outubro 21, 2020

BDRs: mais um passo para democratização dos investimentos  

A partir de amanhã (22), o investimento em empresas globais direto pela bolsa brasileira (BDRs) será liberado a todos os investidores pessoa física, e não apenas aos investidores qualificados (aqueles que possuem mais de 1 milhão de reais investidos), como era anteriormente.

A nova regra é mais um movimento importante para democratização dos investimentos. Em um cenário de juros baixos, a migração de renda fixa para renda variável deve continuar ganhando força.

E agora, todas as pessoas poderão não só investir nas empresas listadas no Brasil, como em empresas globais, diversificando ainda mais a carteira, virando sócias de grandes negócios, e ainda com corretagem zero na Rico.

Os BDRs (Brazilian Depositary Receipts), também conhecidos como CDVM (Certificado de Depósito de Valores Mobiliários), são valores mobiliários emitidos no Brasil que representam outro valor mobiliário emitido por companhias abertas com sede no exterior.

Basicamente, os BDRs são um espelho das ações estrangeiras, refletindo a variação de preço das ações às quais estão atreladas, só que aqui no Brasil e em reais.

Hoje, há 676 BDRs listados na bolsa brasileira, como Apple (APLE34), Facebook (FBOK34), Microsoft (MSFT34), entre outros.

No caso da Apple, a ação original da empresa é negociada na Nasdaq, em dólares, sob o código AAPL. O BDR correspondente, que pode ser adquirido pelo investidor brasileiro no homebroker da Rico, é negociado sob o código AAPL34, em reais.

bdrs gráfico

No gráfico acima, você pode perceber que a ação da Apple lá fora valorizou 61% no ano, enquanto a BDR valorizou 129%. Isso porque, ao comprar BDRs, você também está exposto à variação da moeda brasileira contra o dólar: se o dólar sobe, você ganha valor, se o dólar cai, você perde valor.

E fica aqui, já a primeira “dica” de como investir em BDRs: não invista pensando em lucrar com variações do câmbio (para isso existe a compra direta de moeda ou fundos cambiais, por exemplo). O investimento em BDR é como o investimento em ações normais, que estamos acostumados. Existe uma empresa por trás, que podemos nos tornar sócios.

Por isso, muito importante entender os fundamentos da empresa, quais as perspectivas futuras, para que haja ganho com o investimento. Afinal, no longo prazo, o movimento da ação nada mais é que o reflexo dos lucros da empresa.

Outro ponto importante é a natureza da renda variável: oscilação, períodos de alta e outros de baixa. Então, não se esqueça de entender se esse tipo de investimento é coerente com o seu perfil de investidor para que você monte uma boa carteira (que pra cada um é de um jeito).

Qual a vantagem dos Bdrs?

Sem dúvida, a principal vantagem de investir em BDRs é a possibilidade de diversificar a carteira com empresas de alcance global e em setores que não existem no Brasil ou são limitados, como o de tecnologia.

Vale lembrar que a bolsa brasileira é pequena em comparação às bolsas globais. Atualmente, o Brasil possui menos de 500 companhias com ações disponíveis para negociação. Na Inglaterra, o número se aproxima de 2.000 empresas, enquanto na Ásia, destaque para a China e o Japão, que possuem quase 4.000 companhias listadas. Liderando essa corrida temos os Estados Unidos, com um número que se aproxima a 5.000 empresas.

Dúvidas sobre BDRs

 Liquidez das ações originais vs BDRs. De fato, a liquidez das BDRs é menor – o volume de transações de BDRs do Facebook (FBOK34), por exemplo, é menos de 0,5% do volume das ações originais (FB, na Nasdaq). Porém, a liquidez deve aumentar muito com o reforço de formadores de mercado para todos os papéis, o que deve comprimir spreads e melhorar a experiência de negociação. A flexibilização já implementada do lote mínimo de negociação, que era de 100 unidades e passou a ser de apenas 1 unidade, também é importante porque torna o mercado ainda mais acessível para o pequeno investidor, trazendo mais liquidez para as negociações.

O risco de investir em empresas de fora mas estando no Brasil. O risco maior seria se houvesse a implementação de um novo imposto no Brasil (que gerasse, portanto, um descolamento da variação da BDR com a variação da ação original, mas que ainda assim, você teria o ganho da valorização da ação), ou um fechamento de fronteira (caso extremo, onde o mercado ficaria disfuncional e geraria um desconto em relação ao preço justo da ação lá fora, mas que de qualquer forma você continuaria dono dela), por exemplo.

De fato, com o investimento diretamente no exterior, riscos como esses são eliminados, mas também tem outras considerações a serem feitas como a própria burocracia do processo e taxas cobradas em remessas ao exterior.

Para investir lá fora é necessário fazer uma remessa de câmbio. Ao realizar lucro da operação e trazer o dinheiro de volta (outra opção seria deixar o dinheiro lá fora caso a pessoa tenha conta), o investidor incorre em mais custos e burocracia. No caso de BDR, você não paga pela remessa de câmbio, o que é interessante para investidores que negociam com mais frequência, além de ser mais simples gerenciar todo o seu patrimônio diretamente do Brasil. De novo, o investimento em renda variável é um investimento de risco alto, por isso precisa estar coerente com o perfil de investidor.

O impacto às empresas brasileiras. De fato, estamos falando de mais opções de investimentos aos investidores e com isso aumento da competição para as ações brasileiras. No curto prazo, isso pode trazer um impacto negativo, porém a equação ainda é muito positiva aos investidores. Outro ponto muito importante é que a alocação em renda variável ainda é muito baixa no Brasil. Ou seja, há muito espaço para o investimento em bolsa. Por isso, não necessariamente, haverá pressão de venda de ações brasileiras para BDRs, mas a migração de renda fixa para renda variável, essa sim, vai continuar.


setembro 24, 2020

BDR: O que são, tipos e como investir! Descubra tudo sobre  

Para quem pensa em investir em BDR, o momento não poderia ser mais oportuno.

O ano de 2020, mais precisamente o mês de setembro, marca o início da vigência de novas regras de aplicação nos chamados Brazilian Depositary Receipts.

A deliberação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) libera os investidores do varejo para investir em ativos do exterior por meio dos recibos de ações internacionais.

Quer saber o que isso significa em termos práticos e como você é afetado?

Continue lendo para entender mais sobre os BDRs, conhecer a diferença entre seus diferentes tipos e aprender como investir nessa categoria de papéis.

Estes são os tópicos que vamos abordar a partir de agora:

Caso tenha alguma dúvida ao final, é só deixar um comentário.

Boa leitura!

O que são BDRs?

Chamamos de Brazilian Depositary Receipts – ou simplesmente BDRs – os ativos pelos quais o brasileiro pode investir em recibos que replicam as ações de mercados estrangeiros diretamente no mercado nacional.

A lógica de um investimento local que tem lastro no exterior pode parecer confusa, mas é bastante simples.

Como o nome indica, os BDRs são recibos que representam ações emitidas por empresas de fora do Brasil.

Ainda que o investidor não esteja comprando aqueles papéis diretamente, ele investe na posse por meio de certificados que estão garantidos por instituições financeiras, chamadas de custodiantes.

No Brasil, essa ponte é feita por outras instituições financeiras, estas responsáveis por emitir os BDRs no país.

A negociação dos certificados na B3, a bolsa de valores brasileira, vem depois do registro de um programa de distribuição junto à CVM, o que vai liberar a venda.

Como os Brazilian Depositary Receipts funcionam?

O BDR é considerado hoje um ótimo caminho para o investidor brasileiro interessado em aplicar em empresas estrangeiras.

Como visto, com ele, é possível investir capital em companhias de outros países diretamente no mercado local.

No entanto, quem quer aplicar capital em BDR precisa entender que o seu funcionamento tem particularidades.

Diferentemente do investimento direto em ações, os certificados podem ser mais bem comparados aos fundos que contam com ativos internacionais em sua carteira.

Por isso, o investidor que compra BDRs têm papéis de uma companhia, mas não se torna sócio dela.

Nesse caso, quem tem a posse real da ação é a empresa de custódia, e não quem investiu no certificado.

Conheça os principais tipos de BDRs

BDR conheca principais tipos

De maneira geral, os Brazilian Depositary Receipts estão classificados em dois tipos diferentes: os patrocinados e os não patrocinados.

Essa divisão é feita de acordo com a forma como os certificados são trazidos para a negociação dentro da bolsa brasileira.

Entenda melhor a seguir.

Patrocinados

Chamamos de BDRs patrocinados aqueles que têm influência direta da empresa emissora durante todo o processo.

Em geral, isso ocorre quando a companhia tem interesses específicos no mercado brasileiro e busca ativamente expandir sua presença no país.

Nesses casos, é comum que a própria emissora se encarregue de contratar uma instituição depositária para fazer a ponte.

Os BDRs patrocinados ainda se dividem em três níveis, conforme o volume de dados que serão compartilhados com os investidores e o tipo de distribuição permitida para cada um.

Nível l

No primeiro nível, os Brazilian Depositary Receipts não precisam de registro da companhia na CVM para serem negociados.

A operação, por sua vez, só pode ser realizada em mercado de balcão não organizado ou em outros ambientes da bolsa que forem especificamente criados para essa função.

Caso a distribuição seja feita por oferta pública, esse processo será realizado por “esforços restritos”.

Os BDRs patrocinados de nível I têm ainda uma limitação para o número de investidores: devem ser, no máximo, 50 indivíduos.

Quando o assunto é transparência, a regulamentação obriga que a depositária replique no mercado local todas as informações divulgadas pela emissora em seu mercado de origem – não há necessidade de converter demonstrações financeiras para o real brasileiro.

Nível ll e lll

Os BDRs patrocinados de nível II e III são bastante parecidos em suas características e, por isso, vamos apresentá-los agrupados.

Em ambos os casos, a empresa emissora precisa fazer seu registro junto à CVM para estar regularizada no mercado brasileiro.

Outra característica que os difere dos patrocinados de nível I é que os dois tipos podem ser negociados diretamente no pregão da bolsa, não havendo necessidade de criar um segmento exclusivo para sua operação.

Para garantir a transparência, exige-se que as companhias emissoras sigam as mesmas regras estabelecidas para empresas brasileiras “Categoria A”, que engloba os nomes mais conhecidos do mercado, como Petrobras, Itaú e Vale.

Para as ofertas públicas, existe uma diferença entre os dois subtipos: certificados de nível II só podem receber ofertas públicas com “esforços restritos”, enquanto, para o nível III, as ofertas públicas podem ser amplas, desde que haja registro na CVM.

Não patrocinados

A segunda categoria é dos BDRs não patrocinados, que são aqueles nos quais a iniciativa de lançar os certificados no Brasil não parte da companhia emissora, mas da instituição depositária.

Por isso, é da depositária também a responsabilidade de divulgar por aqui os balanços, relatórios e outras informações relevantes da empresa emissora.

Esse tipo de ativo compõe a maioria dos certificados de depósito disponíveis hoje na bolsa brasileira.

Com os BDRs não patrocinados, as instituições buscam mais opções de investimento para oferecer para seus clientes.

Vantagens de investir em BDR

A principal vantagem de investir em BDRs é que essa modalidade facilita muito o caminho para quem quer estar exposto a ativos no exterior.

Ainda que seja um investimento com lastro fora do país, ele é negociado na moeda local, o que elimina taxas e burocracias do processo.

Esse caminho pode ser especialmente interessante no momento atual, em que investimentos no mercado nacional não têm dado os mesmos retornos aos quais o público estava acostumado.

Nesse sentido, os certificados de depósito ampliam as opções do investidor, que pode realocar seu capital para aplicações em outros mercados.

Quais são os riscos de investir em BDR?

É claro que existe um risco associado aos investimentos em BDR, assim como acontece com qualquer outra modalidade.

Por estarem atreladas às ações, aplicações desse tipo estão sujeitas à volatilidade que é característica desse mercado.

Isso porque, quando falamos em bolsa de valores, fica impossível realizar projeções de ganhos completamente confiáveis.

O preço dos títulos se move de acordo com as oscilações da economia global e também do país no qual a empresa está sediada.

Para remediar esse mal, não existe mistério: é necessário estudar bem a companhia em que pretende investir e avaliar o seu histórico de desempenho minuciosamente para ver como os papéis têm se comportado.

A oscilação do mercado, que acabamos de destacar, pode também ter reflexos negativos no câmbio.

Ou seja, em caso de desvalorização do dólar frente o real, diminui a rentabilidade da aplicação.

Foi algo que já aconteceu em 2016, por exemplo, conforme esta reportagem do portal Valor Econômico.

Quais são os custos e tributações dos BDRs?

BDR quais sao custos tributacoes

Se você está pensando que os custos de um BDR podem ser um impeditivo para investir em ações de fora do país, não precisa se preocupar.

Os tributos e taxas dessa modalidade são, na verdade, bastante similares aos que você pagaria por uma operação com papéis brasileiros.

Isso significa que incide uma taxa de corretagem – cujo valor depende da corretora – e a taxa de custódia.

A tributação é cobrada na forma do Imposto de Renda que, nesse caso, é de 15% sobre os ganhos obtidos no período.

Vale observar que a cobrança se aplica mesmo quando os volume negociados são menores, já que não há isenção de IR até R$ 20 mil, como acontece com as ações.

Já nas situações em que existe distribuição de proventos, o valor é repassado ao investidor brasileiro seguindo as regras específicas de tributação do país de origem da ação.

Como investir em BDR?

Depois de todas essas informações e de entender os benefícios e os riscos dos BDRs, você deve estar se perguntando como pode investir.

Abaixo, separamos três dicas para que você possa fazer a melhor escolha.

Descubra o seu perfil de investidor

O primeiro passo de qualquer estratégia de investimento é justamente identificar qual é o seu perfil de investidor.

Entenda as razões que fizeram você buscar um BDR para avaliar se os seus objetivos são compatíveis com o que essa modalidade tem a oferecer.

Na internet, existem diversos testes para ajudar a responder essa pergunta, mas é no dia a dia que você pode realmente compreender quais aplicações são mais indicadas para o seu perfil.

Escolha uma corretora

Todos os Brazilian Depositary Receipts – independentemente do tipo e do nível – são negociados dentro da bolsa de valores.

Isso significa que quem quer investir nessa modalidade precisa, antes de mais nada, escolher uma corretora de confiança para representá-lo nesse ambiente.

Nesse momento, procure uma empresa sólida, como a Rico, com experiência no setor, boa reputação no mercado e taxa de corretagem zerada para BDRs.

Além disso, alguns outros pontos podem fazer a diferença nessa escolha, como a plataforma disponibilizada – o ideal é que ela seja fácil de ser usada e intuitiva – e o suporte oferecido para os clientes.

Avalie suas opções

Depois de compreender qual é o seu perfil e criar a sua conta de investimentos, é chegada a hora de finalmente avaliar as opções de aplicação.

É importante estudar bem todas as alternativas, sempre retornando ao seu perfil de investidor para cruzar os objetivos.

Nesse momento, pode ser interessante recorrer a relatórios sobre a área elaborados por especialistas do segmento.

BDRs das maiores empresas

BDR 3 melhores para investir

Para ajudar você a avaliar as opções de BDR e escolher a melhor, reunimos abaixo informações das três maiores empresas em valor de mercado que estão disponíveis para investimento nessa modalidade.

1. Apple

Diretamente de Cupertino, na Califórnia, a companhia se tornou uma das mais famosas e valiosas de todo o mundo.

A empresa de tecnologia tem hoje o valor de mercado de 2 trilhões de dólares.

No Brasil, suas ações podem ser encontradas no BDR representado pelo código AAPL34, com valor unitário de em torno de R$ 60,00 (setembro de 2020).

2. Amazon

Ainda que seja a companhia mais nova da lista, a Amazon não fica muito atrás, com um valor de mercado de aproximadamente 1 trilhão de dólares.

Sua sede administrativa fica em Seattle, mas a empresa tem diversos centros de distribuição espalhados por todo o mundo.

O BDR da Amazon é negociado no Brasil pelo código AMZO34, com valor unitário de R$ 8.595,00 (setembro de 2020).

3. Microsoft

O terceiro lugar da nossa lista vai para outro grande nome da tecnologia que dispensa apresentações.

A empresa de Bill Gates também tem sede em Seattle e ostenta hoje o valor de mercado por volta de 1 trilhão de dólares.

Por aqui, é possível investir na Microsoft pelo BDR de código MSFT34, cujo valor unitário é R$ 1.132,00 (setembro de 2020).

Os BDRs são a melhor opção para investir no exterior?

Aos poucos, os Brazilian Depositary Receipts se consolidaram no mercado como uma ótima alternativa para quem deseja diversificar sua carteira em busca de bons rendimentos.

Mas isso não significa que eles sejam o único caminho para investir no exterior.

Quando falamos nesse assunto, o mais óbvio talvez seja aplicar diretamente nos mercados de ação em outros países.

Outra forma de empregar seu capital em mercados estrangeiros é por meio dos fundos de investimentos internacionais.

Esse tipo de aplicação conta com a vantagem de ter um gestor no Brasil que será responsável por alocar os recursos entre reservas cambiais, de ouro, de ações de empresas estrangeiras e de cotas de outros fundos com lastro no exterior.

Perguntas frequentes sobre BDR

BDR perguntas frequentes sobre

Se você ainda ficou com alguma dúvida, confira abaixo as respostas para as perguntas mais frequentes sobre o tema.

Qual é o código de negociação dos BDRs?

Assim como as ações têm seus tickers, os BDRs também têm códigos que são utilizados para representá-los durante uma negociação.

Eles são formados por quatro letras, que indicam a empresa representada. A elas, são acrescidos dois números, que servem para informar se o BDR é patrocinado ou não e ainda o seu nível.

Resumidamente, é assim que os códigos de negociação de BDRs são identificados:

  • Código terminando em 32: BDRs Patrocinados Nível II
  • Código terminando em 33: BDRs Patrocinados Nível III
  • Código terminando em 34 ou 35: BDRs Não Patrocinados
  • Já os BDRs Patrocinados Nível I não têm um número fixo ao fim do código.

Antes no texto, já citamos alguns exemplos, como AAPL34 (Apple), AMZO34 (Amazon) e MSFT34 (Microsoft). Todos, portanto, são BDRs Não Patrocinados.

Qual BDR paga dividendos?

De maneira geral, todos os BDRs pagam dividendos.

Em alguns casos, porém, a empresa emissora pode ficar com uma porcentagem do valor como comissão.

O que são ADRs?

Paralelamente aos BDRs, existem também os American Depositary Receipts (ADRs).

Introduzido no mercado nos anos 1920, esse tipo de certificado permite um caminho facilitado para investidores americanos aplicarem em empresas de fora do país – brasileiras, inclusive – diretamente nas bolsas locais.

Como declarar BDR no Imposto de Renda?

De maneira geral, a declaração dos Brazilian Depositary Receipts no Imposto de Renda segue o mesmo formato de outros investimentos no mercado nacional.

Sobre os dividendos, incide ainda a alíquota de 15%.

Conclusão

Com as novas regras aprovadas pela CVM, muitos investidores têm buscado nos Brazilian Depositary Receipts um caminho para diversificar sua carteira e alcançar maior rentabilidade.

Quem pesquisa bem e conta com a ajuda de uma corretora de confiança, certamente pode se beneficiar dessa modalidade de aplicação.

Nessa hora, a Rico é sua melhor escolha.

Aproveite a corretagem ZERO e abra sua conta agora mesmo!

Continue aprendendo sobre o universo dos investimentos com estes outros artigos do nosso blog:

Obrigado por ler até aqui!