março 19, 2021

Aniversário da Poupança: O que é e quanto rende?  

Você já ouviu falar em aniversário da poupança? Você sabe quanto rende a poupança? Saiba que o aniversário tem impacto no rendimento da poupança e você pode até deixar de ganhar dinheiro se não souber como funciona.

Se quiser aprender tudo sobre o principal concorrente da poupança, leia o nosso guia completo sobre Tesouro Direto.

Neste post, vamos te explicar de uma forma bem simples como funciona e como garantir todo o rendimento possível. E ainda apresentaremos outras aplicações melhores do que a poupança.


O que é Aniversário da Poupança?

aniversario da poupanca quanto rende

Cada depósito possui um aniversário da poupança que deve ser respeitado para não perder dinheiro.

É bem simples. Aniversário da poupança é uma data mensal em que a sua aplicação rende. Cada depósito possui um aniversário da poupança exatamente igual ao dia em que ele foi realizado.

Ou seja, se fizer uma aplicação dia 10 de abril e outra dia 20 de abril, a primeira terá rendimento no próximo dia 10 enquanto a segunda no próximo dia 20.

O nome mais correto não é aniversário da poupança, pois trata-se de uma data mensal. Poderia muito bem ser chamado de ‘merversário’.

Enfim, veja como funciona nesse exemplo a seguir. Imagine que você depositou R$ 80,00 no dia 12 de abril, esse dia será o aniversário da poupança.

A partir daí, todo dia 12 será creditado o rendimento dessa aplicação ao total investido. Mas se no mês seguinte, o dia 12 cair em um fim de semana ou feriado, o rendimento é creditado apenas no próximo dia útil.

Saiba também que a regra é um pouco diferente se o primeiro depósito ocorrer nos dias 29, 30 e 31. Neste caso, o aniversário será no dia 1 do mês seguinte.

Mas antes de sair comemorando o aniversário, espere! Se você fizer um resgate antes do aniversário ou muitos dias depois, você não terá o rendimento completo, daí o jeito é apagar as velas sem comemoração mesmo.

Por exemplo: você fez a primeira aplicação no dia 5 de junho, logo o aniversário é todo dia 5. Então, ao fazer o resgate no dia 2 de agosto por exemplo, você perde o rendimento de um mês inteiro, do dia 5 de julho a 5 de agosto.

E olha que o rendimento da poupança não é lá essas coisas, não é mesmo? O único dia para resgatar o seu dinheiro da poupança que você não perde dinheiro é exatamente no dia do aniversário da poupança. Antes ou depois significa prejuízo.

A dica então é, em primeiro lugar, descobrir qual é a data do aniversário. Segundo, evitar o resgate antes ou depois dessa data e terceiro: será mesmo que essa é a melhor opção de investimento?

A falsa liquidez diária da Poupança

aniversario da poupanca liquidez falsa

A poupança rende muito pouco, perdendo para outros investimentos com rentabilidade diária maior.

Isso significa que toda aquela história de poder sacar o seu dinheiro quando quiser não é bem assim.

Você até pode ter liquidez imediata (capacidade de transformar o investimento em dinheiro na conta rapidamente) sem perder o que já rendeu, no entanto, se tentar resgatar antes do aniversário da poupança, você perderá muitos dias de rentabilidade.

Trata-se de uma liquidez diária falsa, ilusória. Isso ocorre porque a rentabilidade não é diária, limitando suas possibilidades.

Existem muitos outros investimentos tão ou mais seguros que a poupança. E além disso, muitos deles possuem liquidez e rentabilidade diária, garantindo muito mais liberdade para você e seus objetivos de vida.

Em resumo, o rendimento, independente do aniversário da poupança, sempre será ruim comparado a outros investimentos seguros e garantidos da renda fixa como os CDB, LCI, LCA e LC.

Nova call to action


Quanto rende a Poupança

aniversario da poupanca quanto rende

Ela é formada principalmente por duas taxas: a básica e a adicional.

Funciona com duas taxas. A básica, TR, que é calculada diariamente pelo governo e a taxa de rendimento da poupança, calculada da mesma forma pelos bancos.

A segunda taxa possui duas variações que dependem da taxa básica de juros, a Selic. Caso a Selic seja mais do que 8,5%, a taxa adicional é de 0,5% ao mês. E se a taxa Selic for igual ou menor que 8,5%, a taxa adicional equivale a 70% da Selic.

Independente da situação econômica, a caderneta de poupança não apresenta o melhor rendimento. Em 2015, quanto a inflação bateu 10,70%, a poupança rendeu apenas 8,07%.

Ou seja, nesse ano, quem manteve seu capital na poupança, viu o patrimônio perder 2,63% de valor. Você não quer perder poder de compra, certo?

Principalmente se o seu objetivo é garantir uma aposentadoria, você precisa de um bom rendimento, de preferência com proteção contra a inflação.

Para esse tipo de objetivo que leva dezenas de anos, o mais recomendado é investir no Tesouro Direto NTNB que possui um rendimento composto entre uma taxa fixa e o IPCA (taxa referencial da inflação). 

Esse investimento não possui liquidez e a rentabilidade diária de outros investimentos, mas a longo prazo é perfeito.

Entretanto, dependendo da movimentação do mercado, é possível ganhar dinheiro antes do prazo de vencimento. Isso aconteceu em 2016, quando esse papel rendeu 53% no ano, ultrapassando muitas ações da Bolsa de Valores.


5 Investimentos que são melhores do que Poupança no curto prazo

aniversario da poupanca investimentos

Existem muitas aplicações seguras e rentáveis para resgatar hoje ou daqui seis meses.

Certo, essa aplicação, apesar de ter o aniversário da poupança, é segura, possui uma certa liquidez e uma rentabilidade garantida (porém baixa), isenção de Imposto de Renda.

São ótimas vantagens, não é mesmo? Errado! Todos os investimentos a seguir possuem todas essas características e são muito melhores do que a poupança.

Para ter acesso aos melhores produtos do mercado, você precisará de uma conta na corretora Rico (abra aqui). Criar ela é completamente gratuito e leva apenas alguns minutos.

Tesouro Direto para curto prazo

Quando se fala de Tesouro Direto para fazer uma ‘poupança’ para emergências, está falando-se do Tesouro Selic. Ele possui liquidez diária e rentabilidade diária. Independente de quando você investir e resgatar, receberá cada dia aplicado.

O rendimento do Tesouro Selic segue exatamente a taxa Selic que acompanha a situação da economia nacional. Ele é muito seguro, pois é emitido pelo Governo. Aplicando, você estará emprestando o dinheiro para recebê-lo com juros.

CDB’s

Esses são os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs). Provavelmente você já deve conhecer esse produto. É o favorito dos bancos. E caso o seu gerente tenha oferecido um CDB ‘ótimo’ para você, não compre.

É praticamente impossível grandes bancos varejistas oferecem bons investimentos. Isso acontece porque eles trabalham apenas com os próprios produtos. E quando se tem uma estrutura grande e confiável, normalmente o rendimento é pequeno.

Os melhores CDBs são os de bancos pequenos. E você só conseguirá visualizar todas as opções e melhores prazos em uma corretora de investimentos que é sua parceira, como a Rico.

Esse investimento é garantindo pelo Fundo Garantidor de Crédito até o valor de R$ 250.000 por banco. Ou seja, caso o emissor do título quebre, outras organizações compram o investimento e pagam você. É 100% garantido!

LCI’S E LCA’S

Essas são as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e Letras de Crédito ao Agronegócio (LCA). Elas são emitidas pelos bancos assim como os CDBs. Algumas possuem um período de aplicação de curto prazo. Verifique o investimento antes de comprá-lo.

Assim como a poupança, esse investimento é completamente isento do Imposto de Renda. E isso não significa nada. Sabe por quê? É que às vezes, um investimento com tributo rende mais do que os sem tributo, fazendo valer a pena a aplicação.

Por isso, sempre compare os investimentos em nossos simuladores de acordo com os seus objetivos e perfil de riscoAssim como o CDB, esses papéis são garantidos pelo FGC.

LC’S

As Letras de Câmbio são o CDB das financeiras. Ao comprar esse produto, você estará emprestando dinheiro ao emissor, que pagará um bom retorno em um prazo combinado.

Essa opção possui a incidência de Imposto de Renda, no entanto a sua rentabilidade é muito boa. Como a maioria dos investimentos de renda fixa, as LCs são garantidas pelo FGC.

FUNDOS DE INVESTIMENTOS DE CURTO PRAZO

Todos os investimentos de renda fixa possuem muita segurança. Mas caso você possa abrir mão de um pouco da certeza de ótima rentabilidade a curto prazo, procure se informar sobre os fundos de investimentos.

Eles podem ser de renda fixa (quando concentram seu capital em ativos de renda fixa), multimercado (mistura renda fixa com variável) e até de ações, entre outros.

Como a lei do mercado diz, quando se abre mão de um pouco de segurança, a rentabilidade aumenta. É o caso dos fundos de investimentos.

Eles são geridos por equipes competentes que decidem como investir o seu capital e de milhares de investidores.

Quanto a Poupança rende hoje com 50 mil reais

aniversario da poupanca simulacao
Veja esse exemplo e saiba porque você deve tirar o seu capital da caderneta.
Você pode ganhar até 3,2 vezes mais investindo no Tesouro Direto. Para provar isso, veja a simulação feita em nossa página de Tesouro Direto.
Faça a sua simulação em nossa página também. Basta acessá-la, selecionar um valor e um período de aplicação. Logo você verá como investir com a Rico é muito mais rentável.
Nessa simulação, aplicaremos R$ 50.000 por 1 ano, mas lembre-se que você pode resgatar o seu dinheiro em qualquer momento que quiser sem perder rentabilidade alguma.
Na poupança, com o rendimento atual de 8,06%, ao final de 12 meses, teríamos um retorno de R$ 4.030 sem descontar a inflação. O rendimento real seria na verdade de R$ 1.745.
No entanto, se esse valor fosse aplicado no Tesouro Selic que rende hoje 11,15%, o lucro da aplicação ao final de 12 meses seria de R$ 5.431,71. Com a inflação descontada, o valor real de retorno ficaria em R$ 3.146,71.
Viu como vale muito mais a pena investir no Tesouro Direto? A diferença entre os dois foi de R$ 1.401,71, é quase 3% mais rendimento.
Resultados da Simulação são em valor bruto, sem desconto de I.R., taxa de 0,3% a.a. da BM&F Bovespa e taxa de administração de 0,1% da Rico. Ela foi realizada com os números de maio de 2017:
– IPCA: 4,57% a.a.
– Selic: 11,15% a.a.
– CDI: 11,13% a.a.
– Poupança: 8,06% a.a.


Conclusão

aniversario da poupanca conclusao

Pronto para abandonar o aniversário da poupança e sua rentabilidade baixa?

Como vimos, a poupança é um investimento seguro, porém que possui uma rentabilidade muito baixa. Muitas vezes, quando a inflação sobe, nem há rentabilidade real. Ou seja, lucro da aplicação menos impostos e inflação.

Acredite, o seu gerente do banco nunca falará isso para você. Afinal, ele trabalha para o patrimônio do banco e muitas vezes precisa bater metas em relação aos produtos do banco. A poupança é um desses ativos.

Existem muitas oportunidades fora do seu banco em corretoras como a Rico que separa os melhores produtos dos principais bancos, financeiras e outras organizações. Investimentos que você não encontrará em outro lugar.

Você pode visualizar eles agora mesmo. Basta criar uma conta gratuitamente em alguns minutos e acessar nossa plataforma online de investimentos. Você também pode fazer isso pelo celular.

Conheça alguns desses novos ativos disponíveis em sua futura conta na Rico:

Na dúvida, recomendamos a leitura desse post que explica um outro investimento de renda fixa, o Tesouro Direto.

Se um dos motivos para manter o dinheiro na poupança é a comodidade de ter o dinheiro na mão quando precisar, então fique ligado em nosso próximo post sobre o Tesouro Selic.

Leia aqui nesse post O que é liquidez do investimento e saiba que opções são tão fáceis de resgatar, só que mais rentável que a poupança. 


dezembro 10, 2020

Juros simples: o que é e como calcular [Exemplos]  

No cálculo financeiro, os juros simples estão, na maioria das vezes, relacionados à modalidade de prestações, como por exemplo, em compras parceladas.  

Os juros simples fazem parte da nossa vida nas mais variadas operações. 

Seja em aplicações financeiras ou na compra de mercadorias, elas podem aparecer como método de correção da dívida ou do investimento

Por isso, entender seu funcionamento é parte da evolução pessoal de cada um quanto à própria educação financeira

Para saber mais sobre o tema e aprender como fazer o cálculo de juros simples, continue a leitura. 

Estes são os tópicos que vamos abordar a partir de agora: 

Boa leitura! 

O que é juros simples?

Os juros simples são uma porcentagem aplicada a um valor inicial para a sua correção em determinado período

Como são simples, seu cálculo resulta no mesmo valor utilizado mês após mês. 

De maneira resumida, o conceito de juros simples representa o valor que uma parte – conhecida como “credor” – recebe quando empresta o seu dinheiro para outra – que é o “devedor”. 

Pode ser uma pessoa, empresa ou instituição financeira

O valor recebido pelo credor funciona, então, como uma remuneração praticada entre os agentes do mercado sempre que acontece um deslocamento temporário do capital

Assim, os juros são utilizados para calcular o retorno de uma série de operações financeiras

Por exemplo:  

Se você empresta R$ 500 a um amigo e ele lhe devolve em cinco parcelas de R$ 110, na quitação da dívida, você terá R$ 550.  

Esses R$ 10 que ele pagou a mais em cada parcela representam a aplicação de juros simples

Observe, então, que os juros simples nada mais são do que a forma pela qual os credores são recompensados pelo valor e pelo tempo em que o seu dinheiro está emprestado. 

Para que servem os juros simples? 

Como destacamos no tópico anterior, a principal função dos juros simples é remunerar os credores que fornecem o capital utilizado para fazer a economia girar. 

A remuneração oferecida a quem empresta o dinheiro não existe à toa dentro da lógica econômica. 

Para entender para que servem os juros simples, então, primeiro precisamos falar sobre a inflação e o que ela representa

Medido no Brasil pelo IPCA (Índice de Preços para o Consumidor Amplo), o índice inflacionário representa a desvalorização proporcional da moeda brasileira, em poder de compra, dentro de um determinado período. 

Na prática, isso significa que o dinheiro será desvalorizado durante o tempo em que estiver sob tutela do devedor. 

Por isso, é comum que os juros sejam maiores que a inflação para que o credor receba de volta um valor bruto no mínimo equivalente ao que emprestou. 

Além disso, existe um risco envolvido em todo e qualquer empréstimo de capital e o investidor deve ser recompensado financeiramente por ter se arriscado. 

No dia a dia do mercado, os juros são utilizados por bancos, financeiras, lojas que oferecem crediário e, claro, para calcular a rentabilidade de ativos em investimentos. 

Por que você deve entender de juros simples?

 Homem sentado em uma mesa escrevendo aprendendo sobre juros simples com um cofre de moedas e moedas espelhadas.

Desde crianças, aprendemos que os conceitos matemáticos apresentados na escola são importantes para navegarmos sem complicações pela vida adulta. 

Dentre as coisas que a maioria de nós aprende na sala de aula, os juros certamente se destacam por sua grande importância no cotidiano

Quem já começou sua jornada pelos investimentos há algum tempo, sabe bem que os juros são parte essencial desse mundo. 

De fato, o conceito tem enorme importância no desenvolvimento econômico de um país, pois os juros estão presentes em uma infinidade de operações comuns do mercado

Você certamente já ouviu falar muito sobre a Selic, que é a taxa básica de juros da nossa economia. 

Ela é referência para todas as operações envolvendo juros no país

Por exemplo, a taxa aparece para chegar ao “preço” de empréstimos em instituições financeiras. 

Isso ocorre com a ajuda de uma fórmula que leva em conta o risco atrelado ao montante e o tempo que esse capital vai ficar nas mãos do devedor. 

Saindo um pouco dos empréstimos, o conceito afeta também diretamente na rentabilidade de seus investimentos

Isso porque muitas aplicações têm sua rentabilidade atrelada aos juros praticados no país. 

Seja no papel de credor ou de devedor, tenha a certeza de que você faz muito bem ao seu dinheiro ao dominar o tema juros simples

Conceitos essenciais que você deve saber para calcular juros simples 

Neste momento, você deve estar se perguntando sobre o que fazer para conhecer os juros simples em uma operação financeira

Antes de avançarmos para a fórmula do juros simples e o cálculo em si, é preciso dar um passo atrás para entender alguns conceitos que são necessários para fazer a conta. 

Você vai ver que cada um deles tem um significado bastante lógico – o que facilita a sua compreensão. 

Ao entender o significado por trás de cada termo, você terá mais facilidade para calcular e verificar os custos de um financiamento ou a rentabilidade de uma aplicação, entre outras operações. 

Então, confira os quatro conceitos essenciais para calcular juros simples: 

Capital (C) 

O primeiro conceito que precisamos abordar é o de Capital, representado por C na fórmula de cálculo dos juros simples. 

Dentro dessa lógica, o Capital é o valor inicial que temos de base para calcular as remunerações ao credor ou investidor. 

Por vezes chamado de “Capital investido”, ele representa o valor que foi inicialmente aplicado no ativo em questão

No caso dos empréstimos ou financiamentos, esse valor representa a quantia que foi tomada pelo devedor no início do contrato. 

Esse dinheiro está “limpo” e livre de taxas de rentabilidade ou qualquer tipo de acréscimo – essa parte só vem mais tarde. 

Taxa (i) 

Para avançar nos conceitos que compõem o cálculo e fórmula dos juros simples, temos em seguida a Taxa, representada por “i”

Esse valor nada mais é do que o índice pelo qual o Capital será multiplicado para termos o valor que vai ser pago na remuneração do investimento ou empréstimo. 

Trata-se de um valor percentual utilizado como referência sobre a valorização esperada dentro daquele período. 

A taxa pode ser prefixada no momento em que o dinheiro é tomado pelo devedor ou, ainda, calculada de acordo com os juros praticados no mercado. 

Juros (J) 

Em seguida, temos Juros como um conceito para o cálculo que é representado na fórmula de juros simples pela letra J

Diferente da Taxa, aqui, não estamos nos referindo ao valor proporcional que será utilizado para calcular a remuneração ou rendimento, mas à rentabilidade em si. 

A partir do percentual explicado acima, podemos calcular o valor real dos Juros

Para isso, consideramos o Capital como a referência do valor que será considerado para tirarmos dali a porcentagem. 

Assim, a T e i representam dois lados da mesma moeda: um fala do percentual de cálculo e outro indica o resultado desse cálculo. 

Montante (M) 

Da soma do Capital com os Juros, surge o conceito de Montante, que na fórmula do juros simples é representado pela letra M

Sempre que fazemos um investimento, recebemos ao final do contrato o valor aplicado acrescido de uma remuneração. 

No caso de empréstimos, a lógica é a mesma com a diferença de que o credor – e não um investidor – é quem fica com essa quantia. 

O valor da remuneração varia de acordo com o contrato, mas, sempre é calculado a partir do Capital e da Taxa, resultando no valor de J. 

Tempo (t) 

Por fim, o Tempo é o conceito que diz respeito à duração do contrato de investimento ou empréstimo – ele é representado na fórmula pela letra t. 

É importantíssimo levar esse conceito em consideração, pois o valor dos Juros varia de acordo com a Taxa e com a duração do período em que o Capital estará nas mãos do devedor. 

E por falar em Taxa, sempre que você for calcular juros simples, é preciso se certificar de que está usando a mesma unidade para i e t

Se o índice praticado no seu investimento é de 2% ao mês, o valor de Tempo também precisa ser mensurado em meses. 

Como calcular os  juros simples 

Pessoas sentadas a mesa. Um contanto dinheiro e outra calculando o juros simples de seu investimento.

Agora que você entendeu cada um dos conceitos envolvidos na concepção e na fórmula dos juros simples, podemos avançar para o cálculo na prática. 

Seguindo nossas dicas, não sobra espaço para erro na hora de encontrar o valor total de rentabilidade dos seus investimentos ou aquilo que deve em empréstimos. 

A fórmula básica da taxa de juros é: 

  • J = C · i · t 

Mas, caso a matemática não seja um de seus fortes, não precisa se preocupar. 

Pensando nisso, apresentamos abaixo dois modelos de cálculo de juros em detalhes para que você possa entender todo o processo. 

Como fazer cálculo de juros ao mês? 

Antes de começar as suas contas, o primeiro passo deve ser substituir na fórmula de juros simples as letras por valores numéricos que representam a sua situação com fidelidade. 

Para os exemplos a seguir, usaremos a situação hipotética em que o investidor fez um investimento de R$ 10 mil em uma aplicação que prefixou uma taxa de retorno de 7% ao mês, em juros simples. 

Vale acrescentar que, no Brasil, a grande maioria das aplicações financeiras trabalham com juros compostos.  

Os juros simples são mais comuns em outros países, como por exemplo nos Estados Unidos.  

A partir disso, gostaríamos de saber qual valor estará disponível para o saque ao fim do contrato de 24 meses. 

Sendo assim, temos: 

  • C = 10.000 | i = 0,07 | t = 24 
  • J = C · i · t 
  • J = 10.000 · 0,07 · 24 
  • J = 16.800. 

Como fazer cálculo de juros ao dia? 

Lembra quando falamos sobre a importância de ter o Tempo e a Taxa padronizados para a mesma unidade de tempo? 

Para seguir com o cálculo de juros ao dia, vamos precisar fazer algumas adaptações

Ainda dentro do exemplo do investimento inicial dos R$ 10 mil, vamos supor que uma outra instituição ofereça taxas de 0,5% ao dia e você, como cliente, quer saber qual aplicação vale mais a pena para os mesmos 24 meses. 

Nesse caso, o valor de t passa a ser 730, que é o número de dias em 24 meses – confira: 

  • J = 10.000 x 0,0005 x 730 
  • J = 36.500. 

Exemplo e exercícios resolvidos de juros simples em investimentos 

Quer confirmar se você entendeu o que são e como funcionam os juros simples? 

Confira abaixo com dois exemplos de exercícios resolvidos pelo Portal Mundo Educação

  • Um investidor aplica R$ 1.000,00 a juros simples de 3% ao mês. Determine o valor recebido após um ano. 

Estas são as informações que temos inicialmente: 

  • C= 1.000,00 
  • i= 3% ou 0,03 
  • t = 1 ano = 12 meses. 

Agora, vamos descobrir qual é o juro envolvido na operação: 

  • J = C . i . t 
  • J= 1000 . 0,03. 12 
  • J = 360. 

O juro obtido será de 360 e, somando-se ao capital, temos: 

  • M= C + j 
  • M = 1000 + 360 
  • M= 1.360,00.

Resposta: Após um ano o investidor recebeu R$ 1.360,00. 

  • Calcule o juro que renderá um capital de R$ 15.000,00 aplicado a uma taxa de juros simples de 12% ao ano, durante seis meses. 

Veja que a taxa está anual, então, vamos convertê-la para meses:  

  • 12% /12 = 1%. 

Agora, podemos seguir com o cálculo: 

  • J = P . i . n 
  • J= 15.000 . 0,01. 6 
  • J = 900. 

Resposta: O juro resultante será de R$ 900,00. 

Assim, como tudo o que aprendemos na vida é preciso prática, com o cálculo de juros simples não vai ser diferente.  
 
Por isso, continue praticando! 

Juros simples e compostos: qual a diferença?

 Homem em pé, com a sobrancelha levantada demonstrando dúvida em relação a diferença entre juros simples e composto.
É bem provável que ao chegar até aqui surgiu a dúvida: “Juros simples ou juros compostos?”, não é mesmo? Se foi isso, continue a leitura para entender a diferença entre os dois conceitos.  

Além dos juros simples, você vai encontrar outra modalidade de correção de dívidas e investimentos que são os juros compostos

A principal diferença está na forma como o cálculo é feito. 

Quer entender melhor o conceito?

Nossa especialista Paula Zogbi preparou um vídeo explicando tudo sobre juros compostos na Renda Fixa.

Confira!

Como calcular juros compostos 

Diferente dos juros simples, para os juros compostos, o valor de J não é calculado a partir do valor do Capital inicial, mas em cima do Montante atualizado todos os meses. 

Por esse motivo, os juros da modalidade não são fixos como no primeiro caso, e aumentam conforme a duração do contrato. 

A fórmula para calcular juros compostos é a seguinte: 

Nela: 

  • M: montante acumulado 
  • C: capital investido 
  • i: taxa de juros 
  • t: período de tempo (está elevando e não multiplicando o período em questão)  

Conclusão 

Homem com foco em um dos olhos e as mãos em pé direcionando o seu olhar, com aspecto de quem conseguiu compreender o conceito de juros simples.

O conceito de juros simples aparece em diversas operações financeiras, o que justifica a importância para o seu bolso e para a economia de modo geral. 

Por isso, entender o seu funcionamento ajuda a ter bons resultados na sua relação com o dinheiro

Vale, inclusive, para a hora de investir

Para isso, você pode contar com a Rico, que tem os melhores produtos, sob medida para o seu perfil e objetivos. 

Abra sua conta agora mesmo e aproveite todos os benefícios de ser um cliente Rico. 

Clique e abra sua conta na Rico

setembro 16, 2020

4 Melhores apps de finanças pessoais para 2020  

Um app de finanças pessoais é uma ferramenta muito prática para você ter mais controle sobre seu dinheiro. E o melhor: na palma da mão.

Hoje em dia, muitas pessoas já contam com a tecnologia para manter suas contas em dia.

Com a ajuda de um aplicativo para dispositivos móveis, é possível registrar tudo que entra e o que sai no mês, de forma fácil e rápida.

Essa ferramenta de acompanhamento surge como uma alternativa mais moderna para a planilha, sempre útil para gerenciar gastos.

Com os apps de finanças, o usuário ganha em praticidade na importante tarefa de controlar seu orçamento doméstico.

Nunca é demais lembrar que lidar melhor com o dinheiro é a primeira etapa de um processo que só traz benefícios, permitindo a você poupar e investir.

Continue lendo para saber mais sobre as vantagens e conhecer os principais apps disponíveis no mercado.

Estes são os tópicos que vamos abordar:

  • Entenda a importância de controlar suas finanças pessoais 
  • App ou planilha: qual a melhor forma de organizar suas finanças pessoais?
  • Melhores apps de finanças pessoais de 2020
  • Melhores apps de controle financeiro para empresas
  • Dicas poderosas para organizar sua vida financeira.

Se tiver alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

Clique e baixe o guia para investidores

Entenda a importância de controlar suas finanças pessoais 

Nunca foi tão importante manter o controle de seus gastos como nos dias de hoje.

Momentos de crise, como a recente pandemia de coronavírus, deixam ainda mais clara a necessidade de se organizar e se preparar financeiramente para emergências.

E o primeiro passo dessa preparação é justamente o controle financeiro.

Por meio do registro de tudo que entra e o que sai durante um ciclo salarial, você pode entender para onde está indo o seu dinheiro.

E, no caso de desequilíbrios nas contas, fica também mais fácil encontrar a saída, pois o controle financeiro ajuda a entender onde é possível fazer cortes de gastos.

Ainda, pode ser que a análise do seu orçamento indique que você hoje já tem suas despesas minimizadas ao limite, o que sugere a necessidade de encontrar novas fontes de renda para alcançar um padrão de vida mais confortável.

Seja qual for a sua situação financeira, a elaboração – e atualização constante – de um controle financeiro só tem a contribuir para manter sua vida mais organizada.

App ou planilha: Qual a melhor forma de organizar suas finanças pessoais?

Se, há algum tempo, a dúvida era entre a planilha digital e o livro-caixa, hoje, a pergunta de muitos envolve planilhas vs. aplicativos.

Bastante utilizados, os documentos do Microsoft Excel ou Google Sheets representam uma revolução para o controle financeiro.

Hoje, é possível encontrar na internet uma infinidade de modelos prontos que buscam atender às mais diversas demandas financeiras.

Mais recentemente, o desenvolvimento tecnológico introduziu os aplicativos para smartphone ou tablet, que surgem como uma alternativa interessante às planilhas.

Cada um tem seus prós e contras, mas, o que tem chamado atenção nos apps especificamente é sua capacidade de automatização.

Inclusive, alguns conseguem recuperar os dados do seu extrato e classificar cada gasto de maneira independente.

No fim das contas, a escolha deve levar em consideração suas necessidades e as formas como você hoje usa a tecnologia no seu dia a dia.

Quais são os benefícios ao usar aplicativo para controlar suas finanças pessoais

Até aqui, falamos sobre a importância de manter o seu controle financeiro em dia e o que considerar na hora de escolher um método.

Mais especificamente sobre os aplicativos, eles contam com diversas vantagens que servem como argumento para o seu uso na organização do orçamento – conheça abaixo dois principais benefícios.

Mobilidade

Por estarem vinculados a aparelhos móveis como smartphones e tablets, os aplicativos têm como principal vantagem a mobilidade oferecida.

Esse fator permite que o usuário possa atualizar seus dados e fazer lançamentos a qualquer momento e de qualquer lugar.

Na prática, isso significa poder registrar um gasto no mesmo momento em que ele é feito.

É uma facilidade que evita o trabalho de ter que reservar um tempo da sua agenda para fazer a atualização.

Análises automáticas

Outra vantagem que merece menção é o fato de que os aplicativos são ferramentas que oferecem diversas funcionalidades para análise automática das informações registradas.

Eles usam os dados fornecidos para criar gráficos que podem dividir os gastos em suas diferentes categorias ou avaliar o seu desempenho no decorrer do mês.

Esse tipo de serviço é bastante útil, pois oferece insights sobre suas finanças para que você possa melhorar o cenário com cortes de gastos supérfluos ou busca de novas fontes de renda para complementar o orçamento.

4 melhores apps de finanças pessoais de 2020

Agora que você já sabe da importância de manter seu controle financeiro e o valor entregue pelos aplicativos, chegou a hora de conhecer algumas das opções disponíveis.

Abaixo, você encontra os quatro principais apps do mercado com um descritivo de suas funcionalidades, os prós e os contras de seu uso.

1. Mobills finanças pessoais

O Mobills está disponível para uso em seu navegador ou em aparelhos que rodam com Android ou iOS.

Funcionalidades

Nosso primeiro exemplo pode ser usado para traçar objetivos, registrar e acompanhar seus gastos, além de oferecer uma análise do orçamento por meio de gráficos. 

Prós

A principal vantagem trazida pelo aplicativo é o fato de que ele disponibiliza uma versão completamente gratuita para o usuário.

No plano free, o usuário consegue categorizar suas receitas e despesas, sincronizando as informações diariamente com o servidor para não perder nada em caso de extravio ou defeito no aparelho.

Contras

Se, por um lado, a versão gratuita é uma vantagem, por outro, é preciso reconhecer que ela oferece acesso limitado aos serviços da plataforma.

Quem procura um app gratuito precisa saber que o Mobills tem um limite para o número de lançamentos permitidos no mês, além de não oferecer acesso pela web dentro do plano free.

2. Organizze Finanças

O app Organizze pode ser acessado pelo navegador e está disponível nas lojas de aplicativos para Android e também iOS.

Funcionalidades

Se você busca um app de finanças pessoais simples, talvez goste dos serviços oferecidos pelo Organizze.

Além do controle financeiro, a ferramenta ajuda a estabelecer metas, permite a configuração de alertas de vencimento das contas e o controle de todos seus cartões de crédito em um só lugar.

Prós

Conforme as avaliações dos usuários, o principal destaque para o Organizze é seu visual simples e a interface facilitada.

O design intuitivo faz com que o uso do aplicativo seja fácil e acessível a todos os tipos de usuário.

Contras

Apesar de se destacar pela qualidade, a versão gratuita do aplicativo também tem suas limitações.

Para ter acesso a todas as funcionalidades, o usuário precisa se comprometer com uma assinatura mensal, desbloqueando assim tudo que o Organizze tem a oferecer.

3. Minhas Economias

A ferramenta pode ser acessada por meio de aplicativos para Android e iOS ou diretamente no navegador.

Funcionalidades

O gerenciador financeiro Minhas Economias é ideal para quem quer simplicidade no seu controle orçamentário, sem pagar pelo uso da ferramenta.

Ao inserir os seus dados do que entra e do que sai no mês, o app te ajuda a acompanhar os gastos por meio de gráficos e planilhas geradas automaticamente.

Prós

A grande vantagem do Minhas Economias é que ele é totalmente gratuito, disponibilizando suas funcionalidades por completo sem custo algum.

Assim, é possível acompanhar a evolução de suas contas todos os dias sem precisar gastar mais por isso.

Contras

Justamente por ser gratuito, o aplicativo não conta com um número muito grande de serviços para o usuário.

Um exemplo claro disso é a ausência de uma tecnologia que automatize o preenchimento dos dados ou permita a importação de várias operações financeiras de uma só vez.

4. GuiaBolso

O aplicativo pode ser acessado pelo navegador ou baixado em aparelhos Android e iOS.

Funcionalidades

O GuiaBolso é um aplicativo que se propõe a ajudar o usuário a fazer seu planejamento financeiro completo de maneira descomplicada.

Para isso, disponibiliza diversos recursos como a categorização automática das despesas e a possibilidade de estabelecer metas para cada categoria de gastos.

Prós

Um dos grandes atrativos do GuiaBolso é que ele permite a sincronização automática das suas receitas e despesas.

Para habilitar a função, é necessário fornecer os dados de acesso do seu internet banking.

A ferramenta alerta que usa de criptografia para acessar sua conta bancária de modo consultivo, sendo impossível realizar qualquer operação financeira pelo aplicativo.

Contras

A maior desvantagem da ferramenta é também sua maior vantagem.

O acesso e sincronização automática de suas transações requer o que você forneça seus dados do internet banking.

Em seu site, a empresa garante segurança no armazenamento dos dados, mas, é importante considerar se você ficará confortável em fornecer sua senha bancária dessa forma.

3 Melhores apps de controle financeiro para empresas

Engana-se quem pensa que o controle financeiro é importante apenas para pessoas físicas.

As empresas também precisam se comprometer com o controle orçamentário e os aplicativos podem ser uma grande mão na roda aqui.

Conheça três dos melhores apps do mercado para realizar controle financeiro em empresas.

1. Conta Azul

Bastante conhecido quando o assunto é controle financeiro para pessoas jurídicas, o Conta Azul tem foco em atender empresas de pequeno e médio porte.

O seu serviço conta com diversas opções de plano, que vão desde o mais básico até o mais avançado.

Existem ainda condições especiais para o Microempreendedor Individual (MEI), ainda que a empresa não informe os custos para esse público.

No site, o usuário encontra planos a partir de R$ 89,90 por mês.

O app está disponível em Android e iOS.

2. QuickBooks

O QuickBooks é um software de gestão financeira que ajuda pequenas e médias empresas na organização de sua contabilidade.

A empresa oferece três versões do aplicativo – QuickBooks Online Empresarial, QuickBooks ZeroPaper Profissional e QuickBooks ZeroPaper MEI -, cada uma delas indicada para uma necessidade diferente.

De maneira geral, o app oferece funções para o controle de contas a pagar e receber, gerenciamento de recibo, emissão de nota fiscal eletrônica, entre outras funcionalidades.

Conforme informações no site, o valor de seus planos varia entre R$ 69 e R$ 129 por mês.

Você pode baixar o QuickBooks ZeroPaper em Android e iOS.

3. Nibo

Com foco maior na contabilidade, o Nibo conta com duas versões do seu software: uma para contadores e outra para empresários.

Entre as suas funcionalidades, o usuário encontra a opção de emitir NFS-e e boletos, auditar os lançamentos, fazer o planejamento orçamentário e até mesmo seu controle de estoque.

Para a versão dos contadores, um destaque é a possibilidade de importar movimentações financeiras ainda que o cliente não use um sistema informatizado.

Segundo seu site, os planos do Nibo têm um custo mensal que varia entre R$ 58,25 e R$ 259.

4 Dicas poderosas para organizar sua vida financeira

Até agora, falamos dos aspectos práticos do seu controle financeiro, apresentando as opções de aplicativo disponíveis para você se organizar.

Mas como nem tudo é sobre ferramentas, reunimos a seguir três dicas poderosas para sua organização financeira.

1. Fuja dos juros

Grande vilão do orçamento de muitos brasileiros, o juro é cobrado por bancos e operadoras de crédito em caso de atraso ou financiamento de longo prazo.

Para pagar menos, é importante optar por fazer suas compras à vista e parcelar o mínimo possível.

Atente-se também para não se esquecer do dia em que a conta vence e acabar tendo de pagar juros pelo atraso no pagamento.

2. Atualize seus planos multimídia

Hoje em dia, um gasto comum em muitos orçamentos domésticos são os combos multimídia que reúnem internet, telefonia e televisão a cabo em um só pacote.

Em geral, esses planos tendem a ficar obsoletos com o tempo por conta dos avanços na própria tecnologia – e cabe ao cliente solicitar sua atualização.

Para renegociar valores, será preciso contatar sua operadora e manifestar que você não se encontra feliz com os valores do contrato atual.

3. Cozinhe mais

Pode até parecer algo bobo, mas, no fim do mês, todos aqueles pedidos de delivery que você fez no impulso podem representar um rombo no seu orçamento.

Assim, um jeito de fugir das armadilhas é estar sempre com a dispensa pronta para ir para a cozinha.

Quem quer fugir de gastos com alimentação deve se planejar com antecedência para cozinhar suas refeições sempre que possível.

Crie um cardápio semanal e faça o mercado com foco nos ingredientes que serão consumidos naquela semana, evitando desperdícios.

4. Poupe e invista

Com as dicas que viu até aqui, você aprendeu a poupar.

Então, sempre que sobrar um dinheiro, aplique para fazê-lo render.

Você pode começar com pouco – com cerca de R$ 30, por exemplo, já dá para investir no Tesouro Direto.

Procure conhecer seu perfil de investidor e determinar objetivos para seu dinheiro.

Essa é a melhor maneira ver seu patrimônio crescer.

Abra sua conta na Rico e tenha acesso às melhores opções para investir com segurança e rentabilidade.

Conclusão

Hoje, a tecnologia está presente em praticamente todos os aspectos de nossa vida.

A chegada da internet mudou a forma como nos relacionamos, fazemos compras, trabalhamos e nos divertimos.

Nesse cenário, não é de se espantar que ela tenha também influenciado na forma como as pessoas organizam e controlam suas finanças pessoais.

O mercado conta com diversas opções de ferramentas que automatizam o processo e oferecem insights poderosos sobre o seu orçamento.

Com as nossas dicas, você poderá avaliar os aplicativos da lista e entender qual melhor se adapta às suas necessidades.

Siga aprendendo sobre controle financeiro pessoal com mais estes artigos:

Obrigado por ler até aqui!


agosto 21, 2020

Gestão financeira pessoal: 7 dicas incríveis do Tio Patinhas  

Quem entende mais de gestão financeira pessoal do que o Tio Patinhas? O clássico personagem das histórias em quadrinhos até tem fama de avarento, já que cuida de cada centavo com muito carinho.

Mas a gestão financeira não se trata apenas de administrar dinheiro.

Essa é uma habilidade pessoal que, se bem desenvolvida, pode fazer você ganhar mais e gastar menos, colocando seu fluxo em uma tendência de riqueza.

Essa é apenas uma das dicas de gestão financeira pessoal que tiramos da “biografia” do pato mais rico do mundo.

Ainda vamos te mostrar muitas outras dicas neste artigo, que extrai a sabedoria de um ícone pop da riqueza.

E caso precise de ajuda com alguma questão, pode deixar o seu comentário no final da página.

Boa leitura! 

Clique e baixe conteúdos sobre investimentos

O que é Gestão Financeira Pessoal?

Uma mão mexendo em uma calculadora, em referência à gestão financeira pessoal
Descubra o conceito e como funciona a gestão financeira pessoal

A gestão financeira pessoal é um conjunto de técnicas e estratégias que moldam a forma com que você ganha, economiza e investe dinheiro.

Ela é feita normalmente com algum objetivo claro que pode ser:

São inúmeros os objetivos financeiros que você pode ter.

Eles podem estar ligados ao seu projeto de vida para o futuro (como ter um rendimento médio mensal de pelo menos R$ 1.000) ou apenas às realizações pessoais, como ter o primeiro carro ou ser independente financeiramente.

Para todos os objetivos, você precisará de um planejamento financeiro pessoal.

Este será o seu mapa onde você analisa todos os caminhos e decide qual será o trajeto até o seu sucesso financeiro.

Em seu planejamento financeiro, você definirá quanto precisa ganhar, quanto deve economizar e quanto precisa investir, para chegar ao seu objetivo em um período de tempo predeterminado.

Você ainda não tem isso? Os seus sonhos são apenas sonhos? Então está na hora de transformá-los em objetivos práticos e lutar por isso.

As dicas que vamos ver na sequência não são o planejamento financeiro do Tio Patinhas, mas muito melhor que isso: elas são a sabedoria do gestor financeiro Tio Patinhas e mostram como ele transformou essa sabedoria em um quaquilhão de dólares.

Se quiser aprender mais sobre planejamento financeiro, leia este outro artigo completo do nosso blog.

Por que é importante fazer a gestão das finanças pessoais

Um dos grandes desafios de uma pessoa que se considera “independente” é a administração das finanças pessoais. 

Deixar de depender da colaboração dos pais e passar a contar com seus próprios recursos exige planejamento, dedicação e estratégia.

O começo dessa organização financeira costuma ocorrer quando você ainda mora sozinho, mas terá reflexos quando uma família é constituída.

Portanto, começar do jeito certo é a melhor maneira de não ter sobressaltos no futuro e se organizar para buscar seus sonhos

Em resumo, a gestão financeira nada mais é do que conhecer sua renda e seus gastos e se planejar para que a receita não supere as despesas. 

Sabendo quanto pode sobrar a cada final de mês, você tem condições de saber se pode ou não realizar novos investimentos. 

Como é sua relação com o dinheiro?

Antes de mais nada, você precisa refletir sobre qual a sua relação com o dinheiro.

Ele é suficiente para pagar suas contas? Ou você quer usá-lo para investimentos e formar um patrimônio?

Seu planejamento também tem impacto direto no controle financeiro.

Buscar uma promoção ou uma recolocação em outro trabalho pode lhe render mais dinheiro.

Com isso, você poderá ampliar seu controle, de forma que ele fique mais eficiente.

É importante você também saber como são seus gastos.

Sempre há as despesas fixas (aluguel, condomínio, IPTU, IPVA), mas os maiores entraves costumam estar nos valores variáveis. 

Você costuma gastar em bares, restaurantes? Gosta de fazer uma viagem ao exterior todos os anos? 

Talvez você tenha uma vida simples, mas não abre mão de comer fora, de tomar cafezinho todos os dias,

Ou você é mais “pão duro” e prefere guardar o dinheiro do que aproveitar?

Tudo isso precisa ser levado em conta na hora de começar esse planejamento dos gastos pessoais.

7 Dicas de Economia Financeira que Aprendemos com o Tio Patinhas

Um quadrinho do tio patinhas falando o que está na legenda, em referência às dicas sobre gestão financeira pessoal
“Eu fiz isso sendo mais duro que os durões, sendo mais esperto que os espertos! E eu fiz isso de maneira justa.” Tio Patinhas sobre sua fortuna.

A biografia do Tio Patinhas é uma história inventada, mas que serve para dar muitas lições para quem busca mudar de vida financeiramente.

O quadro acima já passar diversas lições valiosas: uma das mais importantes é que não existem atalhos para o sucesso. Você precisa se esforçar e tentar ser o melhor sempre!

Depois de fazer sucesso nas HQ’s, a Disney confiou em Gioachino Don Hugo Rosa para recontar a origem e a história completa do Uncle Scrooge, o Tio Patinhas.

Assim, a partir de muitas páginas de HQ´s de Carl Barks, surgiu a Saga do Tio Patinhas.

A capa da HQ da Saga do Tio Patinhas, na qual ele se apoia sobre uma redoma com uma moeda dentro, em referência às dicas sobre gestão financeira pessoal

Inspirado neste obra, Bruno Perini fez um vídeo com diversas dicas de gestão financeira pessoal no YouTube. Você pode assistir o resultado abaixo:

Também lemos este conteúdo e adicionamos novas dicas para você aprender ainda mais sobre este tema tão importante.

Confira a nossa lista:

#1 – Valorize o esforço do seu trabalho

Uma mulher adormecida sobre o travesseiro em uma mesa com um computador e vários post-its, em referência à gestão financeira pessoal

O Tio Patinhas nasceu em uma família decadente, que já teve dinheiro, mas estava em um fluxo financeiro negativo. 

Ou seja, a cada dia, a família do Tio Patinhas empobrecia cada vez mais. 

E você, agora, também pode estar em uma tendência negativa. Quanto mais os dias passam, mais suas dívidas aumentam.

Como Tio Patinhas resolveu isso? 

Ele não entrou em uma pirâmide financeira ou fez investimentos malucos.

Quando a conta não está fechando, a primeira opção deve ser a mais óbvia: trabalhar muito!

Foi engraxando sapatos que o pato mais rico do mundo fez a sua primeira moeda, a número 1.

Um quadrinho do tio patinhas segurando uma moeda e falando o que está na legenda, em referência às dicas sobre gestão financeira pessoal
Meu pagamento! A primeira moeda que ganhei com o meu próprio trabalho!

Então, se você quer acelerar o processo do enriquecimento ou quer sair das dívidas, o caminho é o mesmo, trabalhar e aumentar sua renda mensal.

Mas o pequeno Patinhas foi enganado: ele foi pago com uma moeda que não valia nada. O que ele fez? Usou isso como uma experiência para estar sempre motivado.

Errar só é realmente um erro se você persistir errando!

O tio patinhas olhando determinado par frente e falando o que está na legenda, em referência às dicas sobre gestão financeira pessoal
Isso deve servir de lição! A vida é cheia de trabalhos duros, e sempre tem algum esperto para trapacear. Bem, eu vou ser mais duro que os durões, e vou ser mais esperto que os espertos — e eu vou fazer o meu dinheiro de maneira justa!
O tio patinhas indo engraxar sapatos, em referência às dicas de gestão financeira pessoal
O pai do Patinhas disse: eu tenho a sensação que esse é o começo de algo grande!

#2 – Adquirindo conhecimento e experiência

Depois de aprender a ganhar algumas moedas como engraxate, Tio Patinhas não parou por aí.

Aqui fica outra dica: não deixe sua carreira congelar em um estado.

Quando ele ganhou algum dinheiro nesse ramo, começou a viajar por diversos países, trabalhando em todo tipo de emprego. 

Essa é uma dica muito importante que o Tio Patinhas ensinou: adquira muito conhecimento e experiência sobre o mercado.

No seu caso, ele fez isso viajando e aprendendo na prática com muitas funções produtivas.

Assim, Tio Patinhas aprendeu a ser um bom empregado, aprendeu a gerir, liderar e gerar valor.

Se você quer chegar a este nível, você precisa aprender MUITO e ter o máximo de experiência possível.

#3 – Transforme suas experiências em dinheiro

gestao financeira pessoal moeda 1

O Tio Patinhas ganhou a Moeda nº 1 com trabalho duro (essa moeda era inútil, pois o primeiro cliente do Patinhas enganou ele), mas essa experiência trouxe MUITO dinheiro para ele no futuro.

Todos devem passar por um período de praticar e aprender

Se você é jovem, este ainda é o seu momento.

Utilize cada dia para ser ainda melhor no que você faz e observe muito bem o seu mercado.

A sua principal fonte de renda mensal, a não ser que você já seja milionário, ainda é a sua ocupação profissional.

Então, invista seu tempo e dinheiro em aprender mais.

Vai chegar em um momento em que as oportunidades de mercado serão visíveis e alcançáveis para você.

Esta é a hora de transformar tudo o que você aprendeu em dinheiro.

#4 – Empreenda

Depois de conquistar o seu primeiro milhão, o Tio Patinhas resolve abrir a sua primeira empresa.

O que a maioria das pessoas faria ao conseguir o seu primeiro milhão? Existem três opções:

  • A grande maioria gastaria (e em pouquíssimo tempo não teriam mais dinheiro)
  • Alguns colocariam na poupança (para salvar esse dinheiro e ter um rendimento pequenino)
  • E quase ninguém reinvestiria ele.

E foi justamento isso que o Tio Patinhas fez.

Ele pegou todo o seu capital juntado em 29 anos de vida e criou uma empresa. Patinhas reinvestiu esse dinheiro, arriscando ele no mercado.

A primeira empresa do Tio Patinhas foi um banco – depois dessa iniciativa, muitas outras empresas em diversos setores foram fundadas.

Se o Tio Patinhas tivesse sido muito conservador e colocado cada moeda no cofre neste momento, ele seria ainda apenas milionário (sem contar a inflação).

Caso Patinhas tivesse gastado tudo, ele teria acabado com o seu futuro também.

Então, você já tem a experiência rica do Tio Patinhas e o primeiro capital para abrir uma empresa? Pense nessa possibilidade e comece um projeto próprio.

#5 – Economize sempre!

Você sabe quanto é o seu custo mensal médio? Esse é um número muito importante.

Afinal, depois de chegar ao seu máximo potencial de ganhos, o único caminho para sobrar mais dinheiro é gastando menos.

Se a fatura do cartão de crédito é sempre uma surpresa para você, está na hora de aprender a economizar.

Tio Patinhas é um ótimo exemplo de sovina.

Ele sabe o valor do trabalho e não tem medo de investir, mas o pato mais rico do mundo não ficou rico sem motivos, pois ele não esbanja.

Por isso, saiba economizar dinheiro.

É a partir do que você economiza que você terá capital para empreender, estudar ou investir em ativos financeiros mesmo.

Clique e baixe o ebook sobre reserva de emergência

#6 – Invista o seu dinheiro!

Três pessoas sentadas em fila com o celular na mão, em referência à gestão financeira pessoal

Em uma cena da história do Tio Patinhas, um personagem pergunta a ele se toda a fortuna dele está no seu cofre.

O Tio Patinhas responde negativamente, falando que ali está apenas uma pequena parte do seu dinheiro.

A maior parte do patrimônio do Patinhas está investida e trazendo retornos!

Então, se o próprio Tio Patinhas investe, porque algumas pessoas insistem em querer guardar dinheiro na poupança que equivale a deixar capital parado?

O primeiro passo para investir é estudar sobre investimentos. Por isso, preparamos uma série de artigos básicos para você ser introduzido neste mundo:

Com estes guias, você saberá o básico sobre investimentos e estará preparado para começar a fazer o seu dinheiro trabalhar para você.

#6 – Planejar é o caminho para o sucesso

É recomendável que a educação financeira comece o mais cedo possível, como foi no caso do Tio Patinhas.

Aliás, esse é um bom resumo de todas as lições que o famoso pato nos deixa.

Assim que você passa a ter um salário e custos fixos, é importante que haja uma organização pessoal para que seja possível guardar um valor mensal.

Esses recursos poupados servirão para você fazer seu planejamento para etapas mais importantes, como o início de um negócio, o pagamento da faculdade dos filhos e até a aposentadoria. 

Com uma economia bastante volátil, como é a brasileira, cada vez mais o planejamento financeiro pessoal deixou de ser uma opção para se tornar uma necessidade.

Por causa disso, alinhar o orçamento doméstico aos seus objetivos de vida pode ser o caminho para o sucesso.

Caso contrário, você terá uma vida de dívidas e preocupações. 

Você prefere isso ou uma vida de riquezas, como a do Tio Patinhas?

Dica bônus: cursos gratuitos de finanças pessoais

Agora que você descobriu a importância de ter seu controle financeiro e seu planejamento pessoal, siga aprendendo e evoluindo.

Descubra cursos gratuitos que podem lhe ajudar nessa missão:

1. Finanças pessoais, SENAI

Este curso do SENAI é tem carga horária de 14 horas e funciona na modalidade de ensino à distância. Você tem 20 dias para completar o curso inteiro. No término, você pode ganhar um certificado.

2. Poupança e investimentos, CVM

A CVM educacional tem um curso gratuito de economia dividido em três módulos. Entre os temas estão: organização de contas, planejamento da vida financeira, dívidas e consumo.

3. Como organizar o orçamento familiar, FGV

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) oferece um curso que pode ser um bom início na organização das contas pessoais. A carga horária é de 12 horas. Conheça aqui.

4. Cursos sobre finanças do Learncafe

O Learncafe é uma plataforma virtual que permite a inclusão de cursos sobre diversos assuntos. Na categoria “Investimentos e Finanças”, você obtém cursos rápidos e gratuitos para aprender a poupar dinheiro e economizar. Você pode conferir aqui.

Melhores aplicativos para fazer o controle da gestão financeira pessoal

Além dos cursos gratuitos, você pode recorrer a opções de aplicativos para gerir seu orçamento.

Confira as nossas sugestões, que podem ser baixadas na loja de aplicativos do seu celular:

1 – Mobills 

O Mobills é um dos aplicativos mais baixados e bem avaliados do país.

Além de gerenciar as despesas por geolocalização, você pode sincronizar os dados na nuvem e exportar relatórios. 

2 – Spendee 

Quem procura um design prático e simples pode gostar do Spendee.

O app permite adicionar contas bancárias e rastrear os gastos manualmente, além da classificação das transações. 

3 – Wallet 

O nome Wallet remete à carteira e traz, como vantagem, a possibilidade de compartilhar as informações da conta com outras pessoas, o que é muito bom para casais, famílias e amigos que dividem as finanças. 

4 – Guiabolso

O Guiabolso é destaque quando a intenção do usuário é integração, pois ele agrega cartões de crédito e contas bancárias.

Nele, também é possível contratar empréstimos e comparar taxas no próprio aplicativo, o que é ideal para quem precisa de uma verba adicional.

5 – Organizze

O Organizze reúne mais de dois milhões de usuários e é uma boa opção para quem deseja estabelecer metas pessoais para economizar e descobrir para onde realmente vai seu dinheiro.

Os cartões e contas são centralizados na plataforma, que é bastante intuitiva.

Comece Agora a Investir com a Rico

Para começar a investir, você precisa saber o que é um investimento e o que não é um investimento.

Apesar de parecer uma questão óbvia, muitas pessoas aplicam o seu dinheiro acreditando que estão investindo, mas na verdade estão apenas gastando dinheiro.

Vamos explicar a diferença entre passivo e ativo.

Passivo é tudo que você adquire que traz mais contas para você – ou que rende menos do que a opção mais segura de investimentos (o Tesouro Selic).

Ativo é um produto financeiro que não traz dívida, na verdade, ao adquirir um ativo, uma instituição que passa a dever rendimentos para você.

Então, o ativo traz dinheiro em vez de levar.

Comprar um carro é um passivo. Assim como comprar uma casa para morar. 

Afinal, todos estes bens, costumam ter impostos recorrentes, além do risco do bem se desvalorizar com o passar dos dias.

Um carro pode ser um ótimo investimento se o tempo que ele salva por mês compensa o valor que você ganha por hora trabalhada.

Mas é raro essa conta compensar devido à desvalorização, seguro, impostos, gasolina e etc. 

Normalmente, vale mais a pena andar de Uber e alugar uma casa do que ter esses bens.

Depois de entender essa diferença, você vai tomar gosto por adquirir as opções ativas em vez de opções passivas.

Investir no banco ou na corretora?

A primeira coisa que você deve entender é que dinheiro no banco não costuma render como deveria.

A poupança possui uma performance muito ruim.

Então, abra sua conta na Rico e tenha muitos investimentos tão seguros quanto à poupança, mas muito mais rentáveis.

Além disso, no banco, você não terá acesso a muitas opções de investimentos.

Dicas de Investimento

Se você nunca investiu, comece pelas opções mais seguras e conservadoras, como o Tesouro Selic. Esse é um ativo emitido pelo próprio governo.

Depois dessa opção, você pode começar a aplicar em títulos de crédito privado, como debêntures ou até em fundos multimercado.

Tudo depende do seu perfil de investidor.

Conclusão

O tio patinhas comemorando com o pato donald em um mar de moedas, em referência às dicas de gestão financeira pessoal
Pronto para investir como o Tio Patinhas?

Ao contrário do que muitos pensam, o Patinhas não ficou quaquilionário na sorte.

A moeda número 1 não é um amuleto que faz ele achar dinheiro na rua e a sua fortuna não é herança.

Mesmo que algumas poucas pessoas fiquem ricas na sorte, nós temos que nos focar em como chegar até lá.

O Tio Patinhas trilhou um caminho que todos que querem ser ricos também devem trilhar.

  • Ter grandes objetivos
  • Trabalhar duro
  • Adquirir muito conhecimento e experiência
  • Empreender
  • Economizar
  • Investir.

Com certeza, seguindo essa lógica, você se destacará em sua área, ganhará mais dinheiro e o mais importante: vai construir um patrimônio crescente e duradouro.

Talvez você não seja o próximo milionário, mas, com certeza, a sua vida financeira vai avançar.

Se você ficou com qualquer dúvida, deixe o seu comentário logo abaixo.

Obrigado por ler até aqui!

 * Todas as imagens do Tio Patinhas neste post são de propriedade e autoria da Disney.


julho 29, 2020

Orçamento pessoal: o que é, sua importância e como fazer!  

Construir um orçamento pessoal é um dos segredos para aproximar você de suas metas.

A verdade é que o primeiro passo para ter uma vida mais confortável ou realizar determinado sonho não é bater na porta do seu chefe e pedir um aumento, e sim organizar suas finanças.

Orçamento, aliás, é uma palavra bastante usada no dia a dia. 

Acontece quando você convida um amigo para uma viagem e ele responde “tenho que ver se meu orçamento permite”, por exemplo.

Muitas pessoas, no entanto, pensam que checar o orçamento pessoal é o mesmo que conferir o saldo da conta bancária.

Na verdade, se trata de um planejamento mais amplo, que relaciona as despesas futuras com as receitas, para facilitar a tomada de decisão sobre as viagens, como no exemplo dado antes, e quaisquer outros tipos de gasto.

Mas tudo isso – e dicas práticas – vamos abordar com detalhes ao longo deste artigo. 

Você vai saber sobre:

  • O que é um orçamento pessoal?
  • Qual a importância de fazer orçamento pessoal 
  • Benefícios de fazer um bom orçamento pessoal
  • Como dividir o orçamento pessoal?
  • Como fazer orçamento pessoal eficiente em (x) passos simples
  • Como fazer a gestão do seu orçamento pessoal 
  • Quais ferramentas usar para controlar o orçamento pessoal 
  • Preciso fazer orçamento pessoal e familiar: devo seguir o mesmo processo?

Se restar alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

O que é um orçamento pessoal?

Orçamento pessoal é uma ferramenta com a qual o indivíduo registra sua previsão de receitas e despesas em determinado período.

Nele, também deve ser registrado o saldo da conta bancária e investimentos, para que seja possível ter um panorama completo das finanças pessoais.

O ideal é que o orçamento seja simples, objetivo e realista, deixando de fora receitas extraordinárias, cuja probabilidade de consolidação é incerta.

Do mesmo modo, planos de despesas que ainda estão apenas no campo das ideias não entram no orçamento.

Qual a importância de fazer orçamento pessoal 

Casal observando contas, no qual mulher aponta para uma determinada linha.
O orçamento pessoal irá trazer benefícios para além do pessoal, mas para a família também!

O orçamento pessoal é importante para que a pessoa tome decisões mais embasadas em relação ao seu dinheiro.

Voltando ao exemplo do início do texto, sobre a viagem, este é um plano e, como acabamos de explicar, não entra no orçamento ainda.

O que a pessoa deve fazer é estimar quanto gastaria com a viagem: passagens, hotel, refeições, passeios…

Feito isso, o resultado da estimativa é comparado com o orçamento para saber se é compatível. 

A resposta é positiva? Então, já pode reservar a agenda, comprar as passagens e incluir no orçamento.

Mas o orçamento pessoal também pode indicar a situação contrária: em vez de dinheiro sobrando, a ferramenta de controle revela que vai faltar.

Nesse caso, é importante ter o diagnóstico para planejar as ações que precisam ser tomadas, como reduzir gastos e/ou procurar maneiras de aumentar as receitas.

Entenda os benefícios de fazer um bom orçamento pessoal

Homem anotando valores num grande fichário.
Manter o orçamento pessoal dentro do seu perfil de investidor, poderá auxiliar na hora de investir numa boa oportunidade!

A importância do orçamento pessoal vai além do que já comentamos até aqui.

Confira, na lista abaixo, quais são os principais benefícios da ferramenta e da adoção dela na sua vida.

Clareza e previsão

Como explicamos até aqui, colocar o orçamento no papel confere mais clareza sobre a situação atual das suas finanças e maior previsibilidade em relação ao que vem pela frente.

Esses são os benefícios-chave, fundamentais para os seguintes.

Você evita de pagar mais que deveria

É comum ver pessoas com a vida financeira desorganizada, atrasando pagamentos ou quitando os compromissos na última hora.

Desse jeito, podem acabar tendo que pagar mais (por conta de multas e juros) ou deixando de obter descontos pelo pagamento antecipado.

Realização de sonhos

Utilizamos antes o exemplo da viagem. 

Mas pode ser um carro, uma casa ou qualquer outro bem ou experiência que custa caro para se tornar realidade.

Se custa caro, é preciso que a pessoa organize seu orçamento e faça um bom planejamento para juntar o dinheiro necessário aos pouquinhos.

Sem isso, é provável que o sonho nunca se realize – a projeção a pessoa vê o saldo positivo e vai gastando.

Suas relações melhoram

Não é que as pessoas só queiram saber de seu dinheiro, mas sim que ele proporciona momentos como um happy hour com os amigos ou mais conforto para sua família.

Sua qualidade de vida dá um salto

Quem não precisa se preocupar com dívidas e não vislumbra uma grande incerteza financeira ao olhar para o futuro, tem menos estresse e ansiedade no dia a dia.

Somando isso ao que falamos antes (realização dos sonhos e melhores relações), é fato que a sua qualidade de vida dá um salto com um orçamento pessoal organizado.

Afinal, como dividir o orçamento pessoal?

Um detalhe importante sobre o orçamento pessoal é que ele não precisa ser necessariamente passivo.

Isto é, em vez de simplesmente registrar a maneira como gasta o dinheiro atualmente, você pode moldá-lo do jeito que achar melhor, dividindo a receita em percentuais de acordo com categorias de despesas.

E como fazer essa divisão? 

A seguir, apresentamos alguns exemplos de métodos bastante recomendados por consultores de finanças pessoais.

Vale lembrar que:

  1. Você não precisa seguir nenhum destes três métodos, e sim dividir da forma que for mais conveniente para você. Mas se fugir muito dos percentuais que vamos indicar, pode ser indício de um orçamento desequilibrado
  2. Não encare como um fracasso se as despesas não coincidirem exatamente com os percentuais a que você se propôs a seguir. São referências para se planejar e tentar se manter próximo, não regras essenciais

Dito isso, confira as sugestões para dividir o orçamento pessoal em porcentagem.

50-15-35

Neste caso, a ideia é reservar 50% das receitas para bancar despesas básicas, como moradia, luz, água, transporte, saúde e alimentação.

Mas atenção: estamos falando do básico. 

Passagem de ônibus para a praia é transporte, mas é supérfluo. Jantar em restaurante é alimentação, mas é supérfluo.

Já os 15% devem ser gastos com as prioridades para a saúde financeira: pagamento de dívidas e dinheiro para fundo de emergência e investimentos a longo prazo.

Por fim, os 35% que restam são gastos livres, que podem ser dedicados ao lazer e estilo de vida, como academia, cinema, futebol, viagem ou aquele vinho importado que você adora.

60-10-10-20

Segundo esta divisão do orçamento pessoal, você pode gastar 60% da receita líquida com despesas básicas e 20% com gastos livres.

Já as duas parcelas de 10% correspondem aos objetivos financeiros de curto e longo prazo.

Os de curto prazo são sua reserva financeira e bens ou experiências que você pretende adquirir em um prazo inferior a dois anos (uma viagem, por exemplo).

Os objetivos de longo prazo são aqueles que vão demorar para serem realizados, mas precisam de investimentos constantes, como um imóvel ou a aposentadoria.

55-10-10-10-10-5

Por fim, veja este método, no qual o orçamento é dividido entre as seis categorias seguintes:

  • 55%: despesas básicas
  • 10%: gastos livres com lazer e estilo de vida
  • 10%: para reserva pessoal destinada ao consumo (para comprar uma televisão ou automóvel, por exemplo)
  • 10%: investimentos no seu crescimento pessoal (cursos e livros, por exemplo)
  • 10%: investimentos para o futuro, como aposentadoria
  • 5%: dinheiro para a caridade, a ser doado diretamente para quem precisa ou para alguma organização.

Como fazer orçamento pessoal eficiente em 5 passos simples

Mulher calculando e fichando números.
Para realizar um bom orçamento pessoal é preciso de algumas dicas especiais, como atualizar o orçamento.

Não sabe por onde começar? A gente pode ajudar

Veja como fazer seu orçamento pessoal com os passos abaixo.

1. Planeje

O primeiro passo é ajustar a sua intenção. 

Como é seu comportamento financeiro hoje e por que ele deve mudar?

Quais são suas prioridades (caso tenha dívidas, são elas)? 

Qual tipo de divisão (entre as que explicamos antes ou qualquer outra) faz mais sentido para você?

2. Crie um sistema

De nada adianta definir que você vai seguir o método 50-15-35, por exemplo, se não anotar seus gastos e receitas para saber se está próximo da meta.

Mais adiante, vamos explicar melhor como criar uma rotina de controle do orçamento pessoal.

3. Acompanhe e revise

Além de criar uma rotina de atualização das ferramentas de controle, você precisa tirar um tempo para analisar o que aprendeu com a prática, o que deve mudar na sua rotina e, se for o caso, no próprio planejamento do orçamento.

4. Mude seu comportamento

Com o aprendizado e os insights gerados, faça as mudanças que podem melhorar sua vida financeira. 

Pode ser comer menos em restaurantes ou se mudar para um lugar mais barato, só para citar dois exemplos.

5. Atualize o orçamento

Se as mudanças tiveram sucesso ou surgirem novos fatos (que geram redução ou aumento nas despesas ou receitas), sinta-se livre para refazer a divisão do orçamento.

Entenda como fazer a gestão do seu orçamento pessoal 

O ponto onde as pessoas geralmente sentem mais dificuldade é executar o sistema criado no passo 2 que explicamos acima.

Ou seja, ter a disciplina de alimentar as despesas e receitas na ferramenta de controle escolhida (falaremos sobre as opções no tópico seguinte).

É importante que você crie o hábito de:

  1. Alimentar a ferramenta de controle (diariamente ou sempre que comprar algo)
  2. Definir uma periodicidade para revisar e analisar os gastos (pode ser a cada semana, a cada duas semanas ou a cada mês)

Para facilitar a análise, ajuda bastante se você dividir os gastos em categorias na sua ferramenta de controle.

Por exemplo, separar despesas fixas de variáveis (aluguel é fixa, bares e restaurantes é variável) e gastos no débito de compras no crédito. 

E também classificar os gastos diários em categorias (alimentos, farmácia, itens de limpeza, etc.).

Quais ferramentas usar para controlar o orçamento pessoal

Não faz sentido fazer o orçamento pessoal no velho caderninho.

Você até pode utilizá-lo para anotar algo de vez em quando ou planejar seu sistema, mas não como ferramenta principal de controle.

Para isso, existem alternativas melhores.

Vamos conhecer quais são elas?

Aplicativos

O mercado está cheio de aplicativos desenvolvidos especialmente para registrar despesas e receitas e projetar investimentos futuros.

Eles podem ser baixados no celular ou tablet ou acessados pelo computador, no navegador.

As informações ficam hospedadas na nuvem, para que você possa acessá-las de qualquer lugar, bastando conectar-se à internet.

O grande ponto a favor dos aplicativos é que são práticos, intuitivos e integram as informações, geram relatórios para facilitar sua análise.

O lado ruim (em relação à opção que apresentaremos a seguir) é que as opções de personalização são limitadas.

Planilhas

Para os defensores dos aplicativos, as planilhas no Excel podem parecer coisa do passado.

Mas qualquer pessoa que mergulha no mundo das finanças (ou trabalha com isso) não as substitui por nada, pela ampla possibilidade de personalização e vasto universo de fórmulas que podem ser aplicadas.

Se você já tem alguma familiaridade com o Excel ou Google Planilhas, neste ponto do texto, já deve ter pensado em algumas maneiras de organizar seu orçamento em uma planilha.

Quem precisa de inspiração para fazer sua planilha, não quer começar do zero ou não sabe mexer bem com Excel pode usar um dos nossos modelos, que disponibilizamos para download gratuito:

Preciso fazer orçamento pessoal e familiar: devo seguir o mesmo processo?

Mulher sorrindo e segurando uma caneta em frente ao seu computador.
O orçamento pessoal é tão importante quanto o familiar, variando apenas de perfil para perfil!

Quando a pessoa mora sozinha, é muito fácil categorizar e registrar seus gastos. 

E quando mora com outras pessoas e várias despesas são divididas?

O ideal é haja a separação por membro da família, para saber exatamente quanto, como e quem está gastando.

Mas é importante ter também um controle geral, que consolide os gastos e receitas de cada parte.

E se você mora com um amigo ou colega? 

Nesse caso, é fundamental ter um controle sobre os gastos em comum, como aluguel e produtos de limpeza, que os dois usufruem, mas cada um é livre para gerir o restante de seu orçamento como achar melhor.

Conclusão

O orçamento pessoal é uma ferramenta que, quando bem usada, só traz benefícios.

Ele é o caminho para uma vida sem dívidas e na qual os sonhos de curto, médio e longo prazo ficam mais próximos de serem realizados.

Sem contar que o controle financeiro diminui o estresse e ansiedade, aumentando sua qualidade de vida.

Agora, se o seu problema é onde investir o dinheiro que sobra, veja outros artigos do blog da Rico para receber dicas preciosas.

Ou, então, invista com a gente.

A Rico tem os melhores investimentos financeiros para todos os perfis: conservadores, moderados e arrojados.

Abra sua conta agora mesmo.

Obrigado por ler até aqui!


julho 17, 2020

15 dicas poderosas sobre finanças pessoais  

Como você cuida hoje das suas finanças pessoais? Seja qual for a resposta, terminando o mês no vermelho ou no azul, sempre dá para melhorar a sua relação com o dinheiro.

Finanças pessoais é o nome que se dá a tudo o que se relaciona ao âmbito financeiro de uma pessoa física, aplicando os mesmos conceitos financeiros usados em uma empresa.

Isso quer dizer que, em suas finanças pessoais, você vai ouvir falar de orçamento, planejamento e fluxo de caixa, entre outras tarefas que fazem parte desse importante aspecto da sua vida.

Neste texto, vamos tratar de temas relacionados às suas finanças pessoais, de forma que conheça os segredos que diferenciam os milionários da grande maioria das pessoas quando o assunto é dinheiro.

Você não entende por que “as contas nunca fecham”? Nunca “sobra” dinheiro para investir? Você está sempre no vermelho? Seu patrimônio parece que nunca sai do lugar?

Agora, chegou a hora de entender como cuidar de suas finanças pessoais é fundamental para tudo isso.

Quer saber como fazem os milionários? Agora chegou a hora, vamos lá?

O que é gestão de finanças pessoais?

Quando falamos em gestão de finanças pessoais, estamos nos referindo a todas as ações de planejamento e controle do seu orçamento doméstico.

Ela está presente desde as mínimas escolhas, como a marca de papel higiênico até as grandes decisões, como na hora de decidir financiar um veículo ou imóvel.

São essas pequenas e grandes decisões que, juntas, compõe o seu orçamento e determinam a sua situação financeira.

Tudo parte do planejamento, que é o que estabelece metas e assegura que você vai trabalhar no sentido de conquistar os seus sonhos.

Na hora de planejar, é importante ser realista quanto ao valor da sua renda e suas expectativas de ganhos para os próximos meses.

Os gastos também devem estar de acordo com a realidade, sempre estipulando um valor que corresponde à realidade da sua média de despesas atual, e não uma meta do que você gostaria de estar gastando.

No fim, o objetivo é ter o seu orçamento mais organizado e uma situação financeira mais estável para lidar com crises, imprevistos e emergências.

Por que é importante entender tudo sobre finanças pessoais?

Entender de finanças pessoais é tão básico e fundamental como saber o caminho de casa, usar a internet ou o telefone.

O dinheiro é parte integrante de nossas vidas, sem o qual não podemos ter acesso a praticamente nada: do básico ao lazer.

Quem não entende de finanças pessoais é refém de um sistema criado para manter as pessoas endividadas e sem capacidade de investimento. 

Não pense você que quem dirige um carro caro, mora em uma casa grande em local nobre e tem hábitos luxuosos, entende de finanças pessoais ou mesmo é rico.

Em verdade, esses são fortes indícios de endividamento e total inaptidão em finanças pessoais.

Muitas vezes essas pessoas que “aparentam ser”, são altamente endividadas em prol de “manter uma imagem” que, caso se dedicassem às suas finanças pessoais, perceberiam que está em desacordo com sua realidade financeira.

O conhecimento de finanças pessoais lhe permitirá um círculo virtuoso que começa no cuidado com seu orçamento e autoconhecimento financeiro, para culminar em investimento e enriquecimento pessoal.

Quais são os benefícios em cuidar bem das suas finanças pessoais

O principal benefício de quem cuida bem de suas economias está no maior conforto e segurança no orçamento.

Quem se organiza bem consegue identificar facilmente os desperdícios e apontar gastos que podem ser cortados para garantir uma folga na hora de fechar as contas do mês, poupar e investir.

Além de saber exatamente para onde está indo o seu dinheiro, você evita acabar caindo em fontes de crédito caro, que te prendem com juros abusivos.

No final, quem cuida bem de suas finanças vive uma vida mais tranquila e com menos pressão, pois está preparado para lidar com os imprevistos.

Gaste Menos Do Que Você Ganha

Uma mulher mexendo na calculadora, em referência às finanças pessoais.
Lembre-se de que é fundamental gastar menos do que o seu salário.


Você notou que falamos em “orçamento” e “autoconhecimento financeiro”? Parece óbvio, mas tudo isso começa em “conhecer-se financeiramente“.

Acredite ou não, muitas pessoas sequer têm o costume de olhar o extrato de sua conta bancária – e se é assim, como conhecer suas finanças pessoais?

Por isso, nunca é demais dizer: o básico é o mais importante.

Comece criando o hábito de olhar para seu extrato com frequência, identificando exatamente quanto entra e quanto sai, para chegar no ponto crucial das finanças pessoais: gastar menos do que você ganha.

É elementar, não é? Mas muita gente não consegue. Pior ainda: o desconhecimento das finanças pessoais é tão grande que, acredite, existe quem pense que gasta menos, quando na verdade gasta mais.

Como isso é possível? Mecanismos de crédito, com parcelamentos supostamente sem juros, que “criam sensação de poder de compra“, sem que de fato haja.

E como a dívida é constantemente “rolada”, cria-se a falsa sensação de adimplência, afinal, a conta está no azul.

Porém, o acúmulo de parcelas e juros, em algum momento, trará a realidade à tona, de modo que será muito difícil reverter a situação.

E toda essa problemática converge, novamente, para um mesmo ponto: falta de conhecimento e de interesse por finanças pessoais.

A partir do momento em que se adquire o conhecimento básico, de modo que suas finanças pessoais sejam parte integrante de sua rotina, fica muito mais simples a tarefa de gastar menos do que se ganha e, por consequência, investir essa diferença.

Monitore Os Gastos (Como Controlar Suas Finanças)

Falamos de “gastar menos do que se ganha”, não é? Pois saiba que alcançar isso passa pelo controle de seus gastos.

E, como você não pode controlar o que não vê, é fundamental que passe a anotar cada despesa que realiza.

Nesse instante, pouco importa se fará isso através de um aplicativo, uma planilha ou usando um caderno.

O importante é que faça, para que conheça exatamente como está gastando seu dinheiro, possa identificar possíveis desperdícios e tenha suas finanças pessoais sob controle.

E ao identificá-los (os desperdícios), corte sem dó. Assim, você vai aprender como controlar suas finanças.

Você assina 400 canais de TV, mas só assiste 2? Cancele!

por 600 minutos de voz de celular, mas só usa o WhatsApp? Mude para um plano mais barato. 

IMPORTANTE: Não existe nenhum gasto que não possa ser revisto, nem mesmo moradia.

Fundamental mesmo é ter as contas em dia, poder investir, para viver melhor. Esse é o papel fundamental do bom cuidado com as finanças pessoais.

Ao passar a monitorar suas finanças pessoais, você perceberá em pouco tempo uma mudança significativa em seus hábitos e, por consequência, verá os frutos desse esforço em forma de poupança e investimentos.

Como Montar Uma Aposentadoria De Sucesso

Antes de seguir, recomendamos a leitura desse texto cujo assunto é poupança.

Nele, falamos sobre como você poderá perder dinheiro na poupança ou mesmo em outros produtos de seu banco, e como a Rico pode lhe ajudar a fazer seu dinheiro crescer, através de investimento seguros e com rendimentos muito melhores.

Além de fornecer todo o suporte a cada etapa do processo, da abertura da conta ao investimento de seu dinheiro.

E a corretora é parte importante de suas finanças pessoais. É o parceiro de confiança para ajudá-lo com seus objetivos financeiros, como por exemplo, sua aposentadoria.

Para montar uma aposentadoria de sucesso, antes de mais nada, é preciso disciplina e ater-se ao básico: controlar seus gastos de forma que gaste menos do que ganha.

Feito isso, é hora de pensar no prazo em que pretende se aposentar e quanto seria o suficiente.

Uma vez feito isso, é hora de procurar quais investimentos vão te levar até os objetivos pretendidos e definir que montante mensal terá de ser investido para isso.

É importante lembrar-se de, todo ano, aumentar o valor das aplicações para compensar a inflação. E em todo esse processo, a Rico estará aqui para te ajudar.

Finanças pessoais é isso: objetivos, prazos, metas e, baseada nisso, a escolha dos investimentos que o ajudarão a alcançá-los.

Jamais se esqueça que, ao longo do tempo, correções e mudanças terão de ser feitas, uma vez que a economia está em constante movimento.

Mais uma vez: conte conosco para que suas finanças pessoais o levem para uma aposentadoria vencedora.

15 Dicas Sobre Finanças Pessoais

Pilhas de moedas e, sobreposta, uma imagem de gráficos, em referência às finanças pessoais.
Com as melhores dicas, você qualifica a gestão financeira pessoal e se aproxima de suas metas e sonhos

Vamos aprender, de fato, como organizar as finanças pessoais?

Para isso, preparamos uma série de dicas práticas e fáceis de aplicar na sua vida.

Confira!

1. Transforme Sua Vida Financeira Com a Regra Dos 50-15-35

Você já ouviu falar desta regra? Bem, ela é bastante simples. Consiste em aplicar uma métrica na ideia que repetimos sempre: objetivos e metas.

O conceito é simples: dividir seu orçamento em três percentuais para onde sua renda deverá ser direcionada (ou 3 limites para seus gastos):

  • 50% para gastos essenciais
  • 15% para prioridades financeiras
  • 35% para estilo de vida.

Isso significa dizer que, tudo o que é básico e fundamental, não deverá superar 50% do seu orçamento: moradia, contas de consumo, educação e assim por diante.

Em seguida, as prioridades financeiras devem se limitar a 15% do seu orçamento.

Se você está endividado, essa é a parcela que deverá ser canalizada para o pagamento desses compromissos.

Do contrário, esse percentual deve ser destinado à poupança e construção de patrimônio.

Seguindo os dois parâmetros anteriores, você conseguirá 35% do seu orçamento para gastar com coisas que gosta e trazem sentido para sua vida: passeios, hobbies, restaurantes e tudo mais que te define e te motiva.

Sem essas coisas, as finanças pessoais ficam comprometidas, pois a vida perde, literalmente, a graça.

Cuidado, portanto, em rotular como “supérfluo” as coisas que lhe trazem alegria.

2. Renegocie suas dívidas

Quem quer organizar suas finanças pessoais para sair das dívidas precisa começar renegociando os valores devidos.

Esse momento é essencial para você compreender o montante que precisa pagar – informação que deve guiar o restante do seu planejamento financeiro.

Além disso, ao renegociar, você muitas vezes consegue frear a incidência dos juros que aumentam a sua dívida.

3. Faça um planejamento financeiro pessoal

Muita gente pensa que o planejamento financeiro pessoal é um bicho de sete cabeças. Mas não é.

Aliás, o grande segredo é ser simples e funcional.

A base de qualquer planejamento é simplesmente definir prazos e metas.

Em resumo: é saber o que se quer, quando se quer, para poder planejar como vai chegar lá. 

4. Monte uma planilha de gastos mensais

Finanças pessoais não são nada sem controle.

Então, que tal começar a fazer sua planilha de gastos mensais?

Melhor ainda: existem muitas planilhas prontas para você começar agora mesmo.

5. Junte uma reserva de emergência

Outro ponto importante para sair das dívidas é montar a sua reserva de emergência.

Estipule um valor e vá guardando aos poucos até atingir um valor substancial.

Ao poupar uma boa quantia, você garante que não precisará recorrer ao crédito caro em momentos de crise.

E claro, o dinheiro economizado não deve ficar parado em uma gaveta ou aplicado na caderneta de poupança.

Para proteger a sua reserva de emergência da desvalorização, é importante procurar alternativas de investimento que apresentem uma rentabilidade acima da inflação.

Assim, você protege seu patrimônio e garante que terá um capital guardado para te auxiliar em momentos de crise.

6. Aprenda contabilidade com os ricos

Ricos não são ricos à toa.

Uma das principais coisas que os diferencia das demais pessoas do mundo é a atenção incrível que dão às suas finanças pessoais.

E como conhecimento significa poder, sabem o suficiente de cada aspecto que envolve seu dinheiro.

E um dos aspectos mais importantes, ignorado pela maioria das pessoas que não conseguem enriquecer, é a “contabilidade”.

É preciso entender os fundamentos contábeis para poder contratar um bom contador e evitar, assim, perder dinheiro.

Não estamos falando de nada ilegal, muito pelo contrário.

As pessoas ricas conhecem a contabilidade de forma a evitar tributos e impostos desnecessários, dinheiro esse que em suas mãos, só faz crescer seu patrimônio.

Note que, toda vez que ler uma biografia de um milionário, parte de seus segredos sempre passará por uma contabilidade impecável e conhecimento tributário.

O segredo de quem tem: jamais perder dinheiro quando isso puder ser evitado.

7. Utilize a tecnologia a seu favor

Uma mulher feliz mexendo no celular, em referência à organização das finanças pessoais
Faça o controle financeiro com a ajuda da tecnologia, de forma fácil e prática

Achou a planilha financeira um pouco trabalhosa ?

Ainda bem que existem empresas desenvolvendo aplicativos financeiros para facilitar a sua vida. Os apps de controle financeiro são os melhores amigos de suas finanças pessoais.

A grande vantagem, além da simplicidade no uso, é a mobilidade.

Como a maioria tem a versão para smartphone, você poderá lançar suas despesas no ato, sem esperar chegar em casa, correndo o risco de esquecer.

Há ainda aplicativos que se conectam às suas contas correntes, realizando os lançamentos de forma automática.

A você caberá apenas criar categorias para cada despesa, como “moradia”, “transporte”, “educação”, para citar alguns exemplos e definir metas (ou limites) para seus gastos.

Fantástico, não é?

Agora, você não tem mais desculpa e não deve mais deixar seu controle financeiro de lado.

8. Poupe parte do seu dinheiro e invista (mesmo ganhando pouco)

Ganhar pouco não é desculpa para não poupar.

Lembra a regra dos 50-15-35? Ela cabe em qualquer orçamento.

O grande segredo das finanças pessoais não é ficar tentando adaptar seus ganhos à sua vida, mas adaptar sua vida aos seus ganhos.

Esforce-se, assim, para conseguir separar 15% do que ganha para poupar e, por consequência, investir.

Esqueça esse dinheiro e condicione-se a viver com os 85% restantes e adapte sua vida a eles.

Assim, com disciplina e paciência, você verá seu patrimônio crescer.

E, a partir desse ponto, utilize-se de tudo o que a Rico te oferece para escolher os melhores investimentos.

Seu dinheiro crescerá mais rápido e você atingirá seus objetivos.

Clique e confira o guia sobre os tipos de investidores

9. Aprenda como economizar dinheiro

A economia de dinheiro é parte importante das finanças pessoais, por isso, falamos tanto sobre esse assunto.

E, por mais óbvio que pareça, economizar vem de cortar desperdícios – tão simples quanto isso.

E, após começar a fazer o controle dos seus gastos, ficará muito fácil identificá-los.

De forma resumida: desperdício de dinheiro é tudo aquilo que você paga mas não usa, ou, o gasto para o qual (caso use) haveria opção mais barata.

Alguns exemplos práticos:

  • TV por assinatura: se você não usa, cancele
  • Telefonia: veja se seus planos estão adequados ao seu consumo. Sempre é possível gastar menos
  • Assinaturas em geral: o brasileiro é conhecido por assinar um monte de coisas e não cancelar. Seja o serviço de streaming de música ou aquela revista que nunca lê, cancele tudo e só pague aquilo que efetivamente usa.

Seja a academia que não vai, ou um carro que fica na garagem e não usa, vale o mesmo raciocínio: só cortando os desperdícios você poderá poupar e ver seu patrimônio crescer.

10. Pare de perder dinheiro com a poupança

Aqui na Rico temos um lema: “quer ganhar dinheiro com a poupança? Então, tire seu dinheiro de lá“.

Seu rendimento é tão baixo que, muitas vezes, sequer cobre as perdas promovidas pela inflação acumulada.

Ou seja, ao manter dinheiro na poupança, você vê ele perder valor em vez de aumentar seu patrimônio.

11. Saia dos bancos e invista melhor

Você já nos ouviu falar mais de uma vez que “banco não é lugar de investir”.

Então, prepare-se, pois vamos repetir mais uma vez.

Boas práticas em finanças pessoais passam por escolher parceiros que te ofereçam melhores oportunidades a custos menores.

Claro, para investir através da Rico, você precisa ter uma conta corrente (em um banco) em seu nome.

Mas nem por isso você precisa pagar altas taxas de manutenção, já que existem muitas opções de conta corrente sem custo.

Pior ainda é confiar ao banco seus investimentos, com baixas taxas de retorno e custos altíssimos.

Aposentadoria na previdência privada do banco? Nem pensar!

A Rico tem opções melhores e, como já dissemos antes, está preparada para te ajudar nessa jornada tão importante.

12. Aprenda e ensine sua família sobre finanças pessoais

Duas pessoas debruçadas sobre a bancada da cozinha, cheia de contas, olhando com preocupação para uma delas, em referência às finanças pessoais
Compartilhe seus conhecimentos em finanças pessoais com sua família.


Quando vivemos em família, é fundamental que todos se engajem em torno dos objetivos comuns da casa.

E, com finanças pessoais, não é diferente: se todos estiverem em sintonia, os resultados serão muito melhores.

Por isso, é importante criar uma dinâmica familiar, com um momento para que os assuntos finanças pessoais e familiares sejam abordados.

Defina um dia do mês, crie um ritual e assuma esse compromisso.

É importante que seja um momento sério, mas gostoso. E que, ao longo do tempo, todos possam comemorar juntos as conquistas e encarar os desafios.

É claro que, se tiver filhos muito pequenos, é preciso esperar que tenham idade e discernimento para participar desse momento.

Sempre haverá algo a ensinar e aprender.

Estimule todos a fazerem pesquisas e trazer assuntos novos a cada encontro sobre finanças pessoais.

Logo, perceberá os benefícios do aprendizado conjunto, bem com a determinação em construir um futuro sólido de forma participativa.

13. Aposente o cartão de crédito

Embora o cartão de crédito não seja inimigo de ninguém (pelo contrário, o único inimigo, do ponto de vista financeiro que temos, somos nós mesmos), não podemos negar que é uma ferramenta que pode levar a problemas financeiros.

Existe uma “armadilha psicológica” no uso do cartão que é o fato de você “não ver” o dinheiro sendo gasto de fato.

Isso causa uma falsa sensação de “não ter gasto”, sobretudo quando há saldo positivo na conta corrente (esquecendo que você já gastou aquele dinheiro no cartão).

Quando você passa a usar “dinheiro vivo” ou mesmo “cartão de débito”, está se valendo de uma ferramenta poderosa das finanças pessoais.

E acredite: ela inibe o consumo por impulso e, pela “dificuldade” de ver o dinheiro indo embora, fará com que você gaste menos.

14. Não escute o gerente do seu banco

Como já falamos antes, bancos não estão interessados em nada além do próprio lucro.

E o gerente, como funcionário do banco, por mais que fale o contrário, atende os interesses da instituição e não do cliente.

Desse modo, ele te oferecerá uma série de produtos cujo único beneficiado é o banco, como por exemplo, títulos de capitalização, que é um produto que possui rendimento praticamente zero, com a promessa de sortear prêmios.

Em finanças pessoais, títulos como esse são o suicídio financeiro

Esse foi apenas um dos muitos exemplos que podem ser dados.

Por isso, seja o que seu gerente lhe oferecer, pesquise, se informe e faça escolhas mais inteligentes.

A Rico pode te ajudar.

15. Tenha a corretora de valores como aliada

Para complementar o tópico anterior: gostaríamos que sempre enxergasse a Rico como sua aliada, sua parceira.

Nosso maior interesse é que nossos clientes prosperem, afinal, o ganho de nossos clientes é nosso também, sem demagogia.

Por isso, procure-nos sempre que precisar.

Para cada decisão envolvendo seu dinheiro, temos recursos e conhecimento para guiá-lo por todo o caminho para que, no fim, você colha os frutos que tanto sonhou.

Note que todo milionário tem uma corretora de valores como parceira e isso está sempre dentro do seu horizonte de finanças pessoais.

Que tal começar agora mesmo?

Dica bônus: Como cuidar das finanças pessoais em tempo de crise?

Durante a crise, as incertezas aumentam a dificuldade de se organizar e cuidar de suas finanças pessoais.

Mas isso não significa que tudo está perdido.

O período exige cautela redobrada para garantir que você não está fazendo um mau investimento ou se comprometendo com um financiamento caro demais.

Para passar ileso pela crise, o ideal é evitar adquirir novas dívidas de modo geral.

O momento de retração econômica exige uma disciplina ainda maior nas finanças para cortar os gastos e poupar o máximo possível.

Só assim você vai conseguir passar pela crise sem comprometer seu patrimônio.

Melhores investimentos para 2020

Embora as taxas de juros estejam em queda, a renda fixa no Brasil ainda oferece possibilidades diversas.

Vale, por exemplo, para quem ainda está preso na poupança e para quem dá seus primeiros passos no mercado financeiro.

Da mesma forma, há investimentos em renda fixa que devem fazer parte de uma carteira diversificada, de modo a equilibrar com os riscos da renda variável.

Serve, ainda, como estratégia para construção de uma reserva de emergência, que fará frente a imprevistos.

Ou seja, não importa em que patamar esteja a taxa Selic, a renda fixa sempre será um dos melhores investimentos.

Mas atenção: não estamos falando da poupança, mas de aplicações financeiras como Tesouro DiretoCDBLCI e LCA.

Como todos tem características semelhantes em alguns pontos e distintas em outro, é preciso que estejam alinhados com seus objetivos.

Aliás, esse é um ponto muito importante a avaliar: o que você pretende fazer com o dinheiro.

Junto a isso, decida com base em seu perfil de investidor.

Ao se tornar cliente Rico, você responde a breves perguntas que nos ajudam a entender se você é do tipo conservador, moderado ou arrojado na hora de aplicar seu dinheiro.

Para os arrojados, por exemplo, investir em ações e fundos de investimentos são sempre ótimas alternativas, com a possibilidade de rentabilidades muito mais altas, mas riscos proporcionais.

Seja como for, a Rico está pronta para ajudá-lo a escolher os melhores investimentos.

Além disso, possuímos uma vasta gama de materiais, textos, e-books e vídeos para ajudá-lo a aprender o máximo e investir bem.

Veja os 5 melhores livros sobre finanças pessoais

Para quem quer se aprofundar no assunto, existe no mercado uma vasta bibliografia sobre gestão das finanças pessoais.

Selecionamos abaixo os melhores e mais populares títulos sobre o tema.

Conclusão

Um homem sentado olhando gráficos e com um celular na mão, enquanto outra pessoa aponta para uma folha, em referência à organização das finanças pessoais
Coloque todas as dicas que demos em prática e dê passos em direção ao sucesso financeiro!

Embora finanças pessoais seja uma disciplina ampla, no final, alguns pontos fundamentais convergem para as boas práticas, que levam à construção de riqueza e à sua tranquilidade e da sua família.

Desde começar a controlar suas despesas, cortar desperdícios, gastar menos do que ganha e poupar, até o ponto de começar a investir, todas essas atitudes simples dentro das finanças pessoais, levam à tão sonhada independência financeira.

E, mesmo sendo simples, saiba que apenas uma pequena parcela da população se esforça para colocá-las em prática e, por isso, tão poucas pessoas tem suas finanças pessoais em ordem.

Se quiser continuar aprendendo sobre o mundo do mercado financeiro, aproveite para conferir estes outros artigos:

Pronto para poupar e investir? Abra sua conta na Rico agora mesmo!

Obrigado por ler até aqui!


março 24, 2020

Como se organizar financeiramente em 9 passos  

Se você não sabe como se organizar financeiramente, enfrenta dificuldades para pagar contas e realizar sonhos, nunca é tarde para começar.

Aliás, motivos para isso não faltam.

Quem tem controle sobre o dinheiro e planeja o que vai gastar todos os meses tem vantagens que vão muito além da satisfação de poder fechar no azul.

A organização financeira permite maior segurança ao indivíduo e a toda sua família.

No caso de desemprego, por exemplo, é esse planejamento que vai permitir passar por um período de transição mais tranquilo até que encontre uma recolocação no mercado.

Também, havendo uma emergência de saúde ou moradia, quem tem uma reserva financeira está preparado para lidar com gastos inesperados.

Todo esse esforço tem a intenção de estabelecer uma rede de proteção que você possa se apoiar em caso de uma necessidade surgir. 

Afinal de contas, nunca se sabe o dia de amanhã, não é mesmo?

Com tudo isso em mente, preparamos e apresentamos abaixo um guia para você aprender a se organizar financeiramente e aproveitar todos os benefícios que essa postura oferece.

Se restar alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

O que significa estar organizado financeiramente?

Três mini pilhas de moedas em ordem crescente e, no topo da última, uma miniatura de família, em referência a como se organizar financeiramente

Quando falamos em organização financeira, estamos nos referindo à capacidade de um indivíduo de manter o controle sobre o seu dinheiro dentro de um ciclo salarial e também em longo prazo.

Assim, quem deseja organizar suas finanças deve ser capaz de registrar tudo o que entra e tudo o que sai.

E é preciso fazer isso de maneira metódica, para dali extrair informações sobre possíveis rombos, os pontos fracos e as fortalezas de seu orçamento.

Esse controle permite que a pessoa se organize não só dentro do mês, mas também em relação ao próximo semestre ou ano.

Isso acontece de duas formas.

Primeiro, porque quem mantém um registro detalhado de suas contas sabe quais serão seus gastos nos próximos meses – aqui, incluímos parcelamentos e mensalidades que permanecem com o mesmo valor mês após mês.

Além disso, é possível trabalhar com estimativas para projetar quais serão seus gastos variáveis em um futuro próximo.

Quer ver um exemplo para compreender melhor?

Se, durante os meses de verão, você costuma gastar de R$ 200 a R$ 300 com energia elétrica e tem isso registrado, aí está a sua média de gastos para o período. 

De modo geral, estar organizado financeiramente diz respeito a assumir as rédeas de suas finanças, mantendo um controle que ajuda a se preparar para o futuro e trabalhar com foco em conquistar os seus objetivos.

Importância de se organizar financeiramente

Um casal sentado no sofá e olhando, com cara de preocupação, para contas, em referência a como se organizar financeiramente.

A organização financeira, como já destacado, tem vantagens que vão muito além da satisfação de terminar o mês com sua conta bancária no azul.

Quem se organiza consegue enxergar com clareza o fluxo do seu orçamento mês após mês.

A ideia por trás dessa estratégia é registrar todos os ganhos e as despesas para entender se o que você gasta hoje é compatível com a sua renda ou se está se excedendo nos custos e, por isso, ficando no vermelho.

Apesar de comum, a prática de apelar para cartão de crédito ou limites bancários para aliviar o orçamento tende a ser prejudicial para a sua saúde financeira.

Os juros envolvidos nesse tipo de transação estão entre os mais altos do mercado, acabando por corroer o orçamento de muitas famílias brasileiras.

E essa é só uma das ciladas que podem ser evitadas se você investir tempo na organização de suas contas.

Pode ser ainda que você perceba, olhando para o seu controle financeiro, que o que tem atrapalhado são os gastos com transporte, com alimentação ou com lazer.

Seja qual for a sua questão, ao se organizar financeiramente, fica mais fácil de entender para onde o dinheiro está indo e como corrigir os problemas identificados.

Ao fim, você vai ver que todo mundo consegue se planejar para poupar dinheiro e, aos poucos, criar uma reserva de emergência e investir em aplicações que vão garantir um futuro mais seguro e confortável.

Se você tem metas e sonhos ao alcançar, aprenda como se organizar financeiramente, com os passos que vamos ensinar na sequência.

Como se organizar financeiramente – 9 passos

Uma pessoa coloca uma moeda em um cofrinho, que está sobre uma mesa com notebook e outros objetos, em referência a como se organizar financeiramente.

Este ano pode ser o momento ideal para você colocar as suas finanças em dia.

Entendemos que, no meio da correria do dia a dia, com contas a pagar e responsabilidades a cumprir, pode ser difícil saber por onde começar.

Mas não importa se você ganha muito ou pouco: seguindo as nossas dicas práticas, é possível se organizar para garantir uma melhora em sua saúde financeira.

Dando um passo de cada vez, você vai perceber que a jornada rumo a uma vida segura e confortável é mais acessível do que você imaginava.

Veja como se organizar financeiramente em 9 passos!

1. Sair do vermelho é o primeiro passo para organizar as finanças

O primeiro passo para se organizar financeiramente precisa ser quitar suas dívidas para garantir que o valor dos juros não vai continuar subindo mês após mês.

Comece olhando para todas as suas fontes de renda e gastos fixos, tentando avaliar de onde vem o desequilíbrio que faz com que sua conta fique negativa todo mês.

Pode ser que você perceba que o que ganha não é suficiente ou, ainda, que os seus gastos podem ser reduzidos ao cortar alguns itens supérfluos.

Só você sabe onde o calo aperta mais e, por isso, é o único que pode avaliar onde pode fazer cortes com foco em sair do vermelho.

Como sair das dívidas com pouco dinheiro e de forma rápida?

Infelizmente, não existe nenhum atalho mágico que vai te fazer sair das dividas do dia para a noite.

Ainda assim, uma organização financeira dá uma visão mais ampla dos gastos que podem estar minando o seu orçamento – e, muitas vezes, você nem se dava conta.

Independente de qual seja a sua escolha para economizar, lembre-se que esse é um esforço temporário e a tendência é que, assim que você conseguir se livrar da dívida, tudo fique mais fácil.

2. Use uma planilha para controlar seus gastos e ganhos

Nenhuma organização financeira funciona sem um método eficaz para registrar os gastos de maneira sintética, criando um controle sobre tudo que entra e sai.

Nesse sentido, uma ótima ferramenta são as planilhas digitais.

Criadas em plataformas como Excel ou Google Sheets, elas podem ser extremamente úteis, pois permitem que você documente todos os eventos de maneira a criar um planejamento em médio e longo prazo.

As possibilidades de personalização são quase infinitas e as ferramentas garantem o uso de diversas fórmulas e gráficos para facilitar o trabalho de controle e análise.

E para quem não é tão familiarizado assim com a criação de planilhas, é possível encontrar modelos prontos de planilha para todas as necessidades.

A Rico oferece para você modelos de planilhas de gastos pessoal, familiar, diária e mensal.

Acesse nosso artigo com todos eles!

3. Troque dívidas caras por dívidas mais baratas

Pode parecer difícil de acreditar, mas, muitas vezes o melhor caminho para se livrar de dívidas antigas é se comprometendo com dívidas novas.

Isso porque nem todo financiamento ou empréstimo oferece as mesmas taxas de juros, o que, na prática, significa que algumas dívidas são mais “baratas” do que outras – ainda que ofereçam o mesmo valor de crédito.

A percentagem cobrada nesse tipo de negociação varia muito de uma instituição financeira para outra.

Por isso, se você estiver algum parcelamento ou dívida em aberto, busque no mercado opções que apresentem uma menor taxa de juros ao mês para tentar fazer a troca.

É o que se chama de portabilidade de crédito.

4. Descubra onde pode cortar gastos todos os meses

Várias contas espalhadas sobre a mesa junto a uma calculadora. Uma mão repousa sobre elas, em referência a como se organizar financeiramente.

A cada mês, temos mais uma nova oportunidade de economizar em nossos gastos – e essa é uma das belezas de se organizar financeiramente.

Quando você tem todos os gastos na ponta do lápis – ou na planilha -, um mês serve como aprendizado para o outro.

Você sempre tem a chance de consertar erros que cometeu no passado, já que sabe exatamente no que gastou.

Então, aproveite que você se organizou e, agora, tem o controle detalhado do que entra e do que sai, para analisar quais são suas oportunidades de economia.

Muitas vezes, são aqueles gastos pequenos do dia a dia que, somados, acabam fazendo uma grande diferença no orçamento no fim do mês.

5. Comece um trabalho extra para aumentar sua renda mensal

Pode ser que, ao acompanhar o seu controle financeiro, você perceba que os seus gastos já são mínimos e, mesmo assim, você tem dificuldade em concluir o mês no azul.

Infelizmente, essa é a realidade de mais de metade dos brasileiros, que precisa se virar com menos de um salário mínimo por mês. 

Em meio a essa realidade, nos últimos anos, cresceram as opções de trabalho freelancer para quem tem algumas horas por semana para aumentar a sua renda mensal. 

Por meio da internet, é possível encontrar oportunidades para trabalhar com serviços de entrega, transporte individual, vendas por comissionamento, aluguéis de temporada, produção de textos, tradução e revisão, entre outros.

Que tal transformar um hobby em uma nova fonte de renda?

6. Comece a criar uma reserva de emergência

Imagine-se na situação de estar contando com uma fonte renda para o próximo mês e acabar perdendo ela de uma hora para outra.

O que pode parecer um pesadelo é a realidade de muitas pessoas que, por um motivo ou outro, perdem o emprego de maneira abrupta. 

Para se proteger dessa situação, é importante manter uma reserva de emergência correspondente ao valor que você precisa para um período de três a seis meses. 

Isso você alcança ao cortar custos e juntar dinheiro de forma organizada e sistemática, mês a mês.

7. Comece a se pagar primeiro e economizar mais

Um dos segredos para aprender a economizar e incorporar o ato de poupar em sua rotina é dar prioridade para você mesmo em seu orçamento.

Isso significa que, antes mesmo de pagar as suas dívidas daquele mês, você deve separar um valor que será economizado e guardado em sua reserva.

Assim, você não corre o risco de aguardar até o fim do mês e acabar não tendo dinheiro algum para a reserva.

8. Aprenda a investir suas economias e fazer seu dinheiro render

Até aqui, você aprendeu a controlar seus gastos, analisando os resultados para garantir que conseguirá estabelecer uma reserva de emergência.

Mas de nada adianta ter um bom montante poupado se você não souber como proteger e expandir seu patrimônio.

Campeã de popularidade entre os brasileiros, a caderneta de poupança deixou há muito tempo de ser uma opção vantajosa.

Inclusive, em 2019, acabou oferecendo um retorno real negativo de -0,05%.

Isso quer dizer que, quem deixou dinheiro na poupança, viu ele valer menos do que no início do ano.

Por isso, é importante estudar as melhores maneiras de investir o valor da sua reserva para garantir que seu patrimônio não será corroído pela inflação.

9. Faça aportes e planeje seus investimentos constantemente

Quando o assunto é investimento, parte importante da sua organização financeira precisa ser no sentido de garantir uma constância no valor que você guarda mensalmente.

Por isso, tenha um planejamento que preveja não só os próximos meses, mas que consiga também ajudar em seus objetivos para os próximos anos.

Ao incluir em seu orçamento aportes frequentes em suas aplicações, você garante maiores ganhos em longo prazo.

Hoje em dia, é possível investir a partir de R$ 30 em títulos públicos do Tesouro Direto, por exemplo.

É uma boa maneira de entender que você pode aplicar seu dinheiro com rentabilidade e segurança mesmo ganhando pouco.

Conclusão – Organize suas finanças com as dicas da Rico

Duas pessoas olham para um bloco de papéis com contas, enquanto uma delas segura uma calculadora, em referência a como se organizar financeiramente.

Nunca se falou tanto sobre a importância da educação financeira como forma de garantir mais segurança e conforto.

A discussão, que parte de uma maior organização financeira, traz benefícios que vão além de ter uma conta no azul ou conseguir quitar dívidas.

A intenção por trás desse esforço é assegurar um futuro mais confortável, com maior segurança econômica e liberdade para transitar entre empregos sem contrair dívidas.

Quem organiza seu orçamento está também melhor preparado para lidar com emergências, sem precisar apelar para fontes caras de crédito, como o cartão ou o cheque especial.

Ao incluir o hábito de economizar em seu cotidiano, você se certifica de que não precisará pagar taxas para grandes instituições financeiras, pois conta com uma rede de proteção que pode ser acessada em caso de necessidade.

Assim, você conseguir criar sua reserva e pode começar a sua jornada pelo mundo dos investimentos, aplicando seu dinheiro em opções muito mais atrativas que a poupança.

Para ajudá-lo nesse sentido, leia mais estes artigos do nosso blog:

Agora que você já viu todas as nossas dicas, está pronto para organizar suas finanças e começar a investir com a Rico!

Abra a sua conta agora!

Obrigado por ler até aqui!


janeiro 29, 2020

Planilha de Gastos: pessoal, familiar, diária, mensal [Download]  

Você sabia que ter uma planilha de gastos é muito importante para alcançar os seus objetivos financeiros?

Por isso, não há tempo a perder e você deve aprender como começar agora mesmo.

Montar uma planilha de gastos pessoais pode não ser uma tarefa muito simples à primeira vista.

Afinal, você precisa preenchê-la com entradas e saídas, tributos e gastos surpresas.

Mas, ao entender a importância dessa prática para a saúde de uma vida financeira, fica mais fácil manter a sua planilha em dia. 

Neste texto, você vai aprender a criar a melhor planilha de gastos pessoal de uma vez por todas.

Ter o controle das suas finanças é a melhor forma de ter uma vida financeira saudável.

Além disso, você também poderá baixar os diferentes modelos de planilha de gastos pessoais criados especialmente para nossos leitores.

É o que você acompanha a partir de agora. Então, não deixe de ler até o final. 

Se tiver alguma dúvida, escreva um comentário para a gente.

Boa leitura!

Nova call to action

O Que é Uma Planilha de Gastos?

planilha de gastos o que e
Se você está precisando ajustar sua vida financeira, saiba que uma planilha de gastos pode colocar tudo nos trilhos novamente.

Uma planilha de gastos nada mais é do que uma forma de organizar suas despesas e fazer uma somatória delas, de maneira a entender melhor para onde seu dinheiro está indo.

Ela é a substituta do velho caderninho de despesas, que ainda é muito usado por diversas pessoas.

E não se preocupe: não existe uma única maneira de fazer uma planilha de gastos. O mais importante de tudo é que esse controle esteja sempre presente na sua vida financeira.

É melhor ter tudo bem feito no papel, por exemplo, do que simplesmente não conhecer o fluxo do seu dinheiro.

As planilhas mais sofisticadas permitem atribuir categorias aos gastos, de forma que você tenha somatórias parciais por tipo de despesa. Assim, você pode gerar um gráfico e enxergar onde gasta mais: moradia, carro, comida e assim por diante.

Seja como for, o importante é começar e manter o controle.


Vantagens de Ter Uma Planilha de Gastos

Ter uma planilha de gastos vai facilitar bastante a sua vida financeira e melhorar a performance da sua carteira de investimentos

Porém, essa estratégia apresenta muitas outras vantagens.

Listamos algumas delas para você:

Entender o fluxo do seu dinheiro

Com uma planilha de gastos bem estruturada, é possível enxergar para onde seu dinheiro está indo e, dessa forma, identificar possíveis mudanças necessárias em seus hábitos financeiros. 

Assim, você poderá estruturar um orçamento equilibrado para conseguir, consequentemente, investir o seu dinheiro.

Lembre-se: você não controla o que não vê.

Redução de custos

Ter uma planilha de gastos pessoais é uma ótima maneira de reduzir custos. Para isso, você precisa anotar todos os seus gastos, sejam eles:

  • Fixos: contas que você paga todos os meses, como luz, internet, água, gás e mensalidade da academia, por exemplo
  • Variáveis: despesas que ocorrem de vez em quando, como jantar fora, compras no shopping, idas ao cinema, dentre outros.

Ao anotar todo o dinheiro que sai da conta bancária, é possível analisar os seus gastos e identificar quais deles são realmente necessários e de quais você pode abrir mão.

Com isso, você será capaz de cortar despesas supérfluas da sua rotina, reduzindo os custos extras e se livrando de possíveis dívidas.

Por exemplo: muitas pessoas possuem uma assinatura de TV a cabo com centenas de canais. Com isso, não conseguem assistir nem a metade deles na semana, desperdiçando dinheiro com a contratação desse tipo de serviço.

Se esse é o seu caso, você possui duas opções: contratar um plano inferior e mais barato, que se encaixe na sua rotina, ou desistir desse serviço.

Digamos que a mensalidade da sua assinatura seja de R$ 180, 00 por mês. Em um ano você terá gasto R$ 2.160,00.

Usando um simulador de investimentos, hoje (janeiro de 2020), se parte desse valor fosse investido em uma aplicação de renda fixa, como uma Letra de Câmbio, em 5 anos, você resgataria R$ 2.519,72.

planilha-de-gastos-2020-rico1
Simulação de Investimento – Letra de Câmbio – Tela capturada em 17/01/2020.

Investir mais 

Planilhas de gastos pessoais também são ótimas para quem tem o objetivo de investir. 

Quando você sabe exatamente quanto ganha e quanto gasta, fica muito mais fácil otimizar sua vida financeira.

Dependendo dos seus objetivos financeiros, é interessante separar um valor ou uma porcentagem fixa do seu salário para investir todos os meses. 

E como vimos na simulação anterior, escolhendo a aplicação certa para seu perfil, os ganhos podem ser bem atrativos.

Atingir metas

Quando se possui uma meta a ser atingida, é fundamental que haja esforço para alcançá-la. Com as suas finanças, não é diferente.

Se você planeja fazer uma viagem internacional, comprar um carro ou se aposentar dentro de 20 anos, por exemplo, é necessário incluir investimentos na sua planilha de gastos. 

Você pode começar separando 10% do seu salário para investir todos os meses.

Também é fundamental criar uma reserva de emergência. O ideal é que ela tenha valores equivalentes entre 6 a 12 meses das suas despesas mensais.

Planejamento financeiro

Uma planilha de gastos bem feita é fundamental para a realização de um planejamento financeiro de sucesso

Ao anotar as entradas e saídas do seu dinheiro, fica mais fácil se planejar para o futuro.

Com isso, você é capaz de projetar os gastos e saber exatamente em quanto tempo as suas metas podem ser cumpridas. 

Assim, a sua planilha de gastos passa a ser usada também como uma planilha de orçamento. 

Nova call to action

5 Opções de Planilhas de Gastos Para Controle Pessoal Para Download em 2020 (em Excel)

planilha de gastos opcoes
Usar uma planilha pronta é um excelente ponto de partida para a sua organização financeira.

Uma boa opção para quem não tem intimidade com editores de planilhas, como o Excel, é baixar um modelo pronto.

Existem muitas opções que podem ser baixadas de forma gratuita. Nossa dica é experimentar algumas até que encontre um modelo que atenda às suas necessidades.

Abaixo, você vai encontrar 5 sugestões de planilhas para download que vão ajudar você nessa tarefa.

Então, não perca mais tempo: escolha a sua e faça o download!

Planilha para controle de gastos pessoais

Embora seja mais uma questão de semântica do que prática, existem diferenças sutis entre os tipos de controles e, consequentemente, entre os tipos de planilhas.

Uma planilha de gastos pessoais, como o nome sugere, se restringe às despesas individuais. Com isso, todas eles devem ser computadas: desde as pequenas até as maiores.

Ou seja, todos os gastos que forem seus devem estar nessa planilha.

Se você for solteiro, essa é a única planilha que precisa. Assim, todas as suas despesas, incluindo as da sua casa, precisam constar nela.

Planilha para controle do orçamento familiar

Uma planilha do orçamento familiar é indicada para quem mora com outros membros da família. Então, ela deve englobar todas as pessoas que moram com você. 

O ideal é que se separe os gastos por membro da família, a fim de saber exatamente quem está gastando o dinheiro e como.

É um controle mais complexo do que aquele que ocorre na planilha individual. Em tese, ela seria como um conjunto das planilhas de gastos pessoais de cada familiar.

Planilha para controle de gastos avançada

Uma planilha avançada deve conter todos os inputs financeiros, e não apenas os gastos. Ela possui campos para a atribuição de categorias e até subcategorias para cada despesa.

Tais planilhas podem gerar relatórios completos, mostrando gastos detalhados e separados por membro da família.

Ela também é capaz de fazer comparações de despesa versus receitas, por exemplo.

Além disso, com ela, você poderá criar projeções da situação financeira nos próximos meses.

Planilhas muito complexas tendem a tornar a tarefa do controle um pouco desgastante, no entanto. Com isso, você também pode fazer uso de aplicativos que possuem uma interface mais amigável.

Planilha para controle de orçamento doméstico

O orçamento doméstico engloba as receitas e despesas de um domicílio em um determinado período de tempo.

Assim, é possível enxergar e prever gastos e receitas de forma a tomar as melhores decisões financeiras sem entrar em apuros.

Esse é o tipo de controle que permite que uma família realize análises objetivas sobre grandes compras, como a troca de um carro, por exemplo.

Infelizmente, a maioria das decisões tomadas em um domicílio são feitas sem que haja um estudo do orçamento doméstico.

Ou seja, se baseiam apenas em contas mentais ao cogitar se uma determinada parcela “cabe ou não” em seu mês. E isso é muito perigoso.

Quem possui um controle mais rígido do orçamento acaba considerando, inclusive, o impacto das despesas inerentes ao seu carro ao longo do tempo.

Além de definir se esse gasto realmente é compatível com o seu orçamento, por exemplo.

A ideia é que uma planilha completa ofereça essa visão sem que você tenha a necessidade de fazer mais que um tipo de controle.

Planilha para controle financeiro mês a mês

Como já foi visto, dentro de uma única planilha, é possível fazer o controle mês a mês. Isso pode ser feito através de uma “aba” para cada mês ou em uma que possa compilar todos os dados e os consolide nas colunas de cada mês.

Há ainda quem prefira uma planilha única, com muitas colunas, onde os gastos de todos os meses são lançados e ficam juntos.

Independente da forma de controle que você escolher, o importante é começar!

Por isso, não se apegue muito a esses detalhes e se preocupe mais em criar o hábito de registrar e olhar para suas finanças.

Escolha a planilha que você tiver mais facilidade para entender e que for mais prática para você.


Aplicativos Para Manter o Controle dos Gastos Pessoais

Nos dias de hoje, quem deseja fazer o controle financeiro de maneira rápida e fácil tem na tecnologia uma grande aliada.

Em lojas de aplicativos de qualquer sistema operacional, é possível encontrar apps gratuitos e pagos.

São facilidades para quem busca organizar suas finanças e criar um registro detalhado de todos os gastos e da renda do mês.

A dinâmica segue a mesma das planilhas: você deve registrar tudo que entra e sai dentro de um ciclo salarial para que, posteriormente, possa fazer uma análise e eventual corte de gastos ou readequação.

É importante ser diligente na hora de registrar os seus gastos e ganhos, já que o sucesso ou o fracasso do seu planejamento financeiro depende do quanto você é capaz de manter o controle das finanças.

São esses dados que você vai usar para avaliar sua situação e tomar decisões estratégicas para o seu futuro. Portanto, seja fiel no registro das informações.

Basicamente, o que muda dos métodos tradicionais de controle de gastos – como livro-caixa e planilha – é a interface mais amigável.

Os aplicativos e outros tipos de gerenciadores financeiros online focam em oferecer uma experiência intuitiva e descomplicada para o usuário que, muitas vezes, não consegue se adaptar a métodos que se revelam mais complexos.

Conheça abaixo alguns dos apps e plataformas mais famosos do mercado:

Qual o melhor aplicativo para gestão financeira?

Antes de optar por um ou outro aplicativo para fazer a sua gestão financeira, você deve se perguntar qual o seu objetivo e quais as suas necessidades econômicas, para só então escolher uma alternativa que melhor se adapta a tudo isso.

Se você for do tipo que prefere organizar as suas contas pelo computador, talvez seja o caso de buscar um aplicativo que permita o acesso pelo navegador ou que conte com uma versão para PC.

Outras pessoas vão prezar pela mobilidade e a possibilidade de atualizar suas informações em tempo real, registrando novos gastos e ganhos assim que eles acontecem.

Para quem tem esse perfil, o ideal pode estar em aplicativos para smartphone ou plataformas que contem com uma versão mobile de seu site.

Não importa qual seja a sua escolha: o que vale é buscar um método que se encaixa no que deseja e combine com a sua rotina.

Afinal, o segredo para atingir suas metas é manter o controle financeiro sempre atualizado.


Passo a Passo Para Criar uma Planilha de Gastos Simples

Muita gente ainda tem receio na hora de criar uma planilha de gastos.

Seja por falta de familiaridade com o formato ou por dificuldades em organizar suas finanças, o fato é que há pessoas que não têm um registro de seus gastos, apelando para contas mentais pouco precisas.

Para quem enfrenta dificuldades em escolher e implementar um método de controle financeiro eficaz, trazemos abaixo um passo a passo.

Veja como dá para criar uma planilha de gastos simples e de forma fácil.

1. Reúna os dados 

O primeiro passo deve ser separar os documentos (recibos, faturas, holerites, etc.) – tudo que é necessário para que você possa criar uma planilha com dados fiéis.

2. Crie as colunas e as abas

Para uma planilha de gastos simples, o ideal é contar com poucas informações. 

Nossa dica aqui é separar os meses em diferentes abas. 

Já nas colunas, a sugestão é inserir apenas dados básicos, como data da transação, valor e descrição.

3. Insira os dados

Para facilitar a inserção dos dados, sugerimos que você coloque ganhos e gastos na mesma coluna, lembrando sempre de inserir o símbolo de menos (-) antes dos valores de gastos.

4. Calcule os totais

No dia a dia, é útil saber como andam as suas finanças. 

Por isso, a recomendação é que você reserve uma célula para somar os totais que você ganha, o que gasta e o saldo final.

É o que dará a você uma visão analítica da real situação financeira, o que é sempre um ponto de partida para realizar suas metas.


Como fazer uma planilha de gastos no celular?

No celular, a conversa é outra, já que os aplicativos de controle financeiro são muito mais automatizados do que as planilhas que você faz no computador.

Em geral, tudo que o usuário precisa fazer é inserir os dados nos locais indicados, selecionando a categoria para a qual cada gasto ou ganho pertence.

A partir disso, a maioria dos serviços já é capaz de criar tabelas e gráficos sobre as suas finanças para sua análise.

Para quem escolhe o caminho dos aplicativos, o mais importante é se lembrar de manter seus dados sempre atualizados.

Já se você quer mesmo uma planilha e não um aplicativo específico para o controle financeiro, pode usar o Google Sheets, que cumpre a mesma função que o famoso Excel.

Montar uma planilha de gastos pessoal não precisa ser complicado

Gastar menos do que se ganha pode parecer intuitivo para quem quer ter dinheiro sobrando no final do mês.

Mas, em muitos casos, isso não é tão simples assim. Antes de mais nada, é necessário ter controle de quanto você gasta e para onde o dinheiro vai.

Então, se você não quer montar uma planilha do zero, opte por uma já pronta. Só não fique sem fazer esse acompanhamento.

Assim, você será capaz de ter um verdadeiro retrato da sua situação econômica, a fim de tomar as melhores decisões sobre como lidar com o seu dinheiro (e fazê-lo render!) daqui para frente.


Como Aprender Mais Sobre Controle de Gastos Pessoais

planilha de gastos como aprender mais

Há dois tipos de aprendizado sobre gastos pessoais: o teórico e aquele que você adquire com a prática.

Os dois são muito importantes e se completam. Por isso, embora eles existam de forma separada, o ideal é que ambos sejam usados.

E, para isso, a disciplina de fazer os lançamentos financeiros é fundamental.

Ao longo dos meses, você começará a ter um histórico das suas despesas e, com isso, vai aprender cada vez mais sobre seus hábitos.

Resumindo: para aumentar o seu conhecimento nessa área, devore todo conteúdo que conseguir sobre o assunto e comece agora mesmo a fazer sua planilha.

Teoria sem prática não serve para quase nada.

Você pode aprender mais sobre educação financeira e o mundo dos investimentos aqui no Blog da Rico e também na Investv.

Como organizar as finanças no Excel?

O Excel é um tradicional programa de computador, que acompanha o pacote Office, da Microsoft.

Ele é utilizado, entre outras funções, para criar planilhas com as mais diferentes finalidades.

O primeiro passo da organização financeira no Excel compreende definir quais são as suas necessidades com a elaboração de uma planilha de gastos.

Muito ajuda refletir sobre as seguintes perguntas:

  • Você mora sozinho ou está inserido em um orçamento familiar?
  • Você tem uma renda fixa todos os meses ou a sua remuneração varia?
  • E no caso de morar com a família, qual é o peso da sua renda para pagar as contas da casa?

Essas são apenas algumas das questões que devem ser levantadas antes de se fixar em um ou outro modelo de planilha.

Você ainda vai deve entender quais dados serão relevantes para você nessa jornada e como pretende organizá-los da melhor forma.

Será preciso definir se os gastos fixos serão isolados daqueles variáveis ou se a classificação será feita por categorias (saúde, educação, lazer, etc.).

Também se é viável criar seções separadas para a renda e para os gastos.

Feito isso, só resta colocar tudo no papel. Ou em uma planilha no Excel, melhor dizendo.

É o que vamos ensinar no próximo tópico.


Como criar uma planilha no Excel passo a passo?

Quem já tem um pouco mais de domínio do Excel pode aproveitar a ferramenta para criar uma planilha completa e dinâmica.

Abaixo, apresentamos um tutorial para que você possa criar um modelo personalizado para as suas demandas.

1. Busque referências

Agora que você já entendeu quais são as suas necessidades com a planilha de gastos, é preciso buscar referências sobre como pode atender essas demandas da melhor maneira possível.

Você pode começar por um dos templates disponíveis para download neste artigo e, depois, dar a sua cara ao material.

Lembrando que esses modelos são gerais e não exatamente personalizados.

Então, a dica aqui é usá-los como inspiração para criar a sua própria planilha.

Observe como diferentes pessoas resolveram problemas distintos, analisando o que você pode trazer também para o seu controle financeiro e o que não faz sentido dentro do seu contexto.

2. Defina as linhas, colunas e abas

Finalmente, é chegado o momento de colocar a mão na massa para começar a construir a sua planilha de gastos.

Com base no que você estudou e nas referências que coletou, comece a criar as seções da sua tabela.

Você pode separar as despesas fixas (água, energia, internet, aluguel, condomínio, etc.) daquelas que são variáveis (alimentação, transporte, lazer, etc.).

Outra forma de organizar sua planilha é isolando os gastos por categorias, como habitação, transporte, saúde, educação, entre outras.

Os valores da sua renda podem vir na mesma linha das despesas – nesse caso, não se esqueça de inserir o símbolo e menos (-).

Também podem permanecer separados em uma seção própria, que permita a visualização do total.

Por fim, você pode usar as abas para organizar o seu controle mês a mês, registrando os gastos e ganhos de um ciclo salarial.

3. Monte seu painel de controle

Parte importante de ter uma planilha de gastos é poder fazer análises rápidas das suas finanças e agir estrategicamente a partir dos dados registrados.

Para criar um painel de controle das suas finanças, você vai precisar ter um conhecimento um pouco mais avançado do Excel.

A intenção é usar fórmulas simples para somar o total dos seus gastos fixos mensais, descobrir quanto você está gastando com cada categoria, além de visualizar se o que você ganha hoje é suficiente para manter seu estilo de vida.


Dicas de Educação Financeira para Conter os Gastos 

planilha de gastos dicas de educação financeira
Seguindo algumas dicas básicas, você pode ter uma vida financeira mais saudável.

Para tornar a sua vida ainda mais fácil, reunimos neste tópico algumas das melhores dicas para enxugar as despesas e cortas gastos.

É de economia que você precisa? Então, saiba como fazer:

Organize melhor suas finanças pessoais

Possuir uma planilha de gastos é um passo fundamental para que você tenha suas finanças pessoais organizadas. Isso significa, em poucas palavras, estar no controle.

Contas organizadas permitem uma boa visão da sua saúde financeira, fazendo com que você tome decisões mais racionais em relação ao uso do seu dinheiro.

Inclusive, você passará a fazer projeções para os meses (e até anos) que virão.

Quem tem suas finanças organizadas jamais é pego de surpresa pelas “contas mentais” – já que é muito difícil lembrar em detalhes do que foi gasto nos últimos 15 dias, ou no mês retrasado. 

Mantenha o controle dos seus gastos

Como falamos há pouco, você não controla o que você não vê.

Então, com uma planilha, você pode manter um controle rígido de seus gastos, evitando aquelas despesas quase invisíveis para quem não faz esse acompanhamento.

Além disso, para que esse controle seja mais efetivo, você deve definir metas de gastos e tentar se manter abaixo ou próximo delas.

É importante que as metas sejam definidas levando em consideração o seu histórico de gastos dos últimos 3 meses, pelo menos.

Assim, você evita a armadilha de estabelecer metas irreais.

Feito isso, você pode verificar os gastos que estão acima da meta e traçar um plano para diminuí-los ou até cortá-los de uma vez.

Planeje a quitação de suas dívidas e saia do vermelho

Pouca gente entende que, para sair do vermelho, é importante realizar um planejamento.

Antes de começar a pagar as suas dívidas, organize o seu orçamento de forma que haja dinheiro para isso.

Normalmente, é preciso criar folgas no orçamento para pagar as dívidas, e sem um bom controle e planejamento isso será quase impossível.

Um caminho comum para endividados é recorrer a dívidas mais baratas. E não há nada de errado com isso em alguns casos.

Porém, a armadilha reside justamente nas contas mensais e na falta de controle, que acabam levando a pessoa a aumentar o problema ao invés de saná-lo. No lugar de uma dívida, agora são duas.

Aprenda a economizar dinheiro

Supondo que você conseguiu gerir seu orçamento de forma a sair do vermelho. Agora, suas dívidas fazem parte do passado.

O próximo passo é usar essa mesma folga financeira com a qual você pagou as dívidas para suas economias. Ou seja, é hora de investir!

Uma das maneiras mais eficientes de aprender a economizar dinheiro é através do controle. Ou seja, de uma planilha de gastos. Conhecer profundamente seus hábitos de consumo é primordial para enxergar onde você está gastando demais.

Não se engane: esse é um processo longo, trabalhoso e doloroso. Muitos gastos acontecem com coisas que gostamos, mas que muitas vezes são incompatíveis com nossa renda.

Identifique seus maiores gastos mensais

Uma vez feita a planilha, após um período de lançamentos, você já será capaz de identificar seu “top 5”.

Ou seja, os campeões dos gastos pessoais. Mesmo que sua planilha seja simples e não inclua categorização das despesas, basta organizar a coluna dos gastos em ordem decrescente. Dessa forma, seus maiores gastos aparecerão primeiro.

Uma vez identificados, é neles que você deve começar a sua “faxina”.

Relatórios de gastos pessoais

Algo fundamental é entender as diferenças entre um relatório e uma planilha. De forma simples e direta, o primeiro deriva da segunda.

O relatório é o que a planilha gera para que você consiga enxergar um panorama de suas finanças.

As planilhas mais completas geram relatórios onde é possível enxergar seus gastos por categoria ou por ranqueamento. Existem também outras funcionalidades úteis, como gráficos de receitas versus despesas.

Assim, uma planilha é onde você insere os dados e o relatório é uma visão consolidada das informações que foram inseridas.


Você Já Possui Sua Reserva Financeira? Saiba Como Investir Para Render Mais!

planilha de gastos reserva financeira
Possuir uma reserva financeira é essencial para você se prevenir de gastos surpresas.

Uma reserva financeira é um valor que deve ser aplicado em investimentos de curto prazo e de alta liquidez. Assim, você consegue resgatá-lo em caso de emergências financeiras.

Dessa forma, o seu dinheiro não fica parado e rende enquanto você não precisa dele.

Algumas das opções mais recomendadas para uma reserva financeira são:

Um fundo de emergência precisa ter um valor mínimo equivalente a seis meses do seu custo familiar.

Então, se você precisa de R$ 4.000 ao mês para se manter, a sua reserva deve ser de R$ 24.000, pelo menos.

Você não precisa guardar esse valor integralmente para aplicar de uma só vez. Aportes mentais no ativo escolhido são uma ótima opção para construir esse fundo.

Dica para começarE se você está começando a investir agora, temos uma dica: o Rico+ Primeiros Passos, um novo modelo de aprendizado que te ajuda a evoluir de pouquinho em pouquinho na hora de investir.Aprenda a investir com jogos, trilhas de conteúdos e vídeos de maneira simples e fácil! Saiba mais sobre o Rico+ Primeiros Passos.Conhecer o Rico+ Primeiros Passos

Mas não esqueça de só mexer nesse dinheiro em caso de emergências. Veja alguns exemplos:

  • Acidente de carro (pagamento da franquia do seguro)
  • Custos médicos (que não são cobertos pelo seu plano de saúde)
  • Reforma emergencial da casa (em caso de danos ao imóvel por chuva ou vento, por exemplo)
  • Manutenção de aparelhos eletrônicos (que não são cobertos por seguros)
  • Compra de equipamentos para trabalho.
Nova call to action

Simulação de investimento para quem está começando

Parte do planejamento financeiro está em escolher as melhores aplicações para direcionar a sua reserva de emergência.

Além de garantir uma alta liquidez, é preciso que esses investimentos tenham uma rentabilidade acima da inflação para que seu dinheiro não perca valor. Portanto, nada de colocar seu dinheiro na poupança.

O Tesouro Direto, um título de renda fixa emitido pelo governo, é uma ótima opção para quem deseja começar a investir.

Com o nosso Simulador de Tesouro Direito, você pode planejar o seu investimento de acordo com a sua realidade.

Vamos supor que você reuniu a reserva de emergência de R$ 2.000. Ao aplicar no Tesouro Selic 2025, dentro de cinco anos, vai resgatar R$ 2.390,13 – um ganho líquido de R$ 390,13.

Já se deixar na poupança, sua rentabilidade será 14% menor, totalizando R$ 335,48.

planilha-de-gastos-2020-rico
Simulação Tesouro Selic x Poupança – Tela capturada em 17/01/2020.

E olha que este é apenas um dos muitos investimentos possíveis para quem dá seus primeiros passos nesse universo.

Outras possibilidades incluem:


Conclusão – Use uma planilha de gastos para administrar despesas e investimentos

planilha de gastos conclusao
Pronto para ter sua própria planilha de gastos pessoal? Sua família terá muito mais tranquilidade!

Quer investir e enriquecer? Então, não perca mais nem um minuto. Comece cuidar de seu dinheiro agora mesmo.

O primeiro passo na direção da riqueza pessoal é controlar muito bem as suas finanças e, principalmente, como você anda gastando seu dinheiro.

O segundo e mais importante passo é saber aplicar.

Então, leia estes outros artigos no blog:

Deixe as desculpas e a preguiça de lado e dê hoje mesmo esse passo fundamental para se tornar o investidor bem-sucedido de amanhã. 

Para começar a investir com sucesso, tudo o que você precisa fazer é abrir uma conta 100% gratuita aqui com a Rico.

Obrigado por ler até aqui


janeiro 24, 2020

Veja o que é IPCA e como a inflação afeta seu investimento  

Além de ser o termômetro oficial da inflação, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) pode afetar diretamente boa parte dos investimentos.

Por isso, entender e acompanhar esse índice é uma das chaves para ser um investidor mais consciente.

Neste guia, você vai saber como o IPCA funciona na prática e qual a sua relação direta com os seus investimentos.

Veja só o que preparamos para você: 

  • O que é o Índice IPCA?
  • Como o Índice IPCA Funciona e Como Afeta Sua Vida?
  • Qual é a Diferença entre IPCA e IPCA-E?
  • Como é Calculado o IPCA Hoje em 2020
  • IPCA Hoje e dos Últimos 12 Meses? [Tabela]
  • O que Significam as Altas e Baixas no IPCA?
  • O que Faz os Preços e o IPCA Subirem?
  • Quais são as Causas da Inflação?
  • Retrospectiva do IPCA em 2019 e Previsões do IPCA para 2020
  • Outros Índices e sua Relação com o IPCA
  • Principais Investimentos Ligados ao IPCA.

Se você tiver qualquer dúvida, deixe um comentário no final da página.

Boa leitura!

Nova call to action

O que é o Índice IPCA?

O IPCA é o Índice de Preços para o Consumidor Amplo. Esse importante índice é medido mensalmente pelo IBGE para identificar a variação dos preços no comércio.

Ele é considerado, pelo Banco Central, o índice brasileiro oficial da inflação ou deflação.

Como o Índice IPCA Funciona e Como Afeta Sua Vida?

Atualmente, temos uma inflação relativamente baixa, o que torna o impacto do IPCA sobre as nossas vidas menos visível.

Mas ele está ali, ajustando os preços em todas as nossas compras (para cima e para baixo) e afetando até mesmo a rentabilidade dos investimentos.

Nesse sentido, vale lembrar o período entre as décadas de 80 e 90, onde o índice deu origem ao que se chamava de hiperinflação.

Na época, era comum que um produto começasse o dia sendo vendido por um valor e terminasse custando bem mais caro.

E um dos instrumentos utilizados para medir a variação de preços, tanto no passado quanto nos dias de hoje, é o IPCA.

Assim, ele funciona como um termômetro para a economia brasileira, reunindo informações que ajudam o consumidor a entender o que vai encontrar na hora da compra.

E também, como mencionamos antes, serve como instrumento de correção de determinadas aplicações financeiras, que têm nele o seu índice de referência.

Esse é o caso de alguns títulos do Tesouro Direto, sobre os quais vamos falar com mais detalhes ainda neste artigo.

Qual é a Diferença entre IPCA e IPCA-E?

O IPCA é a medida da variação dos preços mais conhecida no Brasil. Além dele, há outros índices que possuem o mesmo objetivo, mas com metodologias diferentes, como é o caso do IPCA-E (Índice de Preços ao Consumidor Amplo-Especial). 

Basicamente, esse outro indicador é uma série especial do IPCA que é divulgada pelo IBGE a cada três meses. 

A principal diferença entre o IPCA-E e o IPCA é que o cálculo é feito com base no IPCA-15 do período de referência. Nos próximos tópicos, vamos detalhar mais sobre este outro tipo de medida da inflação.

Para você ter ideia, o IPCA-E acumulado em 2019 foi de 3,91% – ligeiramente abaixo do IPCA, que finalizou o ano anterior em 4,31%.

De acordo com a finalidade de uso, esta diferença pode ser crucial na precificação de uma dívida, em investimento ou em taxas de juros cobradas.

Como é Calculado o IPCA Hoje em 2020

O índice IPCA é calculado com base em uma cesta que considera cerca de 350 diferentes itens

A taxa IPCA reflete o custo de vida para famílias com renda de 1 a 40 salários mínimos residentes em regiões metropolitanas e alguns municípios.

No cálculo, cada um dos componentes têm o seguinte peso – atualizado pelo IBGE para 2020:

São Paulo32,32%
Belo Horizonte9,74%
Rio de Janeiro9,41%
Porto Alegre 8,59%
Curitiba 8,05%
Salvador5,99%
Goiânia4,16%
Brasília4,09%
Recife 3,93%
Belém3,91%
Fortaleza3,22%
Vitória1,86%
São Luis1,62%
Campo Grande1,51%
Aracaju1,02%
Rio Branco0,51%

Peso de cada região sobre o cálculo do IPCA – Fonte: IBGE

A coleta de dados para o cálculo do IPCA vai do dia 1º ao dia 30 ou 31 de cada mês, contemplando setores do comércio, prestadores de serviços, domicílios (para verificar valores de aluguel) e concessionárias de serviços públicos.

Os preços obtidos na pesquisa retratam pagamentos à vista nas seguintes categorias e suas respectivas participações:

Tipo de gastoPeso
Transportes20,8377%
Alimentação e bebidas18,988%
Habitação15,1593%
Saúde e cuidados pessoais13,4575%
Despesas pessoais10,5972%
Comunicação6,1859%
Educação5,9519%
Vestuário4,801%
Artigos de residência4,0215%

Peso de cada setor sobre o cálculo do IPCA – Fonte: IBGE

IPCA e a Inflação Acumulada

Além do IPCA, calculado e divulgado mensalmente, há outras formas de mensurar o efeito do sobe e desce dos preços em um determinado período. E a chamada inflação acumulada é uma delas.

Essa análise dá um passo atrás para avaliar as possíveis consequências da oscilação que acontece nos preços em longo prazo.

Assim, o IPCA acumulado nada mais é do que a soma das taxas de inflação registradas dentro de um determinado período.

Pode ser ao longo de um ano fiscal (de janeiro a dezembro) ou relativo a um período qualquer de 12 meses consecutivos, como de março de 2019 a fevereiro de 2020, por exemplo.

Como Calcular o IPCA Acumulado em 2020?

Como  vimos, o IPCA acumulado consiste na média dos IPCAs dos meses considerados. Por se tratar de uma taxa de juros, ele é uma média ponderada.

Mas há uma forma de saber o seu resultado de forma rápida e eficiente, que é através da Calculadora do Cidadão do Banco Central (BC). 

Assim, basta selecionar o índice de interesse (nesse caso, o IPCA), definir o período de interesse, por exemplo, de 01/18 até 05/18.

Agora, é preciso informar o valor a ser corrigido. Digamos que seja R$ 100,00. O resultado foi de 1,79%, ou seja, nestes 5 meses, o acumulado foi de 0,79% real. 

IPCA hoje e dos Últimos 12 Meses? [Tabela]

Divulgado pelo IBGE sempre entre a primeira e a segunda semana de todos os meses, o IPCA fechou dezembro de 2019 em alta, marcando 1,15%, contra 0,51% de novembro.

O acumulado do ano chegou a 4,31%, que é o maior percentual registrado desde 2016.

Confira abaixo os índices de IPCA mensais e acumulados ao longo dos últimos 12 meses.

Mês

IPCA mensal (%)

IPCA acumulado (%)

Dezembro/2019

1,15

4,31

Novembro/2019

0,51

3,27

Outubro/2019

0,10

2,54

Setembro/2019

-0,04

2,89

Agosto/2019

0,11

3,43

Julho/2019

0,19

3,22

Junho/2019

0,01

3,37

Maio/2019

0,13

4,66

Abril/2019

0,57

4,94

Março/2019

0,75

4,58

Fevereiro/2019

0,43

3,89

Janeiro/2019

0,32

3,78

Histórico do IPCA nos últimos 12 meses – Fonte: IBGE

Note que, no período de 12 meses, os índices mensais foram pequenos. Inclusive, no mês de setembro de 2019, o IPCA fechou em deflação, ou seja, o seu dinheiro valorizou 0,04%. 

O que Significam as Altas e Baixas no IPCA?

Cédula de R$100,00 desenhado com fiz na lousa preta
Entenda o que é ICPA e ICPA-E e entenda tudo sobre a variação dos preços.

Cem reais de hoje não são os mesmos cem reais de um ano atrás.

Em termos práticos, quando o IPCA sobe, os itens de consumo do dia a dia costumam sofrer uma elevação de preço, gerando a inflação no período.

Esse é um pesadelo para brasileiros com lembrança de 1990 a 1994, quando houve a hiperinflação.

A média anual nesse período chegou a 499,2%, segundo matéria do G1. O dinheiro oscilava muito, podendo perder valor muito rápido. Um fogão de brinquedo poderia custar mais do que um de verdade, por exemplo.

De manhã, a comida tinha um valor. À tarde, outro.

Era comum nesse tempo pagar e receber em dólar, dada a sua estabilidade. Muitos hábitos de hoje, como as compras do mês, nasceram nessa época.

Via de regra, quando o IPCA sobe, é preciso de mais dinheiro para poder comprar a mesma coisa, ou seja, cai o poder de compra. Por isso, costuma-se ajustar o salário mínimo e as remunerações. É uma tentativa de equilibrar a balança.

Caso no mês seguinte o índice seja menor, não significa que haverá redução nos preços, a deflação. Na verdade, isto representa que os preços subiram menos do que no mês anterior.

Somente se o IPCA for negativo é que teremos deflação, ou seja, a diminuição nos preços

O que Faz os Preços e o IPCA Subirem?

O Estado é um dos principais desencadeadores da inflação

Como você já deve ter percebido, o IPCA oscila mensalmente. De acordo com ele, os produtos e serviços podem ser reajustados, ou seja, é uma verdadeira bola de neve. 

Isso pode parecer confuso. Afinal, quem alimenta quem

Primeiramente, os produtos e serviços são precificados pela lei da oferta e demanda. Isto é, se algo tem muita procura, mas pouca disponibilidade, o preço dele sobe. Do contrário, ele tende a cair. 

Como o IPCA é calculado com base em uma cesta com cerca de 350 itens, a variação é causada por fatores como resultado de safras, cotação do dólar, clima, custos de produção e de mão de obra. 

Portanto, esse indicador é apenas uma média do quanto o seu dinheiro valorizou ou desvalorizou no período. Provavelmente, haverão produtos que não sofreram muita oscilação de preços.

Outro fator que também leva à alta do IPCA é a quantidade de dinheiro em circulação. Quando a economia está muito bem, com alto consumo e renda, terá mais moeda no mercado. 

Caso essa quantia não seja controlada, o valor do IPCA geral deve cair, ou seja, o dinheiro perde poder de compra. 

Por isso, o Banco Central estipula a meta de inflação. Através dela, ele utiliza mecanismos de controle para conter o avanço dessa desvalorização. Nos próximos tópicos, vamos explicar este controle funciona. 

Quais são as causas da inflação?

A economia segue uma dinâmica própria e bastante complexa, com oscilações que podem ser respostas a situações sociais, financeiras, geográficas, desastres climáticos, decisões políticas, entre outros fatores.

Por isso, é difícil apontar com certeza a causa da inflação de maneira universal, sem analisarmos antes o contexto por trás de uma possível alta.

De modo geral, existem seis cadeias de acontecimentos que podem causar aumentar os preços. São elas:

  • Desequilíbrio dos gastos públicos
  • Cartéis empresariais
  • Inércia do cenário econômico
  • Aumento nos custos de produção
  • Baixas na produção 
  • Ajustes de indexação.

Quando o governo injeta mais dinheiro na economia – seja pela impressão de novas cédulas ou por facilitar a concessão de crédito -, a demanda acaba ultrapassando a oferta e a moeda passa a valer menos.

Esse desequilíbrio dos gastos públicos acaba causando uma alta nos preços.

Ainda, a inércia na economia pode levar empresas a acreditarem que um aumento na inflação está por vir – fazendo com que os preços aumentem preventivamente.

A alta nos preços dos produtos pode vir também de fatores econômicos externos, como a menor importação de insumos, por exemplo, e impulsionar uma alta geral nos preços.

Pode ser que, por fatores climáticos, a safra de soja necessária para diversos produtos alimentícios seja muito menor do que o esperado – e uma baixa na produção que causa alta nos preços.

Por fim, é importante lembrar que o IPCA acumulado de um ano geralmente serve como guia para o planejamento do próximo ano fiscal.

Dessa forma, uma grande inflação no ano anterior acaba levando as empresas a aumentarem seus preços no novo ano.

Retrospectiva do IPCA em 2019 e Previsões do IPCA para 2020

Como destacamos antes, em 2019, o índice de inflação no Brasil acumulou variação de 4,31%, segundo o IPCA.

O valor é maior em 0,56% do que o registrado no ano de 2018 e fica acima também da meta de 4,25% estipulada pelo Banco Central para o ano.

Dentre os nove grupos de produtos e serviços monitorados para o cálculo do índice, o que sofreu maior variação durante o ano de 2019 foi o de alimentação e bebidas, com alta de 3,38%.

Ainda, o número divulgado sobre o mês de dezembro (1,15%) foi o maior para o período desde 2002, ano que foi registrada uma taxa de 2,1%.

Para 2020, a previsão do Banco Central aponta para um IPCA com alta acumulada de 3,7%.

Essa projeção parte da ideia de que a taxa de juros (Selic) deve continuar estável, em torno de 5% ao ano, e a taxa de câmbio posicionando o dólar por volta de R$ 4,20.

Todos os dados fazem parte do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado pelo Banco Central.

Relembre a Tabela IPCA de 2018

Em 2018, a inflação acumulada foi de 3,75%.

O resultado foi 0,8 ponto percentual acima dos 2,95% registrados em 2017. 

Veja na tabela abaixo a evolução do índice IPCA ao longo de 2018:

Mês

IPCA mensal (%)

IPCA acumulado (%)

Dezembro/2018

0,15

3,75

Novembro/2018

-0,21

4,05

Outubro/2018

0,45

4,56

Setembro/2018

0,48

4,53

Agosto/2018

-0,09

4,19

Julho/2018

0,33

4,48

Junho/2018

1,26

4,39

Maio/2018

0,40

2,86

Abril/2018

0,22

2,76

Março/2018

0,09

2,68

Fevereiro/2018

0,32

2,84

Janeiro/2018

0,29

2,86

Histórico do IPCA em 2018 – Fonte: IBGE

Outros Índices e sua Relação com o IPCA

O IPCA não está sozinho. Muitas vezes, ele é influenciado por outros índices ou possui indicadores subjacentes, que são utilizados como fator de comparação ou para precificar outras áreas, como aluguéis e os juros base da economia.

Como investidor e consumidor, é fundamental estar atento para evitar as ciladas da inflação e para saber para onde o seu dinheiro está indo. 

Conheça agora outros índices relacionados ao IPCA:

IPCA X Selic (taxa básica de juros)

A partir do IPCA, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) verifica se o Governo Federal atingiu ou não as metas de inflação.

De acordo com o resultado do IPCA, o Copom pode baixar, manter ou elevar a taxa de juros do Brasil – a taxa Selic. Essa taxa define quanto o Governo pagará de juros ao pegar dinheiro emprestado do mercado.

A taxa Selic é o principal mecanismo de controle do IPCA no Brasil. Portanto, quando há muito dinheiro em circulação, ela sobe, com o objetivo de frear a inflação. 

Quando esse índice cai, pode-se entender que o BC ofereceu um incentivo para aumentar o consumo. Assim, as demais taxas de juros tendem a baixar. 

Um exemplo disso é a taxa Selic atual, que está em 4,5%. Após chegar a este patamar, diversas linhas de crédito tiveram os seus juros reduzidos e também as opções de financiamentos aumentaram. 

Como o IGPM afeta o IPCA?

O Índice Geral de Preços do Mercado, ou IGPM, é um indicador estabelecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O objetivo de cálculo é o mesmo: medir a variação dos preços ao consumidor final. 

Basicamente, esse índice tem influência sobre o IPCA, no sentido de que ele é a taxa principal para o reajuste e precificação dos aluguéis. 

Então, se ele subir, os valores dos aluguéis também devem acompanhá-lo. Por entrar no cálculo do IPCA, este tende a aumentar. 

IPCA X INPC – Diferenças

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) também é calculado mensalmente pelo IBGE, com diversos itens também monitorados pelo IPCA.

Sua principal diferença é que ele considera famílias com renda de até 5 salários mínimos mensais, ou seja, o comportamento dos preços para as famílias com menor poder aquisitivo.

Assim, o INPC é utilizado para reajustes salariais, que é um fator muito importante para a classe dos trabalhadores. 

O que é o IPCA-15?

O IPCA tem um primo, o “IPCA-15”, que nada mais é do que uma prévia do IPCA.

Ele é utilizado para o reajuste do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Ao contrário do IPCA, ele é medido a partir do meio do mês, do dia 16 ao dia 15 do mês seguinte.

Principais Investimentos Ligados ao IPCA

Mulher e homem conversando sobre algo no computador
Entenda os investimentos afetados pelo IPCA e saiba onde investir com segurança!

A melhor maneira de se proteger da inflação é investindo em ativos atrelados ao IPCA.

Todos os investimentos são afetados pelo IPCA.

Afinal, você, como investidor brasileiro, precisa garantir que a sua rentabilidade seja pelo menos superior à inflação do período.

O ganho real, ou seja, deduzida a inflação, taxas e tributos, precisa ser calculado na compra de qualquer ativo. Imagine conseguir um ótimo investimento, mas que, no final, fazendo as contas, faz você perder dinheiro?

Esse é o caso da poupança. Antes, a rainha dos investimentos. Hoje, o bicho papão dos aportes.

Colocar dinheiro na caderneta é sofrer mordidas da inflação diariamente e ter o patrimônio corroído.

Todo o investimento precisa, no mínimo, acompanhar a inflação para garantir o seu poder de compra.

Veja alguns ativos que são afetados positivamente pela alta do IPCA. 

Tesouro Direto

Entre as opções do Tesouro Direto, o Tesouro Selic é o título público mais popular por sua segurança e rentabilidade, fazendo com que diversos investidores troquem a poupança e até outros investimentos.

A segurança se deve ao Tesouro Nacional, que emite os títulos. Dessa forma, ao investir no Tesouro, você estará emprestando dinheiro ao Governo. E, assim, é praticamente impossível ficar sem receber juros por isso. 

Existe uma variedade de títulos do Tesouro, mas vamos nos ater ao Tesouro Selic e ao Tesouro IPCA+.

O Tesouro Selic traz rendimentos de acordo com a taxa básica de juros, enquanto o IPCA+ paga o índice no período acrescido de uma taxa fixada

Ambos são ótimos e podem ser utilizados para curto prazo. O Tesouro Selic tem vantagem por sua liquidez diária.

Fundos de Investimento

Outra ótima aplicação, que pode seguir os índices macroeconômicos, são os fundos de Investimento, que destinam a maior parte do capital em renda fixa.

Eles funcionam como um condomínio, no qual diversos investidores confiam o seu patrimônio a um administrador, que faz a gestão e alocação do capital.

Existem diversos tipos de fundos, mas, em geral, eles buscam retornos acima do CDI. Trata-se de um investimento conversador, de baixo risco.

A taxa de administração costuma ser baixa e conta-se com a vantagem de uma gestão profissional.

Letra de Crédito Imobiliário (LCI)

As LCIs são muito semelhantes aos CDBs dos bancos. Eles são títulos emitidos pelas instituições para dar créditos a segmentos específicos, como o imobiliário nesse caso.

Assim como os Certificados de Depósito Bancário (CDBs), o seu rendimento é baseado no CDI, um índice que costuma seguir de perto a Selic.

O CDI é o índice de juros que um banco paga ao outro quando pega dinheiro emprestado para fechar o seu caixa. Essa é uma operação que acontece diariamente.

Dica para começar a investir
Está começando a investir e tem dúvidas sobre o que fazer? Temos uma dica: o Rico+ Primeiros Passos. Ele é um novo modelo de aprendizado que te ajuda a evoluir de pouquinho em pouquinho.

Aprenda a investir com jogos, trilhas de conteúdos e vídeos de maneira simples e fácil! 

Saiba mais sobre o Rico+ Primeiros Passos.

Conhecer o Rico+ Primeiros Passos

Descobriu como o IPCA afeta seus Investimentos?

Acompanhar o índice IPCA é crucial para o seu planejamento financeiro, seja para guardar ou investir dinheiro.

Em resumo, o IPCA é o índice da inflação.

Ele afeta os brasileiros historicamente e, por isso, quem possuir um patrimônio depositado na poupança, precisa modernizar suas formas de investir.

Outra ideia de investimento incerto é a da casa própria. Se você está comprando um imóvel para morar, tenha certeza que está adquirindo um passivo. Principalmente se está financiando o imóvel.

Assim, gera custos como o de manutenção e tributos, além de imobilizar grande parte do seu capital.

Já o ativo é aquilo que traz dinheiro sem esforço para você, como uma aplicação financeira.

Aprenda a investir em conjunto com o IPCA, alocando recursos em ativos que tragam um retorno real.

Se você quer atingir os seus objetivos, é fundamental fazer o seu dinheiro trabalhar para você. Transforme a inflação de vilão para um aliado.

Para isso, você só precisa abrir a sua conta na Rico agora mesmo. Aqui, você encontrará as melhores alternativas do mercado e ainda contará com todo o suporte do nosso time.

Gostou deste artigo? Tem alguma dúvida sobre o que é IPCA? Deixe seu comentário!

Saiba tudo sobre esses produtos de investimento em nosso blog:

Obrigado por ler até aqui!


janeiro 13, 2020

Metas: como criar e alcançar (+ exemplos)  

Você já tem suas metas de vida para 2021? Este é um excelente momento para trabalhar na definição delas, ou mesmo na revisão e ajustes para ter um ano de sucesso.

Por isso, você deve traçar objetivos possíveis e o mais importante: criar um planejamento detalhado. Esse será o seu mapa para as realizações ao longo do ano.

As metas são uma forma de nos motivarmos a sair da zona de conforto e ir muito além do que imaginávamos inicialmente. 

O que você deseja para 2021?

Ao ter em mente o que você quer realizar no ano, aumentam as possibilidades de ter um período mais próspero e com bons resultados.

Muitas vezes, as metas dependem de dinheiro para a realização. Então, começar a investir e diversificar suas aplicações, para quem já investe, são os melhores caminhos. 

Para auxiliar você nessa tarefa, preparamos um artigo completo, no qual você vai aprender: 

Se tiver qualquer dúvida, deixe um comentário no final da página.

Quer começar a investir em 2021? Então conheça as melhores aplicações 

Boa leitura!

O Que Exatamente São Metas?

O ano está começando e, nesse período, as pessoas costumam estabelecer metas. 

Mudar de emprego, comprar uma casa ou um carro, perder peso, começar a investir

Todos são exemplos de metas.

Mas o que será que elas significam?

Uma meta é um objetivo de maneira quantificada. Isso quer dizer que as metas são temporais e estão, necessariamente, ligadas a prazos. 

Basicamente, uma meta é uma tarefa específica que você deve fazer se deseja atingir um objetivo. 

Quer ver só um exemplo de como são conceitos diferentes, mas que se complementam?

Se você quer se aposentar em 2050, recebendo um valor determinado, deve estabelecer inicialmente uma meta para começar a guardar dinheiro. 

Talvez apenas poupar não seja suficiente e seu objetivo exija também investir em produtos conservadores, como títulos públicos e outros de renda fixa – o que se configura como uma nova meta.

Dependendo do seu perfil de investidor, talvez haja ainda outra meta, a de investir em produtos de renda variável, como ações, para fazer seu patrimônio aumentar mais rápido.

Observe que o objetivo é um só: se aposentar em 2050.

Mas as metas até ele são várias.

Quais são as suas para este ano que se inicia? Já tem uma lista pronta?

Você Tem Uma Lista de Metas Para 2021?

Você tem ideias de metas para 2021?

O novo ano chegou e é hora de definir o que deseja realizar. Afinal, saber aonde você quer chegar é muito importante

Reserve ao menos uma hora do seu tempo para estabelecer o que você quer alcançar. Fica muito mais fácil fazer isso a partir de um caminho bem delineado. 

Entre as resoluções mais recorrentes estão: economizar e investir. Se essas também são suas metas para 2021, chegou o momento de tirá-las do papel. 

Esses são objetivos fundamentais para alcançar os demais sonhos, além de ter um futuro muito melhor.

Ainda não tem ideias de metas? Não sabe por onde começar a sua lista para 2021?

Fique tranquilo.

A partir de agora, vamos mostrar como você pode estabelecer os seus objetivos de forma simples e eficiente.

O primeiro passo é dar a largada agora mesmo!

Por que Estabelecer Metas e Objetivos para 2021 é Importante

Família feliz
Os sonhos são fundamentais para o crescimento pessoal e profissional

Metas e objetivos são a base para você saber aonde quer chegar e para se manter motivado durante o caminho que liga a realidade até os sonhos. 

Eles são fundamentais para a construção da sua vida. Se você parar para pensar, suas atitudes são influenciadas pelos seus sonhos.  

Tenha em mente que a vida é como um barco a velas: definir um caminho e ajustar as velas sempre que for possível é imprescindível para chegar ao destino definido. 

Então, estabeleça as suas metas para 2021 e não tenha medo de mudar as estratégias quando for preciso.

Lembre-se de que é possível velejar sob qualquer condição – o importante é saber controlar as velas do seu barco e conhecer o seu destino final.

Como Definir suas Metas para 2021

Agora que você já conhece a importância de ter objetivos, chegou a hora de saber como definir as suas metas para 2021. 

O primeiro passo é fazer um planejamento. Ele pode ser feito em um papel ou no formato de planilhas. O importante é definir cada um dos seus sonhos. 

Tenha em mente que os seus objetivos devem ser realizáveis. Dessa forma, eles ficarão mais próximos de acontecer.

Não adianta colocar metas muito complicadas. 

Uma ótima dica é estabelecer todos os passos até realizar a sua meta.

Por exemplo, se o seu sonho é viajar para os Estados Unidos, você pode traçar como metas:

  1. Tirar passaporte e visto
  2. Aplicar R$ 500 por mês para cobrir os custos da viagem
  3. Fazer de aulas de inglês para aproveitar melhor as férias.

Viu como essas metas são bem mais concretas do que apenas ‘viajar para os EUA’?  

A próxima etapa é separar as suas metas para 2021 de acordo com o tempo para a realização em: curto, médio e longo prazos. Se possível, tenha uma previsão de data para conclusão.

Uma das formas de aumentar o foco da sua lista é eleger até cinco objetivos para cada uma das categorias. Dessa forma, ficará mais fácil de tirá-los do papel. 

Outro ponto fundamental é ter muita clareza ao definir os caminhos para as suas metas para 2021.

A maioria das pessoas não cumpre com as resoluções de ano novo porque não sabe por onde começar. 

A partir do momento que você traça um ponto de partida, os próximos passos ficarão muito mais nítidos.

Considere também que, para realizar os seus sonhos, será preciso abrir mão de algumas coisas.

Lembre que é isso temporário e logo você poderá retomar boa parte delas. Então, utilize esse fator como parte da sua motivação. 

Agora, vamos abordar em detalhes cada uma das etapas para você definir metas para 2021 e trabalhar em prol da realização de cada uma delas. 

Defina um prazo

Como dissemos antes, uma meta deve estar relacionada a um prazo e, por isso, definir uma data para alcançá-la é muito importante. 

Quando você faz isso, fica mais fácil manter o foco e acompanhar seus resultados para chegar aonde você deseja. 

Voltando ao nosso exemplo da aposentadoria em 2050, você pode ter a meta de poupar R$ 1.000 a cada mês e define que precisa alcançar esse valor em um ano.

Sem esse prazo, você poderia se sentir ansioso e frustrado ou, pior ainda, descomprometido com a meta.

Mas está lá no seu calendário agora: dentro de 12 meses, você vai passar a guardar R$ 1.000 a cada 30 dias.

Importante: seja muito realista e não crie metas inviáveis, o que nos leva à próxima dica.

Metas devem ser realistas e específicas

Uma meta deve ser realista e específica. 

Você pode, por exemplo, estabelecer a meta de investir mensalmente 20% do seu rendimento, mas é importante avaliar se isso é realmente viável.

Não adianta estabelecer uma meta que você não vai conseguir cumprir ou que vá causar problemas no seu orçamento

Então, na hora de definir o seu propósito, faça uma boa avaliação e veja se realmente é viável. 

Além disso, seja muito específico e tente sempre cumprir o que foi proposto.

Acredite: é bem diferente definir a meta de investir o que sobrar ou investir 10% do que ganha.

Isso vai te ajudar a se manter focado e não se perder no caminho. 

Você pode ter metas diferentes para cada área da sua vida

As metas são o passo para você chegar a um objetivo maior, mas isso não é restrito ao lado financeiro. 

Você pode ter metas diferentes para cada área da sua vida. 

Para ficar mais fácil, você pode dividir as sua metas nos âmbitos financeiro, pessoal e profissional, entre outros.

Por exemplo, você pode definir que vai começar a fazer um novo curso, desenvolver uma uma nova  habilidade artística, fazer academia, se planejar para aposentadoria, entre outras possibilidades. 

É importante ter metas para cada área da vida, mas não se esqueça de estabelecer prioridades. 

Isso não quer dizer que você tenha que deixar um lado da sua vida de lado, mas tente avaliar o que é mais importante nesse momento.

Assim, vai ser mais fácil alcançar todos os seus objetivos ao longo dos anos. 

Estabeleça prioridades para sua metas em 2021

Como dissemos, é muito importante definir o que deve ser feito primeiro. Ou seja, por onde vai começar. 

Mas tenha calma, pois você não precisa ter todas as metas já definidas nos primeiros dias do ano. 

Pense um pouco e anote tudo que vier à cabeça.

Pode usar papel, planilha, aplicativo de celular, enfim. 

Depois, avalie o que é mais importante neste momento.

O ideal é tentar definir uma lista pequena ou reduzi-la até atingir três metas. 

Assim, será mais fácil manter o foco e não se perder em meio a tudo que planejou. 

Determine estratégias para alcançar as metas

Você já definiu suas metas? Se sim, isso quer dizer você já sabe aonde quer chegar, certo? 

Ótimo! 

Agora, você precisa pensar em como vai chegar lá

Esse passo pode parecer bastante óbvio, mas não pensar em uma estratégia para alcançar as metas é um erro muito comum.

Voltemos a um exemplo que já apresentamos para que você possa entender melhor.

Então, você definiu como meta investir 10% do que ganha.

Para isso, não basta simplesmente reservar a quantia que corresponde a esse percentual.

O caminho até o investimento exige ações de controle financeiro: conhecer o que ganha, cortar gastos que não são necessários e economizar no dia a dia.

Entendeu o conceito de estratégia?

Tudo bem se você ainda não pensou nisso, porém, agora que já sabe que esse passo é muito importante, deve começar a trabalhar.

Exemplos de Metas de Vida

Ainda está em dúvida sobre quais suas metas para 2021? A gente pode ajudar!

Cada um de nós pode ter metas pessoais diferentes, a depender do modo de vida e do momento atual. 

Porém, algumas delas são mais recorrentes nas listas de resoluções de ano novo.

Então, como a parte mais difícil é dar o primeiro passo, resolvemos trazer dicas para você começar agora mesmo. 

Acompanhe alguns exemplos comuns de metas para 2021:

1. Comprar um imóvel

A maioria das pessoas tem o sonho de ter o imóvel próprio, principalmente pela segurança e conforto para toda a família. 

Para realizar esse objetivo, é fundamental fazer um planejamento financeiro.

A partir dele, você vai saber o quanto é preciso economizar mensalmente e o período necessário para juntar todo o dinheiro

Um dos pontos importantes é definir o tipo de imóvel, localização, modo de pagamento e como será a vida da sua família depois do imóvel pronto. 

Assim, você estará mais preparado para enfrentar todas as situações e se manter focado na sua lista de metas e sonhos para 2021.

2. Planejar a aposentadoria

A aposentadoria é um dos objetivos mais importantes das nossas vidas. Este é o fim da longa jornada de trabalho e início de um período de tranquilidade. 

Então, esta é uma meta para 2021 que requer organização e ter em mãos boas reservas financeiras.

Se você está começando agora e visa o longo prazo, os resultados serão ainda melhores. 

Inicie com um mapeamento das suas finanças e separe mensalmente uma quantia para ser poupada.

O ideal é fazer o cálculo do quanto você quer usufruir no futuro.

Evite falhar com os depósitos, pois eles aumentam a distância entre você e o seu sonho. 

Quer ter mais dinheiro ainda?

Então, invista o dinheiro destinado à sua aposentadoria.

Assim, será possível multiplicar o seu patrimônio de forma segura.

Além disso, há investimentos com liquidez diária, possibilitando viver de renda. 

3. Fazer uma viagem

Entre as metas para 2021 mais comuns está fazer uma viagem.

Seja ela para perto ou longe, você precisa se planejar antecipadamente

Caso você esteja pensando em viajar no final do ano ou quer conhecer um destino internacional em 2021, este é o momento ideal para entender como se organizar. 

Ao planejar com antecedência, você consegue preços muito mais atrativos e as melhores oportunidades de hospedagem.

Comece com a pesquisa sobre o destino e faça o levantamento dos valores necessários.

A partir disso, estabeleça o quanto deve ser economizado de acordo com o tempo até a data escolhida.

Tenha foco e guarde o valor em um local inacessível, para não cair na tentação de gastar.  Melhor ainda se aplicar o dinheiro poupado em um investimento conservador, com boa liquidez, a exemplo do Tesouro Selic.

4. Sair do vermelho

Você sabia que no Brasil há mais de 58 milhões de inadimplentes?

Se você está na mesma situação,  sair do vermelho deve ser uma das metas para 2021 para alcançar com prioridade. 

As dívidas impedem que você enriqueça, então, é necessário eliminá-las o quanto antes.

Para isso, é preciso fazer um planejamento financeiro caprichado. 

Com ele em mãos, chame os seus credores e negocie uma parcela que encaixe no seu orçamento.

E, depois de renegociar, não deixe de pagar!

5. Ficar rico

Esta é uma das metas para 2021 mais presentes nas listas. Saiba que é possível para todas as pessoas, basta ter disciplina e persistência. 

Assim como os demais objetivos, ficar rico exige planejamento e controle financeiro – são hábitos dos homens mais bem-sucedidos do mundo

Defina o valor almejado e o quanto é necessário economizar mensalmente para atingi-lo, mas faça isso de maneira saudável. 

Uma das maneiras de enriquecer sem abrir mão de viver bem é investindo o seu dinheiro.

Ao aplicá-lo, você chegará muito mais rápido ao montante desejado, com a possibilidade de viver de renda!

Que tal começar agora mesmo?

4 Estratégias para Atingir Metas de Vida

Quem quer alcançar metas de vida precisa ter estratégias para garantir que está trabalhando no sentido correto.

Confira abaixo três dicas importantes para te ajudar a conquistar aquilo que você sempre sonhou.

1. Definindo o que é prioridade

Uma das habilidades principais para quem quer conquistar metas é ser capaz de priorizar suas atividades na ordem do dia.

De nada adianta desenvolver hoje os detalhes de um projeto que só poderão ser executados no futuro.

É preciso entender o lugar de cada coisa para se certificar de que o seu foco está naquilo que realmente importa.

2. Mantendo o foco

Falando em foco, um grande vilão de quem quer alcançar metas é a distração com questões supérfluas ou que vão acabar se resolvendo sozinhas.

Mantenha sua mente limpa e o foco ajustado para ter sua meta em mente em todas as etapas – do planejamento à execução.

Além de servir para alinhar suas ações, o foco traz também mais motivação para o cotidiano.

3. Desenvolvendo a adaptabilidade

Sabemos que nem sempre a execução do plano sai conforme o planejado.

Por isso, é importante ser capaz de se adaptar às circunstâncias que a vida traz para o seu caminho.

Indivíduos adaptáveis conseguem se moldar para atender às demandas conforme elas aparecem, pois aprendem a lidar conforme as circunstâncias de cada momento.

4. Construindo um planejamento financeiro

Ainda que você consiga negociar um bom aumento salarial, ele será pouco útil se você for incapaz de gerenciar a renda maior.

Você pode ganhar o maior salário de toda a empresa, mas, sem um planejamento financeiro para lidar com o dinheiro com responsabilidade, tende a viver igualmente endividado.

Controle tudo que entra e sai dentro em cada mês e busque sempre poupar uma parte dos seus rendimentos para criar um fundo de emergência.

Como Ganhar Mais Dinheiro e Alcançar as Metas Financeiras em 2021

Como você viu no tópico anterior, boa parte das metas para 2021 dependem de dinheiro para a sua realização.

Mas nem sempre o orçamento da casa permite que se economize grande parte dele. Assim, o valor poupado mês a mês pode ser baixo. 

Então, a alternativa é aumentar os seus rendimentos.

E há diversas formas para fazer isso. Para ajudá-lo, separamos algumas dicas.

Confira a lista!

Emprego

No seu emprego, é possível encontrar algumas formas de ganhar mais dinheiro, a exemplo de:

De acordo com as suas metas para 2021, considere as alternativas acima.

Muitas vezes, essa pode ser uma boa oportunidade de melhorar de vida. 

Renda extra

Hoje, ter uma renda extra é uma excelente alternativa para ganhar mais dinheiro sem abrir mão do seu emprego atual ou fazer grandes mudanças de rotina. 

Você pode investir em um hobby, como cozinhar ou dar aulas de música.

Há muitas pessoas que procuram por esses tipos de serviços ou produtos.

Abrir o seu negócio também é uma opção de renda extra.

Dependendo do porte, os valores de investimento são baixos e você pode ganhar muito dinheiro. 

Investir

Investir é a melhor forma de ganhar mais dinheiro e realizar as suas metas de vida em 2021.

Hoje, há diversos tipos de aplicações voltadas para os mais diversos perfis de investidores. 

Apesar de muitas pessoas acharem que o mercado financeiro é um bicho de sete cabeças, você vai perceber que essa é uma visão equivocada. 

Ao investir o seu dinheiro, é possível aumentar o seu patrimônio de forma segura e consistente.

Você pode começar mesmo com pouco dinheiro. Vamos mostrar como ainda neste texto!

Ações que podem auxiliar suas metas de vida

Quem quer alcançar metas de vida pode recorrer a uma série de processos, ferramentas e técnicas para se tornar uma pessoa mais organizada e focada.

Quer saber como? Confira a nossa lista de ações para ajudar você!

Assessoria de coaching

O coaching pode ser muito útil para a sua organização pessoal.

Consiste em um processo a partir do qual um indivíduo define uma meta e identifica seus pontos fortes e fracos que, respectivamente, favorecem ou atrapalham a concretização dela.

Assessoria financeira

Com foco específico no orçamento, a assessoria financeira pode ser uma saída para quem tem dificuldades em se organizar sozinho para fechar o mês no azul.

Para além do controle de gastos, um assessor pode ajudar a criar um plano com foco nas metas que você almeja para seu futuro.

Psicoterapia

De nada adianta organizar todos os aspectos técnicos de sua vida se o seu estado emocional não permite que você lide bem com as ansiedades cotidianas.

Nesse sentido, a psicoterapia é uma ferramenta poderosa de autoconhecimento.

Ao reservar um tempo para as sessões, você está investindo em si próprio.

Meditação

Muitas vezes, o nosso maior inimigo somos nós mesmos e a impulsividade que nos leva a fazer escolhas erradas.

Uma mente tranquila é capaz de pensar com mais clareza e manter o foco no que realmente importa.

Nesse sentido, pode ser interessante incorporar a meditação na sua rotina e começar o dia com a energia renovada para correr atrás de suas metas.

Frases Famosas sobre Meta de Vida

Para inspirar você, separamos algumas frases famosas que se relacionam ao universo das metas e de suas conquistas.

Acompanhe a lista:

  • “Os homens não desejam aquilo que fazem, mas os objetivos que os levam a fazer aquilo que fazem.” (Platão)
  • “O descontentamento é o primeiro passo na evolução de um homem ou de uma nação.” (Oscar Wilde)
  • “Quando estamos motivados por metas que têm significados profundos, por sonhos que precisam ser realizados, por puro amor que precisa se expressar, então nós vivemos verdadeiramente a vida.” (Greg Anderson)
  • “Sem sonhos, a vida não tem brilho. Sem metas, os sonhos não têm alicerces. Sem prioridades, os sonhos não se tornam reais. Sonhe, trace metas, estabeleça prioridades e corra riscos para executar seus sonhos. Melhor é errar por tentar do que errar por se omitir!” (Augusto Cury)
  • “O rio atinge os seus objetivos porque aprendeu a contornar os obstáculos.” (Lao-Tsé)
  • “Se você não falha em pelo menos 90% das vezes, seus objetivos não foram ambiciosos o suficiente.” (Alan Kay)

Diferença de Meta e Objetivo

A diferença fundamental entre objetivo e meta é que o primeiro termo define a linha de chegada que você almeja, enquanto o segundo descreve as atividades específicas que são necessárias para chegar até lá.

Na prática, para atingir um objetivo, você precisa ter metas de curto, médio e longo prazo – são elas que vão guiar suas ações e garantir o sucesso.

Você pode, por exemplo, ter o objetivo de ficar rico e construir metas de investimento para chegar lá.

Comece a Investir Agora Mesmo e Aprenda Como Ficar Rico

Afinal, descobriu o que você deseja para 2021? Qual é sua lista de metas pessoais?

Para realizar todas elas, mostramos que o melhor caminho é investir o seu dinheiro.

Em poucas etapas, você já se torna um investidor, podendo lucrar muito no mercado financeiro. 

O primeiro passo é abrir uma conta em uma corretora de confiança, como a Rico.

No cadastro, basta inserir os seus dados pessoais, criar um login e senha. 

Depois disso, transfira o valor desejado para o investimento do seu banco para a conta da corretora através de TED. 

Uma das etapas importantes é responder o questionário sobre o seu perfil de investidor. Ele ajudará a direcionar as alternativas de aplica