Por Sol Azcune, analista de política internacional da XP

  • Há 52 anos e 1 dia, em 20 de julho de 1969, Neil Armstrong e Buzz Aldrin deram um pequeno passo para o homem, mas um gigantesco salto para a humanidade
  • Bem longe da Guerra Fria, estamos vivendo um revival da corrida espacial, mas a disputa agora é entre EUA e China
  • As duas potências levaram para o espaço o embate por influência geopolítica e desenvolvimento tecnológico
  • E ainda tem player novo na história: o setor privado, estrelando Jeff Bezos e cia

Há 52 anos e 1 dia, em 20 de julho de 1969, Neil Armstrong e Buzz Aldrin deram um pequeno passo para o homem, mas um gigantesco salto para a humanidade e foram os primeiros homens a caminhar na Lua. O evento, que foi televisionado na época, é até hoje considerado uma das principais conquistas no espaço e um marco para a ciência e tecnologia. O que nem sempre lembramos é que só chegamos lá devido ao à Guerra Fria e a corrida espacial entre os Estados Unidos e União Soviética – tema que volta a ganhar relevância no contexto da competição entre os Estados Unidos e o novo superpoder na parada, a China. 

Com o novo impulso na tecnologia espacial, o novo eixo de competição entre os países deve continuar a ganhar relevância e crescem as expectativas: Será que o próximo grande marco espacial está por vir? Esse avanço virá pelas mãos dos EUA ou da China? Ou será que grandes empresários, que também se juntam à disputa em 2021, terão mais sorte?

Mais uma vez, as disputas tecnológicas terão impacto simbólico, já que as duas maiores economias do mundo buscam afirmar sua liderança em inovação por meio deles. Assim como na política e economia, a disputa na nova corrida espacial tem um longo percurso pela frente.

No último capítulo da corrida espacial…

A primeira corrida espacial foi apenas um dos vários eixos de competição entre os Estados Unidos e a União Soviética durante o período de fortes tensões políticas e ideológicas que dominaram o cenário internacional entre 1947 e 1991.

Porém, o espaço ocupava um lugarzinho especial no coração dos governos: além de ser uma nova fronteira para os desenvolvimentos tecnológicos da época, os avanços espaciais tinham enorme poder político por atraírem atenção do público, e foram considerados importante ferramenta de ‘soft power’ (ou poder de influência). Não há um nítido vencedor na disputa, mas fica claro que a chegada dos EUA à lua teve enorme impacto político, midiático e social – olha a gente aqui falando disso mais de meio século depois.

Influenciado por esse impacto, poucos anos depois do homem chegar à lua as superpotências mudaram a estratégia  e passaram a privilegiar a cooperação, deixando de lado a busca por protagonismo, uma tendência que predominou até a queda da URSS em 1991. Em seguida, os EUA desfrutaram de um período em que não tiveram que se preocupar pela competição pelos holofotes espaciais. Mas é claro que isso não durou muito tempo… 

China, a nova potência

Já nos anos 2000, a ascensão da China ameaçou o status quo da hegemonia americana, o que levou ao início de um novo período de tensões na geopolítica.

Apesar da relação entre as maiores economias do mundo não ser uma guerra fria, os paralelos entre esse novo período de tensões que estamos vivendo e o antigo são vários. Competição industrial e tecnológica? Temos. Debates ideológicos? Temos. Luta por maior influência econômica e diplomática em diversas regiões? Temos. E, mais uma vez, temos também competição por avanços no espaço, que volta a ser considerado importante palco para demonstração de poder. 

Vale notar ainda que economias americanas e chineses são muito mais interdependentes do que as economias americanas e soviéticas jamais chegaram a ser. No entanto, na seara espacial, não há esse mesmo nível de conexão, devido a uma lei americana aprovada em 2011 que não permite cooperação entre os países nesse ramo. Portanto, o espaço é agora um palco onde os países podem demonstrar suas capacidades individualmente, algo que Pequim especialmente tem considerado altamente relevante.

Um novo fôlego para a corrida espacial

A China tem acelerado seu programa espacial de forma surpreendente, e reacendeu a corrida espacial lançando neste ano sua primeira estação espacial e se tornando o segundo país aterrissar um rover em Marte. Um dos próximos passos, segundo autoridades, seria convidar astronautas de outros países a participarem de missões conjuntas, em nova inciativa diplomática.

Nos EUA, onde programa da Nasa é mais antigo, há receios que o rápido crescimento chinês possa implicar uma ameaça ao domínio americano, o que incentivou novas parcerias com privados e reanimou ânimos de missões a Marte.

Coincidentemente, o recente impulso no programa espacial americano espelha uma tendência de crescimento na percepção negativa da China e defesa de linha mais dura na política dos EUA para combater a influência chinesa, tema que ocupou espaço relevante no debate eleitoral em 2020 e hoje é um dos poucos assuntos sobre qual há consenso no Congresso do país. Nesse contexto, os EUA estão alocando um maior número de recursos públicos para tecnologia e inovação para não ficar para atrás na corrida — a espacial é mais uma das disputas.

Ou seja, ainda que em um novo contexto, os avanços espaciais devem estar amarrados mais uma vez a um contexto político de antagonismo entre países superpoderosos. 

Outro fator relevante a levar em consideração quando falamos da nova corrida espacial é a presença de terceiros, especificamente, grandes empresários como Jeff Bezos, Elon Musk e Richard Branson, que também buscam acelerar avanços no espaço. Ainda engatinhando em comparação às agências estatais, a corrida espacial privada promete trazer conquistas com novo viés comercial, explorando viagens turísticas espaciais. A participação de bilionários famosos gera entusiasmo sobre a exploração espacial e coloca a corrida em destaque — não à toa, Bezos escolheu o aniversário do homem na lua pra se lançar além da atmosfera — incentivando maior atuação dos Estados.

Tendo isso em mente, não se espera que a corrida espacial tenha um vencedor tão cedo — a briga por protagonismo político e domínio econômico entre as nações ainda está em estágios iniciais e tem um longo caminho a percorrer a medida que as maiores economias do mundo se ajustam a uma nova dinâmica de poderes, enquanto a crescente influência do setor privado nas dinâmicas internacionais é refletida na participação de terceiros na disputa.

Elaborado por:

Betina Roxo, CNPI 1493
Paula Zogbi, CNPI 2545

Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico. O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da Rico. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico, podendo também ser divulgado no site da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 771 5454. SAC. 0800 774 0402. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela Rico. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento