Por Júlia Aquino e Lucas Collazo

  • Nosso dia-a-dia é cheio de vieses, desde um corte de cabelo até concentração dos investimentos por região;
  • O brasileiro está no topo do ranking de viés doméstico: os nossos fundos de previdência investem 97% dos recursos por aqui;
  • Mas será que é tão distante assim investir no exterior?
  • Entenda como diversificar melhor seus investimentos com ETFs e fundos indexados!

Sempre que vou falar de viés, penso naquela música do Chico Buarque (“Todo dia ela faz tudo sempre igual”), porque nós mesmos temos vários no dia a dia: comer sempre na mesma padaria, cortar o cabelo com a mesma pessoa, usar o mesmo perfume. São hábitos que já estão tão consolidados que é raro sair dessa linha, e sempre tendemos a voltar para o que conhecemos.

Quando falamos de investimentos, decisões enviesadas não costumam ser tão legais quanto comer na padaria predileta todos os dias ou procurar o cabelereiro de confiança toda vez. Geralmente, continuar naquilo que você sempre conheceu te faz perder oportunidades ou nublar sua visão para possíveis riscos — podemos estar perdendo um pão na chapa mais gostoso e mais barato de uma padaria um pouco mais longe de casa, por exemplo.

Um estudo do FTSE Russell, empresa que faz índices para as bolsas internacionais, mostra que os brasileiros, ultimamente, também estão presos ao cotidiano. Somos os investidores com maior tendência a investir dentro do próprio país, construindo carteiras com pouca diversificação internacional.

Comparado a outros países do estudo, os fundos de previdência privada (que naturalmente investem focando no longo prazo) do Brasil tem 97% de sua exposição a ações voltada pra dentro do próprio país, enquanto no México, por exemplo, a exposição doméstica é de 31% do portfólio.

Com isso, a exposição aos riscos locais fica amplificada, e a carteira acaba sofrendo mais quando passamos por períodos de incertezas no cenário brasileiro e volatilidade na bolsa. Além disso, o viés doméstico também pode fazer o investidor perder oportunidades — entre janeiro de 2008 e março de 2021, o índice global do FTSE em reais valorizou mais de 600%, enquanto o índice de ações brasileiras subiu pouco mais de 200%.

Olhando para a relação entre risco e retorno dos últimos 12 meses nesse mesmo período, em geral o índice com exposição global também bate o brasileiro, indicando que diversificar vale mais a pena mesmo quando comparamos a volatilidade e retorno dos ativos em conjunto.

Ou seja, investir fora do Brasil pode não somente ser mais rentável, como também mais eficiente do ponto de vista do retorno versus risco (que aqui é a volatilidade): investir em ativos internacionais através do FTSE All-World no período entre 2008 e 2021 resultou em mais ganhos, arriscando menos.

Em resumo: diversificar geograficamente beneficia (e muito) seus investimentos. Podemos até afirmar que seus investimentos só estarão diversificados quando parte deles não estiver mais falando português.

Como fazer seu portfólio viajar pelo mundo (mesmo com pouco dinheiro)?

Diferente do que já foi no passado, hoje em dia você não precisa ter milhões de reais disponíveis, nem ser um fundo com bilhões sob gestão para investir fora do Brasil. Já existem várias formas de fazer parte do seu dinheiro viajar sem sair do sofá (e sem precisar abrir contas internacionais ou realizar remessas), investindo diretamente pela B3 ou em fundos internacionais na sua conta da Rico. Batemos tanto nessa tecla que já até fizemos um Guia para te ajudar nessa viagem sem sair do lugar.

Hoje vamos focar em duas das formas mais democráticas de investir, que ainda tem o bônus de trazer diversificação para sua carteira: ETFs (Exchange Traded Funds, ou fundos negociados em bolsa) e fundos indexados (aqui representados pela família Trend).

Os Trend e os ETFs replicam a carteira teórica de algum índice de mercado (benchmark ou, em bom português, uma referência), criados para representar a performance de um mercado ou de um dos seus segmentos. Toda vez que você escuta “a bolsa caiu hoje” ou “a bolsa subiu hoje”, por exemplo, nos referimos ao Ibovespa, índice que é o principal benchmark de ações brasileiras.

Ou seja, quando você investe numa dessas duas opções você estará acompanhando os movimentos de mercado, e não buscando batê-lo — por isso, dizemos que ETFs e Trends têm gestão passiva. Um fundo de gestão ativa seria aquele em que o gestor escolhe os ativos para investir em de busca retornos superiores ao mercado.

Mas qual a diferença entre um ETF e um fundo Trend?

Os ETFs são negociados em bolsa (no nosso caso, a B3) e o valor mínimo para investimento varia dependendo do valor de negociação da cota à mercado. Já os Trends são fundos abertos na plataforma (na sua área logada da Rico), e o valor mínimo de para começar a investir neles é fixo em R$ 100.

Como são fundos de gestão passiva, a taxa de administração de ambos costuma ser baixa, entre 0% e 0,7% ao ano. O resgate de investimentos em ETFs segue o padrão de liquidação de ações de dois dias úteis; para a maioria dos Trends, esse prazo fica entre 1 a 6 dias.

Agora que estamos todos devidamente apresentados, nosso time de alocação criou uma releitura de nossas recomendações de investimento focadas em fundos passivos e ETFs — uma carteira democrática, que por ser concentrada nessas categorias de produto demanda pouco dinheiro para ser construída, e mantém a vantagem de ser diversificada em temas e geograficamente.

Abaixo, exemplos para os perfis de investimento Precavido (Conservador) e Estrategista (Moderado):

Desta forma, você consegue montar um portfólio diversificado, inclusive em temas internacionais, mantendo o custo acessível e com resgate da carteira inteira em até uma semana.

Com caminhos democráticos como esse, podemos aos poucos mudar aquela história de manter todo o seu dinheiro em ativos nacionais, deixando pra lá o viés doméstico nos investimentos e ficando só com a fidelidade na padaria e cabelereiro mesmo.

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento