• Apesar de muito “vai e vem”, os principais fatores que afetam o câmbio seguiram e seguirão os mesmos: o que compramos e vendemos ao mundo, a diferença entre as taxas de juros no Brasil e no mundo, o “seguro Brasil” para investidores.
  • Mas nem sempre tudo corre conforme a teoria, e o dólar segue muito acima do que preveem os modelos.
  • Incertezas políticas e o famoso risco fiscal (ele, de novo) são o motivo por trás disso.
  • Para frente? Esperamos um arrefecimento do clima de Brasília, que leve a percepção de risco junto, e o real para cima. Mas o cenário de risco existe, podendo manter o dólar em patamares elevados.
  • O que fazer? Há oportunidades e proteção em momentos como esse, inclusive em ativos internacionais – uma parcela essencial para diversificar sua carteira diante de movimentos inesperados no câmbio, por exemplo.

Para os nossos queridos leitores assíduos, o tema desse artigo não é grande novidade: o câmbio. Afinal, já falei sobre o movimento do dólar pra vocês aqui há alguns meses, e também lá no ano passado – por aqui.

“Mas já faz muito tempo que você escreveu esses dois artigos, não vale mais nada”, você pode estar pensando. Na realidade, mais ou menos. É claro que muito aconteceu no Brasil e no mundo de lá para cá, especialmente desde novembro do ano passado. Isso fica claro no próprio movimento do real, como podemos ver no gráfico abaixo.

Mas os principais fatores que afetam o câmbio (ou seja, o valor do real em relação a outras moedas) invariavelmente seguiram e seguirão os mesmos.  

Por que (e como) o dólar varia?

Como assim os fatores que afetam o valor do dólar são os mesmos, ele valendo R$ 6,00 ou R$ 3,00? Isso ocorre porque o valor da nossa moeda se movimenta seguindo uma série de variáveis macroeconômicas, e é isso que fará a nossa moeda valer mais ou menos em relação a outras.

Esse movimento de sobe e desce no câmbio só é possível por vivermos em um regime de câmbio flutuante e de livre fluxo de capitais. Ou seja, o nosso câmbio aprecia e deprecia e o dinheiro é praticamente livre para entrar e sair do país. Do contrário, em um regime de câmbio fixo, o valor do real em relação ao dólar seria sempre o mesmo, mas acabaríamos tendo outros enormes desafios, como a necessidade de manter uma taxa de juros muito elevada.

Mas que variáveis são essas, que empurram o câmbio pra lá e pra cá? Como o valor de uma moeda em relação a outra é uma questão primordial de oferta e demanda (quanto mais dólares aqui dentro, menos reais precisaremos para comprar um dólar), o resultado das nossas contas externas (ou seja, nossas transações comerciais e financeiras com o mundo) é um dos principais fatores que explicam para qual direção se move o câmbio.

Quando vendemos mais (e/ou mais caro) ao mundo, o fluxo de moeda estrangeira que entra no país ajuda o nosso câmbio a valorizar. Assim, o preço do que vendemos comparado ao preço do que compramos também é uma variável bastante usada para projetar o valor do câmbio – são os termos de troca. Quanto melhor os termos de troca, mais apreciada a moeda.

Outro fator relevante para determinar o câmbio é a diferença entre os juros praticados no Brasil e aqueles observados no restante do mundo, especialmente nos EUA. O chamado “diferencial de juros” é importante, pois é uma comparação de quanto um investidor ganharia com juros por aqui e quanto ganharia em um país considerado menos arriscado, como os EUA ou outros desenvolvidos. Quanto maior a diferença (entre as taxas de juros), mais dinheiro atraído ao Brasil, e mais apreciado o câmbio.

Assim, colocando esses e alguns outros elementos, como a medida de risco país por meio do CDS (espécie de seguro contra a variação da moeda), em um modelo matemático, tentamos projetar para onde vai caminhar o real. Ou, olhando do outro lado, o dólar.

Brasília, de novo

Mas nem sempre tudo corre conforme a teoria. Com mais frequência do que desejamos, aqueles indicadores que são normalmente incluídos nos complexos modelos matemáticos indicam um valor diferente daquele observado na realidade. No caso atual, essa realidade é um valor bastante abaixo do que sinalizam as principais variáveis macroeconômicas. Em outras palavras, o dólar poderia (ou deveria, para alguns) estar mais baixo.

Assim, fica fácil concluir que há outras explicações para o real (ou o dólar, se preferir) estar onde está hoje. E, surpresa!, essas começam e terminam por aqui mesmo; mais especificamente, nos movimentos, ruídos e incertezas que partem de Brasília.  

Por quê? Porque, apesar de o câmbio ser uma variável macroeconômica, que em teoria se move de acordo com todos os fatores que descrevi logo acima, ele também é um instrumento financeiro. Portanto, ele é precificado assim como os outros ativos financeiros: de acordo com a percepção de risco (em ter aquele ativo) investidores. No caso, o risco de se comprar reais, ou mesmo outros ativos (como ações e títulos) que são precificados em reais.

E é aí que entram Brasília, os ruídos políticos e, em especial, o risco fiscal. Como contei pra vocês essa semana, o risco fiscal engloba todo o risco que agentes de mercado precificam para emprestar dinheiro ao Brasil. Seja por meio de títulos públicos, títulos privados, ações, ou voilá, nossa moeda.

E como também já contamos para vocês, por exemplo aqui, a percepção do risco fiscal em relação ao Brasil aumentou muito nos últimos meses. Por conta de uma série de fatores que sambam em torno de uma simples questão: gastar mais, com um orçamento apertado. Nisso, entram discussões sobre o parcelamento de dívidas judiciais (os famosos precatórios), potenciais flexibilizações na regra do teto de gastos, e a criação de um novo e maior programa de transferência de renda.

Assim, temos a tempestade formada: a elevada percepção de risco por parte de investidores procura onde se alocar, e encontra ninho confortável no câmbio. O valor do Real, então, sobe como consequência do aumento da percepção de risco sobre o Brasil e da efetiva compra de dólares e venda de reais no mercado.

Quanto maior a percepção de risco, mais baixo falam as questões estruturais, e mais longe ficamos do valor “modelado” de onde deveríamos ver o dólar.

E agora, o que esperar?

Diante de tudo isso, o que esperar para o dólar olhando pra frente? Bora quebrar o cofrinho e preparar as malas pra Disney pós pandemia, ou segurar as pontas e aguentar um real mais fraquinho por um tempo?

Infelizmente, como você deve ter percebido nessa longa história que contei aqui, projetar para onde vai o dólar é um trabalho bastante ingrato para nós, pobres economistas. Mas o que posso te contar é que esperamos que essa elevação de percepção de risco mais aguda perca força nos próximos meses, caso o desfecho das discussões em Brasília caminhe para a manutenção das nossas regras fiscais atuais. Ou seja, caso não seja decidido que haverá mais gastos para o ano eleitoral de qualquer maneira por meio de soluções mirabolantes, que levariam o teto de gastos “para o beleléu”.  

Deste modo, o real poderia seguir seu caminho de apreciação, levado pelos benditos fatores estruturais, chegando em R$ 4,90 até o final do ano.

Porém, um cenário de risco contrário também é possível, o que poderia elevar ainda mais a percepção de risco, carregando junto nossa moeda e a mantendo em patamares elevados como o atual.  

E essa seria a hora de jogar tudo pro alto, especialmente investimentos em real, ou esquecer ativos internacionais, com o dólar assim tão alto? Não, e também não. Porque, como sempre, o seu dinheiro pode sim encontrar oportunidades e proteção em momentos de estresse como esse, inclusive em ativos internacionais – uma parcela essencial para diversificar sua carteira diante de movimentos inesperados no câmbio, por exemplo. A gente conta tudo por aqui!

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento