por Giant Steps

Na quarta edição da parceria entre a Rico e a Giant Steps, te convidamos a repensar o significado do termo “quantitativo”. Qual é o limiar que divide a gestão quantitativa da tradicional? Ele existe mesmo? Boa Leitura!

Imagine que você foi o inventor do primeiro carro.

É 1896 e você quer comunicar ao mercado sua mais nova invenção que, comparada ao cavalo, é infinitamente melhor. Não adoece, não precisa descansar, não suja as ruas, não come e não bebe água.

Você chama as pessoas mais ricas da cidade e exibe sua mais nova invenção, carinhosamente batizada de “automóvel”.

Resultado provável: “você está louco!”, “cadê o cavalo?”, “e se ele ficar louco e começar e me levar para o lugar errado?”

Qual a chance real de as pessoas abandonarem o confiável meio de transporte da época, que já utilizam por 2.000 anos, por uma geringonça estranha chamada automóvel? Radical demais.

É por isso que o primeiro automóvel foi genialmente batizado de “carruagem sem cavalos”. Foi a forma brilhante que os marketeiros da época usaram para criar uma “ponte” mental entre o que as pessoas estavam acostumadas e uma mudança disruptiva.

Este é o drama que nós vivemos na Giant hoje. A “ponte” do nosso tempo e no nosso mercado é a tal palavra “quantitativo”, que quer dizer… absolutamente nada.

Quantitativo nada mais é que tecnologia. Quando dizemos que o processo de investimento é quantitativo, isto significa apenas que seguimos um processo rigorosamente científico.

O que nós fizemos, na prática, foi sistematizar (e por consequência aprimorar) o processo de escolha dos investimentos.

Como um gestor “tradicional” toma uma decisão de investimentos? O gestor cria uma tese, valida, e então executa. Veja um exemplo (apenas para fins ilustrativos):

Tese: Cenário de PIB crescendo, inflação controlada e juros baixos. O gestor pensa em comprar bolsa.

Validação: Equipe de pesquisa analisa riscos de reversão do PIB, escalada de inflação e aumento de juros. Não encontra nada relevante.

Execução: O trader manualmente acessa o mercado e compra bolsa.

Quando o macro vira quant

Em um dado momento o gestor percebe que não precisa mais de um ser humano para apertar um botão para executar a operação. Ele contrata um software que emite as ordens automaticamente. O fundo passa a ser quant?

Em um dado momento, para validar a tese, o gestor usa uma HP para calcular o preço justo de uma ação. O fundo passa a ser quant?

E se ele usasse o Excel, ao invés da HP? E se ele usasse o Python (uma linguagem de programação), ao invés do Excel? E se ele usasse um software de inteligência artificial, ao invés do Python?

Quando o fundo passa a ser Quant? Onde está a fronteira entre Quant e não-Quant?

Na verdade, como você já deve ter percebido, “Quant” é apenas o uso de tecnologia para maximizar o potencial de análise de um ser humano. O gestor sempre estará lá para criar e direcionar as estratégias. Mas se ele estiver sozinho, apenas limitado à sua leitura manual, quão eficiente ele realmente será na seleção e compra de bons ativos?

Dizer que um fundo é quantitativo é o mesmo que dizer que comprou um carro que tem rodas – não significa nada.

Todos os fundos são, em maior ou menor grau, quantitativos. A diferença é apenas a intensidade do uso da tecnologia.

É o mesmo caso das Fintechs. O que é uma Fintech? Uma instituição financeira que usa tecnologia? Neste caso os grandes bancos do país são as maiores Fintechs.

Cuidado com palavras que estão na moda. Muitas vezes, na prática, elas não querem dizer muita coisa.

O novo e melhorado processo de gestão

Se a tecnologia existe, por que não fazer uso dela?

Voltando no exemplo de investimento, vemos dois modelos distintos:

Gestão tradicional

Tese: Olha o PIB, inflação e Juros atual. Usa a experiência para lembrar do passado.

Teste: Não testa

Execução: Manual

Gestão tecnológica

Tese: Equipe de dados levanta todos os indicadores macro e microeconômicos de diversos países e cruza esses dados com os preços dos ativos de mercado para identificar como um indicador afeta o preço de mercado.
Realiza análises estatísticas para encontrar outros indicadores, além daqueles que tinha pensado que impactaram os preços dos ativos.

Teste: Equipe de gestão valida a tese para o cenário brasileiro, com base em testes estatísticos e cruzamento de informações com outros países para verificar a validade da tese em mercados distintos.
A equipe também faz análise prospectiva das variáveis para banco de dados sintéticos para validar poder de previsibilidade dos indicadores selecionados.

Execução: Equipe de tecnologia, munida de servidores colocados diretamente no prédio da B3 e recebendo todas as ordens colocadas na bolsa de valores, liga o modelo executor de ordens que recebe as informações econômicas e instantaneamente emite ordens para o mercado de forma a montar as posições corretas seguindo os limites de risco do fundo.
O sistema de execução é baseado em técnicas de inteligência artificial que minimizam o impacto das ordens no mercado e os custos de transação.

Qual sistema parece mais confiável?

Duas coisas são importantíssimas:

1 – Note que a tese de investimentos não surgiu “sozinha”. Não foi um “robô”, ou uma máquina autoconsciente, que criou. Um ser humano, assim como qualquer gestor tradicional, teve uma ideia de investimento, e criou uma hipótese sobre o funcionamento do mercado a partir dela.

2 – Supondo um gestor que não queira usar tecnologia. Seria viável para um ser humano calcular todos os dados de PIB, inflação, juros e bolsa de mais de 20 países e milhares de empresa, todos os dias?

Cuidado para não enganar a si mesmo

“Não gosto de fundos que utilizam tecnologia (a partir daqui a palavra “Quant” está banida) porque não dá pra saber o que estão fazendo.”

Vamos desconstruir esse pensamento.

Você espera de um gestor profissional que ele atue no mercado financeiro de forma racional, correto? Se um gestor se deixa levar por emoções em momentos de tensão, não é um bom gestor.

Portanto concorda que ações tomadas com base em emoção são prejudiciais, ou pelo menos arriscadas, ao fundo.

Se o gestor segue um modelo racional de investimento, ele necessariamente segue um processo, mesmo que mental.

Neste caso, quem segue um processo padrão melhor, um ser humano ou uma máquina?

Aí você argumenta: “Mas num momento de stress a máquina não tem a intuição do ser humano!”.

Vamos pensar nisso mais a fundo.

Em um momento de stress, existem duas rotas possíveis a seguir: 1) seguir os limites de risco estabelecidos em processo anterior ao evento e sair das posições que ultrapassam esses limites; ou 2) acreditar que sua intuição é mais forte e que, neste momento, faz sentido continuar nas posições pois o mercado está irracional e vai voltar ao normal.

Podemos montar uma lista (bem) longa dos gestores que quebraram acreditando na segunda opção.

A lista dos que quebraram seguindo a primeira opção está vazia.

O grande risco é que a lista dos que não quebraram e seguiram a própria intuição tem um apelo emocional gigantesco para nós seres humanos. O que me leva ao próximo ponto: nosso vício por boas histórias.

Story telling

Se você ainda não investe em fundos que utilizam alta tecnologia, uma das explicações é que talvez o que mais te incomoda é a falta de história.

O software do nosso cérebro humano roda através de histórias. Nosso diálogo interno roda contando histórias para nós mesmos (leia o último livro do Harper).

Isto tem um enorme perigo envolvido pois acabamos acreditando nas histórias que contamos para nós mesmos, mas isso é assunto para outro post. Por enquanto, saiba apenas que nós, como seres humanos, temos um enorme viés de gostar de histórias.

É muito inspirador ouvir histórias dos gestores que tiveram sangue frio de segurar posições perdedoras e acabaram ganhando milhões, mas, infelizmente, a cada 1 gestor que conseguiu fazer isso, outros 20 quebraram com posições opostas. Além disso, esse gestor que teve sucesso, se continuar a agir dessa forma, invariavelmente vai se deparar com o mesmo destino dos outros 20.

Tome muito cuidado com aquela história do investidor que “comprou Forjas Taurus a R$ 1,30 e vendeu a R$ 13 depois de 6 meses”.

Nós seres humanos adoramos histórias, ainda mais aquelas nas quais o herói vence no fim. Mas você prefere ter uma história ou ter dinheiro?

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento