• Projeções econômicas são essenciais para investidores estarem prepararmos para o que vem adiante.
  • No mundo: inflação persiste e Bancos Centrais elevam os juros. Crescem receios de uma forte retração global.
  • No Brasil: economia cresce com estímulos e serviços, e inflação enfraquece. Mas futuro das contas públicas nos pós eleição segue principal desafio.  
  • Confira na íntegra o que esperar para a economia em outubro e não seja pego de “calças curtas”.

Não seja pego de calças curtas!

Para quem não segue o mercado tão de perto, pode parecer estranho. Mas, de tempos em tempos, economistas mundo afora se debruçam sobre modelos matemáticos, e constroem projeções para o cenário econômico. Conforme o cenário evolui, eventos acontecem, decisões políticas são tomadas, dados econômicos são divulgados, e essas projeções vão sendo refinadas, revisadas.

Os juros seguirão nessa trajetória? A inflação precisa ser revisada — para cima, para baixo? E o PIB: o país vai crescer como esperávamos há um mês ou dados e acontecimentos mudaram a nossa visão para a atividade econômica? E, claro, a clássica: e o dólar?

Projeções macroeconômicas são importantes para todo investidor pelo motivo principal de ajudar a nos prepararmos para o que vem adiante. Ou seja, não ser pego de “calças curtas”.

Isso não significa que, olhando as projeções, você saberá “o dia exato em que o dólar vai cair para entrar em um fundo internacional ou comprar todo o dinheiro para aquela viagem ao exterior”. Pois isso, infelizmente, será praticamente impossível. E sim, que você entenderá melhor as tendências da economia, que é o principal pano de fundo do cenário financeiro.

Assim, poderá pensar em como adaptar seus investimentos (ou manter tudo como está, se for o caso), pensando no seu perfil de risco e objetivos.

Com isso em mente, detalhamos abaixo nossas principais projeções macroeconômicas para este ano e o próximo.

Onde estamos? O cenário no mundo

Como te contamos em detalhes no Onde Investir desse mês, a inflação alta e os juros em elevação seguem os principais temas por trás dos movimentos de mercado no mundo.

O último mês

Do lado positivo, o cenário do mês que se encerrou foi marcado pelo fortalecimento do processo de desinflação global. Ou seja, de redução de pressões sobre os preços.

A produção e o escoamento de produtos ao redor do mundo continuam normalizando, reduzindo custos logísticos como fretes e revertendo a escassez de insumos industriais, como microchips. Ao mesmo tempo, a expectativa de que o mundo cresça menos diante de tantas incertezas reduz a pressão sobre os preços de commodities – que sinalizam estabilidade, mesmo que ainda em patamares elevados.

Esse movimento traz um alívio inicial aos preços, especialmente os relacionados a bens que sofreram muito por desequilíbrios causados pela pandemia.

Porém, mesmo com a melhora, a inflação segue muito alta para padrões históricos e frente as metas de Bancos Centrais, e a forte elevação de juros se tornou uma realidade irreversível. Com juros subindo nos Estados Unidos, Zona do Euro e outros países desenvolvidos, fica cada vez mais claro que o mundo crescerá menos.

Afinal, juros mais altos têm o objetivo de frear a inflação, mas o efeito colateral é um freio na própria economia. Além disso, a incerteza do cenário geopolítico segue presente com a continuidade da guerra entre Rússia e Ucrânia, alimentando tensões políticas domésticas especialmente na Europa, que deve enfrentar uma recessão no ano que vem. 

Enquanto isso, a China segue enfrentando impactos de ainda vigente política de covid-zero, além de desafios crescentes no setor imobiliário. Assim, o gigante asiático deve crescer menos do que o histórico recente no ano, mesmo com crescentes estímulos fiscais e monetários por parte do governo – que, na contramão do mundo, tem reforçado a queda nos juros permitida pela inflação baixa.  

Enquanto isso, no Brasil

Economia começa a perder ritmo, mas segue forte

A atividade econômica aqui no Brasil continua mostrando sinais de robustez. A força da reabertura da economia aliada aos estímulos fiscais implementados pelo governo são os principais motores por trás da performance positiva – que, por sua vez, puxam a melhora do mercado de trabalho, levando a taxa de desemprego ao menor nível desde 2015.

O movimento é mais forte no setor de serviços, responsável por 70% da nossa economia e o setor que mais emprega no país –englobando desde serviços de transporte e carga, manicures e restaurantes, até bancos e grandes eventos.

Além disso, o setor industrial também se recupera da forte queda do fim do ano passado/início desse ano, se beneficiando da normalização das cadeias de produção no mundo.

Por outro lado, a economia começa a perder força do lado do varejo. O comércio enfraqueceu nos últimos meses, em especial nas vendas de bens mais sensíveis às condições de crédito. Afinal, não podemos esquecer que nossos juros seguem bastante altos (sendo sentido aos poucos no crédito), pesando sobre o endividamento das famílias e – consequentemente – sobre o consumo de itens que exigem maior financiamento, como carros, móveis e eletrodomésticos.

Dito isso, não vemos um cenário de recessão para o Brasil – ao menos nos próximos trimestres. A confiança entre consumidores, investidores e produtores de maneira geral segue alta, e setores como a indústria extrativa e agropecuária devem seguir bastante positivos nos próximos meses.

Inflação dá fôlego

Como contamos aqui em mais detalhes, vimos mais uma vez o nosso principal indicador de inflação (o IPCA) registrar deflação no mês. Sim, você não leu errado: os preços caíram, e o IPCA no acumulado em doze meses caiu para 7,17% em setembro.

Ainda não é hora de estourar a champagne e declarar a morte da inflação por aqui. Isso porque, apesar de nesse mês a queda de preços não se dar por conta da redução de impostos (como nos anteriores), e sim refletir importantes movimentos como a queda no preço de alimentos e combustíveis, a pressão sobre os preços continua em diferentes frentes, em especial no setor de serviços – que segue fortalecido.

Mesmo assim, podemos afirmar que o pior da inflação ficou para trás, ao menos por ora. A normalização das cadeias de produção no mundo (como falamos ali em cima), o enfraquecimento do preço de commodities e o próprio efeito dos juros subindo no Brasil e no mundo têm ajudado a enfraquecer os preços além da redução de impostos.

Assim, esperamos que a inflação encerre esse ano em 5,6%, e em 5,2% no ano que vem. Mas, como sempre, vale destacar: inflação caindo não significa que os preços irão cair, e sim que eles passarão a subir mais devagar.

Risco fiscal como principal desafio pós eleições

Mas como nem tudo são rosas, a incerteza sobre o futuro das contas públicas do país reacendeu a chama do conhecido risco fiscal.

Diante das eleições presidenciais, detalhes sobre o orçamento de 2023 e, especialmente, sobre qual serão as regras fiscais dos próximos anos seguem indefinidas. O desafio é desenhar uma nova “âncora fiscal” que permita novas despesas já “prometidas” (como o Auxílio Brasil em valor elevado e o reajuste de servidores), e ao mesmo tempo indique que a dívida pública não sairá do controle nos próximos anos.

Afinal, gastos adicionais não apenas pressionam a inflação por meio do aumento da renda e do consumo hoje, como também precisam ser pagos no futuro – com mais dívida, maiores impostos ou mais emissão de “dinheiro” (no caso, inflação).

Esse aumento da percepção de risco também piora as expectativas sobre a inflação no futuro, e pode enfraquecer nossa moeda, que por sua vez bate novamente na inflação.

Para entender esse movimento que chamamos de “pass through” em economia, é só pensar: quanto mais desvalorizada a moeda, “mais dinheiro preciso para importações”, e maior a inflação.

Assim, a incerteza fiscal segue como um dos principais desafios do cenário atual.

Juros altos até ao menos metade do ano que vem

Para combater a alta de preços, o Banco Central deve seguir sua política de juros elevados. Como contamos aqui em mais detalhes,o Copom (nosso comitê de política monetária) manteve a taxa Selic inalterada em 13,75% ao ano, em sua reunião de Setembro.

Diante da inflação ainda pressionada e muita incerteza em torno da trajetória das contas públicas, entendemos que o Copom deve manter a Selic nesse patamar até meados do ano que vem – quando deve começar um processo de gradual redução da taxa.

Como investir nesse cenário?

Agora que você já está atualizado da nossa visão para a economia nos próximos meses, confira no gráfico abaixo nossas recomendações de investimento atualizadas, de acordo com o seu perfil de investidor, e algumas sugestões de ativos recomendados nesse cenário.

Vale lembrar que as recomendações sinalizadas na tabela abaixo não são as únicas possíveis, mas sim alternativas viáveis selecionadas pelos nossos especialistas para você.

Confira tudo isso em detalhes no nosso relatório “Onde Investir” – acesse aqui o desse mês!

ClasseOpção de investimentoAplicação mínima
Renda fixa pós-fixadaTrend Pós-Fixado FIC FIRFR$100,00
InflaçãoTesouro IPCA 2026R$31,27
Renda Fixa PrefixadaTesouro Prefixado 2025R$31,56
Renda Fixa GlobalTrend Crédito Global FIMR$100,00
MultimercadoSelection Multimercado FIC FIMR$100,00
Renda variável BrasilCesta de ações “No Stress” RicoN/A
Renda variável InternacionalTrend Bolsa Americana Dólar FIMR$100,00
Renda variável internacional com hedgeTrend Bolsa Americana FIMR$100,00
AlternativosTrend Commodities FIMR$100,00

Elaborado por:

Paula Zogbi, CNPI 2545

1) Este relatório de análise foi elaborado pela Rico Investimentos, que é uma marca da XP Investimentos CCTVM S.A. (“Rico”) de acordo com todas as exigências previstas na Resolução CVM nº 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A Rico não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.

2) Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor.

3) O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à Rico e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela Rico.

4) O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Resolução CVM nº 20/2021 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.

5) Os analistas da Rico estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários do Grupo XP.

6) Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.

7) A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.

8) Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Rico. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Rico.

9) SAC. 0800 774 0402. A Ouvidoria da Rico tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800-722-3730.

10) O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Rico: https://www.rico.com.vc/custos. 11) A Rico se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 

12) A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. 

13) Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor.