• O filme “Não olhe para cima” da Netflix me lembrou uma passagem do mercado financeiro: a crise de 2020;
  • O mundo não esperava que a Covid-19 se tornaria uma pandemia e os mercados colapsaram quando a OMS declarou o pior;
  • Alguns (poucos) fundos de investimento ganharam dinheiro no “boom” da crise. Eles tinham algo em comum: investiam o dinheiro em proteções;
  • Será que para nós “meros mortais” é válido fazer o mesmo? A resposta está nas próximas linhas:

Provavelmente você ouviu falar no lançamento recente da Netflix “Não olhe para cima”. Só se fala nisso nas redes sociais. Eu assisti recentemente, e confesso foi só porque o Leonardo DiCaprio é o meu ator predileto.

O filme conta a história de dois astrônomos que descobrem um cometa enorme que vai colidir com a terra, mas as pessoas não dão muita bola para a descoberta. Caros(as) 13 leitores(as), isso lembra alguma passagem histórica para vocês?

No fim de 2019, um vírus chamado “Sars-Cov-2” teve seus primeiros casos de infecção confirmados na Ásia, mais precisamente na China. Nesse início, o mundo (e o mercado) pensaram que seria algo isolado, que não sairia das fronteiras chinesas.

Pois bem, alguns poucos meses depois, no dia 11 de março de 2020, a OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou pandemia de Covid-19. Não vamos cometer a gafe de sermos “traders de retrovisor” aqui: era muito difícil imaginar que isso aconteceria na época, afinal não conhecíamos a doença e estávamos tão tranquilos que pulávamos Carnaval quando o vírus começou a ganhar tração no mundo.

Como o mercado errou, rapidamente essa negligência foi refletida nos preços dos ativos financeiros. Os mercados tiveram suas quedas mais rápidas da história: era uma busca por dinheiro na mão incessante, e praticamente tudo caiu.

O guarda-chuva funcionou

Justamente nesse período alguns fundos (poucos) se destacaram por rentabilidades positivas em meio a tantos números vermelhos na tela. O que eles tinham em comum? Proteções na carteira.

Aqueles com retornos mais extravagantes tinham um “caminhão” de derivativos, principalmente opções de venda (puts) ou operações vendidas (que ganham com a queda de ativos). Outros já vinham mais pessimistas com o cenário, investiam em ativos como Ouro e Dólar, e tinham diminuído substancialmente investimentos de risco, como a bolsa de valores.

Ou seja, todos compraram guarda-chuvas em dia de sol. Se você anda ou já andou de transporte público, sabe muito bem o que essa metáfora quer dizer. Em dia de sol, um guarda-chuva custa R$ 15; começou a chover pula magicamente para R$ 50.

No mercado financeiro, a lógica é a mesma. Seguros são baratos em momentos prósperos e de otimismo, mas se tornam caros se o tempo fecha e o cenário inverte. Quem comprou proteções na época certa acabou ganhando dinheiro no “boom” da crise em 2020.

O guarda-chuva custa dinheiro tá?

A grande dificuldade da gestão de proteções nos investimentos é o custo. Quando você contrata um seguro de carro por exemplo, seu objetivo é acionar ele? Obviamente que não.

É um dinheiro que você quer jogar fora, um custo, e as proteções de carteira seguem a mesma lógica. Você vai comprar um ativo esperando que ele te entregue prejuízo.

Como assim? Se a sua proteção de carteira entrega prejuízos, isso é um bom sinal: provavelmente o resto dos seus investimentos, que esperam um cenário mais construtivo, estão entregando bons retornos.

Esses gestores que investiram em opções, Ouro, Dólar, não tinham a intenção de necessariamente ganhar dinheiro com eles em 2020. A conclusão que tiramos aqui é: sempre que você adicionar uma proteção na sua carteira, torça para que ela não te entregue bons retornos: isso será provavelmente um bom sinal.

O difícil mesmo é ser sommelier de guarda-chuva.

Você conhece algum especialista em guarda-chuva? Deve existir mundão a fora, mas eu confesso que nunca encontrei nenhum. Diferenças de tamanho, material, tudo isso deve importar para o volume de chuva e a ocasião (pelo menos eu imagino que sim).

Para proteções de carteira, é fundamental saber o que você está comprando, quanto, e a que preço. Confiem em mim, isso é tão difícil ou até mais do que parece ser.

Ainda mais quando entramos no mundo dos derivativos: são instrumentos complexos, que demandam muita experiência e dedicação do investidor. Isso os torna perigosos — um erro aqui pode custar muito mais do que não ter proteção alguma. Então, como se proteger de forma mais simples?

Não compre guarda-chuva, fique no coberto

Eu sempre esquecia meu guarda-chuva, e quando saia da Rico e ia para a faculdade geralmente eu pegava uma chuvinha aqui na “terra da garoa”. O problema é que eu não tinha coragem (e não me arrependo) de pagar R$ 50 reais num guarda-chuva de R$ 15.

O que eu fazia então para me molhar menos? Pensava numa rota mirabolante que tivesse boa parte do caminho coberto.

Numa carteira de investimentos isso se traduz em dois comportamentos: controle de tamanho e investimento em ativos dolarizados.

1– Size matters: controlar o tamanho dos seus investimentos, quanto de dinheiro você vai colocar em cada potinho, é fundamental para ter uma carteira equilibrada e aderente ao seu perfil. No episódio 37 do Stock Pickers (que eu participei como apresentador), o gestor do XP Macro, Bruno Marques, disse justamente isso: muitas vezes a melhor proteção é o tamanho das suas posições.

2- Ter todo patrimônio em reais é loucura. Em momentos de tensão, quando o mercado foge dos ativos de risco para a colinas dos ativos seguros, o dólar tende a se fortalecer. Moeda forte, da principal economia do mundo, verdadeiro amortecedor de quedas: ter parcela do seu patrimônio em dólares significa passar de forma mais sustentável por momentos de incerteza.

Não compre dólares, invista no dólar.

Já utilizamos essa frase aqui no Rico Matinal: não estamos falando para você investir em fundos cambiais, comprar futuros de dólar na bolsa, ou mesmo enfiar a moeda física debaixo do seu colchão. A sugestão aqui é o investimento em ativos dolarizados, preferencialmente renda variável internacional, como fundos no exterior, alguns ETFs, BDRs, assim por diante. A nossa carteira RICO3 inclui BDRs entre as recomendações, e também temos uma seleção de ativos globais dentro do nosso combo Estrelas se você quiser ainda mais alternativas.

Eles tornam o dólar mais eficiente dentro da sua carteira, como um “amortecedor de quedas”. Obviamente que, assim como o “Lucas estagiário”, é impossível chegar na faculdade seco, mas se até quem lembrou ou comprou o guarda-chuva chegou um pouco molhado, pelo menos eu economizei os R$ 50.

Ah, e claro, a diversificação de carteira também é um forma de se cobrir em dia de chuva. Aquele velho ditado de não colocar todos os ovos na mesma cesta, sabe? Pois é, esse aí é igual a vinho, quanto mais velho fica, melhor ele é. Diversificar a carteira é fundamental para reduzir seus riscos e potencializar ganhos no longo prazo.

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento