,3 4,5 4,9 3,5
SELIC (% a.a, fim de período) 6,5 4,5 2,0 5,0 5,0

Fonte: IBGE, BCB, Bloomberg. Estimativas (E): XP Investimentos.

Conclusão: quem quer realmente ver seu patrimônio crescer com investimentos ainda não pode deixar de tomar riscos. Mantemos a nossa visão de que a Bolsa tem, sim, espaço para subir neste ano, com a eventual recuperação da economia, a vacinação, o repasse da inflação nos preços de seus produtos e tudo mais que estamos falando nos últimos meses. Porém, vale lembrar que apesar da bolsa estar relativamente barata, há riscos no ritmo do crescimento econômico e político. Por isso, empresas com bons fundamentos (e de preferência baratas) são boas integrantes da carteira — confira aqui uma lista de 12 ações de alta qualidade que estão “descontadas”.

Mas e os setores?

Claro que empresas diferentes reagem de maneiras diferentes às mudanças na Selic. As ações que se beneficiam diretamente da alta nos juros tendem a ser as de bancos e seguradoras, que podem aumentar seus spreads (o quanto ganham com o que cobram de juros menos o que pagam) e potencializar sua receita.

Por outro lado, empresas de varejo e de construção civil tendem a ser negativamente afetadas por juros mais altos. Para entender isso, é só pensar que o parcelamento passa a doer mais no bolso dos clientes, que passam a evitar gastar quando possível. Apesar disso, o ritmo de crescimento da economia pode fazer muita diferença nessa dinâmica, e o nível dos juros ainda está longe de deixar de ser estimulativo. Para saber quais as ações que gestores e analistas do mercado mais gostam, não deixe de conhecer as nossas Estrelas da Bolsa.

Aliás, falando em imobiliário, os FIIs (fundos de investimento imobiliários) têm uma relação bem forte com a taxa Selic. Quando os juros caem, eles compõem uma das classes favoritas para investidores(as) em busca de mais rentabilidade com volatilidade intermediária (não tão alta quanto a da bolsa). Mas vale reforçar aqui o ponto que já dissemos antes sobre juros reais: continuamos bem distantes de ter retornos vantajosos sem riscos.  Daqui alguns dias, traremos um insight inteirinho sobre os FIIs nesse cenário!

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento