janeiro 22, 2021

Imposto de Renda (IR): Como Declarar passo a passo [2021]  

Sempre que um novo ano se inicia, surge uma dúvida comum: como declarar Imposto de Renda?

Apelidado de Leão, o Imposto de Renda brasileiro existe desde 1922, mas ainda causa muitas dúvidas entre os contribuintes do país.

Se você é uma das pessoas que não sabe como declarar Imposto de Renda, está no lugar certo. 

Neste conteúdo, vamos responder às principais questões sobre o tema, incluindo regras da declaração e como seus investimentos financeiros devem aparecer nela.

Acompanhe os tópicos que serão abordados a partir de agora:

  • O que é Imposto de Renda?
  • Funcionamento do Imposto de Renda
  • Quem deve declarar Imposto de Renda?
  • Tabela do Imposto de Renda
  • Qual é o prazo para declarar o Imposto de Renda?
  • Como declarar o Imposto de Renda 2021 – Passo a Passo
  • Dicas para não errar na declaração do IR
  • Novas regras IR 2021 – o que mudou?
  • Qual é o programa para declarar Imposto de Renda?
  • Como funciona a restituição do Imposto de Renda?
  • Como consultar o Imposto de Renda?
  • Como declarar dependentes no Imposto de Renda?
  • Perguntas frequentes sobre IR 2021

Se tiver alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

O que é Imposto de Renda?

Casal sentados a mesa sorrindo declarando imposto de renda.

Imposto de Renda é um tributo cobrado anualmente dos cidadãos brasileiros. 

A base de cálculo é a renda que a pessoa teve no ano, ou seja, o dinheiro que ganhou através de seu trabalho ou outras fontes de receita.

O IR (sigla comumente usada para denominar o Imposto de Renda) é cobrado pela Receita Federal, órgão vinculado ao Ministério da Economia, que também fiscaliza se os pagamentos foram feitos de acordo com as regras estabelecidas.

Antes de entender como declarar Imposto de Renda, é importante que você saiba que nem todos os brasileiros são obrigados a pagá-lo. 

Mais à frente, explicaremos melhor.

Funcionamento do Imposto de Renda

Casal declarando imposto de renda.

O cidadão apresenta todo ano à Receita Federal, até o fim do mês de abril, uma declaração na qual cita seus bens e informa os rendimentos e despesas que teve no ano anterior.

Nessa declaração, o contribuinte deve preencher com informações sobre a renda que teve nos 12 meses de 2020.

Sobre esses números, é aplicada uma alíquota para se chegar até o valor que deve ser pago ao governo. 

Ele é calculado automaticamente pelo programa de computador disponibilizado pela Receita Federal para preencher e transmitir a declaração.

Vale lembrar que nem todas as despesas são tributáveis e que há uma série de possíveis deduções, além do imposto retido na fonte, que deve ser informado na declaração para ser subtraído do cálculo final.

Quem deve declarar Imposto de Renda?

Casal aprendendo a declarar imposto de renda.

Dependendo da sua situação, talvez você nem precise saber como declarar Imposto de Renda. 

Isso porque, como avisamos antes, nem todos os brasileiros são obrigados a apresentar a declaração à Receita Federal.

A partir de agora, vamos trazer alguns tópicos que vão ajudar você a entender melhor quem deve ou não declarar o IR.

Regras e Obrigatoriedades da Receita Federal

O governo ainda não divulgou as regras de obrigatoriedade que valerão para a declaração do Imposto de Renda 2021.

Mas é provável que não fuja muito do que valeu em 2020, quando o cidadão que se encaixava em pelo menos um dos critérios abaixo, relativos aos bens e atividades do ano de 2019, foi obrigado a declarar o IR.

As informações da tabela foram retiradas do site da Receita Federal:

Critérios

Condições

Renda

  • Recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma anual foi superior a R$ 28.559,70.
  • Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00.

Ganho de capital e operações em bolsa de valores

  • Obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.
  • Optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja destinado à aplicação na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005.

Atividade rural

  • Obteve receita bruta anual em valor superior a R$ 142.798,50.
  • Pretenda compensar, no ano-calendário de 2020 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2020.

Bens e direitos

  • Teve a posse ou a propriedade, em 31 de dezembro de 2020, de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00.

Condição de residente no Brasil

  • Passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nessa condição se encontrava em 31 de dezembro de 2020.

Isenção de Imposto de Renda

Agora, veja quais as pessoas que não precisam declarar o IR, segundo os critérios que valeram em 2020 e que, provavelmente, serão repetidos em 2021:

  • Quem não se enquadra em nenhuma das hipóteses listadas na tabela do tópico anterior
  • Quem consta como dependente na declaração de outra pessoa física – e nessa declaração são informados seus rendimentos, bens e direitos, caso os possua
  • Quem teve a posse ou propriedade de bens de direito, quando os bens comuns forem declarados pelo cônjuge ou companheiro, desde que o valor total de seus bens privativos não exceda R$ 300.000,00 em 31 de dezembro.

Tabela do Imposto de Renda

como declarar imposto de renda tabela

Para saber como declarar Imposto de Renda, é preciso entender a tabela de alíquotas.

Com ela, o contribuinte vê em qual faixa se enquadra e, a partir daí, sabe qual percentual deve ser aplicado sobre a sua renda anual para calcular o valor a ser pago à Receita Federal.

O último reajuste da tabela ocorreu em 2015. 

Por isso, muitos a consideram defasada e pedem uma atualização, que pode ocorrer para a declaração de 2021.

A tabela utilizada nos últimos anos é a seguinte:

Base de cálculo (R$)

Alíquota (%)

Parcela a deduzir do IRPF (R$)

Até 1.903,98

De 1.903,99 até 2.826,65

7,5

142,80

De 2.826,66 até 3.751,05

15

354,80

De 3.751,06 até 4.664,68

22,5

636,13

Acima de 4.664,68

27,5

869,36

Qual é o prazo para declarar o Imposto de Renda?

O Imposto de Renda é uma responsabilidade de todos os brasileiros que se enquadram nas regras que apresentamos antes.

A declaração acontece todos os anos no primeiro semestre, em data divulgada previamente pelo governo federal.

É importante ficar ligado para não perder o prazo máximo e acabar com problemas com a Receita Federal.

A prestação de contas para fins de Imposto de Renda reúne informações detalhadas sobre a sua renda no último ano fiscal.

Isso significa que você precisa manter um inventário organizado de holerites, recibos de pagamento e notas fiscais geradas durante o período.

Para 2021, o prazo limite para entregar as declarações deve ser confirmado para as 23h59 do dia 30 de abril.

A data é tradicional no calendário nacional, mas vale lembrar que foi alterada em 2020 por conta da pandemia de coronavírus.

Como declarar o Imposto de Renda 2021 – Passo a Passo

Mulher declarando o imposto de renda

Agora, chegou a hora de explicar como declarar Imposto de Renda na prática.

Ou seja, quais os passos que o contribuinte deve seguir para não cair nas garras do Leão.

Fique ligado!

IR Simplificado vs IR Completo

Antes de começar, convém explicar uma dúvida comum: devo escolher entre a declaração simplificada ou completa?

A nossa dica é preencher a declaração com todos os detalhes, não deixando nada de fora, é claro. Assim, apenas no final, escolha entre os dois modelos.

Isso porque a resposta para a questão vai depender da quantidade de deduções – gastos com dependentes e plano de saúde, por exemplo -, que diminuem o valor final do tributo a ser pago.

O que caracteriza o modelo simplificado é que ele aplica um desconto padrão de 20% sobre a base de cálculo – desconto que pode ser usado por qualquer contribuinte, mas fica limitado ao teto de R$ 16.754,34.

Desse modo, se a soma das deduções for superior a esse teto, a melhor opção é pelo modelo completo, pois assim a “mordida” do Leão será menor.

Como Declarar Imposto de Renda Passo a Passo

  1. Revise os critérios de obrigatoriedade e faça um cálculo rápido para saber se você é obrigado a declarar o IR. Caso seja, junte os documentos e dados necessários (seus, dos dependentes, de empregadores e outras fontes pagadoras, etc.)
  2. Entre no site da Receita Federal e faça o download do programa IRPF. Por enquanto, a versão 2021 ainda não está disponível, mas você pode baixar a versão 2020 para ir se habituando ao modelo do software
  3. Preencha os formulários do programa com os dados básicos pessoais
  4. Caso você tenha dependentes, inclua seus dados na declaração também, clicando na aba “Dependentes”
  5. Informe os rendimentos, sejam eles tributáveis ou não
  6. Agora, é hora de informar ao programa quais pagamentos foram feitos, o que pode gerar algumas deduções, nos campos “Imposto de Renda retido na fonte”, “pagamentos com Carnê-Leão”, “pagamentos efetuados” e “doações efetuadas”
  7. A última parte do preenchimento de informações da declaração é incluir os bens, direitos, dívidas e ônus. Nessa categoria estão imóveis, veículos, saldos de poupança, bens com valor maior que R$ 5 mil e dívidas
  8. Feito tudo isso, basta entregar a declaração. Clique em “pendências” para ver se faltou preencher alguma informação. Se estiver tudo OK, lembre-se da nossa dica e escolha entre a declaração simplificada ou completa (o próprio programa já informa os valores, facilitando a decisão).
  9. Em seguida, clique em “entregar a declaração” e emita o Darf para proceder com o pagamento do imposto.

Dicas para não errar na declaração do IR

Se você procurou por um artigo que explica como declarar Imposto de Renda, é sinal que não tem grande familiaridade com assunto. 

Então, redobre a atenção para não cometer nenhum erro e acabar caindo na malha fina, ficando sujeito a multas.

O ideal é adquirir o costume de registrar mensalmente em uma planilha as suas receitas, os gastos, os rendimentos de investimentos, os bens adquiridos e outras informações importantes para a declaração do IR.

Organize também os documentos, sejam eles físicos ou virtuais, necessários para comprovar determinadas informações.

Assim, na hora de preencher a declaração, fica tudo muito mais fácil. 

Se mesmo assim achar complicado, considere a contratação dos serviços de um contador.

{{cta(‘e6017398-97d8-491e-ba8d-4e1a9465dca1’)}}

Novas Regras IR 2021 – O que mudou?

A Receita Federal ainda não divulgou as regras para o Imposto de Renda 2021. 

Mas fique atento, pois é possível que a tabela de alíquotas seja atualizada.

Qual é o programa para declarar Imposto de Renda?

Desde 2010, o governo federal não aceita mais declarações de IR por vias analógicas.

Para ficar em dia com o Leão, os brasileiros precisam recorrer a um dos canais digitais disponibilizados para a entrega da declaração.

O Programa Gerador da Declaração DIRF pode ser baixado no site da Receita Federal e funciona em computadores Windows (32 bits ou 64 bits) e Linux (32 bits ou 64 bits).

Existe ainda a alternativa de fazer sua declaração por meio do aplicativo para dispositivos móveis.

O app Meu IRPF está disponível em versões para Android ou iOS.

Quem quiser também pode declarar pelo Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) com certificado digital ou código de acesso.

Como funciona a restituição do Imposto de Renda?

A declaração anual é um grande acerto de contas entre o contribuinte e o Estado. 

É nesse momento que a Receita Federal vai analisar o imposto já pago para decidir se o cidadão contribuiu com um valor adequado ou se pagou mais ou menos do que deveria – de acordo com sua renda. 

Para os casos onde a contribuição excede o devido, existe a chamada restituição de Imposto de Renda.

Ela serve para que o governo devolva ao contribuinte a parte excedente do que foi pago no ano anterior, com o recolhimento do IR na fonte.

Até 2019, os pagamentos aconteciam em sete lotes, de junho a dezembro.

Já em 2020, a restituição foi paga em cinco lotes, de maio a setembro. 

Lembrando que o calendário de 2021 ainda não foi divulgado.

Independente das datas, os primeiros beneficiados são os contribuintes que se encaixam nas prioridades legais: maiores de 60 anos, portadores de deficiência e professores.

A partir daí, a ordem para os pagamentos é determinada pela ordem de entrega das declarações – quem declara primeiro, recebe a restituição antes.

Como consultar o Imposto de Renda?

Os contribuintes podem consultar informações a respeito do seu Imposto de Renda diretamente no site da Receita Federal.

Pelo e-CAC, é possível conferir o status da declaração, possíveis deduções e a data prevista para restituição, se for o caso.

Com os dados de acesso, você pode ainda fazer correções e retificações da declaração que já foi entregue.

No acesso pelo aplicativo móvel, existe ainda a possibilidade de ativar notificações para ser avisado sobre mudanças de status, liberação de restituições, entre outras questões.

Como declarar dependentes no Imposto de Renda?

Os contribuintes que têm dependentes legais devem incluí-los em sua declaração de IR, já que isso resulta em abatimentos no imposto devido.

Podem ser incluídas informações sobre filhos, enteados, irmãos, netos, pais, avós, cônjuges, entre outros familiares.

Para isso, basta preencher a ficha da aba “dependentes” com informações pessoais como nome, CPF e data de nascimento. 

É importante destacar que pessoas declaradas como dependentes não podem entregar a declaração de Imposto de Renda própria, correndo risco de cair na malha fina da Receita Federal.

Perguntas Frequentes Sobre IR 2021

Mulher desenhando um ponto de exclamação sobre as dúvidas em relação a declaração de imposto de renda.

Confira a seguir um compilado com algumas das principais perguntas feitas por quem quer entender como declarar Imposto de Renda.

Como fazer a declaração do Imposto de Renda pela primeira vez?

A diferença entre declarar o IR pela primeira vez e já ter declarado outras vezes é que o contribuinte não terá o arquivo para puxar as informações preenchidas no ano anterior.

Então, você terá de baixar o programa do exercício em questão e seguir todos os passos que explicamos no tópico “Como Declarar Imposto de Renda Simplificado Passo a Passo”.

O que precisa ser declarado no Imposto de Renda 2021?

O contribuinte precisa declarar todos os rendimentos que teve no ano anterior (mesmo os isentos de tributação), bens móveis e imóveis, saldo em conta corrente e outras aplicações financeiras, ganhos com venda de imóveis e gastos com dependentes, plano de saúde, educação e previdência.

O que acontece com quem não declara o Imposto de Renda?

Quem se encaixa nos critérios de obrigatoriedade, mas não apresentar o IR, pode ter de pagar multa por atraso ou, na pior das hipóteses, ser processado e investigado por crime de sonegação fiscal. Portanto, nem pense nessa hipótese.

Enquanto a pendência não for resolvida, o cidadão também fica impedido de prestar concurso público, pegar empréstimo, tirar ou renovar passaporte, abrir conta em banco e outros serviços.

Tenho dois empregos, como declarar Imposto de Renda?

É simples: na aba “Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ pelo Titular”, basta incluir mais de uma linha, inserindo o nome e o CNPJ da outra fonte pagadora. 

O mesmo vale para quem trocou de emprego no meio do ano.

Quais investimentos devem declarar Imposto de Renda?

Existem vários tipos de investimentos, alguns isentos de IR e outros que são tributados. 

Para saber mais, acesse o artigo Imposto de Renda Sobre Investimentos: Como Declarar Suas Aplicações de nosso blog. 

Lá, citamos quais tipos de investimentos devem ser declarados.

Como declarar ações no IR?

No caso específico de ações, também temos um artigo especial sobre o assunto no blog. 

Acesse: Como Declarar Ações no Imposto de Renda.

O que é Imposto de Renda retido na fonte IRRF?

É quando o cidadão já contribuiu com a Receita Federal com um desconto imediato no dinheiro recebido da fonte pagadora. 

O exemplo mais comum é o do percentual sobre o salário de carteira assinada que é retido.

Na declaração, esses descontos devem ser informados para que o trabalhador não seja cobrado duas vezes.

Como declarar Imposto de Renda atrasado?

Em 2021, o minuto final para apresentar a declaração está previsto para às 23h59min do dia 30 de abril.

Depois disso, se o contribuinte não a enviou para a Receita Federal, está em atraso.

O processo para resolver a pendência é o mesmo da declaração normal. 

A diferença é que será calculada uma multa, que em 2020 foi de R$ 165,74 para quem não precisou pagar imposto, mas teve que declarar e de 1% ao mês sobre o imposto devido (mais correção monetária pela taxa Selic), limitada a 20% do total.

No caso de declaração entregue no prazo, mas com erro, ela pode ser retificada a partir do dia 1º de maio sem cobrança de multa, a não ser que ocorra uma diferença no IR a pagar.

Conclusão

Relógio com moedas à frente. Palavra-chave referencia: declarar imposto de renda

Entendeu como declarar Imposto de Renda? 

Mesmo que ainda não estejamos no mês de entrega, é bom que você comece a organizar suas informações de renda e gastos desde já.

E tenha uma atenção especial aos investimentos. 

Alguns deles são tributados, outros isentos. Cada um, porém, tem um conjunto grande de prós e contras que devem ser considerados.

Acha complicado? Estamos aqui para ajudar você. 

Abra sua conta na Rico e aprenda a investir com inteligência.

Leia também estes conteúdos que preparamos para você:

Caso tenha ficado com alguma dúvida, deixe um comentário.

Obrigado por ler até aqui!


junho 23, 2020

7 investimentos sem Imposto de Renda (O 3º é incrível)  

Investimentos sem Imposto de Renda estão ao alcance de todos os perfis.

Afinal, são diversas as modalidades de aplicações isentas da tributação.

Mas, ainda assim, muita gente ainda acha que só tem a caderneta de poupança para investir dinheiro de forma segura.

Não caia você também neste erro.

Além de oferecer um rendimento muito baixo, que por vezes perde até para a inflação, a poupança não é mais segura do que outros investimentos.

Entre eles, estão alguns isentos da cobrança do Imposto de Renda.

Além da ilusão da caderneta, existem mitos sobre aplicações financeiras e impostos que afastam possíveis novos investidores. 

Muitos se perguntam: “Se investir, serei obrigado a declarar Imposto de Renda?”

A resposta é claro que não! 

Para começar, você só é obrigado a declarar o ajuste de renda anual se os seus rendimentos (salários e rentabilidade de investimentos) forem maiores que R$ 40.000 ao ano.

Você também deve declarar caso o total dos seus bens (aplicações, imóveis, veículos, etc.) ultrapassem R$ 300.000.

Enquanto seus investimentos e rendimentos não ultrapassaram esses limites, você está livre do compromisso de acertar as contas com o Leão.

Assim, deixar de investir por causa dos impostos é um engano

Cada dia que o seu dinheiro passa parado na conta corrente ou na poupança é um dia a menos de rentabilidade. 

Você está tendo prejuízo agora mesmo. Já parou para pensar?

Então, continue lendo para descobrir investimentos sem Imposto de Renda.

Neste artigo, vamos mostrar as aplicações mais rentáveis e como elas funcionam. 

Lembrete: o prazo de envio da declaração de IR 2020, que se encerraria no dia 30 de abril, foi prorrogado até dia 30 de junho.

Boa leitura!


Por que alguns investimentos são isentos de IR?

Um homem parado olhando para o horizonta e, sobreposta, uma imagem de gráficos, em referência aos investimentos sem imposto de renda
Não utilize a incidência do IR como fator decisório para escolher ativos.


Vamos deixar algumas coisas claras antes de mostrar as aplicações isentas de IR: os investimentos que não são isentos também podem ser lucrativos.

Na verdade, um investimento com incidência do Imposto de Renda pode até ultrapassar o rendimento de um ativo isento.

Essas aplicações podem possuir uma rentabilidade tão grande que compensam qualquer perda por IOF ou IR.

Outro fator muito importante é que o Imposto de Renda incide apenas sobre a rentabilidade.

Ou seja, nunca sobre o valor total aplicado.

Veja a tabela regressiva de alíquotas que é usada na maioria dos investimentos com IR:

Alíquota (%)Tempo de aplicação
22,5%Até 180 dias
20%De 181 a 360 dias
17,5%De 361 a 720 dias
15%Mais de 720 dias

Então, se é assim, por que existem aplicações sem a incidência do IR?

O que acontece é que esse tipo de ação visa estimular o aporte de recursos em áreas consideradas estratégicas para o desenvolvimento do país.

Mais adiante no texto, você poderá reparar em nossa lista que os investimentos isentos estão todos em áreas de infraestrutura, como no agronegócio ou no setor imobiliário.


Quais são as vantagens e desvantagens de investimentos sem Imposto de Renda

A mais óbvia vantagem de se aplicar em investimentos sem Imposto de Renda é o fato de que você não será obrigado a pagar uma fatia dos seus rendimentos de volta para o Estado.

Ou seja, o rendimento da aplicação é líquido, sem precisar fazer contas para saber quanto irá receber de fato.

Mas lembre o que falamos antes: se, por um lado, quem aplica em títulos e papéis sem IR economiza, por outro, também pode deixar de ganhar dinheiro.

Não raro um investimento com incidência do Imposto tem uma rentabilidade superior a outro que é isento – e essa diferença ultrapassa o que seria descontado pelo tributo.


7 Investimentos Sem Imposto de Renda

Se você gosta da ideia de aplicar dinheiro em investimento sem Imposto de Renda, fique de olho na lista que preparamos para você.

Aqui estão as sete melhores aplicações para esse perfil:

#1 – LCI (Letra de Crédito Imobiliário)

Prédio espelhado em zoom em referência aos investimentos sem imposto de renda
A LCI é um dos investimentos que não têm cobrança de Imposto de Renda


Esse é um investimento de renda fixa.

A LCI é emitida por bancos para conseguir recursos do mercado e, assim, oferecer capital para o setor imobiliário.

A LCI funciona como um empréstimo de dinheiro.

Nesse caso, é você que empresta ao banco e ele usa esse dinheiro para emprestar aos clientes e conseguir lucros.

Em troca, o banco devolve o seu dinheiro corrigido por uma taxa de juros.

Esse investimento é incentivado pelo governo e, por isso, é isento de Imposto de Renda.

Vamos ver um exemplo de LCI na prática?

João aplicou R$ 10 mil em um papel que paga 100% do CDI com prazo de 1.095 dias, cerca de três anos.

No vencimento, ele receberá R$ 11.137,04, totalizando 11,37% de rentabilidade e 3,65% de rendimento anual, como mostra a simulação abaixo:

investimentos-sem-imposto-de-renda-rico-2020-1
investimentos-sem-imposto-de-renda-rico-2020
Simulação LCI: Tela capturada em 28/04/2020.


Se ele tivesse feito essa aplicação na poupança, que também é isenta de Imposto de Renda, teria ganho apenas R$ 10.806,77.

Ou seja, R$ 330,27 a menos.

Então, se o Imposto de Renda é o que mantinha você na poupança, está na hora de rever suas aplicações. 

Clique e abra sua conta na Rico

#2 – LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)

Uma plantação em referência aos investimentos sem imposto de renda
A LCA é como uma irmã da LCI, mas voltada ao agronegócio

No caso da LCA, estamos falando de um investimento quase idêntico à LCI.

A única diferença é que, em vez do banco utilizar o recurso captado no segmento imobiliário, ele usa para financiar o agronegócio.

Não há uma grande diferença para o investidor entre as duas opções.

Para selecionar o melhor para você, considere dois fatores: prazo de vencimento ideal de acordo com os seus objetivos e o rendimento.

Na Rico, você não tem nenhum custo para investir em LCI ou LCA.

Nossos investidores podem aplicar em renda fixa com com taxa zero.

O risco de investir em LCI ou LCA é muito baixo, pois esse é um investimento conservador.

A única situação que poderia dar prejuízo é caso a instituição que emitiu o título desse o calote em seus investidores.

E mesmo assim, a maioria dos investimentos de renda fixa (como LCI, LCA, CDB e LC) possuem uma garantia de até R$ 250 mil fornecida pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Caso ocorra algum problema, você tem a certeza de que pode recuperar o seu dinheiro.

E a liquidez (possibilidade de resgatar antes do vencimento)?

Essas são aplicações de médio e longo prazo. Por isso, ao investir, esteja disposto a levar a aplicação até o vencimento.

Veja uma simulação que compara a rentabilidade de três LCAs com prazos diferentes e que variam no percentual do CDI utilizado em correção:

investimentos-sem-imposto-de-renda-rico-2020-2
investimentos-sem-imposto-de-renda-rico-2020-3
Simulação LCA: Tela capturada em 28/04/2020.


Observe que, em todos os papéis, a rentabilidade anual foi maior que na poupança, variando entre 3,46% e 4,14%.

Como regra geral, quanto mais distante for a data de vencimento do título e maior o percentual pago do CDI, melhor será a rentabilidade.

#3 – CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio)

Uma mulher com um notebook e, ao fundo, um trator, em referência aos investimentos sem imposto de renda
Assim como as LCI e LCA, o CRA é isento de IR e IOF para pessoas físicas

No caso do CRA, para empresas, a isenção é apenas de IOF. O IR, neste caso, continua sendo aplicado de acordo com a tabela regressiva.

Esse investimento possibilita um ótimo rendimento e a sua principal diferença está na emissão do título.

O CRA é emitido por securitizadoras (organizações que convertem dívidas em títulos lastreáveis).

Ele também é mais arriscado, pois não possui a garantia do FGC.

Então, a segurança é a saúde da empresa na qual você está investindo.

No entanto, na Rico, disponibilizamos apenas investimentos seguros que foram bem avaliados por agências de risco.  

O seu rendimento é superior aos investimentos comuns de renda fixa, pois traz um retorno acima da inflação e com isenção de tributos.

A remuneração pode ser indexada ao CDI, índices de inflação ou ser prefixada.

Os ativos mais atrativos são remunerados pelo IPCA ou IGP-M mais uma taxa, que pode ser indexada ao DI ou também prefixada. 

Os juros são pagos de forma semestral ou anual.

No entanto, o valor total só retorna no final do período, que é normalmente de 4 anos

Assim, esse é um investimento de longo prazo.

Recomendamos que não concentre uma grande parte dos seus recursos aqui para não ficar descapitalizado no curto prazo.

#4 – CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários)

CRA e CRI são títulos de crédito privado e, portanto, investimentos similares.

A real diferença está no segmento e volume de aporte. O CRA possui um valor inicial superior à maioria dos CRIs. 

Assim como em qualquer investimento, três fatores precisam ser bem avaliados antes de fazer a aplicação: prazo de vencimento, rentabilidade e risco envolvido.

Já que tanto CRAs e CRIs possuem um prazo de vencimento longo e liquidez baixa, esteja preparado para investir e deixar esse dinheiro render até o prazo.

#5 – Debêntures Incentivadas

Carregamento com muitas caixas, em referência aos investimentos sem imposto de renda
A rentabilidade pode se dar de três formas diferentes nas debêntures


Assim como a maioria dos investimentos, as debêntures são títulos de dívida.

Dessa vez, os emissores são empresas de capital aberto ou fechado que buscam uma captação de recursos para o seu caixa. 

Existem alguns tipos de debêntures: as simples, as conversíveis e as incentivadas. Cada uma possui uma característica diferente.

O que nos interessa é que as debêntures incentivadas possuem a isenção de Imposto de Renda e IOF.

Isso acontece porque elas são emitidas por empresas que fazem uso do dinheiro captado para financiar projetos de infraestrutura.

O rendimento desses ativos pode se dar de três formas diferentes: pós-fixado (CDI ou IPCA), prefixado ou híbrido (misturando as duas modalidades de rendimento).

Veja uma simulação de debênture incentivada:

  • Aplicação mínima: R$3.500
  • Rendimento: 6% + IPCA
  • Vencimento: 2059 dias
  • Valor final bruto: R$6.525,13
  • IR: sem incidência
  • Custo: zero
  • Valor final líquido: R$6.525,13.

Se você é um investidor que já possui aplicação em outros produtos e quer diversificar sem pagar IR, as debêntures incentivadas são uma excelente oportunidade. 

#6 – Rendimentos de Dividendos

Você já deve conhecer a Bolsa de Valores.

Neste ambiente, pequenas frações das empresas são comercializadas livremente.

Qualquer pessoa pode comprar uma ação e se tornar sócio de uma empresa.

Como todo sócio, você tem direito a dois rendimentos do negócio: a valorização da empresa para você vender por mais que pagou ou a divisão de lucro do negócio.

No Brasil, as empresas com ações em Bolsa de Valores devem obrigatoriamente distribuir no mínimo 25% do lucro em forma de dividendos.

As grandes empresas estáveis e com bons fundamentos oferecem bons dividendos como forma de atrair mais investidores – uma vez que o preço de suas ações podem não variar muito.

Se quiser entender mais sobre dividendos, veja esse vídeo feito pelo nosso analista-chefe, Roberto Indech:

Se você não tem ideia ou tempo para estudar as melhores empresas para comprar ações e receber dividendos, crie sua conta na Rico e verifique nossa Carteira Recomendada de Dividendos.

Nós já fizemos o trabalho duro por você!

#7 – Ganho com venda de ações até R$ 20 mil

Você pode ser isento de Imposto de Renda se vendeu até R$ 20.000 em ações no mês.

É um bom limite, mas fique atento à complexidade desse mercado.

Para começar a operar, seja em day trade (operações iniciadas e terminadas em 24 horas) ou em swing trade (dois dias ou mais), você precisa dominar a análise gráfica e análise fundamentalista.

Então, comece a estudar tudo sobre como investir no mercado de ações.

Ao criar sua conta na Rico, você terá acesso gratuito ao nosso Home Broker (sistema de compra e venda de ações) e poderá visualizar nossas recomendações.

Além disso, poderá ver como os nossos profissionais investem no mercado.

Você perceberá que todas suas decisões são tomadas com base técnica.

Então, a dica mais importante para você começar é nunca aplicar com base na sorte

Isso vale para qualquer mercado.

Seja um investidor consciente e aplique apenas quando entender como o investimento funciona.


O que avaliar para escolher o melhor investimento sem Imposto de Renda

Na hora de escolher a melhor aplicação sem Imposto de Renda, você precisa avaliar qual delas melhor se adapta a seu perfil de investidor.

É também importante manter sua carteira diversificada para garantir uma maior segurança em suas finanças.

Nesse sentido, os ativos isentos de IR podem ser interessantes, especialmente se você pretende investir para resgate em curto prazo (até 180 dias).


Poupança paga Imposto de Renda? Devo investir?

A poupança está na lista de investimentos sem Imposto de Renda.

Mas isso não significa que você deve correr para colocar seu dinheiro na caderneta. Muito pelo contrário.

Há algum tempo, a poupança tem sido um dos piores investimentos.

Em 2019, por exemplo, depois de descontada a inflação acumulada para o período, seu retorno real foi negativo: -0,05%.

Para 2020, a projeção é de perdas ainda maiores, já que a Taxa Selic (utilizada na sua correção), nunca esteve tão baixa.

Qual o valor de poupança que não precisa ser declarado?

Apesar de isenta de tributação do Imposto de Renda, a caderneta de poupança deve ser incluída como patrimônio em sua declaração anual.

Você deve, então, declarar o valor que teve investido durante o ano fiscal e também o rendimento que recebeu da aplicação.

A caderneta deve aparecer no item “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis“. 


Investimentos com ou sem IR: O que rende mais?

A resposta simples para essa pergunta complexa é: depende do investimento, do seu perfil e dos objetivos para o dinheiro aplicado.

Os fundos de ações e fundos imobiliários são ativos que tem alta rentabilidade, mas que também têm um risco considerável para os seus investidores.

Outro ponto a se considerar é que estamos falando aqui de aplicações de renda variável, cujos resultados tendem a ser melhores, mas não são garantidos.

Assim, quem está escolhendo onde aplicar seu capital precisa saber que a rentabilidade pode ser maior como também pode ser menor – não vai ser o IR que vai fazer a diferença nesse sentido.

No fim das contas, é o que alertamos antes: tudo depende do seu perfil de investidor e, claro, de quais são seus planos para o dinheiro investido.

Dica para começar a investir

Está começando a investir e tem dúvidas sobre o que fazer? Temos uma dica: o Rico+ Primeiros Passos. Ele é um novo modelo de aprendizado que te ajuda a evoluir de pouquinho em pouquinho.

Aprenda a investir com jogos, trilhas de conteúdos e vídeos de maneira simples e fácil! 

Saiba mais sobre o Rico+ Primeiros Passos.


Conclusão

Uma mulher mexendo no notebook, em referência aos investimentos sem imposto de renda
Pronto para aproveitar os melhores investimentos sem Imposto de Renda?


No Brasil, pagamos muitos impostos e possuímos um dos piores retornos em serviços e infraestrutura. Cerca de 35,13% do nosso PIB é destinado aos impostos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

Países como Itália, Bélgica, França possuem uma carga tributária superior, mas esse valor costuma se transformar em qualidade de vida para os moradores do país.

Então, sempre que for possível, o brasileiro precisa reduzir os custos com tributos para poder garantir saúde, educação e uma vida mais tranquila por si só.

Existem muitas formas de se fazer isso legalmente.

Você pode deduzir custos e até alguns investimentos de longo prazo como o seu plano de previdência privada.

Além disso, os investimentos sem Imposto de Renda devem ser analisados e incluídos na sua carteira de ativos para garantir uma rentabilidade real maior.

Isso vale principalmente se você pretende investir a curto prazo (até 180 dias) onde a alíquota leva quase 1/4 do seu rendimento.

No entanto, não feche os olhos para todos os outros investimentos que não possuem incentivo tributário.

CDBs, LCs e fundos de investimentos, muitas vezes, trazem um retorno ainda melhor do que ativos isentos, como LCIs e CRAs. 

O Imposto de Renda sobre investimentos não deve ser o único fator decisivo.

Analise caso a caso para formar uma carteira de investimentos diversificada de acordo com os seus objetivos e perfil de risco.

Comece hoje mesmo a investir.

Crie sua conta na Rico de graça.

Leva apenas alguns minutos e, depois disso, você terá um catálogo inteiro de investimentos à sua disposição.

Outra vantagem gratuita é o acesso à InvesTV.

Esse é um ambiente online onde você pode tirar qualquer dúvida sobre investimento ao vivo, com especialistas do mercado financeiro.

Tem alguma dúvida ou sugestão? Deixe o seu comentário logo abaixo! 

Continue aprendendo sobre investimentos com estes outros artigos:

Obrigado por ler até aqui!


maio 13, 2020

Como declarar ações no Imposto de Renda e Dúvidas IR  

Saber como declarar ações no Imposto de Renda 2020 é importante para todos os investidores que possuem esses ativos na carteira ou que os tiveram durante o ano de referência 2018/2019.

Ou seja, precisa acertar as contas com o Leão todo aquele que negocia ações, ainda que não se enquadre em outra regra que torne a declaração obrigatória. 

Esse é um compromisso para não cair na malha fina ou ser multado pelo Fisco.

Hoje, com a informatização de sistemas, a Receita Federal consegue fiscalizar com muita facilidade as suas informações financeiras.

Então, deixar de declarar ações no IR 2020 é um erro que pode trazer problemas no futuro.

Neste ano, o prazo para envio da sua declaração vai até às 23h59min do dia 30 de junho.

É preciso ter responsabilidade neste momento e buscar conhecimento para agir certo e declarar suas negociações de renda variável.

Se esta é a sua primeira vez ou não tem muita prática, é comum ter dúvidas sobre como informar os dados, porque o sistema é bastante detalhado.

Para ajudá-lo, preparamos um guia completo para você entender bem como funciona a declaração de ações no Imposto de Renda 2020 e ficar em dia com o Fisco.

Você vai conferir:

  • Como Declarar Ações no IR 2020 Em 6 Passos
  • Imposto de Renda Sobre Compra e Venda de Ações
  • 5 Dúvidas Sobre Como Declarar Investimentos no Imposto de Renda 2020
  • Como Calcular o Imposto de Renda sobre Ações
  • Como Funciona o Imposto de Renda em 2020 Sobre Day Trade de Ações
  • Como Declarar Prejuízo com Ações no Imposto de Renda 2020.

Boa leitura!

RECADO IMPORTANTE: 
A Rico criou um grupo no Telegram aberto para todos aqueles que querem receber nossas análises de investimento, conteúdo e notícias úteis sobre renda variável. Quer participar? É só clicar aqui para acessar! 

Como Declarar Ações no IR em 6 Passos

Pessoa sentada em uma mesa fazendo anotações e mexendo no computador. Palavra-chave de referencia: declarar ações ir

Saiba como declarar ações no IR 2020, acerte as contas com o Leão e fuja da malha fina!

Chegou a hora de aprender como declarar ações no IR 2020 passo a passo: 

  1. Levantamento dos dados e informações
  2. Apuração dos lucros
  3. Baixar o programa do Imposto de Renda 2020
  4. Preencher os dados das operações isentas
  5. Informar as operações sujeitas à tributação
  6. Informar à Receita sobre as suas ações

Confira abaixo os detalhes de cada passo:

1. Levantamento dos dados e informações

O primeiro passo para declarar ações no IR 2020 é juntar todas as informações pertinentes às movimentações que você fez na bolsa de valores entre 31/12/2018 até 31/12/2019. 

Se você costuma fazer diversas operações em renda variável, o ideal é montar uma planilha. Assim, fica mais fácil fazer a apuração dos lucros. 

Isso mesmo: você que deve controlar suas compras, vendas, lucros e prejuízos, além de entradas de dividendos e outros proventos.

Para isso, separe por ação e o tipo de venda (comum ou Day Trade).

Tenha em mãos as notas de corretagem e as DARFs. Caso não as possua, peça à sua corretora.

Se você é cliente Rico, basta clicar nesta seção do menu lateral para acessar as suas notas.

Notas de corretagem. Palavra-chave de referencia: declarar ações ir.
Tela capturada dia 23/01/2020 na plataforma da Rico.

Para a DARF, é só consultar o site da Receita Federal.

Solicite também o seu Informe de Rendimentos à corretora.

Nesse documento, você encontra as informações referentes à sua posição acionária, valores recebidos em proventos e dados sobre outros investimentos. 

2. Apuração dos lucros

Depois de levantar todas as informações necessárias, você precisa fazer a apuração dos lucros. A tributação é calculada a partir do preço médio de compra e venda das ações

Por isso, a importância de fazer a planilha. Esse valor médio é a cotação de compra com o desconto da corretagem e dos emolumentos. O de venda é o mesmo princípio. 

Vamos ver um exemplo?

Supondo que você comprou 1.000 ações ABCD4 por R$ 20,00 e os custos com a corretagem mais emolumentos somam R$ 150,00. Então, o valor médio será de R$ 20,15.

Depois, você as vendeu a R$ 25,00, com despesas de R$ 15,00.

Assim, basta multiplicar o total bruto, descontar os R$ 15,00 e dividir pelos 1.000 papéis.

Nesse caso, o preço médio de venda será R$ 24.985,00. 

O lucro da operação será de R$ 4.985,00 e o imposto retido da fonte, para uma venda comum, será de R$ 1,25.

Para verificar, é só multiplicar 25*0,00005*1000 = 1,25. Já o tributo a ser declarado é de R$ 747,75. 

Como você pode ver, esta etapa é bastante detalhada e deve ser feita para cada ação que você operou no ano de referência do IR 2020. 

Lembre que qualquer erro de digitação ou falta de informação pode comprometer toda a sua declaração. 

3. Baixar o programa do Imposto de Renda

A próxima etapa é a mais simples, que é baixar o software do IR 2020. Quando disponível, você o encontrará neste link para download.

Tenha o cuidado de clicar na opção 2020 e escolher Download do Programa.

Depois de concluído, você está pronto para começar a usar.

4. Preencher os dados das operações isentas

Aberto o programa, vamos dar início ao preenchimento das informações.

Para declarar ações no IR 2020, você pode começar pela parte mais simples, que são as movimentações isentas de Imposto de Renda. 

Veja como declarar dividendos no IR 2020, passo a passo: 

  1. Entre na opção “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”
  2. Vá até o campo “05. Lucros e dividendos recebidos pelo titular e pelos dependentes”
  3. Clique na opção “Novo”
  4. Informe se você é o titular ou dependente. Assim como, o valor e a companhia que pagou os dividendos
  5. Repita o procedimento para cada uma das ações que você tem na carteira 
  6. Por fim, clique em OK.

Já para declarar as vendas mensais abaixo de R$ 20 mil, as etapas são as seguintes:

  1. Selecione o campo “20. Ganhos líquidos em operações no mercado à vista negociadas em bolsas de valores…”
  2. Clique em “Novo” 
  3. Informe o tipo de beneficiário e o valor final 
  4. Repita o processo para cada uma das vendas mensais abaixo de R$ 20 mil
  5. Depois de inserir todas as ações, clique em OK.

5. Informar as operações sujeitas à tributação

Aqui, entra a maior parte das negociações.

Vamos começar pela mais simples, que é a declaração dos Juros sobre Capital Próprio (JCP).

Siga estes passos:

  1. Entre no campo “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva”
  2. Escolha a opção “10. Juros sobre capital próprio”
  3. Informe o titular, o CNPJ da fonte pagadora e o valor recebido
  4. Faça isso para todas as ações, das quais, você recebeu JCP
  5. Por fim, clique em OK.

Agora, vamos declarar as vendas que superaram R$ 20 mil e as operações de Day Trade.

Vale saber que esta última está sujeita à alíquota de 20%, independente do valor movimentado. 

Além disso, você deve calcular o valor do Imposto de Renda e fazer o pagamento através de uma DARF até o último dia útil do mês.

Com esses comprovantes em mãos, basta preencher a sua declaração.

Confira o passo a passo:

  1. Escolha a opção “Operações Comuns/Day Trade”
  2. Informe o valor do lucro ou prejuízo obtido em cada mês, conforme a sua planilha. Separe-os em operações comuns e Day Trade
  3. No campo referente à janeiro, verifique se há prejuízos para compensar de dezembro de 2018. Se houver, preencha o valor deles em “Prejuízos a compensar”. Esses prejuízos são informados com o sinal negativo – por exemplo, -300,50
  4. Ao finalizar cada mês, vá até “Consolidação do Mês” e verifique se a alíquota foi calculada corretamente no campo “Imposto a pagar” e informe o valor pago na DARF em “Imposto pago”
  5. Para compensar o IR retido na fonte, você deve colocá-lo em “IR fonte (Lei nº 11.033/2004) no mês”. Para o Day Trade, ele é lançado em “IR fonte Day-Trade no mês”
  6. Ao finalizar todo o preenchimento, vá até o mês de dezembro e verifique o total de IR retido na fonte. Aqui, constará todo o retido do ano. Assim, faça a soma dos recolhidos nas vendas acima de R$ 20 mil e dos Day Trades e informe em “Imposto Pago/Retido” no campo “3. Imposto sobre a renda na fonte (Lei nº 11.033/2004)”
  7. Repita o processo para todas as operações que entram nesta classe.

Se, em algum dos meses, você não realizou Day Trade ou vendeu abaixo de R$ 20 mil, informe 0,00 nos campos.

Para a venda abaixo de R$ 20 mil, siga o procedimento anterior, descrito na etapa 4. 

6. Informar à Receita sobre as suas ações

Chegamos à ultima etapa sobre como declarar ações no IR 2020.

Utilize o Informe de Rendimentos fornecido pela sua corretora para verificar a sua posição em 31/12/2018 até 31/12/2019.

Depois, é só seguir estas etapas:

  1. Escolha a opção “Bens e Direitos”
  2. Adicione a sua ação com o código “31 – Ações”
  3. Informe discriminação – por exemplo, 800 ações PN de Petrobras (PETR4) adquiridas em 10/10/2018
  4. Preencha a sua posição em 31/12/2018 e em 31/12/2019
  5. Faça o mesmo procedimentos com cada uma das suas ações.

Na especificação, você deve informar, quando houver, vendas parciais e compras de mais ações. Não se esqueça de colocar a data de cada operação. 

Antes de enviar a sua declaração do IR 2020, revise se todos os dados estão corretamente digitados e se os impostos foram calculados corretamente. 

Imposto de Renda sobre compra e venda de ações

Homem sentado mexendo no computador. Palavra-chave de referencia: declarar ações ir.
Conheça as alíquotas e isenções dos investimentos da bolsa de valores

De acordo com a Receita Federal, se você realizou a compra e/ou venda de ações, a declaração do Imposto de Renda é obrigatória

Independentemente se a operação tenha gerado lucro ou prejuízo, você precisa prestar contas ao Fisco. Caso contrário, pode ter problemas, como cair na malha fina e pagar multas de 0,33% ao dia, mais o juro mensal próximo da taxa Selic.

Sem contar que a sonegação de impostos é crime, passível de multas de até 300% e reclusão de 2 a 5 anos.

Como todo investidor preparado, você deve fazer a sua parte e declarar ações no IR 2020. 

Em todos os casos, a tributação é de 15% do total recebido com Juros sobre Capital Próprio (JCP).

As vendas mensais de ações com valores acima de R$ 20 mil também têm incidência de Imposto de Renda sobre os lucros – a alíquota é de 15%. Já no Day Trade, ela é de 20%.

Abaixo dessa quantia, você está isento. 

De toda forma, a Receita Federal recolhe 0,005% nas vendas comuns e 1% do rendimento obtido no Day Trade como forma de fiscalizar as atividades dos investidores.

Esse imposto retido também é conhecido como “dedo-duro”. 

Se você deixar de declarar ações no IR 2020, o Fisco pode utilizar essa alíquota como prova das suas movimentações na bolsa de valores

O lado positivo é que, ao fazer a sua declaração, o valor é restituído. Então, esse é mais um motivo para você cumprir a sua parte. 

No Day Trade, o pagamento do Imposto de Renda deve ser feito mensalmente, até o último dia útil do mês. Caso a operação resulte em prejuízo, o IR poderá ser compensado com os lucros do próximo mês. 

Como calcular o imposto de renda sobre ações?

Como dito, é fundamental que você mantenha total controle sobre as compras e vendas no mercado de renda variável.

Assim, fica muito mais fácil declarar o seu IRPF 2020.

A fórmula para calcular o IR sobre as ações não é complexa, mas deve ser feita com cuidado para evitar problemas com o Fisco.

Depois de levantar todas as informações necessárias, você precisa fazer a apuração.

Lembre-se: a tributação é calculada a partir do preço médio de compra e venda das ações. 

Day Trade

Se você é day trader, o seu cálculo e alíquotas são diferentes.

Confira as etapas:

  1. Verifique se houve lucro ou prejuízo
  2. Em caso de lucro, a alíquota é de 20%, descontadas as taxas e corretagem pagas. No dia da operação, a corretora já retém 1% do lucro como forma de sinalizar para a Receita Federal que você deve recolher os outros 19%
  3. Em caso de prejuízo, anote este valor para descontar quando houver lucro. 

Operações de Swing e Position

Sempre que a compra ou venda acontecer em dias diferentes, utilize o passo a passo abaixo:

  1. O valor total da venda de ações excedeu R$ 20 mil? Caso sim, você está sujeito à alíquota de 15%, descontadas as taxas e corretagens pagas à corretora
  2. Calcule o valor total das ações vendas no período de 30 dias
  3. A corretora sempre retém 0,005% do valor das vendas, como forma de sinalizar para a Receita Federal que você deve pagar o imposto
  4. Se houver prejuízo, anote o valor para abater de seu lucro em outros meses.

7 Dúvidas Sobre Como Declarar Investimentos no Imposto de Renda 2020

Mulher sentada com um bloco de notas na mão pensativa. Palavra-chave de referencia: declarar ações ir.
Esclareça os seus questionamentos sobre o IR agora mesmo

Você ainda tem dúvidas sobre como declarar investimentos no Imposto de Rendas 2020?

Isso é perfeitamente comum, em especial se esta é a sua primeira vez. 

Para ajudar a sanar qualquer questionamento, respondemos as perguntas mais comuns abaixo.

Confira!

1. Quem é obrigado a entregar a declaração do IR 2020? 

De acordo com a Receita Federal, a declaração é obrigatória a quem teve rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.123.91 em 2019.

Essa é a regra que abrange o maior número de brasileiros obrigados a acertar as contas com o Leão.

Agora, especificamente quanto a investidores, a exigência se estende a quem:

  • Fez movimentações na bolsa de valores
  • Recebe rendimentos isentos acima de R$ 40 mil no ano em investimentos + indenizações, seguro-desemprego, etc.
  • Possui mais de R$ 300 mil em bens, como imóveis, veículos e investimentos.

2. O que é a malha fina? 

A malha fina representa os contribuintes que estão com informações desencontradas no Fisco.

No processamento dos dados, a Receita faz o cruzamento do que você informou com as suas movimentações financeiras. 

Em casos de divergência, você cai na malha fina e é notificado a apresentar os comprovantes do que foi colocado na sua declaração do IR 2020. 

3. Como saber se caí na malha fina e o que fazer? 

Em 2019, a Receita Federal revelou que 700 mil contribuintes caíram na malha fina, o que representa 2,13% do total de declarações apresentadas.

Entre as causas principais estão: 

  • Omissão de rendimentos do titular ou seus dependentes (35,6%)
  • Inconsistência na dedução de despesas médicas (25,1%)
  • Divergências entre o Imposto de Renda Retido na Fonte informado na declaração e o informado pela fonte pagadora (23,5%)
  • Problemas na dedução de previdência oficial ou privada, dependentes, pensão alimentícia e outras (12,5%).

Depois que você transmitir as informações e assim que a Receita processa a sua declaração, ela já informa a sua situação.

Se estiver em “Pendência“, você caiu na malha fina. A consulta é feita diretamente no site do IR ou pelo aplicativo de celular com os seus dados de acesso. 

Se for o caso, você deve fazer o agendamento online para comparecer na sede da Receita Federal mais próxima. Leve todos os comprovantes utilizados na sua declaração do IR. 

4. Como consultar a restituição do IR?

Ao declarar seu IR 2020, há duas situações possíveis:

  1. Você teve mais imposto retido em 2019 do que devia de fato e, por isso, tem direito a ser restituído
  2. Você teve menos imposto retido em 2019 do que devia de fato e, por isso, deve pagar a diferença agora.

A situação da sua declaração é informada no momento da  transmissão, pois o cálculo é automático.

Se houver imposto a restituir, deve informar uma conta bancária da qual é titular.

A Receita Federal paga as restituições ao longo do ano por meio de lotes. Você pode conferir as datas no calendário divulgado pela instituição. 

Geralmente, quem entrega mais cedo, recebe primeiro. Então, se você quer receber logo a sua restituição, evite entregar a sua declaração em cima da hora. 

Lembrando que, em 2020, o governo federal prorrogou em 60 dias a data limite para entrega da declaração do Imposto de Renda, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Desse modo, o prazo final para o acerto de contas com o Leão é 30 de junho.

5. Há investimentos isentos de Imposto de Renda?

Sim, existem opções cujo rendimento não é afetado pelas alíquotas do IR.

Os investimentos que não sofrem tributação do Imposto de Renda são:

6. Como funciona o Imposto de Renda em 2020 sobre Day Trade de ações?

É importante esclarecer que não existe isenção de Imposto de Renda nas operações no Day Trade.

Seja qual for o valor movimentado, se houve ganho ou prejuízo, é preciso fazer a declaração e o acerto de contas com o Fisco.

Outro ponto importante é que, nesse tipo de operação, a alíquota será sempre de 20%.

Embora o IRPF seja uma declaração anual, o acerto com a Receita Federal é mensal.

Assim, o investidor deve gerar uma DARF até o último dia útil do mês, utilizando o código 6015 (se for pessoa física) ou 3317 (se for pessoa jurídica).

Se não houve lucro, deve informar o prejuízo.

7. Como declarar prejuízo com ações no Imposto de Renda 2020?

O prejuízo com ações pode ser compensado no cálculo do Imposto de Renda, considerando eventual lucro tributável em futuras operações.

Para isso, é necessário informar o resultado negativo na aba “Renda Variável”, no item “Operações Comuns/Day-Trade”.

No quadro “Mercado à Vista”, digite o valor da venda do ativo com sinal negativo (-).

Você vai perceber que, automaticamente, o sistema vai copiar o valor na linha “Prejuízo a Compensar”, que aparece no quadro “Resultados”.

Conclusão

como declarar acoes ir conclusao
Esteja em dia com o Leão e faça o seu patrimônio crescer, investindo da forma certa

Saber como declarar ações no IR 2020 é muito importante para o seu patrimônio.

Mesmo que seja uma atividade detalhada e que demanda tempo, você deve fazê-la para evitar problemas com a Receita Federal. 

Esqueça a história de que vai passar despercebido. Hoje, todas as movimentações financeiras são registradas e facilmente acessadas pelo Fisco. 

Então, a possibilidade de cair na malha fina do Imposto de Renda e pagar multas é alta. Estar nesta situação, muitas vezes, é uma questão de escolha. 

Tenha em mente que fazer a declaração do Imposto de Renda é um bom sinal. Ela mostra que a sua vida financeira está muito bem, principalmente em relação aos seus investimentos. 

Caso você não tenha muito tempo disponível ou dúvidas sobre como declarar ações no IR 2020, peça ajuda profissional.

Aqui na Rico, você também pode contar com a Calculadora de IR. Esta ferramenta é muito útil para a apuração dos lucros. 

Além disso, disponibilizamos o seu informe de rendimentos, que facilita muito na hora de prestar contas ao Leão.

Para ter acesso a estas vantagens, o primeiro passo é a abrir a sua conta. Aproveite e faça agora mesmo!

Este artigo foi útil para você? Então, deixe um comentário. 

Aprenda mais sobre Imposto de Renda e investimentos com esses outros artigos do nosso blog:

Obrigado por ler até aqui!


março 30, 2020

Imposto de Renda sobre investimentos: Como declarar?  

Entender como é cobrado o Imposto de Renda sobre investimentos é fundamental para fazer seu dinheiro render de verdade.

Assim, você escolhe os caminhos certos para suas aplicações e fica por dentro do que acontece no mercado.

Neste artigo, você vai conhecer como funciona o Imposto de Renda sobre investimentos em 202o para pessoas físicas e pessoas jurídicas.

Além disso, veremos como ocorre a tributação em diversos tipos de investimentos.

Durante a leitura, você vai descobrir:

  • Quais Investimentos Têm Tributação do Imposto de Renda 2020?
  • Como Declarar Investimentos no IR 2020
  • Quais Investimentos São Isentos do Imposto de Renda?
  • O Imposto de Renda Sobre Investimentos Incide Sobre o Montante ou Juros? [Tabela Atualizada 2020]
  • IR Sobre Investimentos Para Pessoa Física e Jurídica
  • Dúvidas Frequentes Sobre o IR sobre Investimentos em 2020.

Antes de mais nada, é muito importante saber que você não precisa necessariamente declarar seus investimentos no Imposto de Renda.

Você só é obrigado a declarar o ajuste de renda anual se os seus rendimentos (salários e rentabilidade de investimentos) forem maiores que R$ 40.000 ao ano.

Você também é obrigado se o total dos seus bens (aplicações, casa, carro) ultrapassarem R$ 300.000. Caso contrário, não precisa se preocupar com o IR.

Se for o caso, em 2020, o governo prorrogou o prazo de entrega da declaração do IR em razão da pandemia do novo coronavírus. Anote aí a data limite: 30 de junho.

Com este texto, queremos apresentar a você novos caminhos interessantes para seu bolso, seja você um investidor frequente ou alguém que está querendo aprender mais sobre esse mundo, fugindo das tradicionais opções de conta-corrente e poupança.

Afinal, o rendimento real da poupança em 2019 foi negativo: -0,05%. Não dá para perder dinheiro por descuido, não é mesmo?

Boa leitura!


Quais Investimentos Têm Tributação do Imposto de Renda 2020?

Uma mesa com várias moedas e um relógio de mesa, em referência à declaração do imposto de renda sobre investimentos
A tributação do Imposto de Renda sobre investimentos depende do período de aplicação.

Os fundos de investimentos são classificados em quatro categorias e a tributação dependerá do período no qual o investidor permaneceu na aplicação.

Para efeitos de cálculo, usa-se a chamada tabela regressiva de Imposto de Renda. Nela, quanto maior for o período de aplicação, menor é a retenção do imposto.

No Brasil, estão entre os investimentos preferidos a poupança,  as letras LCI/LCA, o CDB e o Tesouro Direto.

Tanto a poupança quanto LCI/LCA são isentos de impostos, já os demais têm cobranças conforme a tabela regressiva.

Existem quatro tipos de fundos de investimento, que são divididos de acordo com o período de permanência em cada um deles.

Confira:

1. Fundos de ações

Em geral, os fundos de ações são os que oferecem menor tributação para o investidor, já que a alíquota é fixa em 15% –  independentemente do período da aplicação – e cobrada apenas no momento de resgate dos valores, sobre o montante bruto obtido.

Esses fundos têm esse nome porque, para se encaixar nessa categoria, precisam manter no mínimo dois terços (67%) de seus recursos em ações na Bolsa de Valores.

2. Fundos de curto prazo

Fundos de curto prazo são aqueles cujos prazos têm duração média de no máximo 1 ano

O Imposto de Renda sobre essas aplicações financeiras é considerado de acordo com as seguintes alíquotas:

  • Se o tempo de duração for de até 180 dias, a alíquota é de 22,5%
  • Agora, se a duração for maior do que 180 dias, a alíquota é de 20%.

Portanto, a alíquota mínima é de 20%. Ou seja, mesmo que o tempo de aplicação seja maior do que um ano, essa porcentagem se mantém a mesma.

3. Fundos de longo prazo

Os fundos de longo prazo têm duração média igual ou superior a um ano.

A alíquota é variável conforme o período de aplicação, seguindo as regras abaixo:

  • Até 180 dias = alíquota de 22,5%
  • De 181 a 360 dias = alíquota de 20%
  • De 361 a 720 dias = alíquota de 17,5%
  • Acima de 720 dias = alíquota de 15%

Assista ao vídeo abaixo para entender ainda mais sobre o impacto do Imposto de Renda nos investimentos de longo prazo:

4. Fundos imobiliários

Os fundos imobiliários têm regulamentação um pouco diferente daqueles que vimos acima.

Eles são classificados como renda variável e por isso, são calculados e recolhidos pelo próprio investidor.

Recolhimento do IR e “come-cotas”

O Imposto de Renda sobre investimentos é recolhido no último dia útil dos meses de maio e novembro, em um sistema denominado informalmente de come-cotas.

Nos fundos de investimento em ações, não há come-cotas.

O come-cotas ganhou esse nome porque reduz o número de cotas detidas pelo investidor no fundo.

Na prática, é como se o Governo Federal realizasse um resgate parcial do seu investimento, a título de recolhimento do IR.

Para esse recolhimento é sempre utilizada a menor alíquota de cada tipo de fundo: 20% para fundos de tributação de curto prazo e 15% para fundos de tributação de longo prazo.

Assim, a cada 6 meses, os fundos automaticamente deduzem esse Imposto de Renda dos cotistas, em função do rendimento obtido no período.

Além disso, no momento do resgate da aplicação pelo investidor, se for o caso, será feito o recolhimento da diferença de alíquota, de acordo com o prazo de permanência desse investimento no fundo.

Clique e abra sua conta na RIco

Como Declarar Investimentos no IR 2020

Contas sobre a mesa com várias pilhas de moedas sobre elas, em referência ao imposto de renda sobre investimentos
Em geral, a declaração de investimentos no Imposto de Renda é muito simples.


Em muitos casos,  o Imposto de Renda já é retido na fonte no momento da retirada.

Quando isso não acontece, é preciso apresentar os dados na declaração anual de ajuste junto ao Fisco.

Em 2020, excepcionalmente, o governo federal prorrogou a data limite para entrega da declaração em 60 dias, definindo o dia 30 de junho como prazo final para o acerto de contas com o Leão.

Para preencher a sua, fique ligado: os bancos e instituições financeiras são responsáveis por mandar no final do ano para os investidores o informe de rendimentos com os dados que o investidor deve colocar na  declaração do Imposto de Renda.

Normalmente, o documento está disponível no internet banking do banco ou no home broker da corretora.

Na Rico, por exemplo, você encontra o informe na seção Imposto de Renda, no menu à esquerda, como mostra a imagem abaixo:

imposto-de renda-sobre-investimentos-rico-2020
Informe de Rendimentos na plataforma Rico – Tela capturada em 07/02/2020

Neste informe, estão detalhadas todas as aplicações que você possui na corretora.

Elas estão separadas em dois grupos: aplicações isentas de imposto (poupança, LCA, LCI, CRA, CRI, debêntures incentivadas) e sujeitas à tributação exclusiva na fonte (tesouro direto, fundos de investimento em geral, CDBs e RDBs).

Você também irá informar os valores nas fichas da declaração de forma separada, de acordo com os dois grupos que vamos ver agora.

Passo a Passo: Como declarar investimentos de renda fixa

Investimentos de renda fixa sempre precisam ser declarados, como CDB, LCI e títulos públicos. 

Para começar, o primeiro passo é baixar o programa (quando disponível) e informar quanto você investiu.

declarar imposto de renda

Siga o guia abaixo:

  1. Clique em ‘Bens e Direitos’
  2. Caso queira declarar LCI/LCA, vá ao campo ‘Código‘ e escolha o item ’45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)’. Se quiser declarar investimentos na poupança, selecione ’41 – Caderneta de Poupança’.
  3. Depois, na área ‘Discriminação‘, fale sobre o tipo de produto que adquiriu, incluindo o nome e o CNPJ da instituição onde o seu investimento foi feito
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2018‘, insira o preço de aquisição relatado na declaração de IR de 2016 ou deixe em branco, caso não tenha investido nesse ano, conforme seu Informe de Rendimentos
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2019‘, informe o saldo do investimento nessa data. Mais uma vez, preencha segundo os dados do seu Informe de Rendimentos
  6. Repita o processo para todos os seus investimentos em renda fixa.

Feito isso, você deve informar o quanto conseguiu em rendimentos:

  1. Escolha a opção ‘Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva
  2. Selecione o ‘item 6 – Rendimento de aplicações financeiras’
  3. Clique em novo
  4. No campo ‘Tipo de beneficiário‘ deixe ‘Titular’ (caso você mesmo tenha realizado a aplicação)
  5. Na área de ‘CNPJ da Fonte Pagadora‘ insira o CNPJ da corretora ou banco
  6. No campo ‘Valor’, coloque a soma total dos seus rendimentos de Tesouro Direto recebidos pela Corretora ou Banco (mesmo que estejam fragmentados no informe).

Passo a passo para declarar rendimentos de aplicações tributadas

Caso tenha existido o resgate ou o vencimento de algum título, o rendimento total de aplicações em renda fixa precisa ser declarado já com o desconto de taxas e impostos na aba “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”.

Então, clique em “Novo” e selecione o item “06 – Rendimentos sobre Aplicações Financeiras”. 

Clique em “Novo”, procure o item “06 – Rendimentos sobre Aplicações Financeiras”. O próximo passo é acrescentar suas informações iguais as que constam no seu informe de rendimentos.

Confirme os dados e repita esse mesmo procedimento procedimento para cada título de renda fixa que você possui.

Passo a passo para declarar renda variável (ações e fundos imobiliários, por exemplo)

Para declarar ações, você deve verificar se a quantidade de papéis referentes a mesma  empresa totaliza um valor acima de R$ 1.000.

Você também precisa informar sobre compra e venda de ações, seus ganhos e perdas, além dos rendimentos gerados durante o ano de referência (2018/2019). Confira como fazer:

  1. Acesse ‘Bens e Direitos’
  2. Na área ‘Código‘ escolha o item ’31 – Ações (inclusive as provenientes de linha telefônica)’
  3. No campo ‘Discriminação‘, insira um descritivo como esse “Ações: Nome da empresa, CNPJ 99.999.999/0001-99. Nome das corretoras. Quantidade de ações: 999”
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2018‘, informe a posição acionária em reais na data
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2019‘, informe a posição acionária em reais na data
  6. Se necessário, repita o processo para declarar investimentos em ações de outra empresa

Fique atento ao preenchimento do campo situação:

  • Se você comprou os papéis em 2019, você deverá informar zero no primeiro campo. Se vendeu todos em 2019, o valor informado no segundo campo será zero.
    Se a sua posição acionária foi a mesma em todo o ano, informe os mesmos valores nos dois campos.
  • Os investimentos em ações devem ser declarados pelo seu custo de aquisição (e não pela valorização ou desvalorização no ano)
  • O custo de aquisição é igual ao preço de compra da ação multiplicado pelo número de ações, mais as taxas, como corretagem e custódia. Por isso, o valor informado nas duas datas só vai mudar caso você tenha comprado mais ações ou vendido parte das suas ações.

Para mais detalhes sobre o assunto, veja neste outro artigo como declarar ações no Imposto de Renda.

Clique e abra sua conta na Rico

Quais Investimentos São Isentos do Imposto de Renda?

Um homem olhando para a frente com a mão no queixo com expressão pensativa, em referência à questão sobre o imposto de renda sobre investimentos
Alguns investimentos não têm cobrança de impostos, o que ajuda na sua rentabilidade.

 LCI (Letra de Crédito Imobiliário), LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) e Debêntures Incentivadas são exemplos de investimentos isentos de Imposto de Renda.

No entanto, isso não deve ser um fator decisivo no processo de escolha de ativos, já que outras variáveis influenciam o seu lucro final, como a rentabilidade do investimento.

Muitas vezes, um investimento que é tributado pode render mais do que um que não é.

Ou seja, a rentabilidade é tão alta que compensa a cobrança de IR.

Esse fator é importante porque o imposto incide exatamente sobre a rentabilidade e não sobre o valor total aplicado.

Portanto, tudo depende do seu objetivo e não existe aplicação boa ou ruim.

Veja a seguir mais detalhes sobre os melhores investimentos sem IR:

LCI (Letra de Crédito Imobiliário)

Trata-se de  um investimento de renda fixa.

A LCI é emitida por bancos para conseguir recursos do mercado e assim oferecer capital para empresas e pessoas do setor imobiliário.

A LCI funciona como um empréstimo de dinheiro. Nesse caso, é você que empresta ao banco.

Ele usa esse dinheiro para emprestar aos clientes e conseguir lucros. 

Em troca, o banco devolve o seu dinheiro corrigido por uma taxa de juros.

Por ser um investimento incentivado pelo governo, ele é isento de Imposto de Renda.

Essa aplicação normalmente tem um bom rendimento, mesmo se a Taxa Selic estiver em baixa.

Isso se deve também à isenção de impostos.

LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)

A única diferença do LCI para o LCA é que, em vez do banco utilizar o recurso captado no segmento imobiliário, ele usa para o agronegócio.

É um tipo de investimento conservador, com baixo risco de gerar prejuízo.

Mesmo sendo de baixo risco, você ainda tem o respaldo do Fundo Garantidor de Créditos (FGC) até o limite de R$ 250 mil por CPF ou CNPJ, por conjunto de depósitos e investimentos em cada instituição ou conglomerado financeiro, limitado ao teto de R$ 1 milhão, a cada período de 4 anos, para garantias pagas para cada CPF ou CNPJ.

Para mais informações sobre o FGC, acesse o site http://www.fgc.org.br.

Ou seja, caso ocorra algum problema, você tem a certeza de que pode recuperar o seu dinheiro.

Debêntures Incentivadas

As debêntures são títulos de dívida gerados por empresas (sociedades anônimas) de diversos setores – tanto de capital aberto quanto fechado.

O principal objetivo das debêntures é a captação de recursos para empresas.

Assim, como a LCI, as debêntures também são incentivadas pelo Governo e, por isso, possuem isenção de IR.

Além disso, esses títulos são emitidos por empresas que fazem uso do dinheiro captado para financiar projetos de infraestrutura.

Veja uma simulação de debênture incentivada:

  • Aplicação mínima: R$ 3.500
  • Rendimento: 6% + IPCA
  • Vencimento: 2059 dias
  • Valor final bruto: R$ 6.525,13
  • IR: sem incidência
  • Custo: zero
  • Valor final líquido: R$ 6.525,13.

O Imposto de Renda Sobre Investimentos Incide Sobre o Montante ou Juros? [Tabela Atualizada 2020

Moedas, uma calculadora e uma caneta sobre a mesa, em referência ao imposto de renda sobre investimentos
Entenda como ocorre a tributação do Imposto de Renda e use a tabela como um simulador do Imposto de Renda 2020.

O Imposto de Renda é cobrado sobre os juros decorrentes da aplicação e não sobre o valor aplicado inicialmente.

Ou seja, você será tributado em cima do valor que teve como resultado, e não sobre o que investiu no começo da aplicação.

Além disso, vale citar novamente que a cobrança ocorre segundo a tabela regressiva do IR, que é a seguinte:

  • Investimentos de até 180 dias = alíquota de 22,5%
  • De 181 a 360 dias = alíquota de 20%
  • De 361 a 720 dias = alíquota de 17,5%
  • Acima de 720 dias = alíquota de 15%.

Ou seja, quanto mais tempo você permanecer investindo, menor será a alíquota.

Então, é interessante que você busque investir no médio e longo prazo nas opções que possuem a incidência de IR, a fim de pagar menos imposto pelos seus investimentos.


IR Sobre Investimentos Para Pessoa Física e Jurídica

Pilhas de moeda sobre uma mesa Uma mão adiciona mais uma moeda, em referência ao imposto de renda sobre investimentos
Investir como pessoa física pode ser um bom caminho para o seu bolso.

É importante fazer a distinção entre as aplicações feitas como pessoa física e como pessoa jurídica.

Mesmo que você tenha uma empresa com capital para investir, em alguns caso,s pode ser mais vantajoso optar por fazer os investimentos por conta própria (pessoa física).

Confira como funciona o IR sobre investimentos para pessoas física e jurídica:

Renda Fixa

Como já destacamos, alguns investimentos apresentam isenção  Imposto de Renda sobre investimentos, como LCI, LCA, debêntures incentivadas, CRI e CRA, por exemplo.

Por conta disso, essas são as opções mais interessantes para pessoa física, já que a isenção não se mantém para pessoas jurídicas.

Fundos de investimento

Tanto a PF, quanto a PJ possuem o mesmo tratamento tributário.

Ações

A pessoa física possui isenção de pagamento de imposto desde que o volume de vendas dentro de um mesmo mês não ultrapasse o valor de R$ 20.000 (vinte mil reais).

Se ultrapassar, o investidor deve calcular o lucro e recolher o Imposto de Renda devido até o último dia útil do mês seguinte.

Já a pessoa jurídica não possui isenção de Imposto de Renda sobre investimentos e deve apurar o lucro sempre que encerrar alguma operação.

A PJ deve ainda recolher imposto de acordo com o regime tributário que a empresa está enquadrada:

  • 0231- IRPJ – Ganhos Líquidos Oper Bolsa – Lucro Pres/Arbitrado-Pag em separado
  • 3225 – IRPJ – Ganhos Líquidos Operações na Bolsa – Simples Nacional 9481 – IRPJ – Ganhos Líquidos Operações Bolsa – PJ isenta ou simples- Opção MP 16/01.

Dúvidas Frequentes Sobre o IR sobre Investimentos em 2020

A declaração de Imposto de Renda pode ser uma tarefa um tanto quanto complexa para quem não tem familiaridade com o assunto.

São diversas as leis e normas que determinam a isenção ou obrigatoriedade e você precisa estar a par para não cometer um erro.

E dentre as aplicações que precisam ser declaradas, fica a dúvida sobre como calcular o valor que precisa ser pago em IR e em qual momento fazer esse pagamento.

Em meio a tantas regras, é comum que algumas questões surjam.

Pensando nisso, reunimos abaixo as dúvidas frequentes de investidores em relação ao IR para que você possa entender, de uma vez por todas, como ter seus investimentos em dia com a Receita Federal. 

Quem recolhe IR em debêntures?

De maneira direta, a resposta para a pergunta é: depende do caso.

Hoje, existem no mercado dos tipos de debêntures: as incentivadas e as normais.

O primeiro grupo leva esse nome por contar com um incentivo do governo federal na forma de isenção da cobrança de IR.

Isso acontece porque são títulos voltados para o desenvolvimento da infraestrutura de áreas estratégicas do país, como o transporte.

No caso das debêntures normais, o IR é descontado do investidor no momento do pagamento dos juros.

A alíquota de arrecadação varia de papel para papel, mas, como a maioria das debêntures não tem vencimento menor do que cinco anos, o investidor poderá observar uma retenção de 15% sobre os seus rendimentos – que é a alíquota mínima do IR.

Qual a tributação do Tesouro Direto?

No caso do Tesouro Direto, a tributação incide sobre o total de rendimentos dos papéis em sua tutela.

A aplicação segue a mesma tabela regressiva sobre a qual já falamos, o que significa que a percentagem de IR devida diminui conforme a duração do seu investimento.

A menor tributação, de 15%, incide sobre títulos liquidados após 720 dias da data da compra – independente de terem vencido ou não.

Para aplicações que permaneceram entre 360 e 720 dias investidas, são cobrados 17,5% sobre o rendimento.

Os títulos que permanecem aplicados de 180 a 360 dias têm um desconto de 20% referente ao IR.

Por fim, para aplicação que dura de menos 180 dias, cobra-se a alíquota máxima, de 22,5%.

Qual a alíquota de IR sobre aplicação financeira?

No Brasil, o Imposto de Renda sobre aplicações financeiras é cobrado em alíquotas.

Isso significa que a o desconto da Receita Federal segue uma classificação pré-estabelecida e que leva em consideração a duração do seu investimento.

Chamada de Tabela Regressiva do IR, essa classificação indica a percentagem do rendimento que será retida como tributação.

Sua lógica de arrecadação parte de 180 dias até o prazo máximo de 720 dias.

Vamos recapitular?

  • Até 180 dias – 22,5%;
  • De 181 a 360 dias – 20%;
  • De 361 a 720 dias – 17,5%;
  • Acima de 720 dias – 15%.

Quem tem mais de R$ 50 mil na poupança paga imposto? 

A poupança é um investimento isento da cobrança de Imposto de Renda. Ou seja, independente do valor em conta, não paga imposto.

Mas isso não significa que quem tem dinheiro na poupança está livre da obrigação de declarar o valor.

Afinal, a regra é clara aqui.

Também precisam prestar contas com o Leão todos aqueles que:

  • Receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte (como a caderneta de poupança) em valor superior a R$ 40 mil.

Por isso, o saldo deve ser lançado na seção Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, na linha 12.

Mas atenção: o valor acima de R$ 40 mil é apenas declarado, não ocorrendo nenhuma cobrança de imposto sobre ele.

Como baixar e instalar o programa IRPF?

A cada novo ano, assim que disponível, o programa para baixar e instalar o programa do Imposto de Renda é encontrado no site da Receita Federal.

Além do acesso direto pelo link que informamos, você pode entrar no site e procurar a sessão destinada ao IR.

Depois, só precisa procurar o tópico de “download” do programa e baixar a versão desejada.

Você também pode baixar o aplicativo “Meu Imposto de Renda” no seu smartphone a partir da loja de aplicativos do seu sistema operacional.

Quais são os documentos necessários para declarar o IR?

É fundamental que você tenha todos os documentos necessários à mão para facilitar e otimizar o processo de declaração do seu Imposto de Renda.

Os documentos que você vai precisar são:

  • Documento de identificação com CPF e RG
  • Comprovante de endereço atualizado
  • Número do título de eleitor (opcional)
  • Número do recibo da declaração do ano anterior, se existir
  • Número de cadastro no INSS (PIS ou NIT) para contribuintes autônomos
  • Dados da conta bancária para recebimento da restituição de imposto, quando for o caso
  • Informes de rendimento: salarial, de investimentos e do banco
  • Comprovantes de recebimentos de outras rendas, como aluguel
  • Documentos que comprovam a compra e venda de bens e direitos
  • Documentos de dependentes
  • Informe de rendimentos e extrato de previdência privada
  • Comprovantes de despesas médicas
  • Documentação de imóveis e veículos
  • Informe de rendimentos da Previdência Social.

Quem deve apresentar as declarações de espólio? 

As declarações de espólio precisam ser apresentadas em nome da pessoa falecida, com as devidas indicações de seu número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), fazendo uso do código de natureza de ocupação relativo a espólio (81) deixando em branco o código de ocupação principal.  Tal apresentação precisa ser realizada pelo inventariante, indicando o seu nome, o seu número de inscrição no CPF e o seu endereço. 

Se, por um acaso, o inventário não tiver sido iniciado, todas as declarações devem ser apresentadas pelo cônjuge meeiro, sucessor a qualquer título ou por representante do de cujus.

O que pode ser abatido na declaração do Imposto de Renda?

Existem algumas despesas que podem ser abatidas do seu Imposto de Renda. Então, é fundamental que você as conheça:

Despesas com saúde: caso você ou seus dependentes tenham tido gastos com saúde, é possível incluir tais despesas em sua declaração, a fim de conseguir dedução na momento do pagamento do Imposto de Renda.

Aqui você pode incluir os gastos com dentista, plano de saúde, psicólogo, exames, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, hospital, entre outros.

E não se preocupe, pois as despesas com saúde não possuem um valor limite.

Despesas com educação: as despesas com educação formal também podem ser deduzidas do seu Imposto de Renda.

Essa categoria possui um limite de R$ 3.561,50 por pessoa.

É importante que você saiba que apenas gastos com educação formal podem ser descontados, como educação infantil (creche e pré-escola), ensino fundamental, ensino médio, educação superior (graduação e pós-graduação) e educação profissional (ensino técnico e tecnológico).

Dedução por dependentes: caso você tenha dependentes declarados no Imposto de Renda, você conta com uma dedução no imposto de R$ 2.275,08 por dependente.

Dedução do Imposto de Renda por pensão alimentícia: as pessoa que pagam pensão alimentícia podem ter o valor integral deduzido do IR. Essa regra vale apenas para o valor combinado em acordo judicial.

Dedução por previdência oficial e privada: trabalhadores que pagam o INSS mensalmente podem ter esse valor deduzido na hora de pagar o Imposto de Renda.

Caso você tenha um Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) ou um Fundo de Aposentadoria Programada Individual (Fapi), é possível obter uma dedução de 12% do imposto sobre os rendimentos do ano.

No caso do PGBL, essa dedução só é válida se você contribuir também para a previdência oficial.

O que é a restituição do Imposto de Renda?

Restituição do Imposto de Renda é a devolução do que foi cobrado a mais do contribuinte pela Receita Federal.

Ao declarar a sua renda, a Receita pode identificar, automaticamente, já no programa do IPRF, que você pagou um valor maior do que deveria.

Dessa forma, tem direito de receber por meio dessa restituição.

Tal verificação ocorre quando a Receita confere os valores que foram retidos na fonte, outros rendimentos, despesas e os gastos que são considerados passíveis de dedução.

Clique e abra sua conta na Rico

Como consultar a restituição do Imposto de Renda?

Para descobrir quando e quanto você vai receber o que foi pago a mais, você só precisa consultar a restituição do Imposto de Renda.

Além disso, também é possível verificar se há valores de outros anos liberados para você.

Para consultar o lote da restituição do Imposto de Renda, você precisa:

  • Entrar no site da Receita
  • Digitar o seu CPF
  • Informar o ano em que a declaração do Imposto de Renda foi feita
  • Digitar a sua data de nascimento
  • Clicar em “Consultar”

Conclusão

imposto de renda sobre investimentos cobranca
Nunca esqueça de considerar o Imposto de Renda em seus investimentos para maximizar os ganhos!

O Brasil é um país de carga tributária pesada, no entanto, não deixe a sua aversão aos tributos atrapalhar sua análise de investimentos.

Como vimos, existem aplicações que são isentas de impostos, como a LCI e a LCA.

Mas esses investimentos nem sempre superam outros títulos que possuem a incidência de impostos, como o CDB e o Tesouro Direto.

Continue aprendendo sobre os melhores investimentos através destes outros artigos do nosso blog:

Ao mesmo tempo, eles permitem a diversificação da sua carteira.

Você deve analisar as taxas de rentabilidade e custos que cada aplicação possui e confrontar essas informações com o seu perfil de investidor e com seus objetivos. 

Uma dica para avaliar o desempenho de um investimento é utilizar o nosso Simulador de Investimentos. Com ele, você saberá o quanto o seu dinheiro pode render no período desejado.

Caso tenha alguma dúvida sobre como declarar investimentos no Imposto de Renda 2020, não hesite em deixar o seu comentário.

Se você quiser ajuda para saber onde aplicar seu dinheiro neste ano, conte com nosso apoio!

Obrigado por ler até aqui e bons investimentos!


janeiro 31, 2018

Como Declarar Tesouro, CDB e Investimentos no IR  

Você sabia que errar na declaração de investimentos é um dos principais motivos para que contribuintes caiam na malha fina?

Saber como declarar CDBTesouro Direto e outros investimentos no Imposto de Renda é sempre uma dúvida, principalmente se você é iniciante.

Cada aplicação possui alíquotas diferentes e sujeitas à variação.

Deixar de cumprir essa tarefa pode prejudicar os seus ativos, porque haverá o pagamento de altas multas.

Alguns investimentos são isentos de tributos, então você precisa saber esta informação para evitar equívocos na hora de fazer a sua declaração. 

Para ajudar você no levantamento de dados para o Imposto de Renda de Pessoa Física (IR 2018), preparamos um guia completo, com exemplos, passo a passo e tudo o que você precisa saber para fazer a sua declaração com tranquilidade e segurança:

  • Quais investidores devem declarar o Imposto de Renda 2018?
  • O que é e quanto custa a multa da malha fina em 2018?
  • Quais investimentos precisam ser declarados?
  • Investimentos sem Imposto de Renda
  • Como declarar os investimentos no Imposto de Renda 2018
  • Qual o imposto sobre Tesouro Direto, CDB, Fundos de investimento e Outros?
  • Qual é a alíquota do Imposto de Renda sobre ações e como declarar?
  • Restituição do IR 2018
  • Como saber se você caiu na malha fina no IR 2018

Se você tiver qualquer dúvida, deixe um comentário no final da página. 

Que tal aprimorar os seus conhecimentos sobre investimentos e aprender dicas incríveis? Então confira neste outro artigo 21 livros que todo investidor precisa ler 

Boa leitura! 

Todos os Investidores São Obrigados a Fazer o IR 2018?

Uma mulher fazendo cálculos em uma calculadora enquanto está sentada à mesa, em referência à como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda
Descubra se você é um dos investidores obrigados a declarar

Para saber se você é um dos investidores que deve declarar o Imposto de Renda, vamos verificar as regras da Receita Federal

Basicamente, elas partem de três questões:

  • Você teve atividades na bolsa de valores?
  • Possui mais de R$300 mil em bens como casa, carro + investimentos?
  • Recebeu rendimentos isentos acima de R$40 mil anual em investimentos + indenizações, seguro-desemprego e etc?

Em todos esses casos, você é obrigado a calcular seus ganhos, perdas e declarar tudo, sem esquecer de qualquer detalhe, para o Fisco.

A Receita Federal ainda não divulgou as datas de disponibilização do programa e das entregas das declarações. 

Acompanhe as notícias divulgadas no site do órgão para saber os períodos exatos.

Declarar o seu Imposto de Renda não é algo ruim. Na verdade, ele demonstra que a sua vida financeira vai muito bem, principalmente se esta é a primeira vez que você precisa fazer isso. 

Então, podemos dizer que 2017 foi um excelente ano, em que você conseguiu rendimentos e ganhos expressivos. 

Se você é obrigado a fazer a declaração por ter feito investimentos que possuem atividade na bolsa de valores, de futuros, de mercadorias e semelhantes é sinal que você diversificou a sua carteira de investimentos.

No entanto, ao ser enquadrado em uma das condições de obrigatoriedade, todos os investimentos devem ser declarados. Confira na íntegra:

  1. Recebeu rendimentos tributáveis como salários ou aluguéis acima de R$ 28.559,70.
  2. Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte acima de R$ 40.000,00,por exemplo o seguro-desemprego, indenizações trabalhistas, rendimentos de poupanças, LCI, CDB e Tesouro Direto.
  3. Teve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas.
  4. Optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja destinado à aplicação na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda.
  5. Obteve receita bruta de atividade rural com valor superior a R$ 142.798,50 ou pretende compensar prejuízos de anos anteriores.
  6. Teve, em 31 de dezembro de 2017, a posse ou a propriedade de bens ou direitos (imóveis, investimentos, veículos, terrenos) de valor total superior a R$ 300.000,00.
  7. Passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro de 2017.

Todas essas condições se aplicam ao ano base de 2017 (janeiro a dezembro). E caso você se enquadre em qualquer uma delas, não deixe para fazer sua declaração na última hora.

Quem é Isento do IR 2018?

A isenção da declaração do IR 2018 se estende para todos as pessoas que não se enquadram nos critérios citados acima, por exemplo, seus rendimentos até 31 de dezembro de 2017 foram de R$ 28 mil, você está isento. 

Então, para saber se você precisa ou não pagar os devidos impostos, basta avaliar as suas movimentações financeiras entre 31/12/16 e 31/12/17. 

Além disso, as empresas costumam entregar o resumo dos rendimentos dos funcionários, caso seja necessário declarar o IR 2018.

Todos os custos também são deduzidos, assim fica mais fácil para você mesmo preencher os dados no programa da Receita Federal. 

Para os investimentos, as corretoras disponibilizam os resumos com todas as informações necessárias da sua movimentação financeira.

Então, não deixe de conferir esses informativos ou de solicitá-los juntamente à instituição responsável. 

Clique e abra sua conta grátis!

Declaração De Investimentos no Imposto de Renda: Evite a Malha Fina

Um homem sorridente olhando para a frente com uma calculadora na mão, enquanto está sentado à mesa, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda
Não omita nenhum dado e confira todos os números para evitar erros.

A malha fina representa o envio da sua declaração para a fiscalização. Para evitá-la, é preciso ter muita atenção na emissão do documento.

Então, confira cada informação inserida no programa, nunca omita receitas ou declare despesas que não aconteceram.

O Fisco recebe informações de diversas fontes como bancos, administradoras de cartões, fontes de salários, cartórios de imóveis e etc.

Então, com o cruzamento do que você informou e os dados que a Receita recebeu, podem surgir inconsistências. 

Por isso, é imprescindível que você seja 100% honesto, pois se os dados não fecharem, você pode ser convocado a apresentar documentos e justificar os valores. Caso não tenha como comprovar as informações, você estará sujeito ao pagamento de multas.

Se você já enviou a sua declaração e houver algum erro, é possível fazer a retificação a qualquer momento. 

747 Mil Declarações Caíram na Malha Fina no IR 2017

De acordo com a Receita Federal, das 28,5 milhões de declarações do Imposto de Renda 2017 recebidas, 747 mil caíram na malha fina. 

Esse número representa cerca de 2,6% do total entregue. Em relação à 2016, houve a queda de 3,0%, o que é algo positivo. 

Destes 747 mil, os motivos mais recorrentes foram: 

  • Omissão de rendimentos do titular ou de seus dependentes;
  • Divergências entre o IR informado na declaração e o colocado na DIRF;
  • Irregularidades na dedução de previdência, dependentes, pensão alimentícia ou despesas médicas.

Para saber se você caiu na fina para o IR 2018, basta acessar ao site da Receita Federal durante o período das restituições. 

Se a sua declaração estiver em situação de “pendência”, você, de fato, precisará comprovar as suas informações financeiras. 

A comprovação é feita diretamente na Receita Federal da sua cidade ou região. Para isso, há um agendamento online para a entrega presencial dos documentos. A divulgação das datas costuma ser em janeiro no próximo ano. 

Investimentos Isentos do Imposto de Renda 2018 

Papéis, caneta, um óculos e calculadora dispostos sobre uma mesa, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda
Muita atenção aos tipos de investimento e suas alíquotas!

Todo investimento é um bem. Assim, todos eles precisam constar na sua declaração, mesmo os que não são isentos. 

A sua corretora ou banco é obrigada a fornecer um Informe de Rendimentos. Nesse documento, você terá todas as informações que precisam ser fornecidas ao Fisco.

Aqui na Rico, você pode contar com a nossa Calculadora de IR para investimentos. Assim, você não precisa passar trabalho com a digitação e revisão dos dados. 

Esse serviço possui um pequeno custo, mas também pode ser considerado como um investimento se quer evitar uma surpresa como, uma multa ou uma notificação. 

Confira quais investimentos sofrem tributação do IR e quais são isentos:

Todas as alíquotas de IR são APENAS sobre o seu rendimento, ou seja, aporte inicial investido está protegido. 

Confira as tabelas abaixo e conheça quais são os investimentos tributáveis e os isentos. Saiba também onde você deve informá-los na declaração:

Tabela de Investimentos Tributáveis

INVESTIMENTOALÍQUOTA DE IRONDE INFORMAR
Ações (ganho de capital acima de R$ 20 mil ou day trades)15% sobre o lucroDemonstrativo de Renda Variável
Fundos de InvestimentoDe 22,5% a 15% (regressiva)Rendimentos Sujeitos a Tributação Exclusiva/Definitiva (linha 6)
Fundos de Ações15% sobre o lucroDemonstrativo de Renda Variável
Tesouro DiretoDe 22,5% a 15% (regressiva)Rendimentos Sujeitos a Tributação Exclusiva/Definitiva (linha 6)
CDBsDe 22,5% a 15% (regressiva)Rendimentos Sujeitos a Tributação Exclusiva/Definitiva (linha 6)
Previdência privada (PGBL)Progressiva ou regressiva. Incide sobre valor totalPagamentos Efetuados, código 36 (Previdência Complementar)
Previdência privada (VGBL)Progressiva ou regressiva. Incide sobre rendimentosBens e Direitos, código 97


Tabela com Investimentos Isentos do IR

INVESTIMENTOONDE INFORMAR
LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio)Rendimentos Isentos e Não Tributáveis (linha 8)
PoupançaRendimentos Isentos e Não Tributáveis (linha 8)
CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) Rendimentos Isentos e Não Tributáveis (linha 24 – Outros)
Ações (ganho de capital em papéis até R$ 20 mil)Rendimentos Isentos e Não Tributáveis (linha 18)

Imposto sobre Renda Fixa: Tesouro Direto, CDB e Fundos de Investimento 

Um homem em frente a uma parede branca mexendo no celular com uma expressão feliz, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda.
Você não precisa declarar caso os seus investimentos não tenham passado da cota de obrigatoriedade.

Tesouro Direto, Certificados de Depósito Bancário (CDB) e Fundos de Investimentos têm uma tributação regressiva de acordo com o tempo de aplicação, que segue a tabela abaixo:

Prazo

Alíquota (%)

Até 180 dias

22,5

De 181 a 360 dias

20,0

De 361 a 720 dias

17,5

Acima de 720 dias

15,0

Tabela da alíquota regressiva do Imposto de Renda – Fonte: Receita Federal

Ou seja, quanto mais tempo o seu dinheiro estiver aplicado, menor será a alíquota do IR. 

O IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) também pode ser cobrado, caso você solicite o resgate das aplicações antes de 30 dias. O percentual começa em 96% no 1º dia até 0% no 30º dia.

Vamos utilizar um exemplo de que você tem R$ 1.000,00 investidos no Tesouro Direto. Depois de seis meses, o montante rendeu R$ 50,00.

Então, o Imposto de Renda será de 22,5% sobre este valor, ou seja, você terá que declarar R$ 11,25. 

Agora, vamos considerar que esta mesma quantia de R$ 1.000 está investida por três anos e rendeu R$ 800,00. 

Assim, a alíquota do Imposto de Renda cai para 15% destes R$ 800,00. O valor a ser pago e declarado será de R$ 120,00. 

Viu como o tempo de aplicação faz a diferença nos seus retornos?

Se você quer diminuir os custos dos seus investimentos e obter mais lucros, o ideal é mantê-los na sua carteira até a data do vencimento. 

Clique e abra sua conta grátis!

Como Declarar Tesouro Direto, CDB e Fundos de Investimentos no Imposto de Renda 2018

Uma mulher feliz olhando para a tela do notebook, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda
Conheça o passo a passo completo para declarar as suas aplicações

Todos os seus investimentos de renda fixa precisam ser declarados: CDB, LCI, LCA, LC, Títulos públicos e etc. Para fazer isso, baixe o programa e informe o valor investido com o nosso passo a passo: 

  1. Acesse ‘Bens e Direitos’
  2. No campo ‘Código‘ selecione o item ’45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)’
  3. No campo ‘Discriminação‘, descreva o tipo de produto que adquiriu, o nome e CNPJ da instituição onde o seu investimento foi feito
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2016‘, digite o preço de aquisição relatado na declaração de 2016 ou deixe em branco, caso não tenha investido neste ano de referência, como consta no seu Informe de Rendimentos
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2017‘, digite o saldo do investimento nessa data, exatamente como o mostrado no seu Informe de Rendimentos
  6. Repita o processo para cada um dos seus investimentos de renda fixa, com a nomenclatura que consta no seu Informe de Rendimentos

Agora, é preciso informar quanto você conseguiu em rendimentos:

  1. Acesse ‘Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva
  2. Selecione o ‘item 6 – Rendimento de aplicações financeiras’
  3. Clique em Novo
  4. Em ‘Tipo de beneficiário‘ deixe ‘Titular’ caso você tenha feito a aplicação
  5. No campo ‘CNPJ da Fonte Pagadora‘ digite o CNPJ da corretora ou banco
  6. No campo ‘Valor’, você deve informar a soma total dos rendimentos recebidos através da Corretora ou Banco (mesmo que eles estejam fragmentados no informe)

Atenção à declaração de títulos resgatados ou que venceram

Algum dos seus títulos venceu ou foi resgatado totalmente em 2017? Se sim, informe-os na seção Bens e Direitos. Basta seguir o guia acima. Só que o valor do título precisa estar zerado no campo “Situação em 31/12/2017”.

Caso você tenha resgatado ou vendido parcialmente, a quantia informada nesse campo deve equivaler ao que restou.

Se você ainda tem dúvidas, assista ao vídeo abaixo com dicas para IR 2018:

Como Declarar LCI, LCA e Poupança no Imposto de Renda

Uma moça sentada à mesa, mexendo no notebook, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda.
A declaração não precisa ser um monstro de sete cabeças.

É simples declarar LCI, LCA e poupança no imposto de renda. Eles são isentos, mas devem constar na sua declaração de bens na seguinte forma:

  1. Acesse ‘Bens e Direitos’
  2. No campo ‘Código‘ selecione o item ’45 – Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros)’ se for declarar LCI e LCA ou ’41 – Caderneta de Popupança’ para declarar investimento em poupança
  3. No campo ‘Discriminação‘, descreva o tipo de produto que adquiriu, o nome e CNPJ da instituição onde o seu investimento foi feito
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2016‘, digite o preço de aquisição relatado na declaração de 2016 ou deixe em branco, caso não tenha investido naquele ano, como consta no seu Informe de Rendimentos
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2017‘, digite o saldo do investimento nessa data, como consta no seu Informe de Rendimentos
  6. Repita o processo para todos os seus investimentos em renda fixa, caso os tenha

Agora é preciso informar quanto você conseguiu em rendimentos. Você só declara os seus rendimentos em LCI e LCA caso tenha obtido retornos superiores a R$ 1.500 ou tiver o investimento resgatado ou vencido no ano de 2017.

Para declarar os ganhos com a poupança, siga o guia:

  1. Acesse ‘Rendimentos Isentos e Não Tributáveis
  2. Selecione o item ‘8 – Rendimentos de cadernetas de poupanças e letras hipotecárias’ para poupança ou ’24 – Outros’ para LCIs e LCAs.
  3. Clique em novo
  4. Em ‘Tipo de beneficiário‘ deixe ‘Titular’ caso você tenha feito a aplicação
  5. No campo ‘CNPJ da Fonte Pagadora’ digite o CNPJ da corretora ou banco
  6. No campo ‘Valor’, você deve informar a soma total dos seus rendimentos recebidos pela Corretora ou banco (mesmo que eles estejam fragmentados no informe)

Como Declarar a Previdência Privada (PGBL e VGBL, Fundos de Pensão e Fapi) no Imposto de Renda

previdencia privada imposto de renda
Muita atenção no preenchimento dos dados. Revise tudo antes de enviar!

O VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livre) é uma aplicação semelhante à renda fixa. Ele não pode ser deduzido no Imposto de Renda. Então, você precisa declarar apenas o total investido. Nesse caso, o rendimento é dispensado da declaração.

Veja um exemplo:

João aplicou R$ 10 mil em 2016. No ano de 2017, ele investiu outros R$ 10 mil. Nesse período, o plano rendeu R$ 2 mil. 

Assim, caso ele não tenha sacado, deve ter R$ 22 mil ao final de 2017. Para declarar essa atividade, João deve informar em ‘Bens e Direitos’ o valor de R$ 10.000 ao final de 2016 e R$ 20.000 no término de 2017.

O rendimento de R$ 2 mil não precisa ser declarado, já que não foi resgatado. 

O processo funciona através do seguinte passo a passo:

  1. Acesse ‘Bens e Direitos’
  2. No campo ‘Código‘ selecione o item ’97 – VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre’
  3. No campo ‘Discriminação‘, digite o nome e CNPJ da instituição financeira, número da conta edados da apólice
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2016‘, digite o preço de aquisição relatado na declaração de 2016 ou deixe em branco, caso não tenha investido neste ano de referência
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2017‘, digite o saldo do investimento nessa data

Já o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), Fapi e outros planos fechados de previdência podem ser abatidos da renda tributável.

Se você optou pelo Modelo Completo de Declaração, o próprio programa da Receita Federal calcula o limite de dedução de 12% sobre os rendimentos tributáveis. Siga o guia:

  1. Acesse ‘Pagamentos Efetuados’
  2. No campo ‘Código‘ selecione o item ’36 – Previdência Complementar’
  3. No campo ‘Discriminação‘, digite o nome e CNPJ da instituição financeira, número da conta edados da apólice
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2016‘, digite o valor relatado na declaração de 2016 ou deixe em branco, caso não tenha investido em 2016
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2017‘, digite o saldo do investimento nessa data

Observação: valores resgatados ou benefícios recebidos de PGBL ou Fapi precisam ser informados na parte de ‘Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoas Jurídicas’ (no caso de tributação progressiva) ou em ‘Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva’ (regime regressivo).

Como Declarar Renda Variável (Ações, Fundos Imobiliários, ETFs e outros) no Imposto de Renda

Várias imagens de plataformas de investimentos sobrepostas, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda
A renda variável possui diversos detalhes em sua declaração. Se puder, opte por um auxílio automático por software!

Mesmo que você não se enquadre em nenhuma das situações de obrigatoriedade, ao ter atividades na bolsa de valores, mercadorias e futuros em 2017 você é obrigado a declarar o Ajuste Anual do Imposto de Renda 2018.

Neste caso, a sua corretora ou banco não são obrigadas a informar as suas posses, ganhos e/ou prejuízos no Informe de Rendimentos.

No entanto, elas estão presentes em suas notas de corretagem. Então, você deve solicitá-las à instituição.

Como declarar Ações:

A sua posse de ações de uma empresa deve ser declarada caso o valor de aquisição seja superior a R$ 1.000. 

As atividades de compra e venda de ações, seus ganhos e prejuízos, além dos rendimentos gerados (dividendos e juros sobre capital próprio) têm obrigatoriedade de declaração. 

Para isso, siga o nosso guia:

  1. Acesse ‘Bens e Direitos’
  2. No campo ‘Código‘ selecione o item ’31 – Ações (inclusive as provenientes de linha telefônica)’
  3. No campo ‘Discriminação‘, digite um descritivo como esse “Ações: Nome da empresa, CNPJ 99.999.999/0001-99. Nome das corretoras. Quantidade de ações: 999”
  4. No campo ‘Situação em 31/12/2016‘, informe a posição acionária em reais na data
  5. No campo ‘Situação em 31/12/2017‘, informe a posição acionária em reais na data
  6. Se necessário, repita o passo a passo para incluir o investimento em ações de outra empresa

Observações sobre os campos de situação:

  1. Se você comprou os papéis em 2016, o valor informado no primeiro campo será zero. Se vendeu todos eles em 2016, o valor no segundo campo será zero. Se a sua posição acionária menteve-se a mesma o ano inteiro, informe os mesmos dados em ambos os campos.
  2. Os investimentos em ações devem ser declarados pelo seu custo de aquisição. Eles independem da valorização ou desvalorizacão durante o ano.
  3. O custo de aquisição é igual ao preço de compra da ação multiplicado pelo número de ações, mais as taxas, como corretagem e custódia. Assim, o valor informado nas duas datas só vai mudar caso você tenha comprado mais ações ou vendido parte das que você possui.

Caso você tenha vendido ações no mercado à vista no valor de até R$ 20.000 por mês, os seus ganhos são isentos de Imposto de Renda.

Nesse caso, você deve declarar como rendimento isento de acordo com o passo a passo:

  1. Acesse ‘Rendimentos Isentos e Não Tributáveis
  2. Selecione o item ‘18 – Ganhos líquidos em operações no mercado à vista de ações negociadas em bolsa de valores nas alienações realizadas até R$ 20.000, em cada mês, para o conjunto de ações
  3. Clique em novo
  4. Em ‘Tipo de beneficiário‘ deixe ‘Titular’ caso você tenha feito a aplicação
  5. No campo ‘CNPJ da Fonte Pagadora’ digite o CNPJ da corretora ou banco
  6. No campo ‘Valor’, você deve informar a soma total dos seus rendimentos de ações no ano

Se você ultrapassou o valor de R$ 20.000 em lucro na venda de ações de um mês, é preciso pagar 15% de IR até o último dia útil do mês seguinte. A declaração deve ser feita da seguinte forma:

  1. Acesse ‘Renda Variável’ e Operações Comum / Day-Trade
  2. Selecione os meses das operações onde as vendas ultrapassaram R$ 20.000 e indique o lucro líquido no campo ‘Mercado à Vista – Operações Comuns’ ou em ‘Mercado à Vista – Day-Trade’ se teve atividade em day-trade 

Se o seu investimento em ações der algum prejuízo na venda, também é preciso relatar em ‘Mercado à Vista – Operações Comuns’ para compensar possíveis lucros nos meses posteriores e abater este valor do imposto a ser pago.

  1. Acesse ‘Renda Variável’ e Operações Comum / Day-Trade
  2. Selecione os meses das operações onde você obteve prejuízo e indique o valor no campo ‘Mercado à Vista – Operações Comuns’ ou em ‘Mercado à Vista – Day-Trade’ se teve atividade em day-trade com um sinal negativo. Exemplo: – 2.000  

O programa fará o Cálculo do Imposto Devido. Acesse a aba ‘Resultados’ para ver o valor. No campo ‘Consolidação do Mês’, você deve inserir as quantias pagas de IR durante o ano e verificar se o montante calculado pelo programa é o mesmo que o apurado por você. Se estiver diferente, faça os devidos ajustes.

Saiba mais sobre a declaração de ações no IR

Para declarar dividendos, siga estes passos:

  1. Acesse ‘Rendimentos Isentos e Não Tributáveis
  2. Selecione o item ‘5 – Lucros e dividendos recebidos pelo titular e dependentes
  3. Clique em novo
  4. Em ‘Tipo de beneficiário‘ deixe ‘Titular’ caso você tenha feito a aplicação
  5. No campo ‘CNPJ da Fonte Pagadora’ digite o CNPJ da corretora ou banco
  6. No campo ‘Valor’, você deve informar a soma total dos seus dividendos no ano

O processo é diferente para declarar os Juros sobre Capital Próprio (JCP):

  1. Acesse ‘Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva
  2. Selecione o item ‘10 – Juros sobre Capital Próprio’
  3. Clique em novo
  4. Em ‘Tipo de beneficiário‘ deixe ‘Titular’ caso você tenha feito a aplicação
  5. No campo ‘CNPJ da Fonte Pagadora’ digite o CNPJ da corretora ou banco
  6. No campo ‘Valor’, você deve informar a soma total do que recebeu no ano
Clique e abra sua conta grátis

Como Saber se Você Caiu na Malha Fina do IR 2018

Duas pessoas olhando para contas, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda.
Guarde todos os seus comprovantes utilizados na sua declaração

A consulta para saber se você caiu na malha fina do IR 2018 ocorre no próprio site da Receita Federal. 

Após os processamentos das declarações, há a disponibilização da situação dos seus informes. 

As pendências no documento entregue e possíveis causas são mostradas de forma detalhada. Elas estão no Extrato do Processo da DIRPF.

Para fazer a consulta, é preciso utilizar um código de acesso ou certificado digital. Para gerar esse código, siga o passo a passo.

Os motivos principais que levam as pessoas a caírem na malha fina se resumem em dois:

  • Errar no documento ou apresentar dados incompletos
  • O documento não tem erros, mas gerou dúvidas

Para não ter problemas com a Receita Federal, o ideal é guardar todos os comprovantes que você utilizou na declaração pelo período de até 5 anos.

Como Consultar as Restituições do Imposto de Renda

As declarações são liberadas em lotes ao longo do ano. Se quiser consultar em que lote está a sua, você deve acessar essa página da Receita Federal a cada liberação.

Após o período de entrega, a instituição já faz a divulgação do calendário de restituições. De forma geral, quem entrega primeiro, recebe o valor antes. 

Melhores opções para investir o dinheiro da restituição do IR

Conclusão

Uma ilustração de um homem correndo com um saco de dinheiro na cabeça enquanto uma mão gigante tenta capturá-lo, em referência a como declarar tesouro, cdb e investimentos no imposto de renda
Nunca fuja do Imposto de Renda. As consequências podem ser piores do que a mordida do leão.

Fazer declaração do Imposto de Renda 2018 é uma tarefa que costuma ser adiada.

Esta atividade é cheia de detalhes, que precisa ser feita com atenção e tempo. No entanto, nunca deixe de prestar contas ao Fisco

Não adianta ter uma ótima educação financeira, saber ganhar, economizar e investir se você vai ter que utilizar os seus rendimentos para pagar multas que poderiam ser evitadas. 

Com os avanços tecnológicos, sonegar tributos costuma acarretar em uma série de problemas.

Se o infrator for pego pela Receita Federal, a multa será de até 300% do valor que o Fisco deixou de recolher. Além disso, a sonegação fiscal é um crime passível de reclusão entre 2 a 5 anos.

Por isso, é muito importante revisar cada valor e informação depois de finalizar a declaração do IR 2018.

Caso você tenha muitas dúvidas de como declarar Tesouro Direto, CDB ou qualquer outro investimento, deixe um comentário neste artigo!

Continue a aprender sobre investimentos e tributos através destes outros artigos do nosso blog:

Obrigado por ler até aqui!

Clique a abra sua conta grátis