• Segundo um estudo da Motley Fool, a Geração Z enxerga risco de uma forma diferente das anteriores, e acredita que ações e opções são mais arriscadas que criptomoedas
  • Podemos até ser meio “cringe”, mas nosso papel como profissionais desse mercado é entender risco de uma outra forma e colocar mais números no papel
  • Pensando nessas questões e nos riscos que enxergamos daqui para frente, fizemos algumas mudanças nas nossas recomendações de investimento para setembro
  • Confira aqui!

Pra quem não sabe, eu sou o representante “GenZ” do time de análise da Rico. Porém, confesso que fiquei surpreso e bem curioso com um estudo que a nossa “QuantQueen”, Júlia Aquino, mostrou em uma reunião:

Uma pesquisa realizada pelo Motley Fool mostrou que a Geração Z enxerga risco de uma forma bem diferente das anteriores: para a turminha mais jovem, investir em criptomoedas é menos arriscado do que o mercado de ações e opções. Talvez eu seja um GenZ meio “cringe” por não ter a mesma visão da galera que nasceu na mesma época que eu, mas acho válido discutirmos melhor o que é risco por aqui.

No mundo dos investimentos, quando vamos decidir o que faz sentido ter em carteira, o risco é uma das primeiras questões a considerar. Não só porque, quando mal calculado, pode gerar danos irreversíveis para seu patrimônio, mas também por dizer muito sobre a eficiência da alocação de recurso.

De forma bem simples, um investimento X numa janela de 12 meses que tenha perspectiva de ganho de 10%, mas com risco de queda de 5% seria menos eficiente que um ativo Y com retorno esperado de 7% mas com chance de perda de 2%, por exemplo, mesmo com uma perspectiva maior de possível retorno.

Isso porque a opção Y remunera o capital do investidor de forma mais eficiente em relação ao risco inerente do investimento do que a opção X.

A situação se torna complexa quando você não consegue entender o valor justo de um determinado ativo, ou seja, fica mais difícil de calcular o retorno esperado. Dessa forma, a eficiência não fica clara e se torna um “ponto cego” para alocação de recursos.

Mercados que apresentam essa dificuldade de leitura se tornam “fézinhas”, ou seja, um investimento que deveria ser realizado com uma parcela pequena do se patrimônio e com recursos que você não se importa de perder, no bom português. É assim que enxergamos categorias como a das criptomoedas, que têm grande volatilidade e pouca visibilidade de retornos potenciais: melhor ser mais clássico nesse sentido do que cometer erros irreversíveis.

Onde investir neste mês?

O tom de cautela, principalmente com o cenário local, ficou claro no nosso texto de ontem. Aqui no Brasil, incertezas ficam em volta da situação fiscal, enquanto lá fora ainda existe uma preocupação com uma possível “quarta onda da pandemia” e o rumo da política monetária nos EUA – ou melhor, se a máquina de dólar vai parar de despejar dinheiro na economia.

1- Aumenta a proteção contra inflação aí, minha gente: essa foi a categoria que teve maior mudança no mês contra mês, e para cima. Num cenário onde “dá ruim” e os preços disparam, esses títulos de inflação (IPCA+) são os que mais protegem seu dinheiro – por isso aumentamos essas posições.

2- E a bolsa brasileira, vende tudo? Não! Embora a situação macro não esteja um céu de brigadeiro, ainda temos ótimas histórias para serem contadas e gerarem bons resultados: boas empresas com gestão alinhada e ações ainda descontadas que devem ganhar com a reabertura da economia podem ser uma boa pedida. (conheça nossas mini-seleções de ações de alta qualidade e de reabertura) Ah, e os bons fundos de ações que fazem gestão profissional nesse mercado também devem capturar essas oportunidades no longo prazo.

3- A grama do gringo é mais verde: ter parcela do capital “fugindo” de riscos brasileiros sempre é bom, isso somado ao fato da reabertura estar melhor endereçada lá fora só melhora essa alocação. A parte dolarizada da nossa exposições em ações internacionais serve como proteção para nossa carteira, uma vez que o dólar costuma performar bem em cenários de maior estresse.

Lembrete importante: não recomendamos a alocação internacional apenas por fugir de riscos brasileiros, mas sim pela perspectiva de risco x retorno que eu comentei no no início do texto. Principalmente em regiões como a Europa, que possuem empresas de qualidade atreladas a velha economia e que acabaram ficando para trás se comparado com demais regiões desenvolvidas (até por isso temos recomendação de investimento em bolsa europeia).

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento